Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


ANO NOVO PERSA
sáb, 21 de março, 2015
 


Ontem foi comemorado o Nowruz, o Ano Novo Persa. Essa comemoração advém do antigo império Persa (do Rei Xerxes, aquele do filme 300), quando a religião era o Zoroatrismo. Atualmente a região onde era a Pérsia é o Irã, e o Ano Novo ainda é comemorado lá, mas meio discretamente, pois o Irã é hoje muçulmano e o Zoroatrismo (assim como a língua persa) ficou em segundo plano (o Zoroatrismo é visto lá também como uma forma de resistência psicológica contra o Islamismo, que a maioria da população da capital Teerã detesta).

O Nowruz é comemorado com um grande peixe defumado, e petits gâteaux (bolinhos), e todos dançam em uma grande roda de ciranda.
O mais interessante é que o Ano Novo deles, ao contrário do nosso, tem base lógica e científica. Isso mesmo, porque ao contrário da nossa convenção artificial, em que comemoramos na meia-noite de um determinado dia de um calendário inventado, no deles o ano é solar, ou seja, leva o tempo que a Terra leva pra completar a volta em torno do Sol, e por isso mesmo pode ser comemorado no dia 20 ou 21 de março, e num horário que todo ano muda (coincidentemente esse ano foi 23:30, quase meia-noite, mas acontece de ser de manhã também). Como um círculo não tem começou ou fim, não existe um dia em que a Terra começou a girar em torno do Sol, então por que escolherem essa data? Por conta do Equinócio de março, quando o planeta Terra recebe luz do Sol de forma igual, e por isso o dia e a noite possuem quase a mesma duração. É quando o Inverno acaba e o Sol reaparece (na parte Norte do Globo, que é de onde vieram todas essas civilizações antigas) e as árvores secas começam a brotar suas folhas e florzinhas. A vida começa a ressugir na Terra. Realmente faz TODO o sentido começar o ano agora, pra quem vive no hemisfério Norte.

Os padres Zoroastrianos são chamados de Magha. Os gregos os chamavam de Magi (Magus, no singular). Os Zoroastrianos passaram a ser chamados de Magians, então vem daí o nome "Mago" e "Magia", pois os gregos, ao verem o quanto os persas eram bons em ciências e medicina, associavam as curas e previsões astrológicas à feitiçaria. Os três Reis Magos que deram presentes a Jesus eram na verdade padres Zoroastrianos. O estudo da astronomia é essencial para o Zoroatrismo porque é assim que eles calculam os anos, e com base nisso a época da plantação e colheita. O "papa" dos Zoroastrianos é o "Arquimago". Os Iranianos ficam putos de ver sua religião associada à magia/feitiçaria, e mais putos ainda em ver o antigo Rei deles, o Xerxes, representado pelo Rodrigo Santoro de tanguinha dourada (o primeiro "Boy Magia" da história).


Não resisti


Zoroastro (ou Zaratustra) é o fundador da religião persa. Os próprios persas não cultuam a pessoa de Zoroastro, tanto que chamam a sua religião de Mazdayasni (em referência ao Deus Mazda). Foram os gregos que deram o nome de Zoroatrismo. Os textos gregos dizem que foram "bons espíritos" que deram as Leis aos persas.

Lucius Cassius Dio Cocceianus (163-229 d.C) escreve: "Os persas dizem que Zoroastro, por sua paixão pela sabedoria e justiça, deixou seus companheiros e se isolou em uma certa montanha; e então a montanha pegou fogo, através de uma chama gigante que desceu do céu e que queimava incessantemente. O Rei e os mais nobres persas se prostaram aos pés da montanha para orar à Deus, e então viram Zoroastro sair de dentro do fogo ileso, e ele os convidou a ficarem felizes e agradecer ao fato de que Deus tenha se manifestado neste lugar. E após isso Zoroastro se associou a eles, mas não todos, apenas aos que ele considerava mais voltados à Verdade, os mais capazes de compreender Deus, homens que os persas chamaram de Magi, que significa pessoas que sabem como cultivar o poder divino, e não o que os gregos, em sua ignorância, utilizam no sentido de denominar feiticeiros."

Uma história interessante, que guarda GRANDES semelhanças com a história de Moisés, e uma leve semelhança a do criador do Reiki, Mikao Usui. Sem falar que todo o relato mais parece uma ocorrência ufológica.

De acordo com Porfírio (Neoplatonista do 3º século a.C) foi Zoroastro o primeiro a instituir o culto a Mitra, o Deus do Sol, da sabedoria e da guerra, numa caverna natural. Mitra viria a se tornar popular na Índia e Roma, e incorporado na mitologia cristã até hoje.

Os Zoroastrianos também tinham conhecimento da forma esférica da Terra e do Universo, representados na "Esfera celestial". Também conheciam o conceito de atmosfera terrestre, e traçaram o movimento das estrelas, especialmente de 12 constelações, que eles apelidaram como animais, pessoas e objetos (e assim formaram o Zodíaco).


No quadro A Escola de Atenas Ptolomeu é visto de costas, segurando o planeta Terra, enquanto Zoroastro está na frente dele, aparentemente numa animada conversa com os pintores Perugio e o próprio Rafael, enquanto segura uma esfera celestial.


Hoje também é primeiro dia do ano no Calendário nacional indiano e para os Rosacruzes.


