Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


RESUMO SOBRE A CEGUEIRA
sex, 31 de outubro, 2008
 


Pra quem não viu o filme ou leu o livro "Ensaio sobre a cegueira", melhor não ler abaixo:


Agimos como cegos, cuja parcela escraviza e explora os outros cegos mais fracos ou omissos, e mesmo esses últimos não se importam se a parte mais fraca entre eles arque com a maior parte da dor e humilhação, desde que o alimento continue vindo. Se consideram presos, mas não sabem que estão livres há muito... Só que a maioria não sabe viver com o estado de liberdade, pois não há união, não há entendimento.

Engraçado que é quase uma continuação da idéia dos dois posts anteriores. Estamos tão cegos que, quando alguém vê e aponta uma maneira de sair de uma situação difícil, e diz "vamos precisar de todo mundo pra conseguir" nós o culpamos e insultamos, em vez de tentar, em vez de incentivarmos os outros a seguir naquela direção. Nós o culpamos pela nossa fraqueza, nossa incapacidade. Isso quando não achamos que o cara talvez esteja nos levando pra uma armadilha, e aí matamos ele. E olha que ele nem está pedindo pra segui-lo "cegamente", pois a situação é tal que até um cego pode "ver". Talvez estejamos esperando que o cara que vê faça tudo por nós, que nos carregue nas costas até a saída, mas ele só está dizendo "não podemos continuar desse jeito, precisamos sair daqui ou morremos" e, ao invés de propormos soluções, perguntamos ao cara "o que que você vai fazer a respeito? Não está vendo nossa condição de cegos? Não podemos fazer nada desse jeito! Cadê a comida? Deixe de falar e me dê a comida!!"

E assim continuamos em nosso confinamento.


 
Cinema - publicado às 11:56 PM 58 comentários
ESTA É A MINHA CANÇÃO
qua, 29 de outubro, 2008
 


O hino "This is My Song" (Esta é a minha canção) foi escrito em 1934 por Lloyd Stone, tendo por base a melodia do hino nacional da Finlândia (composto por Jean Sibelius). Ao contrário do que a cantora Joan Baez diz em entrevistas, não é (infelizmente) o hino da Finlândia (e sim a melodia do hino). Mas bem que poderia ser o hino de um novo mundo, que saberá, um dia, reconhecer e respeitar as belezas, sutilezas, similaridades e diferenças de cada povo, de cada lugar. E o mais importante: se reconhecer no outro.


This is my song, Oh God of all the nations,
A song of peace for lands afar and mine.
This is my home, the country where my heart is;
Here are my hopes, my dreams, my sacred shrine.
But other hearts in other lands are beating,
With hopes and dreams as true and high as mine.

Esta é a minha canção, ó Deus de todas as nações,
uma canção de paz para terras distantes e a minha.
Esta é a minha casa, o país onde o meu coração está;
Aqui estão minhas esperanças, meus sonhos, meu sagrado santuário.
Mas outros corações em outras terras estão batendo,
com esperanças e sonhos tão verdadeiros e elevados como o meu.


My country’s skies are bluer than the ocean,
And sunlight beams on cloverleaf and pine.
But other lands have sunlight too and clover,
And skies are everywhere as blue as mine.
Oh hear my song, oh God of all the nations,
A song of peace for their land and for mine.

Os céus do meu país são mais azulados que o oceano,
e a luz solar incide nas folhas de trevos e pinheiros.
Mas outras terras têm luz solar também, e trevos,
e céus são em toda a parte azuis como o meu.
Oh, ouça minha canção, ó Deus de todas as nações,
uma canção de paz para a terra dos outros e para a minha.


May truth and freedom come to every nation;
may peace abound where strife has raged so long;
that each may seek to love and build together,
a world united, righting every wrong;
a world united in its love for freedom,
proclaiming peace together in one song.

Que a verdade e a liberdade possam vir pra cada nação;
Possa a paz abundar, onde a disputa assolou tanto tempo;
que cada um possa buscar o amor e construir juntos,
um mundo unido, corrigindo todos os erros;
um mundo unido no seu amor à liberdade,
proclamando juntos a paz em uma canção.


