CONTATO

Por Henrique Cezar da Silva, baseado no trabalho de final de curso apresentado à prof.ª Cristina Bruzzo, no programa da pós-graduação da FE/Unicamp, e adaptado pro blog por mim (o original pode ser lido aqui). Não é recomendado ler o artigo para além da “introdução”, pra quem não viu o filme. Recomendo veementemente este filme a todos. Simplesmente uma jóia rara no mundo do cinema que vai ser mais valorizado com o passar do tempo.

INTRODUÇÃO

Contato, do diretor Robert Zemeckis, é um filme de ficção científica de 1997, adaptado do romance homônimo do cientista norte-americano Carl Sagan (que criou a Série Cosmos), tendo como atriz principal Jodie Foster no papel da Drª Eleanor Ann “Ellie” Arroway. O filme conta a história de uma cientista e sua incessante busca por contato com alguma civilização extraterreste. Eleanor Arroway é uma radioastrônoma que consegue, depois de muita dedicação pessoal e anos de luta, descobrir um sinal extraterrestre transmitido a partir da estrela Vega. A partir daí temos o desenrolar de como a humanidade vai lidar com essa notícia, o conflito entre ciência e religião, ética, razão e fé.

Mas o filme é, antes de tudo, uma reflexão sobre a existência.

Fazendo uso preciso e apaixonado do conhecimento científico, Carl Sagan constrói um enredo que gera expectativa a cada passo e nos aproxima de problemas que não cansam de desafiar a imaginação dos homens. As perguntas sobre a existência de Deus, por exemplo, ganham aqui uma tonalidade nova, à luz do estranhamento produzido pelo contato com um mundo muito diferente do nosso. Enquanto nos captura com sua ficção científica, Sagan também nos convida a contemplar os mistérios do Universo, a experimentar o deslumbramento que alimenta os místicos, os cientistas e os poetas.

O enredo é baseado em pesquisas científicas sobre vida extraterrestre inteligente, das quais o próprio Sagan participou, como o SETI, criado na década de 60 por Frank Drake, e que visa captar algum sinal inteligente proveniente do espaço.

Um dos pontos altos do filme, além da interpretação de Jodie Foster, são os efeitos visuais, produzidos pela mesma equipe da Industrial Light and Magic (ILM) que trabalhou com Zemeckis em Forrest Gump. Só não pense que vai ver cenas deslumbrantes em CGI, como em Jurassic Park. Assim como em Forrest Gump, os efeitos são praticamente invisíveis, estando à serviço da história.

Este é um filme que pode ser abordado de muitas formas. E nenhuma delas dará conta de tudo. Escolhemos abordar Contato pela questão do espaço e sua relação com o tempo. Neste filme a idéia de espaço não remete apenas a idéias e conceitos físicos, da astronomia, da cosmologia, da teoria da relatividade geral e restrita, mas a sentimentos, valores, afetividade, memórias. Entre outras coisas, esse filme que trata de extraterrestres, de viagens através do universo, de representações do universo segundo as teorias físicas atuais, põe em relevo aspectos éticos, morais, psicológicos e inconscientes dos personagens. Por isso optamos por falar do espaço de forma polissêmica. O espaço interior da personagem Ellie, sua viagem “psicológica”, seu passado, sua história de vida, seus sentimentos, sua memória. A Terra, espaço da única civilização e das únicas formas de vida que conhecemos até o momento. E o espaço exterior, relacionado ao universo, sua viagem pelas galáxias, onde a admiração de Ellie não consegue descrever o extraordinário, dizendo simplesmente: “Eu não fazia idéia!…É pura poesia!…“. O filme, portanto, nos permite pensar os múltiplos sentidos que a palavra e as imagens do espaço, na tela ou na nossa (in)consciência, sugerem.

