ÍNDIA

Um passeio pela cultura da Índia e o quanto ela foi influenciadora das mais diversas civilizações.

A Índia é o berço da humanidade, o lugar de nascença da fala humana, a mãe da história, a avó da lenda, e a grande mãe da tradição. Nossos mais valiosos e instrutivos materiais da história do homem estão entesourados na Índia, apenas.

Mark Twain
Menino com as cores da bandeira Indiana

“Índia foi a pátria-mãe da nossa raça,
E sânscrito, a mãe das línguas europeias;
Ela foi a mãe da nossa filosofia;
Mãe, através dos árabes, de grande parte da nossa matemática;
Mãe, através de Buda, dos ideais consagrados no cristianismo;
Mãe, através das suas comunidades, da auto-gestão e democracia.
Mãe Índia é, em muitos aspectos, a mãe de todos nós.”

Will Durant; Historiador Norte-americano; 1885-1981

A primeira civilização avançada começou na Índia (A Civilização Védica). Civilizações indianas também foram as primeiras a utilizar metais.

A arte da navegação nasceu no rio Sindh, há mais de 6.000 anos. A própria palavra Navegação é derivada da palavra sânscrita Navgatih.

O Xadrez foi inventado na Índia, com o nome de Chaturanga.

O sânscrito foi a língua clássica da Índia e é mais antiga que o hebraico e o latim. É conhecido por ser a mãe de todas as línguas ocidentais, e é sintaticamente o mais perfeito idioma no mundo. Por conta disso, segundo a revista Forbes, o sânscrito é a única linguagem adequada para se fazer uma linguagem de programação para computadores.

Do sânscrito vieram palavras como gyaamti (medindo a Terra) e trikonamiti (medindo formas triangulares,) que deram origem às nossas palavras (e estudo da) Geometria e Trigonometria.

MATEMÁTICA

Devemos muito aos indianos, que nos ensinaram a contar, sem o qual nenhuma descoberta científica relevante poderia ter sido feita.

Albert Einstein

Na época em que o maior número que os gregos e romanos usavam era 106, os hindus usavam números como 1053 (ou seja, 10 elevado a potência de 53), com nomes específicos pra isso.

Por volta do séc. 5 d.C., enquanto o Ocidente utilizava os desajeitados algarismos romanos, desenvolveu-se na Índia o sistema decimal posicional, idêntico ao que usamos hoje. De fato, nosso sistema é o próprio sistema hindu, transmitido ao Ocidente através dos árabes séculos depois. Os nomes desses algarismos em sânscrito são claro testemunho desta origem oriental:

1 eka
2 dvi
3 tri
4 catur
5 panca
6 sat
7 sapta
8 asta
9 nava

Também foi inventado pelo indiano Ariabata o número “zero” (chamado de “vazio”), ingrediente fundamental para uma numeração verdadeiramente posicional. Também calculou com incrível precisão o tempo que a Terra leva para orbitar o sol: 365 dias, 6 horas, 12 minutos e 30 segundos (notavelmente próximo ao valor verdadeiro, que é aproximadamente 365 dias e 6 horas). Ariabata calculou exatamente a circunferência da Terra em 39.968,0582 Km, que foi somente 0,2% menor que o valor real de 40.075,8843 Km. Não bastasse isso, foi o primeiro a explicar como o Eclipse lunar e o Eclipse solar acontecem e criou o modelo heliocêntrico, com órbitas elípticas para os planetas (quase mil anos antes de Copérnico). Tudo isso por volta de 500 depois de Cristo. Ah, e também deu uma indicação muito próxima para o Pi.

Entretanto, o valor de “Pi” foi calculado primeiramente pelo matemático indiano Baudhayana, e ele explicou o conceito do que é conhecido como o Teorema de Pitágoras ainda no séc 6 ou 8 d.C.

Bhaskaracharya (conhecido como Bhaskara II) foi um matemático hindu que determinou os princípios do Cálculo diferencial ainda no séc 12, muito antes de Newton (séc 17). A “fórmula de Bhaskara” tem esse nome no Brasil por conta dele, mas o próprio admite que pegou essa fórmula de um outro indiano mais antigo, Sridhara (870-930 d.C.).