 
Geral - publicado às 11:17 PM 17 comentários
OBAMA
ter, 28 de outubro, 2008
 


Discurso antológico de Barack Obama ontem, em Ohio, que quase me arrancou lágrimas. Esse homem deve estar com Kennedy e Luther King do lado, pra ser tão imponente, tão passional e inspirador. ISSO que deve ser um líder, porque o líder não é aquele que está acima de você e pode mais do que você. O líder é aquele que você ama, aquele pelo qual você daria a vida, aquele em quem você confia não pelo cargo que ocupa, mas pelo caráter que emana. E Obama tem aquilo que os grandes líderes têm, que é a força de unir o melhor de um país e fazê-lo trabalhar em prol da coletividade (o mercado de ações subiu 209 pontos quando ele falou!).

Tradução:

Sim, o governo deve liderar o caminho da independência energética, mas cada um de nós deve fazer nossa parte para tornar as nossas casas e as nossas empresas mais eficientes. Sim, temos de dar mais chances de êxito aos jovens que caiam na vida do crime e desespero. Mas todos nós temos de fazer nossa parte como pais, para desligar a TV e ler para nossos filhos e sermos responsáveis pelo fornecimento de amor e da orientação que necessitam.


Continuar a leitura

 
Política - publicado às 12:32 AM 132 comentários
OS NÍVEIS DO SER HUMANO
seg, 27 de outubro, 2008
 


Há alguns anos, um buscador aproximou-se de um Mestre da Arte Real (um verdadeiro Místico) e perguntou-lhe:

- Mestre, gostaria muito de saber por que razão os seres humanos guerreiam-se e por que não conseguem entender-se, por mais que apregoem estar buscando a Paz e o entendimento, por mais que apregoem o Amor e por mais que afirmem abominar o ódio.

- Essa é uma pergunta muito séria. Gerações e gerações a têm feito e não se conseguiu uma resposta satisfatória, por não se darem conta de que tudo é uma questão de nível evolutivo. A grande maioria da Humanidade do Planeta Terra está vivendo atualmente no nível 1. Muitos outros, no nível 2 e alguns outros no nível 3. Essa é a grande maioria. Alguns poucos já conseguiram atingir o nível 4, e pouquíssimos o nível 5, raríssimos o nível 6 e somente de mil em mil anos aparece algum que atingiu o nível 7.

- Mas, Mestre, que níveis são esses?

- Não adiantaria nada explicá-los, pois além de não entender, também, logo em seguida, você os esqueceria e também a explicação. Assim, prefiro levá-lo numa viagem mental para realizar uma série de experimentos e aí, tenho certeza, você vivenciará e saberá exatamente o que são esses níveis, cada um deles, nos seus mínimos detalhes.

Colocou então as pontas de dois dedos na testa do consulente e, imediatamente, ambos estavam em outro local, em outra dimensão do Espaço e do Tempo. O local era uma espécie de bosque e, um homem se aproximava deles. Ao chegar mais perto, disse-lhe o Mestre:

- Dê-lhe um tapa no rosto.

- Mas por quê? Ele não me fez nada...

- Faz parte do experimento. Dê-lhe um tapa, não muito forte, mas dê-lhe um tapa!

E o homem aproximou-se mais do Mestre e do consulente. Este, então, chegou até o homem, pediu-lhe que parasse e, sem nenhum aviso, deu-lhe um tapa que estalou. Imediatamente, como se fosse feito de mola, o desconhecido revidou com uma saraivada de socos e o consulente foi ao chão, por causa do inesperado do ataque.

Instantaneamente, como num passe de mágica, o Mestre e o consulente já estavam em outro lugar, muito semelhante ao primeiro e outro homem se aproximava. O Mestre, então comentou:

- Agora, você já sabe como reage um homem do nível 1. Não pensa. Age mecanicamente. Revida sem pensar. Aprendeu a agir dessa maneira e esse aprendizado é tudo para ele, é o que norteia sua vida, é sua "muleta". Agora, você testará da mesma maneira o nosso companheiro que vem ai, do nível 2.

Quando o homem se aproximou, o consulente pediu que parasse e lhe deu um tapa. O homem ficou assustado, olhou para o consulente, mediu-o de cima a baixo e, sem dizer nada, revidou com um tapa, um pouco mais forte.

Instantaneamente, já estavam em outro lugar muito semelhante ao primeiro.

