VIMANAS

O Império Rama existiu há pelo menos 15.000 anos atrás, no norte da Índia. Aparentemente, existiu paralelo à civilização atlante (que, pelos cálculos de Platão, deve ter sido destruída há 12.000 anos atrás). Possuía cidades sofisticadas, muitas ainda a serem encontradas no deserto do Paquistão, norte e nordeste da Índia. Algumas cidades com 5.000 anos já foram encontradas por arqueólogos, e são literalmente inexplicáveis. Numa época em que as pessoas deveriam estar vivendo em tendas (se formos nos basear pelo Egito) essas cidades já possuíam sistema de irrigação, esgoto, largas avenidas e iluminação pública. E o mais fascinante: quanto mais escavam, mais encontram vestígios de outras cidades, ainda mais antigas, e ainda mais modernas! Infelizmente os pesquisadores se defrontaram com um lençol d’água e não podem cavar mais.

As sete grandes capitais do Império Rama são conhecidas nos textos Védicos como As sete cidades Rishi.
De acordo com os textos, esse povo utilizava-se de máquinas voadoras que eram chamadas de Vimanas. Ele voava na “velocidade do vento” e produzia um “som melodioso”. Decolavam verticalmente e podiam pairar no ar, como um helicóptero. Havia pelo menos quatro tipos diferentes de Vimanas: Um dos tipos é descrito exatamente como imaginamos um disco voador “clássico”: circular, com portinholas e um domo. Outros em forma de pires, e outros ainda como um longo cilindro (em forma de cigarro). Todos batem exatamente com descrições de discos voadores feitas no mundo todo, por pessoas que com certeza desconhecem os Vedas.

Os textos antigos sobre os Vimanas são muitos, e envolvem desde a construção de um Vimana até manuais de vôo dos vários tipos de naves, alguns dos quais foram traduzidos para o inglês.

O Samara Sutradhara é um tratado científico lidando com todos os aspectos possíveis dos Vimanas. São 230 tópicos lidando com construção, decolagem, vôos cruzeiros, aterrissagem normal, forçada, e até mesmo a possibilidade de colisão com pássaros (!).

De acordo com o Dronaparva e o Ramayana, partes do gigantesco épico Mahabarata, um Vimana é descrito como uma esfera que se movia à grande velocidade, em todas as direções, impulsionada por um “vento poderoso” gerado por mercúrio. No Samar, outro texto Hindu, os Vimanas são “máquinas de aço sem emendas, com uma descarga de mercúrio que saía da traseira na forma de uma forte labareda.”

Aplicações práticas

O indiano Shivkar Bapuji Talpade supostamente construiu e voou, em 1895, um avião não-tripulado feito com base nos Vimanas, e diz-se que sua propulsão era feita por mercúrio (outros dizem urina). Infelizmente não há provas de tal feito.

Mas curiosamente o motor a base de mercúrio não só é possível como foi feito pela NASA nos anos 70: É o Mercury Ion Thruster, ou Mercury Vortex engine, que tanto serve para gerar propulsão como para gerar eletricidade. Mas a idéia foi abandonada pois os elementos utilizados (Césio e Mercúrio) são perigosíssimos pro meio ambiente. Só que agora uma startup do Vale do Silício quer refazer esses motores.

O texto mais famoso sobre Vimanas tem menos de 100 anos. Foi feito entre 1918-23, ditado por Subbaraya Shastry, um místico que ficou recluso por 9 anos numa floresta e lá teve acesso (via canalização) ao conteúdo, que segundo ele veio do Mestre Bharadvaja e é apenas uma pequena parte de algo muito antigo, intitulado Yantra Sarvaswa (“Tudo sobre máquinas“) . O livro canalizado chama-se Vaimānika Shāstra, e lida com a forma de pilotar os Vimanas, precauções com vôos longos, proteção contra tempestades e relâmpagos, e como voar com a energia solar. Possui 8 capítulos com diagramas que mostram os tipos de naves, incluindo aparatos que nunca quebravam ou se incendiavam. Também menciona 16 materiais que absorvem luz e calor, essenciais para a construção dos Vimanas. Este documento foi traduzido para o inglês por G. R. Josyer e publicado com ilustrações (aprovadas por Shastry) em 1973.

Em 1974, cientistas indianos estudaram os diagramas e disseram que não há como essas máquinas voarem, e que os princípios de vôo descritos no livro estão muitas vezes incorretos.

O Ahnihotra-Vimana possuía dois motores, enquanto o Vimana-elefante possuía mais (outros tipos levavam nomes de outros animais, como o Íbis). A propulsão dos Vimanas é envolta em controvérsia. Em uns textos diz ser movida por um líquido amarelo-esbranquiçado (gasolina?), e algumas vezes por um tipo de composto de mercúrio. Em outro ainda é movida por pulsos (vibração).