ASTRONOMIA

O movimento das estrelas, calculado pelo hindus por volta de 4.500 anos atrás, não varia nem sequer um único minuto das tabelas utilizadas por Cassine e Meyer (usadas no século 19). O sistema de astronomia hindu é, de longe, o mais antigo, e do qual os egípcios, gregos, romanos e mesmo os judeus derivam seus conhecimentos.

Jean-Sylvain Bailly; Astrônomo francês; 1736-1793

O Surya Siddhanta é um livro sobre astronomia da Índia antiga, compilado em 1.000 a.C a partir de fontes orais que remontam 3.000 a.C. Ele nos mostra o diâmetro da Terra em 12.617,257 Km (medições atuais nos mostram 12.756,7871 Km). Exibe também a distância entre a Terra e a Lua como sendo 407.164,032 Km (cálculos modernos nos mostram 406.697,322 Km).

Govindasvamin descobriu Fórmula de Interpolação de Newton-Gauss 1.800 anos antes de Newton. Números positivos e negativos (e os seus cálculos) foram explicados primeiro por Brahmagupta, em seu livro Brahmasputa Siddhanta. Ele, em 630 d.C, disse o seguinte sobre a gravidade:

“Corpos caem para a Terra porque é da natureza da Terra atrair os corpos, assim como é da natureza da água escorrer”.

Brahmagupta

No Rig Veda, um hino dirigido ao Sol, fala-se claramente que o Sol viaja 2.202 yojanas em meio nimesha. Traduzindo as medidas para as nossas, obteremos simplesmente a velocidade da luz!

FÍSICA

Satyendranath Bose foi um físico indiano que ficou conhecido por seus trabalhos sobre mecânica quântica no início da década de 1920, como a “estatística de Bose-Einstein” e a teoria do “condensado de Bose-Einstein“. A partícula bóson foi assim batizada em sua honra.

Um outro Bose (Jagdish Chandra Bose) foi um dos pioneiros da comunicação por rádio, ao lado do italiano Marconi e do brasileiro Padre Landell de Moura.

MEDICINA

Ayurveda é o mais antigo sistema medicinal conhecido dos seres humanos, consolidado por Charaka (o “pai da medicina”) há 2.300 anos.

Sushruta é considerado o “pai da cirurgia”. Há mais de 2.600 anos Sushruta e sua equipe efetuaram complicadas cirurgias, como catarata, membros artificiais, cesarianas, fraturas, remoção de pedras urinárias e também cirurgia plástica até mesmo cerebrais.

O uso de anestesia era conhecido na medicina da Índia antiga. Conhecimento detalhado de anatomia, embriologia, digestão, metabolismo, fisiologia, genética e imunidade também são encontrados em muitos textos indianos antigos.

Uma rara anomalia genética que causa super-poderes em humanos foi descoberta pelo renomado cientista indiano Chandra Suresh.

POLÍTICA

A Índia conquistou e dominou a China culturalmente por 20 séculos sem nunca ter enviado um único soldado através de sua fronteira.

Hu Shih; ex-embaixador da China nos EUA
Crianças com bandeira da Índia

Embora imagens da Índia atual frequentemente mostrem pobreza e a falta de desenvolvimento, a Índia foi o país mais rico do planeta até o momento da invasão britânica, no início do século 17. Cristóvão Colombo foi apenas um dos muitos navegadores atraído pela riqueza da Índia.

A Índia nunca invadiu um país sequer em seu últimos 10.000 anos de história. É a única sociedade no mundo que nunca conheceu a escravidão (como a conhecemos).

“Em 3000 anos de nossa história pessoas de todo o mundo têm vindo e nos invadido, capturado nossas terras, conquistado nossas mentes. De Alexandre em diante. Os gregos, os turcos, os mongóis, os portugueses, os britânicos, os franceses, os alemães, todos eles vieram e nos pilharam, roubaram o que era nosso.
E ainda assim não fizemos isto para qualquer outra nação. Nós não conquistamos ninguém.
Nós não pegamos suas terras, suas culturas, sua história nem tentamos impor o nosso modo de vida a outrem. Por que?
Porque nós respeitamos a liberdade dos outros. É por isso que a minha primeira visão é a de LIBERDADE.
Acredito que a Índia teve a sua primeira visão disto em 1857, quando começou a Guerra da Independência. É esta liberdade que devemos proteger e alimentar e construir. Se não formos livres, ninguém vai nos respeitar.”