Referência:
Introduction: Zoroastrianism & Astrology;
Greek Perceptions of Zoroaster, Zoroastrianism & the Magi;
Zoroastrian (Persian) Astrology & Cosmology;


 
Ciência, Filosofia, Geral - publicado às 1:40 AM 3 comentários
BANALIZAÇÃO DO MAL
dom, 15 de março, 2015
 


ALEMANHA

Após ter alcançado o poder criticando os comunistas e garantindo a proteção da Europa contra a "invasão vermelha", Hitler fez um inesperado acordo de não-agressão com a URSS que previa até a troca de matérias-primas e alimentos. Isso pegou o mundo de surpresa, e permitiu que a Alemanha invadisse os outros países da Europa sem se preocupar com o flanco leste. Todos sabiam que era um acordo de interesses, mas como a Alemanha estava em guerra contra a Inglaterra em 1941, ninguém (ninguém mesmo, nem o paranóico do Stalin) pensou que Hitler atacaria a URSS, fazendo uma guerra de duas frentes. E foi assim que em 22 de junho de 1941, os exércitos do Eixo lançam-se à conquista do território soviético com a chamada Operação Barbarossa.

Às 5h30, duas horas depois que os canhões alemães abriram fogo em toda a fronteira, as novas fanfarras soaram nas rádios alemãs. Goebbels leu no ar a proclamação de Hitler. Ela equivalia a uma longa justificação pseudo-histórica para a ação preventiva alemã. Os dirigentes judaico-bolcheviques de Moscou haviam procurado durante duas décadas destruir não somente a Alemanha, mas toda a Europa. Hitler fora forçado, alegava ele, pela politica de cerco britânica, a tomar a medida amarga de entrar no pacto de 1939. Mas, desde então, a ameaça soviética aumentara. No momento, havia 160 divisões russas concentradas nas fronteiras alemãs. "Portanto, chegou a hora de contra-atacar essa conspiração dos pregadores judaico-anglo-saxões da guerra e os igualmente judeus senhores do quartel-general bolchevique em Moscou".

Havia muito tempo que ele se convencera do que a propaganda alemã alardeava: Era ele que queria a paz.
Churchill, apoiado pela "plutocracia judaica", era quem pregava a guerra, o obstáculo ao triunfo. Enquanto estava em Bayreuth, encontrou seu amigo de juventude, August Kubizek, pela última vez. Disse a ele, crédulo como sempre, que a guerra havia atrapalhado todos os seus grandes planos para a reconstrução da Alemanha. "Não me tornei chanceler do Grande Reich Alemão para fazer guerra." Kubizek acreditou nele. É provável que o próprio Hitler acreditasse nele mesmo também.

(Trechos do livro Hitler, biografia de Ian Kershaw)

_______________________


RÚSSIA

O crítico ao Kremlin Boris Nemtsov foi morto a tiros enquanto andava com sua namorada na noite de sexta-feira, nos arredores da Praça Vermelha. Ele se tornou a figura da oposição mais proeminente a ser morta na Rússia durante os 15 anos do governo de Putin. O Kremlin negou qualquer envolvimento, dizendo que o assassinato foi uma "provocação" arquitetada para atingir Putin e dar força aos opositores.
Seria uma tese interessante, se Nemtsov não fosse seguido, noite e dia, pelos agentes do FSB – o novo nome do KGB –, e o crime não fosse cometido no pequeno perímetro urbano mais controlado e vigiado do país, o cartão-postal da Rússia: a Praça Vermelha.
Não foi o primeiro e nem será o último crítico ao regime assassinado. Saibam mais no Programa "Sem fronteiras" sobre o assassinato do opositor político de Putin. A Rússia aleadeia que está sendo oprimida pelo Imperialismo Norte-Americano e se apega ao nacionalismo ao criar a idéia de um "Mundo Russo" que precisa ser protegido, e que justificou a rebelião dos cidadãos de origem russa na Ucrânia e a invasão da Criméia.
Sobre a Criméia, a anexação foi um episódio interessantíssimo:
O Parlamento de Crimeia, região ucraniana pró-Rússia, foi ocupado por 50 homens armados e com máscaras que se apresentaram como "defensores dos cidadãos russos" da localidade. Após a invasão, a assembleia desta península do mar Negro votou a favor de um referendo sobre a reunificação da Crimeia com a Rússia. O primeiro-ministro abdicou (ou foi convencido a abdicar) do cargo, e quem assumiu foi Serguéi Axiónov, o líder da Unidade Russa (um dos pequenos partidos que defendem os interesses dos russos locais). Serguei pediu ajuda a Putin para garantir "a paz e a tranquilidade" no território da península. A resposta do Kremlin não demorou, e um responsável pela administração presidencial russa declarou que a "Rússia não vai ignorar este pedido" de ajuda da região, povoada maioritariamente por russos e inclinada a Moscou. Logo depois 6.000 soldados russos marchavam por dentro do território que, tecnicamente, pertencia à Ucrânia.
Moscou declarou a região oficialmente anexada dois dias após a realização do referendo, com 98% de votos a favor da reunificação. A anexação, porém, nunca foi reconhecida nem por Kiev nem pelos países ocidentais.
"Realmente usamos nossas Forças Armadas, mas só para dar às pessoas que vivem neste território a possibilidade de expressar sua opinião sobre seu futuro", disse Putin em agosto de 2014.


