SAINDO DA MATRIX: O QUE É?

As filosofia deste blog tem por inspiração duas figuras lendárias, que passaram pela Terra ensinando não uma religião, mas um estilo de vida que vai pra muito ALÉM desta vida: Jesus e Buda.

Esses caras vieram à Terra não pra fundar uma religião, mas sim nos mostrar que que estamos interligados não só entre as pessoas, mas com o planeta e o Universo. Este não é um blog sobre religião, e sim sobre religiosidade. A religiosidade que há quando duas pessoas se respeitam, se compreendem, quando se amam do jeito que elas são, quando se ajudam nos momentos de dificuldade, quando dizem tudo com apenas um olhar… Não é preciso acreditar ou desacreditar em Deus pra isso. Buda mostrou que todos nós podemos ser Budas, e se não o somos é porque não desenvolvemos nosso potencial. Jesus disse que todos poderíamos ser UM com o Pai, assim como ele. Palavras diferentes, doutrinas diferentes, mas a mesma mensagem. Basta expandir a religiosidade que há para com a pessoa amada e reparti-la com o mundo.

Este é um blog que procura seguir a filosofia de Jesus e Buda, de nada impor, nem esperar algo em troca, visando trazer discernimento na forma de parábolas, comentários de filmes, atualidades, estudos das mais diversas doutrinas e religiões, procurando dar uma nova perspectiva da nossa vida aqui na Terra (que ainda assim é a minha perspectiva, que não quero – nem posso – fazer com que seja a sua perspectiva). Desconfie de tudo o que estiver escrito aqui, mas se possível analise todo o conteúdo sabiamente, a fim de que você possa jogar fora o joio e ficar com o trigo.

Não estou querendo fundar uma nova religião ou seita, nem escrever um livro nos moldes de Paulo Coelho. Nem todos os posts aqui refletem minha opinião, mas todos refletem minha busca espiritual, que não é por UM caminho, mas por vários. Leiam com atenção, sem desprezar nada por preconceito, depois estudem em outras fontes, meditem a respeito, consultem seu coração, e só então aceitem ou rejeitem o que está aqui. E, se você aceitar alguma coisa daqui como SUA verdade, seja coerente e viva para isto.

Uma forma que encontrei de comentar à respeito de um tema paralelo sem tirar o foco da leitura foi essa caixinha roxa. Passe o mouse em cima dela e verão comentários sobre a palavra ou frase.

De vez em quando falo aqui de Oráculo. Ela não é uma guia espiritual. É antes de tudo uma amiga e uma mãe. Você não precisa (nem deve!) tomar o que ela diz por verdade. Ela tem apenas um ponto de vista diferenciado, o que talvez a possibilite ver um pouco além do que podemos ver. O que vale pra ela vale pra TODOS os textos contidos no blog:
Se seu íntimo diz “ela tem razão, isso faz sentido” mas seu racional logo diz “e quem é ela pra saber? eu não acredito em espíritos!” fique com seu íntimo e reflita a respeito. Poderia ser o Papai Noel, mas existe uma mensagem e ela não pode ser ignorada. Agora, se em seu íntimo você acha que o que ela fala é sem sentido, não significando nada pra você, mas seu racional diz “ela deve ser especial, mais evoluída, tenho de procurar entender e seguir” então CONTINUE COM SEU ÍNTIMO. Sua consciência é o seu melhor guia, afinal, será ela seu único juiz e carrasco (e não Deus, que deve ter mais o que fazer do que ficar aplicando punições em fulano e sicrano). E aprenda a não transferir a responsabilidade de seus atos pra NINGUÉM (Nem pra Buda, nem pra Bíblia, pra nada nem ninguém).

Ler o blog do começo é recomendável. Na página inicial o post (como é chamado o texto do dia) mais antigo fica sempre abaixo do mais recente, numa linha temporal. Comecei com assuntos mais leves, facilmente encontrados pela net, e depois fui progressivamente aprofundando-os, envolvendo questões éticas e polêmicas (afinal, de que adianta estudar essas coisas se não vamos aplicá-las em nossas vidas?).

