O TANTRA

Quando se fala em Tantra, a maioria das pessoas pensa logo em sexo. Mas não é nada disso, e é um símbolo claro da deturpação com que recebemos as doutrinas orientais aqui no Ocidente. Um texto de Enki ajuda a esclarecer o que é o Tantra:

O Tantra pode ser considerado como uma continuação dos ensinamentos antigos e asseguram sua origem nos Vedas, sendo muitas vezes considerado como o quinto Veda. Muitos iniciados sustentam até uma idade bem mais antiga aos Tantras, afirmando que foram os Vedas que se originaram dos Tantras e não o oposto. O Tantra pode ter surgido a mais de sete mil anos. Há indícios de praticas tântricas nos Vedas, confirmando sua antiga origem e, apesar das similaridades, a corrente védica e tântrica são distintas, sendo o Tantra um complemento importante para a corrente védica de conhecimento. As relações entre Tantra e os Vedas continuam grandes e complexas até hoje.

Os objetivos do Tantra

A disciplina tântrica ou Tantra-Yoga tem como objetivo o resgate da percepção do fluxo continuo da consciência, da percepção unitiva da consciência. Para isso ela usa da compreensão do mundo em que vivemos baseados no Samsara, cuja origem é o Karma. Samsara é a existência cíclica de nascimento, morte, renascimento (morte, renascimento…) O que conhecemos como destino nada mais é do que as relações kármicas que existe entre os seres. Karma é ação, seja ela boa ou ruim, e suas respectivas reações. O ocidental costuma confundir dharma com o “karma positivo” e karma com o “karma negativo”. Dharma é palavra sânscrita que possui várias traduções de acordo com o contexto. No budismo ela vai representar a Lei Devidamente Apontada e no hinduísmo recebe a tradução mais comum de Dever, seja ele espiritual, social ou moral.

O iniciado tântrico usa de dois meios importantes e complementares para compreender o mundo em que vive para assim transcendê-lo. São eles: O domínio dos reinos sutis através do desenvolvimento dos centros psico-espirituais e a investigação discriminativa dos objetos exteriores (mundo objetivo) e interiores (mundo subjetivo) através da meditação, a fim de se tornar mais sábio. Sabendo que o mundo é uma escola e que a vida é uma incessante busca pela sabedoria, o iniciado passa associar o Samsara a Maya ou ilusão (ilusões) enraizada firmemente na nossa incapacidade de compreendermos basicamente a nós e ao mundo. Para ilustrar melhor o objetivo do Tantra finalizamos essa parte com as palavras de Shiva:

“Samsara é a raiz do sofrimento. Aquele que vive no mundo é submetido ao sofrimento. Mas, ó Amado, aquele que pratica a renúncia, e nenhum outro, é feliz. Ó Amado, devia-se abandonar o samsara, que é o local de nascimento de todo sofrimento, solo de toda adversidade e a morada do mal. Ó Deusa, a mente ligada ao samsara está atada sem laços, cortada sem armas e exposta a um veneno terrivelmente poderoso.”

Shiva

O Tantra foi desenvolvido e aprimorado por uma classe de seres conhecida como Siddhas, seres perfeitos e altamente iluminados. Dessa classe podemos citar nomes como Boghanathar, Agastyar, Babaji, Milarepa, Nagarjuna, Nandi e o próprio Shiva. Para entender o Tantra é preciso primeiro entender o ponto de vista consciencial de quem o desenvolveu.

Os Siddhas possuíam uma visão monista pura, mas, no entanto eles não eram radicais. Sábios que eram, tinham o conhecimento de que a consciência humana se desdobra em vários graus e aspectos. Assim, foram densificando seus ensinamentos para atingir todos os níveis conscienciais. Revestiram o conhecimento mais sutil com a roupagem do profano, no sentido que rompiam com a velha ortodoxia brâmane, pois não consideravam as castas ou o grau social e consciencial das pessoas para passar o ensinamento espiritual. Esse rompimento tornou o tantra uma prática marginal, constantemente perseguida pelos brâmanes e seus praticantes sempre foram vistos com o “manto do mistério”, sendo temidos por todos.

No processo de “densificação” do conhecimento, os Siddhas explicaram o tantra com base nos referenciais mais acessíveis a todas as classes de seres. Esse processo deu origem a três escolas: o Kaula, que compreende o tantra da esquerda e o da direita; o Mishra, que é o caminho intermediário entre as práticas mais grosseiras e as mais sutis; e o Samaya, que é o caminho mais sutil – talvez até mais que o Advaita Vedanta – que é o caminho original dos Siddhas, o mais puro.

Da época dessa densificação havia mestres competentes em todas as três escolas e o processo de aprendizagem não era deturpado. Com o passar do tempo esses mestres autênticos foram se tornando cada vez mais raros e os conhecimentos corretos foram se perdendo pelos caminhos dos egos dos seus praticantes de visão turva. Assim, a egrégora do Tantra foi se desfazendo, restando poucos mestres autênticos, entranhados nas montanhas dos Himalayas e que custam a passar o verdadeiro conhecimento, visto que é difícil achar um verdadeiro discípulo.

Foi nesse caminho de deturpação dos ensinamentos que surgiram as primeiras práticas que associavam o sexo com o Tantra. Em verdade essa associação não existe, mas é fruto da compreensão turva de textos altamente sutis, que tratam de aspectos avançados da percepção consciencial, mas que usavam de linguagem metafórica para facilitar o entendimento. Essa sobreposição é facilmente perceptível quando se entende o ponto de vista consciencial dos Siddhas.

As práticas do Tantra foram adequadas às suas escolas, existindo práticas avançadas de meditação, que estudam a manifestação consciencial até práticas físicas como o Hatha Yoga. Essas práticas se apóiam e se completam.

0 0 votes
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.