_______________________


VENEZUELA

Altos índices de violência, falta de gêneros básicos, inflação galopante, grave crise econômica e política assolam o país, mesmo ele sentado em cima de grandes reservas de Petróleo, mesmo com mais de 10 anos de poderes ilimitados ao herói nacional Hugo Chávez, mesmo com apoio (e financiamento) do Brasil e com os benefícios do MercoSul. Segundo o presidente, a culpa é toda do Imperialismo Norte-Americano, embora o maior comprador do petróleo venezuelano sejam os EUA.

Recentemente o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou uma ordem executiva onde instaura sanções contra sete integrantes do governo do presidente Nicolás Maduro, entre eles González López, diretor do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional). Segundo os EUA, esses sete membros do governo estão envolvidos em atos de "repressão e uso da violência em resposta a protestos contra o governo" e "pela erosão das garantias dos direitos humanos, pela perseguição de opositores políticos e pela restrição à liberdade de imprensa".

A resposta de Maduro foi pedir ao Congresso poderes pra governar por decreto, através da "Lei habilitante". "Uma lei anti-imperialista para preparar-nos em todos os cenários e em todos ganhar e em todos triunfar com a paz". "Obama decidiu se meter em um beco sem saída, um beco do fracasso. O povo da Venezuela é um povo de paz e o senhor não tem direito a agredi­lo nem a declarar que o povo venezuelano é uma ameaça para os Estados Unidos".
Ainda como reação à medida dos EUA, Maduro nomeou como ministro do Interior Gustavo González López, ex­diretor do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) e um dos alvos das sanções americanas. "Decidi nomear González López como ministro do Interior, Justiça e Paz para que vá, com sua condecoração do império americano, garantir a paz do país, a segurança cidadã e nacional. É uma honra estar na lista de sanções dos EUA".

Marino Alvarado, assessor do Provea (Programa Venezuelano em Educação e Direitos Humanos) alerta para a "construção de uma estrutura jurídica que é usada para oprimir todo aquele que pensa diferente". Esta estrutura está formada, entre outras iniciativas, pela reforma da Lei de Segurança, que criou os chamados "Comandos Populares para a Paz". Sua missão é "enfrentar o inimigo externo e interno".
— O governo obriga pessoas a fazer trabalho de polícia. Na prática, devem dedurar qualquer pessoa que considerem inimigo da revolução — diz Alvarado.
Na sexta-feira, a morte de Rodolfo González, de 64 anos, que estava preso sob acusação de ter promovido protestos contra Maduro em fevereiro de 2014, reavivou o debate sobre os polêmicos comandos para a paz do presidente. Segundo jornalistas locais, González, que era pai de uma professora da Universidade Católica e não pertencia a partido algum, foi denunciado por um membro do comando, por telefone, e estava detido há quase um ano, sem ter sido julgado.
— Estamos vivendo numa democracia militarizada e autoritária. Qualquer dissidência é vista como traição à pátria — enfatizou o assessor.


_______________________


Há um outros países que poderiam estar na lista acima, com exemplos de incoerência e desprezo pelas leis ou noções de "certo" e "errado" tão didáticos quantos esses, mas vou deixar pra vocês mesmos imaginarem quais são. O importante aqui é observar a mentalidade e como ela consegue o apoio de nações inteiras.

Em 1961 a filósofa alemã naturalizada americana Hannah Arendt acompanhou — enviada pela revista “The New Yorker” — o julgamento do nazista Adolf Eichmann em Israel, acusado de genocídio e crimes contra a Humanidade durante a guerra. Dois anos depois ela lançou um livro baseado em suas observações, "Eichmann em Jerusalém". Nele, ela descreve não somente o desenrolar das sessões, mas faz uma análise do "indivíduo Eichmann". Segundo ela, Adolf Eichmann não possuía um histórico ou traços antissemitas e não apresentava características de um caráter distorcido ou doentio. Ele agiu segundo o que acreditava ser o seu dever, cumprindo ordens superiores e movido pelo desejo de ascender em sua carreira profissional, na mais perfeita lógica burocrática. Cumpria ordens sem questioná-las, com o maior zelo e eficiência, sem refletir sobre o Bem ou o Mal que pudessem causar.
É aí que surge a expressão Banalidade do mal. Segundo Arendt, o mal, quando atinge grupos sociais, é político e ocorre onde encontra espaço institucional. A banalidade do mal se instala no vácuo do pensamento, trivializando a violência.

O povo alemão não percebia o mal como mal porque foram programados a não questionar, a não acreditar no que diziam em outros países (graças a uma campanha de vitimização e da teoria de "todos contra nós") e a ver como inimigo qualquer um que pensasse o contrário. E mais: a finalidade do mal era sempre o bem. Uma incoerência, sem dúvida, mas se você ler o livro 1984, de George Orwell, vai perceber que a contradição é a chave para a reprogramação mental. Podemos ver a mesma coisa na defesa da Russia de Putin, na Venezuela de Maduro/Chavez e nos outros países onde impera o "duplipensar".

Já passou o tempo de acordar pra esse tipo de manipulação.


 
Política - publicado às 6:26 PM 13 comentários
LIDANDO COM A PERDA
qui, 12 de março, 2015
 


Nenhum pai deveria enterrar seus filhos. Atenta contra a ordem natural. Viola tudo o que é sagrado no reino humano (sucessão) e também tudo o que cremos como Divino.

Mas acontece.

Acontece muito frequentemente na natureza (a natureza "selvagem" é realmente implacável com os filhotes) e também no sentido religioso.

Aconteceu com Maria, quando teve de enterrar seu filho Jesus.

