Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


O FILHO DO NAZISMO
dom, 17 de janeiro, 2010
 


O homem não é anjo nem demônio; mas, quando tenta portar-se como anjo, transforma-se num demônio
(Blaise Pascal)



    O filme feito pra promover a imagem do presidente, durante o mandato dele
Tudo começou com uma crise interna no governo Lula. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, e os três comandantes das Forças Armadas (Exército, Aeronáutica e Marinha) botaram os cargos à disposição do presidente Lula, por conta do Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), que propõe a criação de uma comissão especial para revogar a Lei de Anistia de 1979. Foi aí que boa parte do povo brasileiro passou a saber do conteúdo desse Programa, que traz em seu bojo MUITO mais coisas preocupantes do que a revisão da Lei de Anistia.

O que está sendo chamado de "direitos humanos" nada mais é que um chavão para desqualificar a democracia representativa e o corpo legal em vigor no país. É um instrumento de propaganda revolucionária e de ação política, nos moldes do fascismo, por minorias organizadas, que tentam impor à Nação sua ideologia. Abaixo veremos alguns pontos comentados do Programa de "Direitos Humanos":

1 - Regulamentar e dar "efetividade" aos "instrumentos de participação social e consulta popular" – Ameaça: referendos e plebiscitos podem e têm sido usados para atropelar o estado de direito e consolidar regimes autoritários, por meio de manobras populistas.

2 - Criar o "selo nacional ’", o "código de conduta em DH" e o "sistema nacional de indicadores em DH" - Ameaça: Instrumentos que podem servir como instrumento de patrulhamento ideológico e discriminação de quem não atenda ao figurino oficial.

3 - Assegurar participação efetiva da população na gestão territorial e no licenciamento urbanístico e ambiental; consolidar a incorporação dos sindicatos de trabalhadores e centrais sindicais nos processos de licenciamento ambiental de empresas – Ameaça: Não é difícil imaginar os tentáculos da CUT e do MST em negociações que não têm NADA a ver com elas. Novamente lembra os tentáculos do partido nacional-socialista, aquele, dos anos 30, que estava integrado em todos os setores da sociedade.

4 - Alterar a Constituição para que as polícias militares deixem de ser consideradas como forças auxiliares do Exército, mantendo-as apenas como força reserva – Ameaça: a intenção é proteger DH ou enfraquecer o Exército Brasileiro?

5 - Institucionalizar a mediação como ato inicial das demandas de conflitos agrários e urbanos, priorizando a realização de audiência coletiva com os envolvidos, como medida preliminar à concessão de medidas liminares – Tradução: Qualquer um pode invadir sua casa, apartamento ou sítio, e as questões devem ser analisadas por "tribunais populares", cujas decisões são prioritárias (de forma semelhante a como o presidente Evo Morales acaba de propor na Bolívia e analogamente a como o chavismo equaciona os problemas de posse da terra e das empresas particulares). Ameaça: Claras investidas contra o direito de propriedade, o qual – é bom lembrar – está também consagrado na Declaração Universal de DH (Artigo XVII).

6 - Estabelecer critérios e indicadores para o "monitoramento" de livros didáticos no sistema de ensino; regulamentar o art. 221 da Constituição, estabelecendo o respeito aos DH nos serviços de radiodifusão (rádio e televisão), como condição para a outorga e renovação das concessões prevendo penalidades administrativas que chegam até a cassação; suspender patrocínio e publicidade oficial em meios que veiculam programações atentatórias aos DH; criar ranking nacional de veículos de comunicação comprometidos com os princípios de DH, assim como os que cometem violações. Incentivar a produção de filmes, vídeos, áudios e similares, voltada para a educação em Direitos Humanos e que reconstrua a história recente do autoritarismo no Brasil, bem como as iniciativas populares de organização e de resistência. Tudo, supõe-se, a partir do arbítrio governamental. Ameaça: Liberdade de imprensa e a liberdade de expressão; reescrever a história do país, sob o prisma dos patrocinadores; doutrinação ideológica.