AS IMAGENS DO ESPAÇO

Só a cena de abertura é uma das mais lindas cenas do cinema e da arte científica como um todo:

No início, o vazio sonoro e a escuridão na tela, se rompem com a imagem luminosa da Terra e os “sons” de TV que começam a viajar pelo espaço. Viajamos juntos pelo espaço e pelo tempo. Partindo da Terra, as ondas de rádio que transportam sons e imagens da TV se afastam na velocidade espantosa da luz, passando pelos planetas, até perderem-se no espaço, saindo da nossa galáxia. Já na abertura podemos ver a relação entre tempo e espaço. Enquanto nos afastamos da Terra, as falas em off nos remetem a fatos da história cada vez mais no passado, como a chegada do homem à Lua, a morte de Kennedy, o fim da segunda guerra mundial, a ascensão de Hitler na Alemanha. De uma distância absurdamente grande da Terra, a imagem se transforma, penetrando no olho de Ellie, como se penetrasse em sua alma, o espaço da sua memória. O olhar, “janela da alma, espelho do mundo”.

A casa de Ellie

O filme inicia com a casa de Ellie na sua infância. Nas cenas iniciais, estamos dentro de lar aconchegante, quente, silencioso, seguro. A figura do pai de Ellie nos ajuda a compor essa imagem. O pai a coloca na cama e a envolve com o cobertor. O pai é o ser mais velho e experiente que nos ensina. É o responsável pelos primeiros passos do nosso desenvolvimento ético e intelectual. É este pai que aparece no filme, sempre ensinando algo a Ellie. No caso da Terra-casa somos órfãos, estamos à nossa própria sorte. Em algum “lugar” (no céu) existiria um pai. O que redime de certo modo nossa culpa, minimiza nossa solidão, justifica nosso crescimento, nosso caminhar para além da infância. É ele quem irá nos ensinar.

No entanto, a casa de Ellie é uma casa incompleta, pois falta a mãe, que morrera em seu parto, e depois se tornará completamente vazia com a morte do pai aos seus nove anos. Essa incompletude, também nas cenas iniciais, está relacionada – no imaginário da personagem – a uma busca. O que é incompleto chama por complementação. Onde estará a mãe? Será possível se comunicar com ela? Estranha dimensão onde se situam os entes queridos que se foram. Na imagem da ausência da mãe de Ellie percebemos um desejo de reencontro, o desejo de busca, o desejo de vencer as limitações da distância e do tempo. Se voltasse no tempo, poderia encontrar sua mãe, se encontrasse um atalho no espaço-tempo, poderia ir ao seu encontro. É assim que podemos ver a menina Ellie diante de seu aparelho de radioamador, tentando vencer as distâncias que limitam os contatos. Esses sentimentos se amplificam com a morte do pai. A diferença é que o pai é uma experiência viva, tocada, sentida. Com sua morte, a falta, a incompletude, tornam-se incomensuráveis.

No filme, o passado, a casa, o pai sempre retornam à memória de Ellie. Fazem parte dela, como algo presente. Numa das cenas de retorno ao seu passado, à infância feliz, à casa incompleta, vemos o velório do pai. É interessante como essa seqüência trabalha o vazio da casa de Ellie enquanto criança, após a morte do pai. Embora cheia de gente para o velório, inclusive outras crianças, Ellie entra na casa imperceptível, como se não houvesse ninguém, sem falar com ninguém, sobe as escadas e aciona seu radioamador, chorando. É a falta de comunicação que torna a casa vazia, e não a presença / ausência de pessoas.

A busca, a necessidade do contato com algo além das “nossas” dimensões, do espaço e do tempo conhecidos, se transforma em profissão. Nesse momento do filme assistimos a uma elipse vertiginosa. A menina se transforma numa mulher adulta. A aprendiz de radioamador se transforma numa radioastrônoma. O brinquedo se transforma em profissão. O pequeno e limitado aparelho de radioamador se transforma na gigantesca antena do radiotelescópio de Arecibo, Porto Rico. Sua busca por contato, por comunicação, se transforma em hipótese científica: existem seres inteligentes em outros planetas do universo? A casa se transforma na Terra.