- Agora você já sabe como reage um homem do nível 2. Pensa um pouco, analisa superficialmente a situação, verifica se está à altura do adversário e aí, então, revida. Se se julgar mais fraco, não revidará imediatamente, pois irá revidar à traição. Ainda é carregado pelo mesmo tipo de "muleta" usada pelo homem do nível 1. Só que analisa um pouco mais as coisas e fatos da vida. Entendeu? Repita o mesmo com esse que vem chegando.

A cena repetiu-se. Ao receber o tapa, o homem parou, olhou para o consulente e assim falou:

- O que é isso, moço?... Mereço uma explicação, não acha? Se não me explicar direitinho por que razão me bateu, vai levar uma surra! Estou falando sério!

- Eu e o Mestre estamos realizando uma série de experimentos e este experimento consta exatamente em fazer o que fiz, ou seja, bater nas pessoas para ver como reagem.

- E querem ver como reajo?

- Sim. Exatamente isso...

- Já reparou que não tem sentido?

- Como não? Já aprendemos ótimas lições com as reações das outras pessoas. Queremos saber qual a lição que você irá nos ensinar...

- Ainda não perceberam que isso não faz sentido? Por que agredir as pessoas assim, gratuitamente?

- Queremos verificar - interferiu o Mestre - as reações mais imediatas e primitivas das pessoas. Você tem alguma sugestão ou consegue atinar com alguma alternativa?

- De momento, não me ocorre nenhuma. De uma coisa, porém, estou certo: esse teste é muito bárbaro, pois agride os outros. Estou realmente muito assustado e chocado com essa ação de vocês, que parecem pessoas inteligentes e sensatas. Certamente deverá haver algo menos agressivo e mais inteligente. Não acham?

- Enfim - perguntou o buscador - como você vai reagir? Vai revidar? Ou vai nos ensinar uma outra maneira de conseguir aprender o que desejamos?

- Já nem sei se continuo discutindo com vocês, pois acho que estou perdendo meu tempo. São dois malucos e tenho coisas mais importantes para fazer do que ficar conversando com dois malucos. Afinal, meu tempo é precioso demais e não vou desperdiçá-lo com vocês. Quando encontrarem alguém que não seja tão sensato e paciente como eu, vão aprender o que é agredir gratuitamente as pessoas. Que outro, em algum lugar, revide por mim. Não vou nem perder meu tempo com vocês, pois não merecem meu esforço... São uns perfeitos idiotas... Imagine só, dar tapas nos outros... Besteira... idiotice... falta do que fazer... E ainda querem me convencer de que estão buscando conhecimento... Picaretas! Isso é o que vocês são! Uns picaretas! Uns charlatães!

Imediatamente, aquela cena apagou-se e já se encontravam em outro lugar, muito semelhante a todos os outros. Então, o Mestre comentou:

- Agora você já sabe como age o homem do nível 3. Gosta de analisar a situação, discutir os pormenores, criticar tudo, mas não apresenta nenhuma solução ou alternativa, pois ainda usa as mesmas "muletas" que os outros dois anteriores também usavam. Prefere deixar tudo "pra lá", pois "não tem tempo" para se aborrecer com a ação, que prefere deixar para os "outros".


Continuar a leitura

 
Holismo - publicado às 12:39 PM 64 comentários
HORA DE AJUDAR
qui, 23 de outubro, 2008
 


Sabe, eu não acredito em coincidências. Acredito em "ondas", momentos propícios para certas coisas, certas mensagens. Os temas dos posts são ditados por essas "ondas". Ontem eu fiz o post distribuição de renda, onde falo do papel da elite de investir nos excluídos da sociedade (nem que seja pelo egoísmo de manter um padrão de vida melhor, sem tanta fome e violência), quando ontem mesmo recebo por e-mail um apelo incomum, de um Centro Comunitário em Pernambuco, que há 23 anos atende diariamente a mais de 200 famílias de baixa renda, e que necessita de fundos pra se manter funcionando.

Adianto que, desconfiado como sou, não acredito muito em programas de ajuda que eu não possa conferir se existem, como o Criança Esperança ou LBV, mas minha namorada foi lá nesse Centro, e eu pretendo ir lá em breve. Creio que é a melhor maneira de ajudar alguém é investir em coisas que você possa conferir, opinar, melhorar, e, quem sabe, participar ajudando de outras formas.