Abdul Kalam; Presidente da Índia, pai do programa espacial de mísseis e satélites e autor de “India 2020 Vision”

“A Índia possui uma grande civilização que remonta 7.000 a.C, de acordo com recentes descobertas arqueológicas em Mehrgarh. Possuía uma das mais abrangentes cultura urbana do mundo em 3.000 a.C, com suas muitas cidades ao longo dos rios Indu e Sarasvati.
Quando o rio Sarasvati, de fama Védica, secou no 2ª milênio a.C, a cultura hindu se deslocou para o leste, para rios mais confiáveis da planície do Ganges, que se tornou a principal região do subcontinente.
Já se foi a velha idéia da invasão ariana e uma base externa para a cultura indiana. Em seu lugar está a continuidade de uma civilização e sua literatura, que remontam ao período mais precoce da história.
Infelizmente, durante os primeiros cinquenta anos desde a Independência, a Índia ainda não descobriu sua verdadeira origem. Seus intelectuais têm imitado as tendências ocidentais no pensamento. Eles se esqueceram de seus próprios e profundos sábios modernos, como Swami Vivekananda e Sri Aurobindo, que projetaram uma visão moderna e futurista da tradição indiana.
Enquanto os ocidentais vêm à Índia em busca de conhecimento espiritual, intelectuais indianos olham para o ocidente com uma adulação que muitas vezes é cega, senão serviçal.”

David Frawley; historiador
Mahatma Gandhi
Mahatma Gandhi

Impossível falar da história política da Índia sem falar de Mohandas Karamchand Gandhi, o Mahātmā Gandhi. Praticamente sozinho, ele reuniu atrás de si um país inteiro para, através de protestos pacíficos (baseados no Ahimsa), se libertar da colonização inglesa. E, contra todos os prognósticos, conseguiu! Depois disso lutou contra o extremismo da Direita Nacionalista que não queria os muçulmanos vivendo no mesmo país, e por isso mesmo foi assassinado. A bandeira da Índia teve sua contribuição na escolha da Roda do Dharma e na diversidade de cores pra simbolizar a pluralidade religiosa indiana.

Gandhi certa vez foi perguntado sobre o que ele achava da Civilização Ocidental. Ele respondeu: “Eu acho que é uma boa idéia!

“Na Índia hoje, temos uma senhora nascida católica (Sonia Gandhi) deixando o poder para que um Sikh (Manmohan Singh) possa ser empossado por um presidente muçulmano (Abdul Kalam) para conduzir uma nação que é 82% Hindu. Eu desafio qualquer um a citar outro país com tamanha diversidade e tolerância para com sua liderança política.”

Desconhecido

EDUCAÇÃO

A primeira universidade do mundo foi fundada em Takshila, em 700 a.C. Mais de 10.500 estudantes de todo o mundo estudavam mais de 60 disciplinas.

Atualmente:
38% dos médicos nos EUA são indianos.
12% dos cientistas nos EUA são indianos.
36% dos empregados da NASA são indianos.
34% dos empregados da Microsoft são indianos.
28% dos empregados da IBM são indianos.
17% dos empregados da Intel são indianos.
13% dos empregados da Xerox são indianos.

Progressos nos últimos 20 anos:

Pobreza (incidência)

1980s1990s2000
44%36%26%

Educação (taxa de alfabetização)

1980s1990s2000
44%52%65%

Saúde (expectativa de vida em anos)

1980s1990s2000
566069

ARTES MARCIAIS

Kalarippayat

Por incrível que pareça, o mesmo povo que nunca invadiu outro país foi o criador das artes marciais! O Kalarippayat nasceu em Kerala, no Sul da Índia, em 200 a.C, e foi a primeira forma organizada de luta, influenciada pela Yoga e ligada às antigas ciências de guerra (Dhanur Veda) e medicina (Ayur Veda). A origem do Kung-fu inicia-se com a lenda de um monge chamado Bodhidharma (também conhecido como Ta Mo), que viajou da Índia para a China por volta de 500 a.C e levou o estilo de luta indiano para o extremo-oriente.