Imagino que o mundo dela tenha caído, e que a dor de ver um filho ser açoitado, torturado e humilhado a tenha acompanhado por um tempo. Imagino que ela deva ter ficado revoltada com Deus, especialmente porque seu filho se dizia Um com Deus.

Se formos crer na parte fantástica da Bíblia, ele voltou em Corpo glorioso e garantiu pra todo mundo que tava tudo bem. Maria deve ter ficadoais consolada, e o mundo nunca mais foi o mesmo.

Não sei no que acreditar em relação a isso. Seria Jesus um ET? Voltou em espírito, como uma materialização? Alucinação coletiva ou uma mera alegoria literária para o estabelecimento da crença num lugar melhor após a morte?

Pouco importa pra quem passa pela dor de perder um ente querido. Tudo fica mais escuro, mais turvo, e a idéia de Deus se torna ainda mais distante e caricata do que aprendemos superficialmente na escola ou na Igreja. O primeiro pensamento geralmente fica entre "o que fiz a Deus pra merecer isso" ou"por que Deus foi tão injusto com (pessoa que morreu)?".

Então, se formos pegar a essência da historia de Jesus, vamos ver que Deus não facilitou a vida de seu filho favorito aqui na Terra. Perdeu o pai logo cedo, não teve uma mãe compreensiva, trabalhou duro na carpintaria até os irmãos crescerem, correu diversas vezes pra não levar pedrada nas discussões que tinha com os fanáticos religiosos e governantes, e o resto é como o Mel Gibson retratou tão bem no seu filme.

E não foi só ele: todo o início do cristianismo é marcado por sacrifícios, martírios, obstinação e resignação. Temos a tendência a esquecer isso quando estamos na situação confortável de hoje (a menos que vc seja cristão no oriente médio).

Deus não é aquele barbudo num trono que muitos ainda insistem em dizer que é. O Senhor dos Exércitos, que vai na frente abrindo seus caminhos enquanto você desfila na passarela. Não é aquele cara que fica nos olhando e vai nos jogar um raio na nossa cabeça se nos pegar pecando ou se masturbando, e vai reestabelecer a justiça no lar e no mundo porque ele representa o bem, a liberdade e o american way of life.

Não. Se formos olhar o mundo, o que mais vamos ver são injustiças. A fome na África, as guerras no Oriente Médio (e África, pqp, até quando?!), os ricos ficando mais ricos e os países miseráveis continuando a ser explorados. Mas já foi pior. Bem pior.

Se Deus é a maior força do Universo, é onipresente e onisciente, criador de tudo e presente no coração de cada ser criado ele imediatamente não pode ser limitado a uma denominação religiosa. Deus não toma lados, porque se ele fosse uma força do bem, teríamos de admitir que existiria uma força no mínimo equivalente para fazer o mal. Então se o mal é a ausência de Deus no coração do homem, então se um Deus personalizado PENSASSE por 1 segundo em acabar com o mal, ele acabaria.

Então podemos intuir que Deus não se manifesta através de mágicas baratas pra dizer aos homens "Ei, eu sou seu Criador!". Deus se manifesta através de nós! Nós canalizanos sua energia e a aplicamos. Quando sorrimos, quando somos gentis, quando damos esperança, no amor, na fortaleza... No olhar de amor de uma mãe, um pai, um(a) esposo(a), um(a) filho(a).

Imagino que uma parte de Deus desapareça quando essa pessoa se vai. Quando esse fruto precioso, essa parte de sua vida é arrebatada de nossa vista. Digo da vista pois acredito que nada realmente desaparece. Tudo na ciência se transforma, tudo é aproveitado. Somos poeiras das estrelas, desenvolvemos nossas consciências a partir dos sistemas nervosos dos primeiros animais e o que nos tornamos depois da morte ainda não sabemos. Ou pelo menos ainda não cientificamente.

Mas aquela parte de Deus ainda esta lá. Apenas nós não mais a vemos. Transformou-se. Ficamos como uma lagarta, que acorda um dia e vê um casulo vazio da colega e não sabe que ela virou uma borboleta e voou pra longe.
Mas há quem consiga senti-la, acessá-la. Há limites para os nossos sentidos físicos, nossos olhos são facilmente enganados, nossa audição é ridícula em comparação a outros animais, mas não há limites para a nossa mente. Nosso cérebro é uma das mais belas peças da natureza e seu completo funcionamento ainda continua um mistério.

O problema é que pensamos que ainda podemos acessar a lagarta, aquela mesma coisa de outrora, quando não só a forma, mas os interesses e comunicação da borboleta são outros.

Pensar que tudo acabou só vai reforçar a programação mental de finitude, de encerramento. Pensar que as coisas mudaram (e ninguém pode medir ou subestimar a dor dessa mudança) pode deixar as portas abertas para continuar a ver Deus, AQUELA PARTE DE DEUS, de uma nova maneira.

O amor não conhece fronteiras ou limites.


 
Pensamentos - publicado às 2:08 PM 10 comentários
VONTADE
dom, 8 de março, 2015
 


"Pedi, e vos será concedido; buscai, e encontrareis; batei, e a porta será aberta para vós. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e a quem bate, se lhe abrirá."