Reproduzo o texto aqui:

O CENTRO COMUNITÁRIO VIVENDO E APRENDENDO que já atua em Camaragibe há 23 anos, atende diariamente a mais de 200 famílias de baixa renda e tem realizado os seguintes serviços:

Programa de atendimento integral de Creche com 50 crianças de 1 a 5 anos. Garantindo as todas as crianças: proteção, saúde preventiva, alimentação balanceada, descanso, banho, primeiros socorros, objetos de higiene pessoal (sabonetes, escovas de cabelo e dente, creme dental, toalhas de banho e lençol) além de materiais didáticos e de atividades pedagógicas, educativas, recreativas e culturais.

- Atividades Sócio educativas com 20 crianças de 6 a 12 anos em horário extra-escolar, através de oficinas, vivências e convivências: artísticas culturais, recreativas, de saúde preventiva, inclusão digital, apoio pedagógico, além da alimentação, higiene pessoal, favorecendo o desenvolvimento pessoal, social e ampliação do nível escolar e cultural.

- Projetos de Inclusão Digital com 100 adolescentes e jovens nos cursos básicos e intermediários de informática, abordando conteúdos como sistemas operacionais (Windows e Linux), administração de redes e cursos de webdesign.

E hoje, infelizmente estamos aqui para lhe dar uma notícia não muito boa.
O nosso Centro está passando por um período de maior crise financeira, para você ter idéia, por mês nós gastamos uma média de R$ 8.000,00 (oito mil reais), para conseguir manter o atendimento as nossas crianças, adolescentes e jovens, afora outras dívidas de grande volume acumuladas. Mesmo com todos os esforços dos dirigentes, educadores, familiares e sócios contribuintes, a nossa receita mensal não consegue chegar a R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

É por isto, que estamos nas ruas, nas igrejas, nas empresas, no comércio, na comunidade, buscando sensibilizar as pessoas a colaborar e a manter este trabalho tão bonito, mas que corre o risco de encerrar suas atividades brevemente.

A sua colaboração é muito importante e você pode fazer doação de qualquer valor através dos nossos colaboradores, da nossa conta corrente ou vindo pessoalmente na nossa sede. Teremos o maior prazer em receber você e toda sua família. Venha e aproveite pra conhecer nossa instituição e comprovar que seu dinheiro está sendo bem empregado.

Um forte abraço de todas as nossas crianças, adolescentes, jovens, familiares, educadores e dirigentes. CONTAMOS COM SEU APOIO!

Contas bancárias:
Banco Brasil: agência 3504-1 conta: 3048-1
Banco Bradesco: agência 1904-6 conta: 3623-4

Endereço:
Rua Guilherme Veloso, 98, Loteamento Celeiro das Alegrias Futuras
Timbí - Camaragibe - PE - CEP 54759-970 - Fone/Fax: (81) 3458-2211
E-mail: ccvavida @ yahoo.com.br - ccvavida @ gmail.com (sem espaços)


 
Geral - publicado às 2:26 PM 31 comentários
DISTRIBUIÇÃO DE RENDA
qua, 22 de outubro, 2008
 


O diretor-geral da FAO (a agência da ONU para Alimentação e Agricultura), Jacques Diouf, afirmou que para dobrar a produção de alimentos no mundo e eliminar a fome, US$ 30 bilhões teriam de ser investidos por ano. Esse investimento é modesto em comparação aos mais de US$ 100 bilhões em subsídios gastos no mundo por ano ou os US$ 1,3 trilhão de gastos em armas anualmente, ou os US$ 100 bilhões gastos com desperdício de comida em um único país, ou os US$ 20 bilhões anuais gastos pelo excesso de comida da população obesa, que se transformam em mais US$ 100 bilhões de gastos com mortes e doenças causadas pelo mesmo excesso...

Assim sendo, como podem as nações mais ricas do mundo dizer que não há como doar US$ 30 bilhões anuais pra salvar 925 milhões que estão literalmente morrendo de fome ao redor do mundo??