Esta é uma carta de princípios e um plano de ação para as esquerdas organizadas em torno da legenda do PT. Pode-se dizer que é o plano de governo da candidata Dilma, já que ela subscreveu o texto. Está nas mãos do Congresso barrar esta aberração jurídica. Mas está em NOSSAS mãos, do povo brasileiro, não eleger mais ninguém do PT, MUITO MENOS a Dilma Rousseff (ou você acha que, caso ela se eleja, não vai ter respaldo político pra aprovar isso?). Não adianta nada abrir os olhos e dizer "você tinha razão" DEPOIS de votar na Dilma, quando ela já tiver aprovando coisas ainda piores com a ajuda do aparelhamento do Congresso Nacional com seus capangas, eleitos por nós! Uma vez eleito o presidente, o partido vencedor manda. E os partidos de "oposição" obedecem, à custa de mensalões. Precisamos usar esse esquema contra eles, já que não dá pra abolir a corrupção instaurada durante décadas. Precisamos eleger pra presidente qualquer pessoa que não seja do PT ou do PSTU, e enfraquecer a base do PT tanto no Congresso como principalmente nos estados. Só assim teremos alguma chance de conter essa onda ditatorial que está assolando a América Latina (Isso não é uma ilusão paranóica; abram os olhos e vejam nossos vizinhos, caramba!). Nosso presidente tem uma CLARA simpatia por ditadores, tão evidente que por isso mesmo foi merecedor do prêmio internacional, oferecido pelo jornal espanhol El País, de estar entre os 5 maiores hipócrita do ano de 2009 (Brasil-il-il!)


Os sábios ensinam, os ignorantes têm opinião formada sobre tudo, e os estúpidos governam
(Ricardo Bergamini)



    O filme feito pra promover a imagem do presidente, durante o mandato dele
A história se repete. Um certo Partido dos Trabalhadores da Alemanha, que hoje conhecemos como Partido Nazista, não chegou ao poder absoluto dando tiros e mandando fechar o Congresso, não. Na verdade eles até queriam isso, e se deram mal. Mas a pressão serviu pra que Hitler chegasse a ser Chanceler. Só que a Alemanha ainda acreditava que o bigodinho esquentado estava sob controle do Estado. O que REALMENTE assinalou a tomada de poder do Partido Nazista foram três medidas enviadas e aprovadas pelo Parlamento Alemão (Reichstag), equivalente ao nosso Congresso Nacional. Duas delas foram só a "cabecinha"; depois que ela "entrou", atolaram o resto sem piedade (até porque não tem ombros).

O decreto "Para a proteção do povo e do Estado", complementado ainda por outro dispositivo baixado no mesmo dia ("Contra a traição ao povo alemão e as manobras do complô contra a segurança do Estado") foi a base jurídica determinante da soberania nacional-socialista e, sem nenhuma dúvida, a lei mais importante do III Reich. Ela substituía a legalidade por um estado de emergência permanente. Foi observado, e com muita justeza, que nesse decreto, e não na lei de plenos poderes promulgada algumas semanas depois, é que estava a base legal essencial do regime. O referido decreto permaneceu em vigor sem modificação alguma até 1945 e, em 20 de julho de 1944, forneceu a base pseudo-legal à perseguição, ao terror totalitário e à repressão da resistência na Alemanha. Impediu ao mesmo tempo que os nacional-socialistas precisassem repisar a sua tese de que o incêndio do Reichstag fora ateado pelos comunistas. Quando Sefton Delmer, correspondente do Daily Express, indagou a Hitler, àquela época, se os rumores de um massacre iminente da oposição política interna eram procedentes, o Führer pôde responder ironicamente: "Meu caro Delmer, eu não preciso de uma noite de São Bartolomeu. Com a ajuda do decreto para proteger o povo e o estado, nós temos criado tribunais especiais que acusarão todos os inimigos do regime e os condenarão legalmente". Calcula-se em mais de dez mil o número de pessoas presas só na Prússia até meados de março, tendo como base o decreto de 28 de fevereiro.