Vencendo os limites do tempo e do espaço

A casa é nosso primeiro universo.

Gaston Bachelard; A poética do espaço

Sendo espaço incompleto, a casa de Ellie não basta enquanto universo, pois o que falta deve estar em outro lugar, em outro espaço, em outro tempo. É assim que a Ellie criança, nas cenas iniciais, pergunta ao pai se seria possível entrar em contato com mãe. Quais os limites do espaço-tempo?

“A nossa espécie descobriu um meio de se comunicar através da escuridão, de transcender as imensas distâncias. Nenhum outro meio de comunicação é mais rápido, nem vai mais longe. É o rádio”.

Carl Sagan; Pálido ponto azul: uma visão do futuro da humanidade no espaço

A busca de contato que resume a vida de Ellie pode ser também concebida como uma luta para vencer os limites do espaço e do tempo. Nas cenas da morte do pai – outro retorno ao seu passado no filme – vemos Ellie correndo para buscar o remédio que poderia ter salvado o pai. Ela corre para cima, sobe as escadas. Agora, em câmera lenta, o corredor parece interminável, sua velocidade parece pequena, o tempo parece infinito, sua corrida parece uma luta. Mas, segundo Einstein, o tempo é relativo, e no andar de baixo o tempo corre, a morte não espera. Não conseguir vencer o corredor, chegar a tempo, não conseguir salvar o pai vai se transformar na pior lembrança da vida de Ellie, vai se transformar em culpa. Vencer as limitações do espaço e do tempo é uma questão de vida ou morte.

Essa luta de Ellie passa pela sua pesquisa de doutorado, que foi o aperfeiçoamento da sensibilidade dos radiotelescópios, permitindo a captação de ondas de rádio provenientes de maiores distâncias. Mas há uma barreira física para vencer grandes distâncias: o limite máximo da velocidade da luz, um dos postulados básicos da Teoria da Relatividade de Einstein. Mas a ficção científica tem encontrado alguns caminhos que hoje vêm sendo discutidos pelos físicos. As complexas equações da Teoria da Relatividade Geral geram soluções interessantes. Uma delas é “velocidade de dobra” da nave USS Enterprise, do filme Star Trek (Jornada nas Estrelas), em que o espaço-tempo é deformado, encurtando-se na frente da nave e alongando-se atrás. Outra possibilidade está nos chamados wormholes (buracos de verme), previstos pela teoria de Einstein e que, dentro das nossas limitações imaginativas e sem o auxílio da matemática, podem ser concebidos como túneis no espaço-tempo plástico. Isso possibilita à imaginação conceber viagens a enormes distâncias interestelares em poucos segundos. E é assim que Ellie viaja ao encontro do ET em Contato. Para quem está na Terra, ela não saiu daqui e se passaram apenas alguns segundos. Para quem fez a viagem, terá percorrido distâncias astronômicas, intergalácticas, e terão passado horas. Sua viagem na Máquina é uma viagem simultânea no tempo e no espaço. A Teoria da Relatividade nos dá alguma esperança de contatos distantes, de vencer o universo, de viajar por ele. E, vencido, Ellie reencontra seu pai (ou pelo menos a imagem deste).

A TERRA COMO A NOSSA CASA

Outras casas: o universo habitado

Segundo Bachelard, as imagens da casa seguem dois sentidos: estão em nós assim como nós estamos nelas. A casa está associada aos valores da intimidade protegida, é o nosso canto do mundo, onde nos enraizamos, é nosso primeiro universo.

Todo espaço verdadeiramente habitado traz a essência da noção de casa.

Gaston Bachelard; A poética do espaço

O modelo coperniano, colocando a Terra em movimento ao redor do Sol, exigiu da imaginação dos homens um universo maior, o que implicou numa mudança de escala. Já Giordano Bruno, a partir do modelo de Copérnico, considerou-o infinito e infinitamente habitado. O homem perde seu privilégio como ser especial perante Deus. Se a Terra não é especial, porque haveria de ser o único planeta habitado?