Agora mesmo tivemos uma crise econômica causada pela irresponsabilidade de banqueiros, investidores e agiotas, que lucraram horrores com um mercado de faz-de-conta e salários astronômicos, e quando o brinquedo quebrou foram cobrar de nós, que nem brincamos! E lá se vai nosso dinheiro (pago em impostos) pra cobrir o rombo, seja nos EUA (US$ 700 bilhões), Europa (€ 300 bilhões) e até o Brasil, onde nem mesmo os investidores daqui participaram da "brincadeira de hipotecas" (o Banco Central já gastou US$ 22,8 bilhões para segurar a cotação do dólar). É muito dinheiro pra premiar irresponsáveis, não? Muito dinheiro pra jogar bombas em famílias pobres, muito dinheiro pra desperdiçar com comida que vai pro lixo, mas todos os países ficam caladinhos quando o problema é fome, miséria, desigualdade social. Parece ser um problema menor, diante de tantos outros. Obviamente, não é. Mas a maquiagem é tão bem feita, a distração na tela da TV tão bem sucedida, que nos faz até mesmo esquecer que os miseráveis com fome existem aqui mesmo, no Brasil.


Continuar a leitura

 
Política - publicado às 2:18 PM 68 comentários
14/10: O MAKING-OF
qui, 16 de outubro, 2008
 


A seguir um making of do post de 14 de outubro, onde exponho as técnicas pra atrair e manipular a "massa" de gente que, infelizmente, age mais como um cardume de peixes do que como um grupo de indivíduos pensantes. Esse post tem um caráter educativo de alerta, não de chacota, pois cada vez mais as pessoas estão sendo vítimas de supostos guias, mestres ou canalizadores, que, se não fazem isso por mal (pra ganhar muito, mas muito dinheiro) podem estar fazendo até mesmo não-intencionalmente, seja por carência, problemas mentais, desajustes sociais, etc (o que não quer dizer que não haja gente em contato telepático com outras civilizações... afinal, como saber?).


Continuar a leitura

 
Ufologia - publicado às 4:04 PM 114 comentários
REDENÇÃO
ter, 14 de outubro, 2008
 


Por mim o dia 14 teria passado em branco, como qualquer outro dia. Mas o número de pessoas que entrava aqui toda semana pedindo algum post sobre essa maluca da Austrália me fez pensar: se eles querem ilusão barata, terão ilusão barata. Depois disso o 14 de outubro se tornou minha prioridade, ao procurar fazer uma homenagem a Orson Welles (mas sem o pioneirismo e o pânico criado), atrair a atenção dos incautos e no fim mostrar que há vida além dos sonhos com extraterrestres nórdicos de cabelo hidratado.

Além dos motivos supracitados, também busquei dar àqueles que também não acreditam mais em canalizações um motivo pra curtir esse evento, afinal não é todo dia que podemos desfrutar de uma convergência de (bons) pensamentos dessa magnitude. Assim como esse cara, eu mesmo entrei em vários sites à procura de teorias e boatos que dessem algum "tcham", que trouxessem alguma emoção de que alguma coisa, qualquer coisa, pudesse acontecer (um carro alegórico em forma de disco voador desfilando por Alabama com uma bandinha, um vídeo de uma alienígena gostosa saindo de dentro de um bolo na casa da Blossom, qualquer coisa serviria pra dar o clímax da "festa" global). Parece que o único que se deu ao trabalho de preparar algo fui eu, então me empenhei ainda mais no sentido de passar emoção e suspense nos textos, pra dar pelo menos 1 segundo de brilho nos olhos pra alguém, pra fazer valer toda a torcida pela completude de seus sonhos (que já foram meus sonhos), e o resultado é que, acompanhando no contador o número de visitantes e de ONDE eles vinham, fiquei extasiado quando, ao publicar a "imagem da CNN", o número de visitas simultâneas disparou assustadoramente, a maioria vinda do Orkut, e logo após a imagem do "close na espaçonave" o site saiu do ar. Pouco depois recebo um e-mail do host, dizendo que teve de suspender meu site pois estava quase derrubando os servidores deles, com quase 20 acessos por segundo.

Sucesso.

