PADRE PINTO É O MAIOR!

O assunto do momento é o Padre Pinto, de Salvador. Ele encontrou uma forma diferente de celebrar as missas: bailarino de formação clássica, vestido de roupas espalhafatosas e olhos pintados (praticamente um Clóvis Bornay desfilando pela igreja), presta homenagem a Oxum e aos caboclos fazendo performances que são até comuns nos terreiros de Umbanda, mas que causam estranheza dentro da Igreja (até mesmo pra uma velha senhora negra de Salvador, que já deve ter visto de tudo na vida, e que, “pela antiguidade” dela, desaprovou).

O vídeo com a reportagem pode ser visto AQUI.

Muito massa o glamour das roupas do Padre Pinto, e ver ele com os olhos esbugalhados enquanto dança como índio… eu simplesmente adorei! A Igreja não sabe se bota o Pinto pra fora ou deixa o Pinto dentro… da paróquia. Só sei que no momento ele foi afastado “para tratamento médico”, segundo a Arquidiocese. O fato é que o Pinto é tudo o que o Ratzinguer não quer na Igreja Católica. Durante a festa de Reis ele chorou e pediu que não o tirassem da paróquia, onde está há 20 anos. Foi afastado no mesmo dia.

Uma pena… eu gostaria de ter visto isso pessoalmente, principalmente por causa da coreografia do indiozinho lá no púlpito, que me lembrou o videoclipe Thriller, de Michael Jackson. Fizeram essa celeuma toda só por causa das danças, do visual… Mas, será que por baixo de toda a maquiagem e roupas, alguém notou que havia ali um apóstolo de Cristo, um Sacerdote, enfim, um Padre? Será que alguém se interessou pelo que ele tem a dizer?

E ele deu seu recado, perfeitamente cristão, naquela mesma missa:
“Basta lembrar que os três reis magos que presentearam Jesus menino representavam povos diferentes, donde se conclui que negros, brancos, amarelos e índios são iguais diante de Cristo. As classificações são invenções humanas que só servem para justificar exclusões” – assunto muito em voga hoje em dia, com a “discriminação positiva”, incentivada pelo governo para preenchimento das vagas de ensino e trabalho – e ressaltou que cada cidadão está devendo três presentes ao coletivo: a justiça, o amor e a paz. E fez discreta, mas ácida crítica aos eventos espetaculares de promoção da paz, como o abraço no Dique do Tororó e os três minutos de silêncio previstos para o Rock in Rio pela vida. “São bonitos, mas costumam tratar a paz como se ela fosse surgir num passe de mágica. Ela, no entanto, jamais virá se não formos justos e amarmos uns aos outros“.

Ficam aqui as palavras de Rosana Hermann: “De qualquer forma, é sempre melhor ver um padre nos noticiários pelas suas inovações estéticas do que por atividades pedófilas”. O único crime deste homem foi ter “estilo” numa organização que preza pelo impessoalismo.

Referência:
Resumo da polêmica do Padre Pinto

Atualização:
Padre Pinto morre em Salvador (2019);
Inspirada por legado do Padre Pinto, festa de Reis resiste ao esvaziamento

0 0 vote
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
117 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.