A ciência, que experimentou um avanço sem precedentes entre o final do século XX e início do século XXI, trouxe a Lua e os planetas para o nosso quintal. Creio que a concepção, hoje bastante veiculada, da Terra como a nossa casa seja bastante recente. E a ciência busca incessantemente outras casas e outras formas de vida nesse universo, ainda que as enormes distâncias limitem nossas possibilidades de comunicação e contato.

Mas se Ellie, em sua infância, vencia esses limites, o Homem, ultrapassando sua “infância tecnológica”, não poderá vencê-los? Há uma esperança teórica na Relatividade Geral de Einstein. Nesse sentido, a elipse de Contato, que já comentamos, se aproxima da famosa elipse de 2001: Uma odisséia no espaço, de Stankey Kubrick, quando o hominídeo descobre o osso como uma arma / instrumento e o atira para cima. A imagem do osso subindo, lutando contra a gravidade, se transforma numa nave viajando leve pelo espaço sideral. Um salto tecnológico, o progresso de uma ferramenta, de um desejo, uma vitória contra o espaço e a gravidade.

Mas em Contato o desenvolvimento científico-tecnológico é, simultaneamente, condição para vencer esses limites e obstáculo, na medida em que esse desenvolvimento, sem uma orientação ética-moral, pode levar à “destruição da Terra”, à destruição desse planeta não enquanto planeta, mas enquanto casa, morada, lugar do homem e da Vida.

Nas entrevistas para escolha do tripulante da máquina, quando indagam o que Ellie diria ao extraterrestre se tivesse que fazer uma só pergunta, esta responde que perguntaria como eles conseguiram sobreviver à infância tecnológica sem se autodestruírem.

A casa em meio ao universo

A casa é sempre a habitação, é sempre a morada de alguém. A imagem da casa atrai a imagem de seus habitantes. Preenchemos as outras casas com nós mesmos, porque toda casa é uma casa como a nossa, ainda que na realidade sejam bem diferentes. Mas a casa é também espaço de nossas solidões. Entre duas casas há sempre uma certa distância, assim como há sempre uma possibilidade de comunicação, e uma secreta, e às vezes indiscreta, curiosidade. É assim que a imagem da Terra/casa atrai a imagem da solidão. O universo construído pela física atual nos torna imensamente solitários.

A associação entre Terra, casa e Vida, sendo este, até bem pouco tempo, o único planeta que conhecíamos, se estende em nossa imaginação para outros lugares no universo que desconhecemos. A associação é tão forte que, após a bomba de Hiroshima, falamos em destruição da Terra, quando na verdade não seria o planeta propriamente que seria destruído, mas a sua qualidade de planeta habitável. Assim que a Terra perdeu seu lugar privilegiado e central no universo, estas extensões imaginativas puseram vida em tudo quanto é lugar no universo. No século XVI, Kepler já imaginava habitantes na Lua. Depois foram os marcianos e os venusianos. E hoje, é a imagem que temos do sistema solar, com nove planetas e apenas um habitado, que leva os cientistas a selecionarem possíveis mundos para procura de vida. Se o céu agora pode ser também o lugar da vida, antes limitado a Terra, qual será o lugar dos deuses e dos mortos?

Mas o melhor argumento para a existência de vida extraterrestre inteligente é a própria dimensão do universo. Numas das cenas iniciais, o pai de Ellie lhe responde: “Se só nós existíssemos seria um tremendo desperdício de espaço”. Frase que depois é repetida por Palmer Joss (teólogo e ex-seminarista que terá um romance com Ellie).