Essa é uma frase muito reproduzida de Jesus, mas a grande chave para a compreensão dela vem um parágrafo antes, em Lucas 11:5-9:

E acrescentou-lhes Jesus: "Imaginai que um de vós tenha um amigo e que precise recorrer a ele à meia-noite e lhe peça: ‘Amigo, empresta-me três pães, porque um amigo meu acaba de chegar de viagem, e não tenho nada para lhe oferecer’. E o que estiver dentro da casa lhe responda: ‘Não me incomodes. A porta já está fechada, e eu e meus filhos já estamos deitados. Não posso me levantar e dar-te o que me pedes’. Eu vos afirmo que, embora ele não se levante para dar-lhe o pão por ser seu amigo, por causa da sua insistência se levantará e lhe dará tudo o que precisar".

Jesus ensina perseverança.

As coisas importantes pra vida só vêm com esforço / insistência. Digo importante porque as menos importantes aparecem sem grande esforço, e aquele amigo que te chama pra beber vai aparecer sem que você mova um músculo pra isso.

O esforço não precisa ser necessariamente fatigante. Um esforço mental, continuado, pode mover mundos e é a base do tal "O Segredo". Outras coisas podem demandar esforço físico, como um trabalho, estudo. Mas em todos os casos exige Vontade (e vocês podem entender mais sobre isso no post anterior: Magia Prática).

Vou usar uma experiência minha pra ilustrar: há alguns anos fui diminuindo a quantidade de posts e me interessando por outras coisas, e vivendo outras tantas que me afastavam do ambiente mental que favorecia a escrita. O resultado é que cheguei no ponto em que olhava os meus textos de outrora e não me reconhecia. Isso causou um reforço negativo em que pensei que nunca mais ia escrever como antes, e o completo desinteresse vem a reboque (o caminho ladeira abaixo é bem rápido).

Tive a esperança de que com a vinda pra França eu teria mais tempo e o ambiente afloraria o lado escritor. Na verdade as distrações aqui e aprender uma nova língua só fizeram piorar minha escrita (sério!). De fato a esperança pode ser considerada uma das desgraças da Caixa de Pandora por conta disso: ela sozinha não nos faz ir pra frente; muito frequentemente nos faz ficar parados, esperando.

Foi quando surgiu a idéia de reformar o blog, e com ela a vontade de reformar o blog. Essa é a pequena vontade, o desejo que surge e se vai com a mesma facilidade. Para conseguir dinheiro pra reforma precisei de vocês, leitores, e consegui. Aí a coisa ficou séria. E na minha cabeça uma troca justa seria fazer posts. E como fazer posts sem inspiração, sem confiança, sem vontade?

É aí que entra a grande Vontade: uma força mental superior a nossos desejos, nossos gostos, caprichos e automatismo. Geralmente acionamos a Vontade por necessidade, quando não sobra opção a não ser fazer: aquelas situações onde "ou vai ou vai". Uma mãe pode achar forças pra levantar um carro pra salvar seu filho. Um sobrevivente de um acidente consegue achar forças para se manter vivo. Ou podemos usá-la mais prosaicamente numa deadline pra um trabalho de conclusão de curso. Neste momento nos sentimos plenos, concentrados, invencíveis.

Mas isso é apenas um aperitivo. Devemos aprender a acionar a Vontade a nosso comando, pelo tempo que for necessário, e no sentido que queremos dar, sem que ela oscile ao sabor dos acontecimentos. Esse é o verdadeiro Mago. E antes que perguntem: eu ainda estou longe disso na maior parte da minha vida (consigo isso naturalmente com coisas como videogames e Iphones, mas pra todo o resto ainda preciso evoluir muito). E não se sintam desmotivados por acharem que, "se o Acid (que muita gente idealiza) está longe, imagina eu", pois isso não é verdade. Pra acionar a Vontade você só precisa de um "estalo", e esse estalo pode vir no meio da noite, no trabalho, no banheiro, pra qualquer um. É a mente decidindo uma coisa, se reprogramando e - repito com ênfase - DECIDINDO. A dúvida pode ser uma grande inimiga da Vontade. Por isso que tem tanto maluco e embusteiros no mundo do esoterismo e da magia, pois o maluco não tem dúvida: ele está completamente convencido daquilo que botou na cabeça e vai mover mundos e fundos para fazê-lo, enquanto o embusteiro é tão auto-confiante que se programou a não duvidar de si, não titubear, manter a cara-de-pau diante de qualquer adversidade. Isso é uma Vontade firme. Na política usa-se a mesma técnica, e não à toa pessoas como Hitler, Stalin e Churchill arrastaram milhões atrás deles. O problema do Louco é que eles são irresponsáveis em suas loucuras. O Mago, por outro lado, sabe mais do que todos que ele é responsável pelo que for colocado em ação/movimento por sua Vontade. E as consequências disso.

Mas voltando ao blog, transformar vontade em Vontade não foi fácil. Exigiu esforço primeiramente mental (pra me obrigar a pensar em possíveis posts), depois disciplina (pra separar um tempo pra fazê-los) e depois físico (sentar o rabo na cadeira pra pesquisar e escrever durante horas). Antes era fácil como sentar pra comer um sanduíche. Hoje não é! Mas a beleza disso tudo é voltar a sentir-se CAPAZ. Se vocês acham que a "Vontade" no caso é só voltar a escrever uns posts, ficar satisfeito e continuar na mediocridade escrevendo aqui e ali então vocês estarão subestimando o poder da Vontade, pois ela não deve ser usada só pra um departamento: é um manancial infinito de energia pra ser usada em todos os aspectos da VIDA. É óbvio que se eu perduro (disciplina), venço no que me propus (objetivos) e não relaxo (força), isso vai se refletir em outros aspectos da minha vida (talvez não imediatamente, mas a perseverança é pra isso). Tudo fica obviamente mais difícil sem auto-estima, mas é possível superar isso com disciplina. Resta saber se eu terei a disciplina necessária para continuar, porque eu bati e as portas se abriram, os recursos necessários apareceram, mas exigem envolvimento e interesse constantes. Os primeiros posts depois que decidi voltar a escrever foram terríveis de se fazer, frustrantes mesmo. Levava dias, até mesmo 1 semana, pra fazer com esforço algo que em 1 dia ou poucas horas eu fazia anteriormente. Ainda levo, mas agora está um pouco mais natural. Procurei me cercar de pessoas que tragam coisas legais para o meu dia, notícias interessantes, inteligentes.