Depois disso o governo fez valer no Reichstag, por intermédio dos dois partidos, o Nacional-Socialista e o Nacional-Alemão, a "Lei para a extinção da miséria do povo e do Reich" (que entrou pra história como a "Lei de plenos poderes"). Foi algo imposto como uma necessidade, sem direito a discussão, a ser usada com moderação e com a promessa de valer por apenas 4 anos (ou seja, até mesmo o cruel nazismo se utilizou de mentiras pra passar uma sensação de normalidade, legalidade e boas intenções ao povo desinformado que acredita em qualquer coisa que digam):

Se o governo tivesse de discutir ponto por ponto para obter a aprovação do Reichstag às medidas a serem tomadas, isso viria contrariar o sentido do soerguimento nacional e o objetivo perseguido não se atingiria. O governo não procede assim com a intenção de extinguir o Reichstag como tal. Ao contrário, reserva-se o dever de informar futuramente, e de tempos em tempos, as medidas que vier a tomar. (...) O governo tenciona, a tal propósito, só fazer uso dessa lei quando houver necessidade de aplicar medidas de interesse vital. Nem a existência do Reichstag nem a do Reichsrat serão ameaçadas. A posição e os direitos do senhor presidente do Reich permanecem intactos (...) A corporação dos Lander não é abolida (...) Como o governo dispõe de nítida maioria, torna-se limitado o número de casos onde exista necessidade interna de recorrer a tal lei.
(Hitler, o filho da Alemanha)

Apesar de todas essas garantias tranquilizadoras, cada um dos cinco artigos da lei "rasgava em pedaços um item importante da constituição alemã." De acordo com o artigo 1º, o poder legislativo era transferido do Reichstag para o governo; o artigo 2º estendia os plenos poderes às modificações que viessem a ser feitas na constituição; o artigo 3º retirava do presidente do Reichstag o direito de promulgar as leis, que passava ao chanceler do Reich; o artigo 4º ampliava a autoridade das leis inseridas em determinados tratados com os governos estrangeiros; finalmente, o artigo derradeiro limitava em quatro anos a validade da lei, e associava-a à vigência do atual governo.

Goebbels, o Ministro da Propaganda, registraria posteriormente:
"A autoridade do Fuhrer agora se impunha totalmente. Não se vota mais. É o Fuhrer quem decide. Tudo se processa muito mais depressa do que poderíamos ter ousado imaginar". É o sonho do Partido dos Trabalhadores (Alemão?).

A partir da promulgação dessas leis a censura no meio radiofônico foi efetuada em larga medida, tanto em relação aos assuntos ventilados quanto ao pessoal. Dos três mil jornais em circulação (número aproximado), inúmeros foram fechados (em especial os diários regionais), fosse devido a uma pressão financeira ou a uma guerra de subscrições realizada com o apoio do governo. Outros órgãos foram confiscados. Apenas alguns grandes jornais, cujo prestígio lhes assegurava certas regalias, sobreviveram em parte, como, por exemplo, o Frankfurter Zeitung, até os anos da guerra. Seu campo de ação tornou-se, desde o início da tomada do poder, estritamente limitado. Um rigoroso sistema de instruções e de regulamentação do estilo, estabelecido principalmente no decorrer dos contatos diários dos jornalistas com as autoridades estatais, zelava pela manutenção da ordem política e social, e aboliu, por assim dizer, nas entrelinhas, toda liberdade da imprensa. Ao mesmo tempo Goebbels estimulava, apesar de tudo, as diferenças formais e estilísticas e tratava de minimizar o monopólio estatal, ou melhor, de disfarçá-lo por meio da variedade e quantidade de jornais editados. Como ocorria com a cultura em geral, a imprensa devia, segundo a palavra de ordem que lhe fora dada, ser "uniforme em suas intenções, multiforme na apresentação dos objetivos."

