KILL BILL 2 (e outros assuntos)

kill bill

Confesso que não dei a mínima pra primeira parte de Kill Bill. Pouco tinha dos diálogos inspirados de Tarantino (embora tenha adorado as falas do xerife) e a história não se sustentava: era apenas uma paródia de velhos filmes de luta que passavam na Band. Mas me abstive de comentar pra não atrair a ira dos adoradores de Tarantino.

Mas não é que Kill Bill 2 me surpreendeu? Altíssimo nível tanto nas lutas (cortesia de Yuen Woo-Ping, o mesmo coreógrafo de lutas de Matrix) quanto nos diálogos e roteiro. Uma trama aparentemente vazia ganha uma profundidade que torna os personagens caricatos de outrora em humanos. E as paródias continuam, só que mais atenuadas, discretas. A parte com o Pai-Mei, com aquele super zoom que erra o centro por alguns centimetros e depois corrige é de morrer de rir! E as lutas, onde você pode esperar QUALQUER COISA? E a impagável análise mitológica do Superman? Só com essa Tarantino já pode ser aclamado como um “Andy Warrol do cinema”.

superman reeve

Seja como for, Gogo vai deixar saudades…

Por falar em Superman, quero aqui prestar minha homenagem ao homem que não só interpretou o Superman nos cinemas, como tornou-se na vida real Super homem: Christopher Reeve. Ele faleceu hoje de parada cardíaca, após ter se tornado um exemplo de esforço sobre-humano na recuperação dos movimentos e (ainda mais importante, e não menos impressionante) na reintegração à sociedade e às atividades artísticas.

Pra não dizerem que eu sou Nerd, presto minha homenagem a Fernando Sabino, que também faleceu hoje: leiam a crônica O homem nu. É hilária, virou filme e inspira até hoje publicitários, como no comercial do Mastercard.

0 0 votes
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.