Siddhartha Gautama (que depois se tornou Buda), por ter nascido na casta guerreira, era exímio praticante de Kalarippayat (o futuro Kung Fu). Daí a facilidade com que foi aceita a associação budismo / Kung-fu – que tanto vemos nos filmes de porrada chinês – que de fato ocorreu na China e Japão.

LITERATURA

Os Vedas são os textos mais antigos escritos em nosso planeta hoje. Eles remontam ao início da civilização indiana e são os primeiros registros literários da mente humana. Eles foram transmitidas através de tradição oral durante mais de 10.000 anos e apareceram pela primeira vez em forma escrita entre 2.500 e 5.000 anos atrás.

O Rig Veda é o primeiro dos livros Veda. É ele que contém esta frase emblemática:

“Existe somente uma verdade; apenas os homens a descrevem de formas diferentes”.

Rig Veda

Rig Veda – Conhecimento dos hinos, 10.859 versos
Yajur Veda – Conhecimento da liturgia, 3.988 versos
Sama Veda – Conhecimento da música clássica, 1.549 versos
Ayur Veda – Conhecimento da Medicina, 100.000 versos

Os Upanishads são parte das escrituras que discutem principalmente meditação e filosofia, e são consideradas pela maioria das escolas do hinduísmo como instruções religiosas. Contém também transcrições de vários debates espirituais, e 12 de seus 123 livros são considerados básicos por todos os hinduístas. Surgiram como comentários sobre os Vedas, sua finalidade e essência, sendo portanto conhecidos como Vedanta = o fim do Veda.

Em todo o mundo não há estudo tão benéfico e tão elevado como o dos Upanishads. Foi o alívio da minha vida – e será o alívio de minha morte.

Arthur Schopenhauer; Filósofo alemão

Jyotisha – Astrologia e Astronomia
Manvantara – Rituais e questões jurídicas
Siksha – Fonética
Aitareya – Criação do Universo, Homem e Evolução
Chandogya – Reencarnação, alma
Kaushitaki – Karma
Kena – Austeridade, Trabalho, e Moderação
Dharnur Veda – Ciência do Arco-e-flecha e Guerra
Mundaka – Disciplina, Fé e o perigo da ignorância
Sulba Sutra – Conhecimento de Matemática
Yoga Sutra – Conhecimento da Meditação
Kama Sutra – Conhecimento do Amor e do Sexo (sim, o Kama Sutra é parte dos Upanishads, e é muito mais do que aquelas posições esquisitas)

ATLÂNTIDA?

O antigo texto Védico Indus Saraswati fala de uma série de dez Pitris, que dominavam o mundo antes do grande dilúvio mundial. Lendas da Antiga Babilônia também falam de dez reis que governavam antes de um gigantesco dilúvio. Os antigos egípcios também falam de Dez iluminados, que reinavam antes de um dilúvio. O último destes reis, nas lendas citadas, foi o herói que levou sete outros à bordo de um navio, no qual eles sobreviveram à inundação mundial. Na Índia antiga, o herói foi Manu, que sobreviveu ao dilúvio pralaya com os sete Rishis. Na antiga Babilónia, o herói da vez era Zisudra, que encabeçou a sobrevivência numa Arca de sete outras pessoas, o sete Apkallu. No Egito antigo, o herói foi Toth, que sobreviveu ao dilúvio juntamente com o sete sábios.

A Ilha de Páscoa, situada no Oceano Pacífico, fica distante de qualquer civilização. Pois o artesanato desta ilha se assemelha muito ao dos antigos Incas, no Peru. E a escrita deles se assemelha a antigos escritos do Vale Indu (na Índia):

Inscrições da Ilha de Páscoa x Vale do Indu
Inscrições da Ilha de Páscoa x Vale do Indu

RELIGIÃO

Quem quer que seja, desejando adorar alguma deidade – usando qualquer nome, forma e método – com fé, Eu torno a fé deles firme nesta verdadeira deidade. Favorecidos com fé firme, eles adoram aquela deidade, e obtém seus desejos através dela. Todos os seus desejos, são, realmente, concedidos por Mim.

Bhagavad-Gita 7.21-22
Graffiti de Jesus e Ganesha em uma parede na Índia
Graffiti de Jesus e Ganesha em uma parede na Índia

“União entre os homens, o progresso da unidade na diversidade – esta tem sido a principal religião da Índia”.

