CAMPO DE HIGGS E O FLUIDO UNIVERSAL

“Leite vos dei por alimento, e não comida sólida, porque não a podíeis suportar; nem ainda agora podeis”.

I Coríntios, 3:2

Toda a comunidade científica comemora a descoberta do Bóson de Higgs (a tal “partícula Deus“). E com razão: quanto mais entendimento científico, mais a humanidade avança em direção ao progresso material e, quem sabe, até mesmo ao espiritual, desvelando os mitos e linguagens de outrora, que mais confundiam que explicavam. Assim como a psicanálise trouxe uma nova luz aos Mitos, espero que a Física possa trazer luz a esse mistério que é o mundo espiritual. Antes eu achava que esse mundo não tinha interação ALGUMA com a física terrestre, que fosse de outra natureza, outra dimensão, sei lá, mas não é que o blog Textos pra Reflexão conseguiu perceber no post “O frescobol cósmico” um paralelo interessantíssimo entre o Campo de Higgs e o Fluido Universal, explicado no Livro dos Espíritos em 1857? Não quer dizer necessariamente que sejam a mesma coisa, mas está claro no texto de que tratam da MESMA relação matéria x campo:

Campo de Higgs e o Fluido Universal

Pode haver este campo de energia que permeia todo o universo. Ele foi inicialmente proposto porque ninguém entendia como as partículas subatômicas ganhavam suas respectivas massas. O campo proposto deve interagir com tais partículas e lhes conferir massa. As partículas massivas devem interagir mais diretamente com tal campo, enquanto partículas sem massa alguma provavelmente sequer interagiriam com ele.

Para compreender melhor esta ideia podemos usar uma analogia com o oceano e os nadadores. A água faz o papel do campo proposto: Um peixe barracuda, por ser esguio e pontiagudo, pouco interage com o campo e pode se deslocar facilmente por ele. A barracuda seria similar a uma partícula com pouca ou nenhuma massa; Em contraste, um sujeito obeso, amante das rosquinhas, se moverá muito lentamente pela água. Em nossa analogia, ele seria uma partícula massiva, pois interagiria bastante com a água.

Se tal campo fluido não existisse, nenhuma partícula teria massa, e veríamos apenas luz e energia por aí. Chamamos a este campo hipotético de Campo de Higgs, em homenagem a Peter Higgs, criador da teoria. O Bóson de Higgs nada mais seria do que a partícula que forma tal campo, da mesma forma que as moléculas de H2O formam a água do oceano.

Retirado e adaptado do vídeo de divulgação científica de Don Lincoln, do Fermilab

Ao elemento material é preciso juntar o Fluido Universal, que desempenha o papel de intermediário entre a luz e a matéria propriamente dita, muito densa para que a luz possa exercer alguma ação sobre ela. Embora, sob certo ponto de vista, se possa classificar o Fluido Universal como um elemento material, ele se distingue deste por propriedades especiais. Se fosse realmente matéria, não haveria razão para que a luz também não fosse. Está colocado entre a luz e a matéria; é fluido, como a matéria é matéria, e suscetível, pelas suas inúmeras combinações com esta e sob a ação da luz, de produzir a infinita variedade das coisas das quais os homens não conhecem senão uma ínfima parte.

Esse Fluido Universal, ou primitivo, ou elementar, sendo o agente de que a luz se utiliza, é o princípio sem o qual a matéria estaria em perpétuo estado de divisão e jamais adquiriria as propriedades que a gravidade lhe dá.

trecho final da resposta à pergunta #27 de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec

Vejam também o que o cientista Marcelo Gleiser teve a dizer sobre a similaridade conceitual do Campo de Higgs com o Éter (ou quintessência, ou fluido universal) de Aristóteles, no texto “Aristóteles e Higgs: uma parábola etérea“:

Aristóteles e Peter Higgs entram num bar. Higgs, como sempre, pede o seu uísque de puro malte. Aristóteles, fiel às suas raízes, fica com um copo de vinho.

“Então, ouvi dizer que finalmente encontraram,” diz Aristóteles, animado.
“É, demorou, mas parece que sim,” responde Higgs, todo sorridente. “Você acha que 40 anos é muito tempo? Eu esperei 23 séculos!” “Como é?”, pergunta Higgs, atônito. “Você não acha que…”
“Claro que acho!”, corta Aristóteles. “Você chama de campo, eu de éter. No final dá no mesmo, não?”
“De jeito nenhum!”, responde Higgs, furioso. “O seu éter é inventado. Eu calculei, entende? Fiz previsões concretas.”
“Vocês cientistas e suas previsões…”, diz Aristóteles. “Basta ter imaginação e um bom olho. Você não acha que o meu éter é uma excelente explicação para o que ocorre nos céus?”
“Talvez tenha sido há 2.000 anos. Mas tudo mudou após Galileu e Kepler”, diz Higgs.

Aristóteles olha para Higgs com desprezo. “Você está se referindo a esse ‘método’ de vocês, certo?”

“O método científico, para ser preciso”, responde Higgs, orgulhoso. “É a noção de que uma hipótese precisa ser validada por experimentos para que seja aceita como explicação significativa de como funciona o mundo.”
“Significativa? A minha filosofia foi muito mais significativa para mais gente e por muito mais tempo do que sua ciência e o seu método.”
“É verdade, Aristóteles, suas ideias inspiraram muita gente por muitos séculos. Mas ser significativo não significa estar correto.”
“E como você sabe o que é certo ou errado?”, rebate Aristóteles. “O que você acha que está certo hoje pode ser considerado errado amanhã.”
“Tem razão, a ciência não é infalível. Mas é o melhor método que temos para aprender como o mundo funciona”, responde Higgs.
“Nos meus tempos bastava ser convincente”, reflete Aristóteles com nostalgia. “Se tinha um bom argumento e sabia defendê-lo, dava tudo certo”, continuou.
“As pessoas acreditavam em você, mas não era fácil. A competição era intensa!” “Posso imaginar”, responde Higgs.
“Ainda é difícil. A diferença é que argumentos não são suficientes. Ideias têm que ser testadas. Por isso a descoberta do bóson de Higgs é tão importante.
“É, pode ser. Mas no fundo é só um outro éter”, provoca Aristóteles.
“Um éter bem diferente do seu”, responde Higgs. “E por quê?”, pergunta Aristóteles. “Pra começar, o campo de Higgs interage com a matéria comum. O seu éter não interage com nada.”
“Claro que não! Era perfeito e eterno”, diz Aristóteles.
“Nada é eterno”, rebate Higgs.
“Pelo seu método, a menos que você tenha um experimento que dure uma eternidade, é impossível provar isso!” afirma Aristóteles.
“Touché, você me pegou”, admite Higgs. “Não podemos saber tudo.” “Exato”, diz Aristóteles. “E é aí que fica divertido, quando a certeza acaba.”
“Parabéns pela descoberta do seu éter”, diz Aristóteles.
“Existem muitos tipos de éter”, afirma Higgs. “E muitos tipos de bósons de Higgs”, retruca Aristóteles.
“É, vamos ter que continuar a busca.” “E o que há de melhor?”, completa Aristóteles, tomando um gole.

0 0 votes
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
60 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.