O mais interessante da Vontade é que, uma vez que você sintoniza sua mente e corpo para a tarefa, as portas se abrem (ou o "Universo Conspira"). Eu tinha desde criança a facilidade de ficar dialogando mentalmente comigo mesmo enquanto caminhava ou dirigia, e daí saíam coisas que acabaram virando posts (geralmente estão na categoria "Pensamentos"), mas nos últimos anos eu perdi isso. Achei que "de férias" eu conseguiria a reflexão, relaxamento e isolamento suficientes pra me "reconectar", mas só na semana em que estou mais cansado tanto trabalhar, lidando com horários e disciplina, acordando cedo e dormindo esgotado é que minha mente "ligou". E voltou com tudo.
Outra coisa que eu reclamava é que não achava mais com tanta facilidade notícias interessantes como antigamente. Eu vivia trombando com teorias malucas, textos filosóficos de todo o mundo, artigos científicos de explodir a cabeça, e era fácil com isso alimentar o blog. Depois perdi o contato com isso. Mas agora, depois de ter iniciado o esforço de procurar efetivamente esse tipo de notícia, tenho me deparado "por acaso" com textos interessantes com certa facilidade. Acho que dá pra tirar algumas lições disso aí.

Como diz o Monge Cassiano Camilo Compostela: "Sempre que nos decidimos a alcançar um novo Objetivo, nos deparamos com uma série de dificuldades; essas dificuldades são aprendizados necessários para se chegar ao ponto final. Muitas vezes, elas exercitam nossas habilidades e, n’outros momentos, nos testam a Vontade de chegar".

Referência:
A Verdadeira Vontade de Potência;
Livro de Mirdad: Vontade;
Como manter-se motivado, mesmo na adversidade?;
Princípios Herméticos (parte 3: Gênero)


 
Cristianismo, Holismo, Metafísica, Pensamentos - publicado às 8:06 PM 26 comentários
MAGIA PRÁTICA
qui, 5 de março, 2015
 


Por Caciano Camilo Compostela


Ao contrário do que se imagina a Magia não soma, multiplica.

Se realmente desejamos desenvolver uma VONTADE poderosa e realizadora é indispensável que saiamos por nós próprios do casulo, do contrário, os músculos de nossas asas não terão força suficiente para um dia voar.
Um indivíduo fraco, sem autodomínio e psiquicamente raquítico é facilmente sugestionado por Ens trevosos e obsediado.
Ou seja, se o indivíduo é problemático, sem poder de concentração e auto-direcionamento a Magia vai intensificar essa deficiência. Se a pessoa tem o espírito da pobreza, do azar e da derrota, é exatamente isso que a Magia vai lhe proporcionar. A Magia não lhe dá nada que já não possua, apenas amplia o que já existe.

É por conta deste Princípio simples mais ignorado que muitos queixam-se pelos cantos, dizendo que 'depois que iniciaram as práticas' a vida só fez piorar. Sem executar a necessária 'reforma íntima' já se lançam nas práticas evocativas, associações com Egrégoras e Ens cuja missão é realizar os mais profundos desejos que não se vêem nas palavras vãs, superficiais, e sim na própria vida.

O que esta ‘classe’ não compreende é que antes de se tentar dominar o que está fora tem que se dominar o que esta dentro, que sem uma Vontade desperta e suficientemente desenvolvida o indivíduo torna-se uma marionete sob o domínio dos Ens que pretende evocar. É sugado, arrastado, vampirizado sem dó e sem piedade.

A Magia não é cruel, é indiferente.

Vence e prevalece o mais forte, a Vontade mais forte. Portanto, se me permitem a sugestão, antes de qualquer trabalho desta natureza dedique-se a arrumar sua própria vida, seus pensamentos, sentimentos, sua relação com família, finanças, sociedade e etc.. O Iniciado é aquele que utiliza seu autocontrole pra conduzir as energias do universo e não o contrário.
A carteirinha de membro, um avental colorido, meia dúzia de palavras de passe e alguns segredinhos infantis não fará de ninguém verdadeiramente melhor, muito menos Iniciado.
Antes de mais nada, é necessário eliminarmos a ideia de que a Iluminação Espiritual seja algo gratuito que um dia descerá do céu simplesmente porque o desejamos, ou nos será misteriosamente concedida em algum 'grau' iniciático nesta ou naquela Ordem. Não; o desenvolvimento astral e a 'descida' da Luz Espiritual requer um continuado esforço sobre si mesmo na direção do Autodomínio.