Mas de que espécie de incompletude sofre nossa casa-Terra? De uma deficiência ética-moral. Nossa casa-Terra é um lugar inseguro, está sempre no limite da autodestruição, no limite do inabitável. Como cuidamos, como conduzimos, como vivemos a nossa casa? Essas questões fazem parte do enredo de Contato.

Um mundo desorientado

Para Carl Sagan, o mundo atual está moral e eticamente desorientado, em grande parte pela falta da aplicação de um aspecto que ele considera fundamental no método científico: o ceticismo. No filme há dois personagens arquétipos: um representa os indivíduos bons, o outro, os indivíduos maus. A ciência não está imune a esses indivíduos e, como toda a sociedade de Carl Sagan, parece ser o resultado exclusivo de nossas escolhas individuais. É desta forma que a cientista boa, representada pela personagem Eleonor Arroway (ou Ellie) se contrapõe durante quase todo o filme ao cientista mau, representado pelo personagem David Drumlim (Tom Skerritt). É ele quem corta o financiamento do projeto SETI, e que está por trás do quase cancelamento do contrato do uso do VLA pela equipe de Ellie. Opositor da pesquisa de busca de vida extraterrestre inteligente, ele, oportunista, assume a liderança da pesquisa quando é feita a descoberta por Ellie. Bom e mau não se referem aqui aos critérios da carreira acadêmica. David Drumlim é reconhecido como excelente cientista, foi orientador da tese de Ellie e é assessor de ciência da Casa Branca, chefe da National Science Foundation. É no aspecto ético e moral que o filme os diferencia radicalmente.

A construção da imagem da cientista boa ganha muito com a própria imagem construída pela mídia sobre a atriz Jodie Foster. Segundo o diretor e a viúva de Sagan, Jodie Foster foi a primeira e única escolha para o papel, pois ela representaria melhor do que ninguém uma figura honesta, inteligente e humilde, de um comportamento ético e moral inquestionável.

Muitos cientistas têm se preocupado nas últimas décadas com a questão moral e ética da ciência. Principalmente depois que os físicos “conheceram o pecado”, nas palavras de Oppenheimer, chefe do Projeto Manhattan (que criou a primeira bomba atômica).

“Nenhum período da história foi mais penetrado pelas ciências naturais nem mais dependente delas do que o século XX. Contudo, nenhum período, desde a retratação de Galileu, se sentiu menos à vontade com elas.”

Eric Hobsbawn

A associação da ciência, ou da racionalidade científica, com a integridade ética e moral dos indivíduos é forjada há mais de um século, principalmente pelo positivismo do século XIX e início do século XX. A crença era de que a ciência não só melhoraria enormemente nossas vidas, como nos tornaria melhores enquanto pessoas. O positivismo – mais do que uma concepção de conhecimento – é muitas vezes pensado como um atributo do homem. Essa imagem da ciência parece não se sustentar mais nos dias atuais, assim como a imagem do cientista quase como um ser de outro mundo, indiferente, impassível, incorruptível e imune às contraditórias características dos demais seres humanos. Ellie não deixa de ser uma excelente cientista porque possui subjetividade ou é inconsciente com relação ao alcance moral de suas pesquisas.

No filme, tanto a ciência quanto a religião fazem parte desse mundo ética e moralmente desorientado.