Você vai ler muitas citações de Buda e Jesus. São os meus mestres mais amados, mas nem por isso vocês devem acreditar em tudo o que eles dizem. Simplesmente meditem a respeito. Verão que eles não são MESTRES à toa. Eu prefiro dizer que não tenho religião, porque não gosto de me limitar a um credo. Acredito que Deus é TUDO, em todas as suas manifestações (assim como o TAO), e gosto de me perguntar “por que certas coisas acontecem?”. Gosto muito do espiritismo, pois é a doutrina que mais se aprofunda nestas questões (do porquê) mas não é “minha” doutrina. Eu não gosto de seitas, grupos fechados, essas coisas que escondem o conhecimento para uns “escolhidos”. Pra mim os fatos devem ser escancarados. Temos de tirar as pessoas dessa “Matrix”, o “véu de Maya” de que Buda falava, a falsa sensação de que tudo está explicado, de que só existe o que você pode ver, tocar ou o que os cientistas dizem que existe. Enquanto isso as pessoas vivem angustiadas, com problemas psicológicos, sentindo internamente que a vida é algo mais, sentem que estão desperdiçando seu tempo aqui na Terra, e não sabem (justamente por conta dessa história de “ocultismo”, que sempre envolve tudo num véu de misticismo) que rumo tomar. Algo que tenho notado é que, quanto mais véus você vai tirando, mais sua consciência vai criando outros, mais sutis. Acho até que “estar fora da Matrix” é apenas mais um nível da Matrix.

Não concordo com algumas opiniões (até mesmo as que publico em alguns posts!), mas vejo isso como necessário para que se crie nas pessoas o DISCERNIMENTO. É isso que busco com o meu blog. Que as pessoas aprendam a questionar, a ver os lados da moeda, a perceber algo mais por trás das coisas aparentemente mais simples…

Opinem, não tenham medo de mostrar seus pontos de vista, de apontar possíveis erros, tudo isso vai enriquecer o nosso aprendizado, mas por favor, que seja com educação, sem querer que SUA verdade seja A VERDADE.

Acendei um farol e não andeis a chamar os homens para que o vejam. Aqueles que necessitarem de luz não precisarão ser convidados a ela.

Mikhail Naimy; O Livro de Mirdad

Minha intenção é que o blog se torne um farol, um repositório de conhecimento (por isso espero que os visitantes contribuam com seus conhecimentos). Só que o farol não pega você pela mão e o leva até um local. Você terá de ir até ele. Ele é a segurança, é o caminho (espiritual) conhecido pelos navegadores (a humanidade). Mas que tipo de navegador você será se ficar navegando somente pela costa, à luz do farol? E o quanto há pra ser descoberto além-mar?! Navegar é preciso, e viver é navegar. Alguns navegam pela costa, outros se lançam ao alto-mar. Uns encontram porto seguro na costa, nunca saindo do seu cabedal de conhecimentos, enquanto outros se espatifam nas rochas, por não conhecer o local. Os melhores capitães se preparam muito bem antes de iniciar uma jornada, estudam todos os arredores de todos os faróis, e evitam assim os perigos do litoral. Estudam as correntes, consultam outros navegadores mais antigos, e não se perdem entre um e outro porto seguro. Estudam os ventos, e não ficam à deriva em alto-mar.

Este blog é um farol. Um, no meio de muitos outros. Se você ficar ao lado dele, admirando-o, não vai chegar em canto algum. Agora, se você usá-lo como referência e iniciar sua caminhada por conta própria, aí sim o farol te servirá de guia, uma luz sempre indicando uma posição conhecida, e por meio dela você conhecerá a direção que está tomando.

O dono do blog adverte:

Ele não é o Neo: um líder espiritual a ser seguido.
Também não é o Smith: que quer que os outros pensem igual a ele.
Ele não tem religião nem seita, pelo simples motivo de que a SUA não é melhor que TODAS as outras.
Ele preferiria que fosse visto como um cara com opiniões, que poderiam ser discutidas, mas não combatidas ou cegamente seguidas.
Não elogiem, pois envaidece o espírito. Mas também não xinguem.

5 2 votes
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
51 Comentários
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.