Se a considerarmos em seu todo, a depuração se efetuou sobre o plano cultural sem protestos e sem uma resistência realmente séria (como está sendo, aqui no Brasil). Só a Igreja protestante pôde, a custo de uma cisão, opor-se à conquista declarada do poder. Toda e qualquer possibilidade real de expressão desse desejo de resistir da Igreja Católica (cujos bispos já tinham criticado energicamente e condenado de forma oficial o nacional-socialismo) foi obstada pelas negociações já concretizadas durante a vigência da república de Weimar, resultando numa concordata com o Vaticano, e retomadas depois com empenho por Hitler, com todo seu corolário de promessas e concessões aparentes. A Igreja Católica terminaria, contudo, por opor uma certa resistência, sempre entravada por múltiplas considerações táticas. As atitudes pseudocristãs do regime não deixariam de influir sobre os líderes das duas religiões oficiais. O próprio Hitler, com suas invocações constantes ao "Deus, nosso Pai" ou à "Providência", sabia muito bem dar a impressão de estar animado de um santo temor de Deus. O que veio a enfraquecer a vontade de oposição foi o fato de que os fundamentos da visão de mundo do nacional-socialismo (luta contra o "marxismo ateu", contra o "livre-pensamento", a "decadência dos costumes", até mesmo o veredicto contra as "artes degeneradas") eram, no seu conteúdo, muito familiares a numerosos crentes. A ideologia nacional-socialista, na sua heterogeneidade, era, com efeito, para alguns, "uma substância derivada de convicções cristãs, um aspecto dos ressentimentos e das ideologias que se tinham desenvolvido no seio de comunidades cristãs em seu confronto com um mundo exterior que não compreendiam ou que refutavam, juntamente com todo o processo evolutivo dos tempos modernos."

Nas próprias universidades só se manifestaria um tênue anseio de independência, que aliás terminaria por se extinguir bem depressa sob a influência da manobra já testada das "manifestações espontâneas" provenientes da base, associadas às decisões administrativas vindas de cima. Houve, sem dúvida, atos isolados de rebelião. Entretanto, o regime se firmou com grande rapidez, dominando e impondo-se aos intelectuais, aos escritores, professores universitários e secundários. Desde o início de março algumas centenas de professores do ensino superior, de orientação política variável, proclamaram oficialmente sua adesão a Hitler e ao novo governo. O que me faz pensar: creio que o Hitler dessa época teria o voto certo de todos os que me criticam aqui no blog quando invento de falar de política, não é mesmo? Ele parecia ser um bom homem, carismático, grande orador, preocupado com os trabalhadores e pobres alemães, disse que não quer fazer revolução (ou já teria feito) e que pega pra si o fardo do poder pra poder agilizar as reformas necessárias para o bem-estar da Alemanha, emperrada pela burocracia e mal-administrada pela herança nefasta dos burgueses de direita.


_____________

Tirei todos os trechos sobre Hitler do segundo volume da biografia de Joachim Fest, que eu recomendo a todos que tenham algum interesse nos rumos da política. Recomendo especialmente aos petistas, que preferem tapar os olhos a perceber que Hitler, antes de ser um ditador genocida - caricaturado brilhantemente por Chaplin - era um político, fazia manobras políticas e sabia falar as coisas bonitinhas que ouvimos HOJE de nossos políticos. Também serve pra não passar vergonha acreditando quando Lula compara ação do PSDB às de Hitler, porque, como devem ter percebido dos trechos acima, as ações do PT é que estão muito mais "alinhadas" com as do partido Nazi. Então antes de falar qualquer clichê de m#rD@ sobre eu ser tucano, burguês ou que eu tenho preconceito por Lula ser analfabeto, torneiro mecânico, blá, blá, leiam esse trecho do discurso de Hitler ao parlamento, quando viria a ser aprovada a "lei de plenos poderes" com maioria esmagadora, e Hitler se dirigia rancorosamente aos membros do partido social-democrata, em 1933:

Diz o deputado: "Os senhores querem banir o Reichstag para prosseguir a revolução". Senhores, não seria necessário pra nós (...) apresentar aqui esse projeto de lei. Por Deus, nós teríamos tido a coragem de nos entendermos com os senhores de outra maneira! Foi dito aqui também pelo senhor deputado que nós não poderíamos prescindir do partido social-democrata, pois foi ele o primeiro a liberar essas cadeiras [do parlamento] para o povo, para os trabalhadores e não apenas para os barões e os condes. Em toda a sua linha, senhor deputado, saiba que se pronunciou muito tarde! Por que o senhor não deu essa aula no momento indicado a seu amigo Grzesinski, ou a seus companheiros Braun e Severing, que me acusaram anos a fio de ser apenas um pintor de paredes diarista? Durante anos os senhores têm anunciado isso em seus cartazes. [Aparte de Goring: "Agora o Chanceler acerta as contas!"] (...) O senhor acaba de falar de perseguições. Creio que são raros entre nós os que já não sofreram nas prisões os efeitos da perseguição organizada pelos seus companheiros de partido (...) Pois foram suas perseguições que fizeram de nós o que somos hoje! (...) Pensaram que sua estrela brilharia de novo, mas enganaram-se. Senhores, a estrela da Alemanha brilhará e nunca se extinguirá. Creio que se não votam a favor dessa lei é porque a nossa intenção profunda é incompreensível para a mentalidade erudita dos senhores (...) e só lhes posso asseverar uma coisa: não quero mais os seus votos. A Alemanha será livre, mas sem os senhores!

Acerto de contas... o que nos leva ao ponto mais polêmico do projeto de lei do Lula: O acerto de contas com os militares.
Não deve ser do desconhecimento de ninguém aqui que o PT tem em suas fileiras ex-guerrilheiros que lutavam pra implantar o comunismo no Brasil, como a Dilma Rousseff, o José Genoíno e o José Dirceu (não por acaso os três mais poderosos do partido). Após o fim gradual da ditadura foi acertado entre os militares um acordo de anistia, onde não haveria mais perseguição de lado algum (crimes aconteceram dos dois lados). Acontece que agora o PT, com seu projeto de lei, quer ir atrás dos torturadores pra acertar contas, ignorando a anistia e passando por cima da competência que deveria ser do judiciário (de novo!). E isso de forma unilateral, já que não trata dos crimes dos guerrilheiros.
Mais duas propostas deixaram a área militar particularmente irritada: identificar e tornar públicas as "estruturas" utilizadas para violações de direitos humanos durante a ditadura e criar uma legislação nacional proibindo que ruas, praças, monumentos e estádios tenham nomes de pessoas que praticaram crimes na ditadura. Na leitura dos militares, isso significa que o governo do PT, formado por muitos personagens que atuaram "do outro lado" no regime militar, está querendo jogar a opinião pública contra as Forças Armadas.
Particularmente eu não gosto de ex-torturadores, e não acho que eles deveriam ter honras públicas, mas também não gosto de ex-assaltantes de bancos, de gente que agiu na ilegalidade pra implantar - à custa de vidas humanas - um regime que, hoje sabemos, nada trouxe de bom a país algum. Eu acredito no arrependimento, na maturidade, e que um ex-criminoso pode se regenerar. Mas me incomoda vê-los ainda praticando crimes nos mais altos cargos da nossa estrutura democrática, e agindo sorrateiramente no sentido de miná-la, em concordância com os pensamento de outrora...