Outro personagem eticamente (quase) perfeito no filme, que representa o lado religioso do enredo, é o reverendo Palmer Joss (Matthew Maconaughey). Mais do que representar uma religião, Joss representa uma espécie de espiritualidade. E o encontro entre a ciência e a espiritualidade no filme se dá através de uma relação amorosa entre Ellie e Joss. Essa relação pode significar também o casamento entre o ceticismo e a admiração. E é nos encontros (e desencontros) entre esses dois personagens que transita o símbolo da orientação, a bússola moral e ética da verdade. Uma bússola é trocada entre os dois personagens nas várias cenas em que a verdade e a sinceridade entre eles parecem ameaçadas. A primeira cena em que aparece a bússola é quando Palmer Joss conhece Ellie num bar em Arecibo, Porto Rico. Na conversa ela se esquiva das perguntas de Joss sobre suas pesquisas no observatório. É quando Joss lhe dá a bússola de presente num tom irônico. Essa cena remete a dois dos temas mais abordados por Sagan em seus trabalhos: a questão da divulgação da ciência e do desconhecimento da população em geral sobre as atividades dos cientistas e aspectos referentes à produção do conhecimento científico-tecnológico atual (no caso, a militarização). Palmer Joss comenta como a população local se refere ao observatório de radioastronomia, chamando-o de El Radar e associando-o com trabalhos militares de espionagem. Essa associação revela a dualidade do desenvolvimento científico-tecnológico atual, presente, por exemplo, na questão da energia nuclear. A militarização das pesquisas científicas é uma das questões abordadas no filme e encarnada na personagem Michael Kitz (James Woods). A militarização representaria um desvio dos objetivos da ciência.

Com a contraposição entre Ellie e Drumlim, dois cientistas, o filme não coloca a ciência como símbolo ou lugar da integridade ética e moral humanas. A verdade, no filme, mais do que uma questão epistemológica, é uma questão ética e moral. A própria ciência, nesse sentido, precisa de uma bússola. Ao falar sobre E. Teller, Sagan diz:

“Hoje as nossas setas envenenadas podem destruir a civilização global e, muito provavelmente, aniquilar a nossa espécie. O preço da ambiguidade moral é agora demasiado elevado. Por essa razão – e não por causa de sua abordagem do conhecimento -, a responsabilidade ética dos cientistas também deve ser elevada, extraordinariamente elevada, ineditamente elevada”.

Carl Sagan; O mundo assombrado pelos demônios

E é na atitude de Ellie em relação ao seu contato com o extraterrestre que o filme passa sua receita de orientação. Embora não seja a ciência o símbolo da moral e da ética, esses conceitos aparecem nos trabalhos de Carl Sagan relacionados ao equilíbrio entre duas características que, segundo ele, são partes fundamentais do pensamento científico: o ceticismo e a admiração.

Quanto à Verdade, o filme a apresenta sob duas formas: a objetiva, relacionada à ciência, e a subjetiva, relacionada à experiência religiosa. Embora a admiração nos leve em direção cega à segunda, apenas o ceticismo poderia nos manter no bom caminho do meio. É assim que vemos passar, em meio às multidões desorientadas, o carro da ciência, do ceticismo, da verdade… Verdade enquanto postura ética-moral, representada pela personagem Ellie.

Nesse mundo desorientado, ao assistirmos ao filme quase ficamos atordoados pelas imagens da mídia, apresentadas como um verdadeiro caos, mediando a distância enorme que separa os indivíduos dos fatos, sejam eles científicos ou não. O diretor usa e abusa de imagens da mídia. Às vezes colocadas no plano principal, no lugar da imagem do filme; às vezes, como um mosaico, ou peças de um quebra-cabeça, a tela se enche de pequenas telas, que alternam seus canais; às vezes como parte de uma cena em que os personagens assistem à TV. As imagens são sempre construções. Idéia que parece óbvia quando atribuída ao cinema, mas que não possui a mesma obviedade quando pensamos na televisão, nos telejornais. A mídia que aparece no filme é a mídia real americana, incluindo uma imagem pública do presidente Clinton. Aqui o diretor volta a utilizar um recurso técnico que aparece bastante no seu filme anterior Forrest Gump. Vemos então figuras famosas da mídia jornalística americana como “personagens” do filme. O extraordinário é que a fala do presidente Clinton foi, na realidade, exatamente aquela que aparece no filme. No entanto, quando ele pronunciou aquelas palavras (1996) estava dando uma entrevista coletiva sobre a descoberta de um meteorito marciano e com supostos sinais de bactérias fossilizadas.

