INJUSTIÇA NOSSA DE CADA DIA

Estou impressionado em ver como se levantam na mídia e no poder gente pra defender falcatruas de gente rica!! Como pode um jornal como o da Band fazer um editorial criticando a ação da Polícia Federal porque prendeu por 10 horas Eliane, a dondoca dona da loja milionária Daslu, que SONEGOU DESCARADAMENTE IMPOSTOS no valor de R$ 10 milhões de reais?!! A prisão dela foi totalmente legal, embasada juridicamente, e se esse fosse um país sério estaria presa até hoje! E ainda assim aparecem gente no NOSSO Congresso Nacional pra defender uma contraventora (esteja ela participando ou não!). O senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), amigo de Eliane (e cuja neta trabalha na Daslu), considerou a operação injusta e identificou uma “manobra” do governo para mudar o foco das atenções: “Vivemos numa época de estado policial, onde querem claramente desviar o fato dos verdadeiros ladrões para outros setores. Eliana está sendo injustiçada” – afirmou ACM. Injustiçada? Injustiçada??

Outros que foram defender a madame foram o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR) e o líder do PFL no Senado, José Agripino (RN). Se vocês moram no Paraná, Natal e Bahia, guardem esses nomes. A Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) também lançou nota de repúdio à prisão.

Na Daslu trabalha como gerente a filha do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que até participou da inauguração.

Enquanto isso, no “outro” Brasil:

A empregada doméstica Maria Aparecida de Matos tem 24 anos, dois filhos pequenos e acaba de deixar a prisão, onde passou um ano e sete dias. Ela foi presa em flagrante quando tentava furtar um shampoo e um condicionador numa farmácia, em São Paulo. Os produtos custavam 24 reais.

Maria é analfabeta, só sabe desenhar o nome. Nunca teve dinheiro para pagar advogado. Depois de presa foi atendida pela assistência jurídica gratuita e pela advogada Sônia Regina Arrojo, que se revoltou com o absurdo da situação. O primeiro recurso chegou à 2ª Vara Criminal: Solicitava que Maria aguardasse o julgamento em liberdade. A Justiça achou que ela tinha de ficar presa. Ficou.

Inconformada com a decisão da 2ª Vara Criminal, a defesa de Maria foi à mais alta instância da Justiça paulista, o Tribunal de Justiça. Voltou a pedir que Maria aguardasse o julgamento em liberdade, mas nesse meio-tempo aconteceu o julgamento. E Maria foi condenada a um ano de detenção num manicômio penitenciário. Tinha de ficar presa. Ficou.

Finalmente a defesa de Maria recorreu ao Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. O recurso não negava o furto, apenas pedia que Maria fosse libertada devido à insignificância do crime, princípio que já tem jurisprudência formada. Um ministro do STJ, Paulo Gallotti, entendeu a inacreditável injustiça que se fazia contra Maria e mandou libertá-la. Depois de um ano e sete dias na cadeia Maria foi solta na terça-feira (junho de 2005) passada.

Na prisão, Maria foi torturada. Perdeu a visão do olho direito. Era vaidosa e, segundo o repórter Gilmar Penteado, da Folha de S.Paulo, que a entrevistou, tenta esconder o defeito no rosto quando conversa com alguém. Na terça-feira, quando lhe deram a notícia de que finalmente seria libertada, Maria não acreditou. Achou que fosse brincadeira. “Pensei que jamais iria sair de lá”, disse ela.

Enquanto isso, nos EUA, o ex-presidente da operadora de telefonia WorldCom Bernard Ebbers foi condenado a 25 anos de prisão pela Justiça por encabeçar a maior fraude da história dos Estados Unidos. Amigo de George W. Bush, até a véspera do estouro do escândalo das fraudes Bernard Ebbers era cogitado para um posto-chave no governo dos EUA.

Não creio que George Bush vá dar declarações dizendo que houve “injustiça”…

5 1 vote
Avaliação
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.