Jamais escolham os seus amigos e/ou aliados por sua coloração ideológica, mas somente pelos seus princípios de ética, moral e dignidade
(Ricardo Bergamini)


Referência:
Entendendo o Programa Nacional de Direitos Humanos (Defesanet);
Íntegra do texto do Programa;
Eufemismo de uma ditadura dos Manos;
O Cavalo de Tróia dos Direitos Humanos – por Ruy Fabiano;
Direitos Humanos e Democracia: ameaças angelicais


 
Política - publicado às 10:58 AM 287 comentários
A (NÃO) TRADUÇÃO DOS LIVROS DE CHICO XAVIER
dom, 10 de janeiro, 2010
 


Já faz um tempo que eu me desgostei do espiritismo. Não do que se aprende na doutrina, mas na própria idéia de espiritISMO. Passei a achá-la desnecessária, e até mesmo contraproducente. Acredito até que podemos culpar o fracasso do espiritismo ao seu formato. Até hoje, se você é uma pessoa leiga sobre espiritismo, que vai num centro espírita (assustado, desconfiado) com com problema espiritual, pode sair de lá apenas com um passe e a recomendação de ler as obras de Kardec. Racionalmente falando é algo bom pro "paciente", afinal a leitura da doutrina é recomendável porque atua no senso crítico da pessoa, mas psicologicamente é de uma ineficiência grosseira. Se a mesma pessoa for num terreiro de umbanda ou numa igreja evangélica vai ter uma acolhida muito, muito mais intensa. E às vezes é só isso de que a pessoa precisa no momento. Espíritas EM GERAL, quanto mais imersos na doutrina, ficam frios, arrogantes (com verniz de humildade, claro) e pouco empáticos. As palestras são enfadonhas e a linguagem de 50 anos atrás é mais enfadonha ainda. Claro que existem as exceções, e palestrantes espíritas que são divertidos, didáticos e empatas. Esses fazem sucesso Brasil afora fazendo palestras, mas não podem sustentar sozinhos o entusiasmo das pessoas pelo espiritISMO.

Pra mim os verdadeiros espíritas permanecem invisíveis, mesclados na sociedade, ajudando ostensivamente em asilos, ONGs, hospitais e (por que não?) centros espíritas. Mas eles não estão trabalhando debaixo de alguma bandeira, dependendo de um formato, um ISMO (e essa é minha crítica, quanto ao ISMO). A doutrina é muito maior que isso, pois se baseia no cristianISMO (que também é muito maior que isso), que se baseia nos ensinamentos de um cara que foi maior que a Vida.

Eu participava há anos da lista espiritismo-br, mas saí de lá desgostoso, pois não havia DESENVOLVIMENTO do espiritismo, não era uma coisa em expansão. Não havia diálogo, idéias novas, apenas MOFO. Até que um cara apareceu e chutou o pau podre da barraca, que foi o Alamar Régis. A carta aberta dele ao Presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB) sintetizou tudo o que eu estava experienciando ali, e pior: mostrou COMO os espíritas das mais diversas épocas, que tentaram desenvolver a doutrina, foram tratados pelos "espíritas" e pela Federação Espírita. Chico Xavier incluso. Não há um interesse em fazer uma espécie Livro dos Espíritos 2.0, aproveitando-se da internet pra recolher perguntas e respostas em escala planetária! Até onde sei as palavras de Kardec e dos espíritos não são sagradas, nem devem ser tomadas como dogmas. Como tudo na vida, é questão de interpretação e mentalidade da época. Até mesmo pra os mais fervorosos evangélicos é um pouco demais fazer holocausto de carneiro pra Deus, porque eles sabem que as tradições mudam com a mentalidade da época! Por que raios temos de calcificar nossa mente no séc. 19?

