Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


RECONSTRUÇÃO DO SAINDO DA MATRIX (parte 3)
qua, 12 de agosto, 2015
 


Essa semana faz 1 ano que iniciamos a reconstrução do Saindo da Matrix. Começou com um looooooooongo brainstorm pra definir o visual (já que, vocês sabem, eu sou meio apegado a esse layout e não mudo o visual desse blog faz uns 10 anos ou mais). Após muito deliberar conseguimos chegar num equilíbrio entre modernidade e tradição. Só isso tomou 6 meses. Depois seguiu-se mais alguns meses de implantação, conserto de bugs e testes. Mas nos últimos 3 meses um imprevisto que parou por completo a operação com 70% do site pronto.

Após várias tentativas de solucionar o impasse, agora vamos retomar os trabalhos com perspectiva de término no fim do mês. Após isso vai se seguir mais 30 dias de testes e aí então a inauguração. Enquanto isso estou fazendo uma limpeza aqui nos textos do blog, consertando links e vídeos quebrados, convertendo arquivos FLASH em HTML5, melhorando a disposição e a escrita em alguns textos (como esse), enfim, preparando o conteúdo para sua nova embalagem. É um trabalho homérico, já que são 1.300 posts. Se vocês descobrirem posts com vídeos ou links quebrados por favor postem o link nos comentários.

Me desculpo pelo atraso, mas não pensem que torrei o dinheiro de vocês em vinhos Bordeaux, queijos maravilhosos, aquela viagem à Grécia num iate, e um delicioso fois gras com Ratatouille na semana passada. Não, não e não!


 
Geral - publicado às 9:21 AM 32 comentários
JUNG E DEUS
seg, 10 de agosto, 2015
 


O Estado Islâmico executou 19 mulheres que se recusaram a participar do seu "jihad sexual", ou seja, manter relações sexuais com seus gloriosos guerreiros. Obviamente eles devem ter alguma Lei pra isso, baseada literal ou vagamente em alguma escritura sagrada ou passagem do tempo de Maomé. Mas antes de citar o Islamismo como a causa para tantas barbaridades, como decapitações, assassinatos de homossexuais ou aplicação da Lei de Talião, talvez devamos lembrar que muita coisa ruim está legitimada também no Velho Testamento, e em outros escritos sagrados de antigas civilizações. Seria talvez mais simples culpar o Islã por suas leis antiquadas e fanatismo religioso que teimam em continuar mesmo nos tempos de hoje, mas estaríamos esquecendo o principal elemento aqui: o elemento HUMANO. Estamos em pleno século 21, com acesso à tecnologia e comunicação, avanços nos campos sociais, científicos, políticos, e ainda há pessoas e países inteiros dispostos a viver social e moralmente como um beduíno do séc VIII, mas sem abrir mão do celular, da internet, da energia elétrica. Como explicar que a mente humana se abra a algumas idéias e outras não?
Como explicar que, mesmo no Brasil, tenhamos pessoas que escolhem quais passagens do Velho Testamento elas vão usar pra guiar suas vidas, enquanto ignora solenemente outras como se nunca tivessem existido?
Como explicar o fascínio que certas passagens de poder e dominação do Velho Testamento exercem entre os Evangélicos (Leão de Judá, abrir o Mar Vermelho, Templo de Salomão, Mil cairão ao teu lado, etc) enquanto o cristianismo (afinal, eles são cristãos, né?) é baseado na figura de um Cordeiro, na humildade e na resignação?

Apenas os fatos não explicam como uma garota bem de vida na Inglaterra abandona casa, família, conforto e amigos pra servir de esposa (parideira ou escrava sexual) para combatentes na Síria. É preciso um chamado interno, mais forte que qualquer ideologia, que estruture os anseios mais inexplicáveis e dê a isso uma face, um nome, um propósito. E tudo isso carrega o nome de "Deus" ou "Diabo". Através dessa Força o Ser Humano é capaz de realizar as coisas mais maravilhosas, e também as maiores atrocidades.

A melhor resposta a essa contradição e - por que não dizer - "loucura" está nos estudos do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung: O que consideramos (ou imaginamos) Deus é na verdade o Inconsciente, ou, no mínimo, está manifestado no Inconsciente. O que faz muito sentido, porque tudo o que sabemos de Deus nos foi apresentado por SERES HUMANOS que tiveram contato com o Divino, muitas vezes em estados alterados de consciência (seja através de jejum, meditação, plantas, o que for). E toda essa "realidade" nos é passada através de símbolos e analogias que pertencem ao conteúdo do Inconsciente, do subjetivo. O texto abaixo são parágrafos e frases dos livros The Visions Seminars, Resposta a Jó e Cartas de Jung Vol. 2. Não é uma leitura para iniciantes, e ao mesmo tempo não é para os que têm o copo já cheio.


Continuar a leitura

 
Psicologia - publicado às 1:14 PM 105 comentários