Rabindranath Tagore; Poeta, 1861­1941
Vivekananda
Vivekananda (não confundir com o Wagner Borges)

Orgulho-me de pertencer a uma religião que tem ensinado ao mundo tanto a tolerância como a aceitação universal. Não só acreditamos na tolerância universal, como nós aceitamos todas as religiões como verdadeiras.
Orgulho-me de pertencer a uma nação que tem protegido os perseguidos e os refugiados de todas as religiões e de todas as nações da Terra.
Me orgulho de lhe dizer que nós acolhemos em nosso seio os mais puros remanescentes dos Israelitas, que chegaram ao sul da Índia e se refugiaram conosco no mesmo ano em que seu santo templo foi feito em pedaços pela tirania de Roma.
Vou citar a vós, irmãos, algumas linhas de um hino que eu me lembro ter sido repetido na minha infância, e que é repetido diariamente por milhões de seres humanos: “Assim como as diferentes correntes possuem suas fontes em diferentes caminhos, os homens assumem diferentes tendências, e embora elas pareçam diferentes, tortas ou retas, todas levam a Ti“.

Swami Vivekananda; Primeiro monge a difundir a filosofia da yoga e Vedanta no ocidente, 1863-1902

Hindus e budistas, nós somos dois filhos da mesma mãe.

Dalai Lama; líder espiritual do Tibet

“Tornar as poucas e diferentes Verdades e símbolos de cada disciplina específica de uma religião em duros e rápidos dogmas é um sinal de que ainda somos apenas crianças no conhecimento espiritual, e estamos ainda distantes da ciência do Infinito.
A mente não é o mais elevado poder da consciência; porque a mente não está de posse da Verdade, mas é apenas sua buscadora ignorante”.

Sri Aurobindo; filósofo, guru, poeta e nacionalista indiano, 1872-1950

“Na Índia eu encontrei uma raça de homens que vivem sobre a Terra, mas não presos a ela.
Habitam cidades, mas não se fixam a elas.
Possuindo tudo, mas não sendo possuídos por nada”.

Apolônio de Tiana; pensador grego; séc 1 a.C
Bhagavad-Gita

“A natureza material, ou a matéria, é minha natureza inferior. Minha outra elevada natureza é o espírito, pelo qual este universo inteiro é sustentado, ó Arjuna”.

Bhagavad-Gita 7.05

“Quando leio o Bhagavad-Gita e reflito sobre como Deus criou este universo, tudo o mais me parece tão supérfluo”.

Albert Einstein
Krishna aconselha Arjuna no Bhagavad-Gita
Krishna aconselha Arjuna no Bhagavad-Gita

O Bhagavad-Gita (A Canção do Senhor) é um texto que faz parte do épico Mahabharata, embora seja de composição mais recente que o todo deste livro. Na versão que o inclui, o Mahabharata é datado no século IV a.C. O texto relata o diálogo do Deus encarnado Krishna (uma das encarnações de Vishnu) com Arjuna (seu discípulo guerreiro) em pleno campo de batalha. Arjuna representa o papel de uma alma confusa sobre seu dever (Dharma), e recebe a iluminação diretamente do Senhor Krishna, que o instrui na ciência da auto-realização. A obra é uma das principais escrituras sagradas da cultura da Índia, e a principal obra do movimento Hare Krishna.

“Eu devo um magnífico dia ao Bhagavad-Gita. Foi o primeiro dos livros, e foi como se um Império falasse para nós; nada pequeno ou indigno, mas grande, sereno, consistente, a voz de uma velha inteligência que, em outra idade e clima tinha, portanto, refletido e concluído acerca das mesmas questões com a qual nos defrontamos”.

Ralph Waldo Emerson; filósofo

“O Gita é um dos mais claros e abrangentes resumos da filosofia perene já feito. Daí o seu valor permanente, não só para os indianos, mas também para toda a humanidade. É talvez a mais sistemática afirmação espiritual da filosofia perene”.