Nosso corpo é como uma criança mimada que desconhece limites, viciada em satisfazer imediatamente todos os seus desejos, resultado: Não possui resistência, força, disciplina e capacidade de enfrentar as intempéries da vida.
Esse constante mergulho nas facilidades do dia a dia, ainda mais ampliadas pelas tecnologias atuais, vai aos poucos enfraquecendo as capacidades físico-mentais e criando um exército de pessoas fracas, débeis e dúbias.
Sem tecer os laços de causa e efeito que ligam a extrema comodidade às mais variadas doenças psico-fisiológicas, lembremo-nos que a força nasce do esforço e que o que não mata apenas fortalece.
A ascese é como um 'programa de treino' que eleva nosso poder de Concentração e maximiza o poder do Pensamento.


In Lumen Lumine,
Caciano Camilo Compostela, Monge Rosacruz.°.


 
Metafísica - publicado às 6:41 PM 6 comentários
OS CÍRCULOS INGLESES (CROP CIRCLES)
ter, 3 de março, 2015
 


Os misteriosos círculos nas plantações inglesas começaram a aparecer ainda no século 17, mas só foram largamente relatados em 1972. Geralmente eles aparecem em lugares onde se cruzam linhas magnéticas da terra (não por acaso fica por ali o sítio megalítico de Stonehenge).
A mais antiga peça de evidência é um panfleto de 1678, que fala sobre o "demônio ceifador", (ou diabo ceifador), e traz o seguinte:

O DEMÔNIO CEIFADOR: OU, NOTÍCIAS ESTRANHAS DE HARTFORD-SHIRE

Sendo verídico o relato de um Fazendeiro que pechinchava com um ceifador pobre sobre o corte de três acres e meio de aveia: como o cortador lhe pedia um preço muito alto, o Fazendeiro jurou que o Demônio deveria cortar a safra de aveia ao invés dele. E assim que ocorreu naquela mesma noite do campo de aveia mostrar-se como se fosse uma só chama: mas na manhã seguinte estava tão cuidadosamente ceifado pelo Demônio, ou algum Espírito Infernal, como mortal algum o faria tão bem.
Agora a aveia jaz no campo, mas seu proprietário não tem Força (ou poder) para colhê-la.

O mais interessante é a gravura, que mostra o tal "demônio ceifador" cortando (ou dobrando?) as hastes de aveia, em forma circular.

Em 1686, o cientista britânico Robert Plot publicou um livro intitulado "A História Natural de Staffordshire", que continha relatos de símbolos geométricos de plantas "achatadas", encontradas em terras aráveis e pastagens. Elas eram chamadas de "Fairy rings" (Anéis de fadas) e são descritas não apenas como círculos e espirais, mas também anéis complexos, com até 150 metros de diâmetro. Ele relata que na terra sob esses símbolos o solo se tornou mais seco e muito mais flexível que o normal, e que uma substância esbranquiçada foi encontrada em alguns sítios, lembrando mofo ou geada, como "em pão bolorento". Às vezes, esse "mofo" foi visto sobre as plantas. Na edição de julho de 1880, a revista Nature publicou a carta de um cientista que afirmava ter encontrado várias áreas de trigo achatado em uma fazenda no sul da Inglaterra.

No final dos anos 70 os círculos passaram a despertar um novo interesse da população, que começou a fazer vigílias nas épocas de maiores aparições de círculos (junho, julho). O pesquisador David Kingston relata:

"Eu vi meu primeiro círculo em 1976. Eu tinha feito uma vigília noturna tentando observar OVNIs na colina Clay, em Warminster. Três círculos de luzes coloridas separadas por aproximadamente 2 metros de diâmetro ficaram circulando sobre nós durante umas três horas no topo da colina, fundindo-se às vezes em um único globo e separando novamente bem sobre nós. De repente, um dos círculos desceu a uns 9 metros e voou em um campo abaixo. Quando amanheceu notei um círculo aplainado no campo de trigo. Em minha inspeção observei que não havia nenhum talo quebrado no círculo há pouco perfeitamente aplainado de uns 9 metros de diâmetro."


FARSA OU VERDADE?

Estima-se que cerca de 30% dos círculos encontrados sejam falsos. Diversos motivos levam as pessoas a forjarem as figuras, entre elas estão a vontade de aparecer e ser notícia e principalmente a tentativa de desmoralizar os estudiosos do fenômeno. Há também aqueles grupos de pessoas que disputam entre si para ver quem faz o desenho mais bonito e mais próximo da realidade e para demonstrar suas habilidades artísticas.


    Notem a precisão e harmonia na geometria de um círculo em Avebury. O seu design incorpora dois pentagramas, escala diatônica e teoremas matemáticos até então desconhecidos


    Esse círculo, feito em 1995, foi reinvindicado por "fazedores de círculos profissionais", mas incorpora um teorema Euclidiano desconhecido, enquanto a precisão da representação das órbitas do sistema solar é estimada em 99%
O caso mais clássico de forjadores ocorreu em 1991. Dois velhinhos aposentados de Preston Highs (Doug Bower e Dave Chorley) procuraram a imprensa britânica e reclamaram para si a autoria de alguns círculos descobertos na área de Alton Baines. De fato, eles provaram que podiam fazer círculos simples com uma corda e uma tábua. Sua estória correu o mundo e muitos deram como encerrado o caso dos círculos ingleses, porém, quando diante dos jornalistas, os velhinhos mal conseguiram desenhar tais figuras, resultando em formas mal acabadas, sem qualquer precisão e com poucos metros de diâmetro. Questionados a explicar como faziam os círculos mais complexos, eles diziam "Ah, esses a gente não fez". Ou seja: eles foram o boi de piranha da imprensa para que os materialistas pudessem relaxar e dizer ao ver qualquer círculo: "isso é coisa dos velhinhos". Os estudiosos mais experientes dizem que os círculos forjados são mais facilmente identificados, pois são realizados de forma irregular, sem a simetria ou a perfeição geométrica dos círculos verdadeiros e ainda ficam repletos de vestígios de quem os fez e de como.