Interessante notar que os nazistas desenvolveram motores baseados em pulsos para as suas bombas V-8. Hitler era especialmente interessado na Índia, e mandava expedições para lá e para o Tibet ainda nos anos 30. Há inclusive a teoria de que eles conseguiram reproduzir o Vimana e fugiram com ele para a Antártida, para formar o 4° Reich (pessoalmente não acredito nisso, mas que eles estavam tentando fazer, estavam. Tem inclusive com fotos dos esquemas alemães de construção que foram capturados pelos aliados). Tem um filme que é tão ruim que dá a volta e fica bom, o Iron Sky (Nazis on the Moon), que usa essa premissa.

Curiosamente, cientistas soviéticos descobriram o que eles chamam de “antigos instrumentos de navegação para veículos cósmicos” em cavernas no Turquistão e no deserto de Gobi. Os aparelhos são objetos esféricos de vidro ou porcelana, que terminam num cone com um pingo de mercúrio dentro.

Acredita-se que o povo Hindu voou nesses veículos por toda a Ásia, Atlântida e – aparentemente – para a América do Sul. Escritos achados em Mohenjodaro, no Paquistão (presumivelmente uma das “7 cidades Rishi do Império Rama”) e ainda não decifrados, também foram encontrados em outro lugar do mundo: Ilha de Páscoa!! Essa escrita, chamada de Rongo-Rongo (também não-decifrada) é incrivelmente similar à de Mohenjodaro.

Voar nessas máquinas não era uma exclusividade dos Hindus: O Hakatha (Leis dos Babilônicos) atesta que “o privilégio de operar uma máquina voadora é grande. O conhecimento do vôo é uma das nossas heranças mais antigas. Um presente dos que vieram do alto. Nós o recebemos como um meio para salvar muitas vidas.”

Uso bélico

Infelizmente todo conhecimento é sempre usado para a guerra. Os Atlantes, de acordo com os textos Hindus, usaram suas máquinas voadoras, chamadas de Vailixi, para subjugar o mundo. Eram conhecidos como Asvins e aparentemente eram mais avançados tecnologicamente que os Hindus, e certamente mais bélicos.

No Mahabharata vemos a descrição de um ataque nuclear:

“Gurkha, voando a bordo de um Vimana de grande potência, lançou sobre a tríplice cidade um projétil único, carregado com a potência do Universo. Uma coluna incandescente de fumaça e fogo semelhante a 10 mil sóis se elevou em seu esplendor. Era uma arma desconhecida, o Raio de ferro, um gigantesco mensageiro da morte,que reduziu a cinzas toda a raça dos Vrishnis e dos Andhakas. Os corpos ficaram tão queimados que se tornaram irreconhecíveis;
Os cabelos e unhas dos que sobreviveram caíram; A cerâmica quebrou sem causa aparente, e os pássaros ficaram brancos;
(…)Após algumas horas todos os alimentos estavam infectados…
(…)para escapar do fogo os soldados se jogaram nos rios,para lavarem-se e aos equipamentos.”

Mahabharata

Quando a cidade de Mohenjo-Daro foi escavada por arqueologistas, no século 19, eles acharam esqueletos estirados nas ruas, alguns deles de mãos dadas, como se estivessem esperando a morte. Estes esqueletos estão entre os mais radioativos já encontrados, similares aos de Hiroshima e Nagasaki (essa alegação carece de fontes confiáveis).

Cidades antigas, cujos muros e calçadas foram literalmente vitrificados podem ser encontradas na Índia, Irlanda, Escócia, França e Turquia. Não há explicação lógica para isso, pois é necessário um intenso calor, semelhante ao de um ataque atômico, para derreter e vitrificar esses blocos de pedra.

Mas Mohenjo-Daro – que foi projetada em quarteirões e com um sistema de encanamento superior aos usados na Índia e Paquistão atualmente – possuía espalhadas nas ruas várias “formas negras de vidro”. Descobriu-se depois que essas formas nada mais eram do que potes de argila que derreteram e vitrificaram sob intenso calor!

É interessante notar que, quando Alexandre “O Grande” invadiu a Índia (há mais de 2000 anos) seus historiadores relatam que, num certo ponto da batalha foram atacados por “brilhantes escudos voadores” que mergulharam contra o seu exército e assustaram a cavalaria.

Outras armas fantásticas, presentes no Mahabharata, são o Dardo de Indra, operado através de um “refletor” circular. Quando ligado, produzia uma “coluna de luz” que consumia tudo o que tocava. É o que hoje nós conhecemos por “laser” (Isso me lembra Austin Powers 2!). Em outro trecho do poema o herói (Krishna) está perseguindo seu inimigo, Salva, no céu, quando o Vimana de Salva fica invisível (assim como os UFOs fazem hoje em dia). Krishna imediatamente utiliza uma arma especial: “Eu rapidamente disparei uma flecha incandescente, que matava guiando-se pelo som”. (James Bond não faria melhor… e isso foi escrito há mais de 6.500 anos!)

Fonte:
Vedic Theories of Creation – Vimanas (Traduzido e adaptado)

Referência:
History Channel: Os vimanas, naves voadoras da antiguidade?;
Mundo Proibido: Vimanas, maquinas de guerra da antiguidade;
Revista UFO: Os incríveis vimanas e a Índia Antiga;
Ancient technology;
Idearium Perpétuo;
What Vaimanika Shastra tells about Vimanas?

0 0 vote
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.