Agora vi mais um texto do Alamar. Transcrevo-o logo abaixo. Pra mim é a pá de cal na estrutura que engessa o "movimento" espírita há décadas. Mostra que Chico Xavier foi procurado por empresários norte-americanos pra publicar seus livros em inglês. E a FEB, que detinha o direito sobre os livros PORQUE CHICO DEU A ELES DE GRAÇA, não autorizou. Não tenho dúvida que, SE Chico Xavier fosse norte-americano, teria gente do mundo todo fazendo romarias aos EUA, como fazem os fãs de Elvis, que estaríamos devorando os livros dele como fazemos com Harry Potter e Senhor dos Anéis, teríamos os mais diversos filmes (e BONS filmes) feito a partir dos livros. Sem falar nos documentários e toda a promoção em torno da imagem dele que os norte-americanos são mestres em fazer. E talvez por isso mesmo Chico Xavier não nasceu lá, e sim no interior de Minas Gerais, feio, inseguro, simples. Mas uma coisa é certa: mesmo esse "capiau" sonhava em ver a doutrina florescer, ganhar o mundo. Não por ELE, mas pela MENSAGEM, pelo conforto que traz às almas das pessoas, e pra isso ele escreveu, e muito. Não sob a bandeira de um ISMO. Ele não nos trouxe uma codificação. Trouxe novelas (os romances), trouxe mensagens de parentes desencarnados, trouxe ânimo, trouxe consolo. Nada dos textos que ele trouxe se constitui A doutrina, mas a doutina está dentro dos textos, na linguagem e para as pessoas do SEU tempo, no formato do SEU tempo. E Chico se foi. O tempo passou. Qual o formato do NOSSO tempo?



Continuar a leitura

 
Espiritismo, Internacional - publicado às 11:57 AM 149 comentários
PACIENTES COM CÂNCER FAZEM TERAPIA COM FLORAIS
qui, 7 de janeiro, 2010
 


O Hospital das Clínicas (HC), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), oferece aos pacientes com câncer um tratamento bem diferente a que estão acostumados. Aliada à medicina convencional, a terapia floral é utilizada na busca do equilíbrio emocional e melhor qualidade de vida dos pacientes.

Com a utilização de diversos sistemas florais totalizando 295 essências de flores silvestres, a especialista em terapia floral da UFPE Rosângela Vecchi, voluntária do HC, trata, não a doença, mas suas causas e reações emocionais manifestadas por ela. "Tenho que conhecer a história de vida do paciente, como ele reage à doença, os traumas, as dores físicas, mentais e emocionais. Só assim, escolho a essência adequada a cada um", explica. Essas essências são ligadas a quatro sistemas (Califórnia, Bach, Saint Germain e Pacífico) o último trabalha também os meridianos correspondentes a órgãos específicos do corpo.

No Serviço de Oncologia do HC, a terapia floral objetiva aliviar o sofrimento do paciente com qualquer tipo de câncer e em qualquer estágio. "São comuns desequilíbrios como medo exagerado, raiva, tristeza, ansiedade e desespero", elenca. O tratamento é feito por via oral e dura cerca de cinco meses, dependendo da situação de cada um. Os profissionais do setor também aderiram à prática. A técnica de enfermagem Maricesar Costa, está se tratando com florais há quatro meses para minimizar os efeitos da ansiedade. "A ansiedade me atrapalhava muito. Com os florais estou me sentindo bem melhor". conta.

A terapia floral foi criada pelo médico Edward Bach, na Inglaterra, em meados de 1930. É uma prática complementar integrativa que utiliza o princípio vibracional das flores silvestres onde o extrato de cada uma atua no indivíduo proporcionando qualidade necessária para promover o equilíbrio integral. A terapia parte do princípio de que o indivíduo adoece de forma integral em que os sinais e sintomas são sentidos nas esferas física, emocional e mental.

Projeto - O Departamento de Enfermagem da UFPE colocará em prática, em março, o projeto Práticas Integrativas e Complementares em Enfermagem (Pece). O objetivo é oferecer o serviço aos interessados em utilizar a terapia floral como instrumento terapêutico.

Resultados alcançados (relatos de pacientes)
Diminuição da percepção da dor
Tranquilidade interior
Bom sono
Melhoria da autoestima
Disposição no dia a dia
Diminuição dos efeitos desagradáveis da quimioterapia
Retorno à convivência familiar e social
Redução do quadro de ansiedade


Ler em espanhol (por Teresa)


 
Holismo, Internacional - publicado às 3:02 PM 13 comentários