A abóbada celeste

E o teto é em abóbada. Que grande princípio de sonho da intimidade é um teto em abóbada! Reflete sempre a intimidade em seu centro.

Gaston Bachelard; A poética do espaço

De fato, a representação mais íntima e aconchegante e – provavelmente – a mais antiga que fizemos do céu é a de uma abóbada. Algumas horas numa noite bem escura e estrelada e poderemos ver essa abóbada rodar sobre nossas cabeças. Nesta posição, o em cima e o embaixo são perfeitamente distinguíveis e nos sentimos como o centro do universo. Tudo que é terreno e pesado se move para baixo. O céu nos cerca, nos aninha e nos orienta no tempo e no espaço. Mas há séculos que deixamos de ser o centro. Que o Inferno e o Céu se misturaram. Nosso universo hoje nem sequer tem um centro. E estamos todos num ponto, um “pálido ponto azul“, como o fotografado pela Voyager 2 quando já estava para além da órbita de Netuno.

“A Terra é um palco muito pequeno em uma imensa arena cósmica.
Pensem nos rios de sangue derramados por todos os generais e imperadores para que, na glória do triunfo, pudessem ser os senhores momentâneos de uma fração desse ponto.
Pensem nas crueldades cometidas pelos habitantes de um canto desse pixel contra os habitantes mal distinguíveis de algum outro canto, em seus freqüentes conflitos, em sua ânsia de recíproca destruição, em seus ódios ardentes.
Nossas atitudes, nossa pretensa importância, a ilusão de que temos uma posição privilegiada no Universo, tudo é posto em dúvida por esse ponto de luz pálida.
Para nós, no entanto, ela é diferente. Olhem de novo para o ponto.
É ali. É a nossa casa. Somos nós. Nesse ponto, todos aqueles que amamos, que conhecemos, de quem já ouvimos falar, todos os seres humanos que já existiram, vivem ou viveram as suas vidas.
(…) Todos num grão de poeira suspenso num raio de sol.”

Carl Sagan; Pálido ponto azul: uma visão do futuro da humanidade no espaço

A abóbada celeste está bastante presente em Contato, algumas vezes como ligação entre as cenas do presente de Ellie e as cenas de seu passado, de sua infância. Num dos primeiros encontros com Palmer Joss eles estão sob as estrelas, com a imagem do enorme radiotelescópio ao fundo. Ellie fala do céu, das estrelas, de Vênus, e Joss utiliza uma frase do pai de Ellie, o que a reporta ao passado, à sua casa. Numa outra cena, Ellie sai de seu chalé, também em Arecibo, olha para o céu estrelado que se transforma no céu de sua infância no dia da morte do pai, enquanto esperavam com seus telescópios pela chuva de meteoros. O céu como o lugar do passado está associado a outras imagens e cenas do filme, além da abóbada celeste, como na abertura do filme, que já comentamos.

O céu é assim, o lugar do presente, do futuro e do passado. De fato, nós e nossas máquinas apenas molhamos os pés no oceano cósmico que se estende para além da Terra. Mas nossa imaginação, nossos valores, emoções, concepções, modelos e teorias, já nos levaram para outras terras, ilhas, continentes, e civilizações para além da Terra.

Não importa o nosso aspecto, aquilo de que somos feitos ou de onde viemos. Desde que vivamos neste universo e tenhamos um talento modesto para a matemática, mais cedo ou mais tarde descobri-lo-emos.
Já aqui se encontra. Está dentro de tudo.
Não precisamos deixar o nosso planeta para o encontrarmos.
No tecido do espaço e na natureza da matéria, como numa grande obra de arte, encontra-se, em letras pequenas, a assinatura do artista.
Erguendo-se acima de humanos, deuses e demônios, subsumindo zeladores e construtores de túneis, existe uma inteligência que antecede o Universo.

Carl Sagan; Contato

Referência:
Ceticismo Aberto – O Contato de Sagan; por Kentaro Mori

0 0 votes
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
112 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.