Nem consegui ficar chateado com o fato do site ter saído do ar, tamanha a felicidade de ter trazido um pouco de diversão e mistério às vidas das pessoas, e espero ter deixado claro uma lição: não acredite cegamente em coisas que viu em jornais, revistas, e especialmente internet. Não olhem para o céu porque alguém mandou. Olhe, sim, porque você quer, QUANDO quiser. Olhe pra apreciar a beleza de um pôr-do-Sol, os desenhos das nuvens, o brilho cintilante das estrelas. Se aparecerem OVNIs faça disso um bônus, e não seu objetivo. Não passe "cheque em branco" das suas carências para outras pessoas utilizarem como quiser, pois isso machuca. Talvez muitos de vocês que esperavam o evento estejam machucados agora. Uns reagem com irritação, outros com apatia, depressão. Em fóruns querem apedrejar a Blossom, mas, de que adianta? Outros virão. Aqui no Brasil mesmo já passamos por tal frustração, em 2006. E o que aprendemos com isso? A não confiar mais no Van Elan e passar procuração pra Blossom? Foi isso? E agora a Blossom entrou na lista negra e esperaremos o canalizador da vez? É isso? 2012 está aí. É nossa data "definitiva" pro "apocalipse", e muitos canalizadores disputarão a primazia de ser o profeta do apocalipse que dirigirá o rebanho dos "eleitos" à segurança física e espiritual. Mas certamente existirão os que virão com datas mais próximas pra eventos igualmente dramáticos, pra que nossas vidas não sejam tão sem-graça, tão sem objetivo...

Objetivo.

O que queremos pra nós? Sermos salvos de nós mesmos?

Procurar redenção seria a resposta mais correta. Fazemos isso em todas as religiões. Desde a antigüidade que projetamos nossas qualidades no "alto" e nossos defeitos em nós mesmos. A "culpa" cristã, o pecado original, a "impureza" judaica, a "imperfeição" islâmica, a "ilusão" do mundo budista/hinduísta... isso parece fazer parte do ser humano, sempre almejar algo imponderável, imaterial. Nada contra querer o melhor, buscar desenvolver-se, superar as limitações do nosso pensamento sensorial, mecânico, ordinário. Já pensou como seriam as artes sem que a imaginação não pudesse ganhar asas e buscar algo além da realidade? Mas, quando esse vôo afeta o seu desenvolvimento aqui nesse "planetinha chato", aí sim precisamos repensar nossos objetivos. Há tanto o que podemos fazer por nós mesmos e pelos outros, aqui na Terra mesmo, nessa existência... e preferimos ignorar, achar que o Brasil e o mundo estão fadados à destruição, ao apocalipse que vai separar maquinalmente o joio do trigo (e quem pensa isso nunca se considera o joio, não é mesmo?), e que seremos eternamente felizes em outra dimensão, com outro povo, vindo de estrelas longínquas pra nos ensinar aquilo que já deveríamos ter aprendido com os Mestres daqui mesmo.

Não é desconhecido do público o efeito que ocorre com quem foi à Lua. Os astronautas - gente objetiva, acostumada a cálculos e treinamento severo - geralmente voltam como que "tocados" por algo, muitos abraçando a religião, coisa que normalmente não ocorre com quem vai ao espaço e fica orbitando a Terra. No documentário "In the shadow of the Moon" os únicos astronautas que foram à Lua relatam sua experiência, e no fim alguns partilham seus sentimentos em relação à Terra:


A maior alegria foi no retorno pra casa.
Em minha janela via, a cada dois minutos, a Terra, a Lua, o Sol e uma vista panorâmica dos céus.
Era uma experiência assustadora, poderosa.
E, de repente, me dei conta de que as moléculas do meu corpo, da nave, dos meus companheiros, foram feitas em uma antiga geração de estrelas.
Era uma sensação de unidade, de conectividade. Não eram eles e nós, era "isso sou eu, sou tudo; é uma só coisa". E isso veio acompanhado de um êxtase, um sentimento de "Sim, é isso!". Um insight, uma epifania.
(Edgar Mitchell; Apollo 14)

Aprendemos muito sobre a Lua, mas mais ainda sobre a Terra. O fato de que apenas à distância da Lua você possa levantar o polegar e tapar com ele a Terra, tudo o que você já conheceu, seus entes queridos, seus negócios, os problemas da própria Terra, tudo atrás do seu polegar. O quão insignificantes somos! E quão afortunados somos de ter um corpo, de poder desfrutar dele, e viver aqui entre as belezas da Terra.
(Jim Lovell; Apollo 13)

Aqui é um verdadeiro oásis e não cuidamos bem dele. E acho que aumentarmos a consciência disso é a melhor contribuição para salvar a Terra, se possível.
(Dave Scott; Apollo 15)

Acho que, se você faz algo assim tão diferente, como ir à Lua e retornar, todos te dizem o quão maravilhoso e importante é.
Então, em comparação, outras coisas que costumavam ser importantes já não são tanto assim.
E não digo que eu seja capaz de enfrentar a vida com maior equanimidade porque fui à Lua, mas eu tento.
E talvez algumas de nossas tolices terrestres já não sejam mais tão importantes depois de viajar à Lua, quanto pareciam antes.
(Michael Collins; Apollo 11)