Aldous Huxley; romancista inglês

POESIA

A fina flor da poesia indiana pode ser melhor representada por Rabindranath Tagore, o primeiro asiático a ganhar o Nobel de literatura, e criador do hino da Índia:

Rabindranath Tagore
Rabindranath Tagore
Flor de Lótus

No dia em que a flor de lótus desabrochou
A minha mente vagava, e eu não a percebi.
Minha cesta estava vazia e a flor ficou esquecida.
Somente agora e novamente, uma tristeza caiu sobre mim.
Acordei do meu sonho sentindo o doce rastro
De um perfume no vento sul.
Essa vaga doçura fez o meu coração doer de saudade.
Pareceu-me ser o sopro ardente no verão, procurando completar-se.
Eu não sabia então que a flor estava tão perto de mim
Que ela era minha, e que essa perfeita doçura
Tinha desabrochado no fundo do meu coração.

Gitanjali

Deixa a cantilena, o cântico e a recitação de contas de rosário!
A quem veneras neste recanto solitário e escuro dum templo de portas fechadas?
Abre teus olhos e vê que teu Deus não está diante de ti!
Ele está onde o agricultor está lavrando o chão duro e onde o pedreiro está rachando pedras.
Ele está com eles no sol e na chuva, e sua roupa está coberta de poeira.
Remove teu manto sagrado e como Ele desça para o chão empoeirado!
Libertação? Onde se encontra esta libertação?
Nosso mestre assumiu pessoalmente com alegria os vínculos da criação;
Ele está vinculado a nós para sempre.
Sai de tuas meditações e deixa de lado tuas flores e o incenso!
Que mal há se tuas roupas ficam gastas e manchadas?
Encontra-o e fica com Ele na faina e no suor de tua face.

Poema de Despedida

É hora de partir, meus irmãos, minhas irmãs
Eu já devolvi as chaves da minha porta
E desisto de qualquer direito à minha casa.
Fomos vizinhos durante muito tempo
E recebi mais do que pude dar.
Agora vai raiando o dia
E a lâmpada que iluminava o meu canto escuro
Apagou-se.
Veio a intimação e estou pronto para a minha jornada.
Não indaguem sobre o que levo comigo.
Sigo de mãos vazias e o coração confiante.

DANÇA

A dança indiana é inspirada pelas cenas de pinturas e esculturas de textos sagrados, daí os movimentos estilizados e curiosos, que contam por si só uma história. Tais histórias são contadas em peças teatros que são considerados sagrados, e o mais famoso deles é o Kathakali.

Já o estilo de dança, curiosamente, sofreu poucas modificações com o passar do tempo e eles continuam dançando de forma muito parecida.

Estilo de dança Bharatanatyam

Estilo de dança Kuchipudi

Algo mais atual, mas tão exótico quanto… (Rivaldo Sai Desse Lago)

MÚSICA

O melhor e mais conhecido exemplo de música clássica indiana é dado por Ravi Shankar e sua cítara:

Ravi Shankar, Alla Rakha – Rag Charukeshi

Como é uma música lenta e meditativa, de gosto duvidoso pro ocidental, coube ao Beatle George Harrison (que virou aluno e amigo de Ravi Shankar) trazer a cítara pra dentro da música pop, em grande estilo:

Beatles – Love you to

Ravi Shankar fez a ponte musical entre a Índia e o resto do ocidente, se aliando a vários músicos e permitindo adaptar sua belíssima música a um sabor mais ocidentalizado, utilizando coral. São elas Shanti mantra e Salt (da trilha sonora do filme Gandhi). Sua filha, Anoushka Shankar, assumiu o legado do pai, e aqui rege um grupo executando uma música de Ravi dedicada ao amigo George Harrison após sua morte, no Concerto pra George:

Concert for George – Arpan

Em termos de juntar som e imagem, os indianos são, definitiva e incontestavelmente, os fazedores dos videoclipes mais inesquecíveis do mundo:

Michael Jackson indiano (Golimar!)

Beatles indianos (I Want To Hold Your Hand – Bollywood Beatles)

Os originais têm muito o que aprender com esses caras…

CINEMA

A indústria de cinema indiana é simplesmente a maior do mundo, apelidada de “Bollywood“, com mais de 800 filmes feitos ao ano. Obviamente que, com uma cultura milenar, inteligência de sobra e uma indústria gigantesca, eles fazem filmes realmente memoráveis:

Megahardcore indian chase

Superman e Mulher-Aranha indianos

Meus agradecimentos a José A. Mariano, que me proporcionou essa imersão na cultura indiana.

5 1 vote
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
76 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.