É fato que, com o desenvolvimento da nossa tecnologia, vimos também o desenvolvimento dos desenhos, que deixaram de ser simples círculos para se tornarem grandes e complexos fractais. Não é realmente difícil fazer esses círculos equipados com cordas, marcadores que brilham no escuro e GPS - e já existem grupos formados apenas com esse objetivo - mas é bastante improvável que seres humanos consigam fazê-lo em tão grande número, com tanta precisão e em tão pouco tempo, sem serem descobertos. Outra coisa: eles nunca conseguem reproduzir na frente de todo mundo a perfeição dos círculos que eles alegam ter feito anteriormente. Esses círculos aparecem no verão, em julho, no início da época de colheita. São em lugares amplos, abertos, de fácil acesso não só para quem queira fazer os desenhos, como para quem queira investigar o fenômeno. Nessa época do ano várias pessoas acampam no mato para observar os campos à noite, com câmeras de infra-vermelho, binóculos noturnos, etc. Já aconteceu de desenhos complexos aparecerem em apenas uma noite, a poucos quilômetros de onde os pesquisadores estavam acampados, e não ter se percebido nenhuma movimentação por perto.

Nos círculos considerados genuínos (isto é, não feito por humanos) a planta é dobrada sem vincos e sem quebras, e continua a crescer na mesma direção, rente ao solo. Cientistas acreditam que esse entortamento pode ser causado por uma curta e intensa onda de calor. Testes de laboratório sugerem que infrasom (som abaixo dos 20hz) também sejam capazes de fazer isso.
Às vezes plantas situadas lado a lado na colheita são entortadas em direções opostas dentro do mesmo círculo.
Também não há marcas de pés ou grama amassada no entorno. Isso poderia ser atribuído a pessoas cuidadosas, de posse de alguma técnica desconhecida, se não fosse por um dado científico: as plantas dentro do círculo são afetadas por um tipo de radiação que as fazem aquecer de dentro pra fora, como se estivessem num microondas, além de outras anomalias como alteração química do dolo, sementes alteradas geneticamente (por vezes se tornam mais férteis), etc. E os fazendeiros dizem que as aves fazem um desvio em sua rota usual, para não ter de passar por cima de um círculos desses. As primeiras pessoas a chegarem a uma dessas formações relatam que sentem o ar "diferente", como se estivesse ionizado, e que isso funciona como um "amplificador", do tipo: se você estiver chateado, vai ficar pior; se estiver alegre, vai ficar eufórico.

Alguns fatos esquisitos:
- Algumas formações irradiam uma onda de aproximadamente 5.7 Hz no espectro eletromagnético. Inclusive bússolas giram, denotando uma anomalia magnética presente. Essa energia capaz de alterar a estrutura molecular da planta sem danificá-la. Além disso, também é capaz de alterar a taxa de crescimento e o seu padrão.
- Mesmo após a colheita, a forma dos círculos tem permanecido na terra durante pelo menos seis meses em alguns casos. Isto não pode ser conseguido por formações na colheita feitas por humanos.
- Se nenhum ser humano entrar na formação, a colheita (plantação) continuará crescendo e o fazendeiro não vai perder qualquer grão.

Já foi aventada a hipótese dessas formações serem obra das ondas magnéticas da Terra, ou vórtices de plasma na atmosfera. Mas o astrofísico Bernard Haisch, do Instituto de Física e Astrofísica da California, disse que "esses padrões altamente organizados e inteligentes não poderiam ser criados pela força da natureza". Ponto.

Além de tudo, ainda foram documentados por filmagem profissional estranhas bolas de luz no Canadá (os círculos não são exclusividade da Inglaterra, tendo aparecido em vários países como África, Bélgica, Holanda, Brasil e República Tcheca (Rataje)), além dos famosos vídeos de luzes na Inglaterra (como esse em Wiltshire, 2010) e corroboradas por várias testemunhas.


MAS QUE *%R@ É ESSA?

No evento "Ufologia e espiritualidade", que aconteceu em junho de 2005 em Camaragibe (PE), acompanhei uma exposição detalhada sobre os Crop Circles, e duas informações em particular me deixaram curioso: uma, que os círculos estão aparecendo em torno do planeta Terra, como se formassem um anel em diagonal ao eixo (se souberem mais sobre isso, me avisem). Outra é que num desses programas do canal Infinito, um pesquisador de círculos foi mostrar alguns desses desenhos ao chefe da tribo Hopi (indígenas dos EUA) e ele mostrou que tinham desenhos parecidos, tradições de seus antepassados. E explicou que esses eram avisos dos "deuses" para uma época de grandes mudanças na Terra. Que Stonehenge teria sido um outro aviso desses, gravado em pedra para que passasse às próximas gerações, e que dessa vez estava sendo gravado em plantas (perecível) porque não seria preciso alertar uma próxima geração de outra mudança dessas. Um "pajé" Hopi viu os símbolos e disse: "Eu conheço esse símbolo milenar como parte da profecia Hopi, um símbolo que anuncia o retorno do Povo das Estrelas. Eles já estão aqui".


Continuar a leitura

 
Ufologia - publicado às 5:34 AM 37 comentários