A Terra mudou muito desde que começamos a voar no Gemini. Coisas como poluição urbana, que você agora pode ver em órbita.
Você pode ver que as grandes cidades têm suas próprias atmosferas. Têm mesmo!
Nós devíamos estar preocupados com nossos filhos e netos, mas o que nos preocupa? O preço da gasolina. Nos EUA nos preocupa o preço de 3 dólares a gasolina. É terrível.
(John Young; Apollo 16)

Desde aquela época não me queixei do clima nem uma só vez; Fico feliz que haja clima.
Não me queixo do tráfego; Fico feliz que haja gente ao redor.
Uma das coisas que fiz ao retornar pra casa foi ir aos shoppings, e caminhar lá, tomar um sorvete e observar as pessoas, pensando:
"Que sorte temos de estar aqui. Por que nos queixamos da Terra?"
Vivemos no Jardim do Éden!
(Alan Bean; Apollo 12)


 
Psicologia - publicado às 10:44 PM 133 comentários
14/10: O DIA EM QUE FAREMOS CONTATO
 


Abaixo vocês conferem a brincadeira que fiz em 14 de outubro, o dia para o qual estava previsto, segundo "autoridades" no assunto espiritualista, a aparição em massa de extraterrestres pelo mundo afora. Confesso que eu estava louco que isso acontecesse (claro!!), mas não apostava minhas fichas nisso. Como as chances eram de que NÃO aconteceria, resolvi fazer eu mesmo a "invasão", me divertir no processo e ainda trazer uma lição para aqueles que não têm senso crítico. Pra isso eu fiquei atualizando o post a cada 15 minutos com novas informações, e isso acabou o maior tráfego da história do Saindo da Matrix, tão grande que ia tirando o servidor (localizado nos EUA) do ar (antes disso eles desligaram o meu site). Leiam de baixo pra cima pra ver as notícias na ordem em que apareceram. E não esqueçam de refletir sobre o acontecido.


Continuar a leitura

 
Ufologia - publicado às 10:24 AM 64 comentários
PSICOLOGIA E RELIGIÃO ORIENTAL
dom, 12 de outubro, 2008
 


Entre nós, ocidentais, o homem é infinitamente pequeno, enquanto a graça de Deus é tudo. No Oriente, pelo contrário, o homem é deus e se salva por si próprio
(Carl Gustav Jung)

Quem ousa pensar em na relação entre a alma e a idéia de Deus é logo acusado de psicologismo ou suspeito de misticismo doentio. O Oriente, pelo contrário, tolera compassivamente estes graus espirituais "inferiores" em que o homem se ocupa com o pecado devido à sua ignorância cega a respeito do karma, ou atormenta a sua imaginação com uma crença em deuses absolutos, os quais, se ele olhar um pouco mais profundamente, perceberá que não passam de véus ilusórios tecidos pelo seu próprio espírito. Por isso, a psique é o elemento mais importante, é o sopro que tudo penetra, ou seja, a natureza de Buda; é o espírito da Buda, o Uno, o Dharma-Kaya. Toda vida jorra da psique e todas as suas diferentes formas de manifestação se reduzem a ela. É a condição psicológica prévia e fundamental que impregna o homem oriental em todas as fases de seu ser, determinando todos os seus pensamentos, ações e sentimentos, seja qual for a crença que professe.

De modo análogo, o homem ocidental é cristão, independentemente da religião à qual pertença. Para ele, a criatura humana é algo de infinitamente pequeno, um quase nada. Acrescenta-se a isso o fato de que, como diz Kierkegaard, "o homem está sempre em falta diante de Deus". O homem procura conciliar os favores da grande potência mediante o temor, a penitência, as promessas, a submissão, auto-humilhação, as boas obras e os louvores. A grande potência não é o homem, mas um "totaliter aliter", o totalmente outro, absolutamente perfeito e exterior, a única realidade existente. Se modificarmos um pouco a fórmula e em lugar de Deus colocarmos outra grandeza, como, por exemplo, o mundo, o dinheiro, teremos o quadro completo do homem ocidental zeloso, temente a Deus, piedoso, humilde, empreendedor, cobiçoso, ávido de acumular apaixonada e rapidamente toda a espécie de bens deste mundo tais como riqueza, saúde, conhecimentos, domínio técnico, prosperidade pública, bem-estar, poder político, conquistas etc. Quais são os grandes movimentos propulsores de nossa época? Justamente as tentativas de nos apoderarmos do dinheiro ou dos bens dos outros e de defendermos o que é nosso. A inteligência se ocupa principalmente em inventar "ismos" adequados para ocultar os seus verdadeiros motivos ou para conquistar o maior numero possível de presas. Não pretendo descrever o que sucederia a um oriental, se se esquecesse do ideal de Buda. Não quero colocar, assim, tão deslealmente, e para nossa vantagem, o preconceito ocidental. Mas não posso deixar de propor a questão de saber se seria possível ou mesmo conveniente para ambos os lados imitar o ponto de vista do outro. A diferença entre ambos é tão grande, que não se vê uma possibilidade de imitá-los, e muito menos ainda a oportunidade de o fazer. Não se pode misturar fogo com água. A posição oriental idiotiza o homem ocidental, e vice-versa. Não se pode ser ao mesmo tempo um bom cristão e seu próprio redentor, do mesmo modo que não se pode ser ao mesmo tempo um budista e adorar Deus. Muito mais lógico é admitir o conflito, pois se existe realmente uma solução, só pode tratar-se de uma solução irracional.


Continuar a leitura

 
Internacional, Psicologia - publicado às 11:42 PM 29 comentários
SHANKARA
sex, 10 de outubro, 2008
 


A Jóia Suprema do Discernimento (Viveka Chuda Mani) é um texto clássico do Vedanta a respeito do caminho para Deus através do conhecimento. Foi escrito por Shankara (686-718 d.C.), um monge errante indiano que foi o principal formulador doutrinal do Advaita Vedânta, ou Vedânta não-dualista. Seu ensinamento básico é o de que só Deus é a realidade que a tudo permeia; a alma individual não é outra senão a alma universal.

Este texto desfruta de enorme popularidade devido à maneira clara e racional com que aborda temas relacionados com a religião.

Shankara nasceu em Kaládi, vilarejo do Malabar Ocidental, no Sul da índia. Filho de pais brâmanes, aos dez anos já era um prodígio acadêmico. Não só tinha lido e decorado todas as escrituras como escrevera comentários sobre muitas delas, e travara discussões com renomados eruditos que, de todas as partes do país, acorriam para vê-lo.

Mas o menino estava insatisfeito. Numa época em que a maioria das crianças ainda mal começara a estudar, já ele estava descontente com o vazio do conhecimento livresco. Ele viu que seus professores não praticavam as sublimes verdades que pregavam. De fato, toda a sociedade em que ele vivia era materialista e dada à busca dos prazeres. A Índia estava passando por um período de decadência espiritual. Shankara, ardendo de zelo juvenil, resolveu fazer de sua vida um exemplo que pudesse reconduzir os homens à senda da verdade. Foi discípulo de Govindapada, que iniciou-o e instruiu-o na meditação e no inteiro processo da Ioga. Em pouco tempo Shankara alcançou a completa realização mística e começou ele próprio a ensinar.

Uma manhã, quando ia banhar-se no Ganges, encontrou um Chandala, um membro da mais baixa das castas, a dos intocáveis. O homem trazia consigo quatro cachorros, que bloqueavam o caminho de Shankara. Por um momento, o inato preconceito de casta se fez valer. Shankara, o Bruhmin, ordenou ao Chandala que saísse do seu caminho. Mas o Chandala retrucou:
- Será um só Deus, como pode haver muitas espécies de homens?

Shankara encheu-se de vergonha e reverência, e prostrou-se diante do Chandala. Esse incidente inspirou um dos mais belos poemas de Shankara, o Manisha Panchaka, composto de cinco estrofes, cada qual terminando com o refrão:

Quem aprendeu a ver em toda parte a Existência única,
Esse é o meu mestre, seja ele Brahmin ou Chandala


Continuar a leitura

 
Hinduísmo, Internacional - publicado às 12:53 PM 17 comentários
DREAMER
qui, 9 de outubro, 2008
 



Feliz aniversário, sonhador & ativista.


 
Geral - publicado às 9:01 PM 37 comentários