Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


DETECTOR DE UFOs
dom, 27 de janeiro, 2008
 


Como prometido no post anterior, vou contar minha aventura ufológica em São Bento, praia de Alagoas, no ano passado. Tudo começou quando resolvi, num momento de desespero, comprar um UFO Detector. Isso mesmo. Um aparelho que se propõe a detectar campos magnéticos, com ajuste de sensibilidade. Isso considerando-se, claro, a hipótese de que os UFOs modifiquem o campo eletromagnético à sua volta o suficiente pra que um aparelhinho feito em casa, sem direcionador ou equipamentos caros, possa captar. Mas, como eu já estava cansado de ficar só olhando e pensando "será que foi um satélite ou foi um UFO?", resolvi comprá-lo.

A experiência do aparelho no Janga foi frustrante. Como não sou louco de ir pra dentro das matas fazer vigília, tenho de fazê-lo no quintal, portanto, perto de campos magnéticos da iluminação pública. Ou seja, não posso aumentar a sensibilidade do aparelho. As luzinhas passavam no céu e nada dele tocar. Um avião do exército passou dando um rasante e nada do aparelho tocar. Numa noite o aparelho começou a tocar sozinho, com o céu meio nublado, mas como ele não parou mais de tocar achei por bem pensar que poderia ter sido o vento que balançou o dial que faz a regulagem da sensibilidade (eu a havia deixado no limite). Assim, nos próximos 6 meses o aparelho só serviu pra captar campos magnéticos no trabalho e em casa, pra saber o quão prejudicialmente envolvido estou nesses campos. O monitor do meu computador, aqueles de tubo, era o campeão, pois irradiava um campo para meio metro além da tela, obviamente envolvendo o usuário num campo eletromagnético que, acredito eu, não deva ser muito bom pra ninguém à longo prazo. Os LCDs, por outro lado, não irradiavam quase nada (e isso foi uma boa motivação pra eu trocar meu monitor, já que não quero ter câncer).

Mas vamos deixar de enrolação e partir pra aventura. Quando fui pra São Bento, aproveitei o local isolado e com incidências de UFOs (segundo relatado por um colega) e levei meu UFO Detector. Passei algumas madrugadas em claro observando o céu, sem muito sucesso. Às vezes passava uma luzinha que poderia muito bem ser um satélite, sem que o aparelho registrasse nada. Certa vez aconteceu do aparelho tocar sozinho, e permanecer tocando sem que nada estivesse no céu. Como ele estava em pé na areia da praia, achei que teria sido o vento, novamente. Coloquei-o então dentro de um saco plástico pra evitar futuras decepções. Algumas horas depois fui vigiar de novo o céu, em companhia da minha namorada, e desta vez vimos uma luz que piscava com uma cadência lenta e ritmica, vindo exatamente em nossa direção. Parecia promissor, já que satélites normalmente se apresentam como uma luz constante, ou do tipo Iridium Flare, que se ilumina todo e depois vai se apagando lentamente (assim ou mais rápido). Mas, como ainda poderia ser um satélite, falei pra minha namorada: "se for mesmo um UFO, vai ter de tocar. Não é possível! Vai passar bem em cima da gente!" Mas eis que o objeto parou de piscar (o que me deixou ainda mais animado, pois um satélite deveria seguir o padrão), só que, como eu já tinha uma estimativa da velocidade dele, aguardei e falei: "se for mesmo, ele vai ter de tocar daqui a alguns segundos" (quando supostamente estaria passando por cima de nós).

Tensão.
Suspense.
Terror. O aparelho tocou!
Alegria. O aparelho funciona!
Desespero. Vamos ser abduzidos!
Coragem. Vamos ficar, em nome da ciência!
Confusão. O aparelho não parava de tocar, mesmo depois de vários minutos.
Frustração. Saímos do local e ele continuava tocando.

Bah!

Esse "defeito" invalidou completamente nossa experiência, e ficamos sem saber se era ou não um UFO que tinha passado por cima da gente. Ou pelo menos foi o que pensei.

Após muitos meses em que não quis chegar nem perto do tal UFO Detector, resolvi testá-lo novamente, em casa. Queria saber se o dial se movia com o vento, ou sozinho. Fiz alguns testes em casa, e não consegui fazer o treco apitar sozinho, longe de alguma fonte de emissão (geladeira, TV, computador). MAS (e aí entra o motivo de estar escrevendo!!) descobri que, quando o aparelho está no limite da sensibilidade "padrão", ao encostar num forte campo eletromagnético (no caso, meu no-break do computador) ele apita, e CONTINUA apitando, mesmo que eu me afaste!! SIM! É um "defeito" do projeto (ou sobrecarga, sei lá, não sou engenheiro) que faz o aparelho pirar, o que me fez acreditar que SIM, um objeto voador não-identificado, com um forte campo eletromagnético, passou exatamente por cima de nós (muito alto, é verdade, mas passou) na praia de São Bento.


Ler em espanhol (por Teresa)


 
Internacional, Ufologia - publicado às 12:06 PM 173 comentários
O MENDIGO
qui, 24 de janeiro, 2008
 


No meu antigo blog costumava usar o tema "Por uma vida menos ordinária". Isso era porque sempre me aconteciam coisas tão esquisitas que valiam o registro. Há algum tempo já não acontece algo estranho digno de nota (ok, teve uma experiência ufológica em Alagoas que algum dia eu conto), mas hoje eu estava voltando a pé do lugar onde almoço pra ir pro trabalho, bastante desanimado, pois fui acometido de um ataque de melancolia que, aliado a minha tradicional deprê de fim-de-ano e outras coisas mais me tornaram, enfim, um farrapo humano. Mas a vida, esta sim é uma caixinha de surpresas, e caminhava eu pela calçada, quando me deparo com um ancião, negro de barba branca (quase um preto-velho!), pedindo esmola. Eu já o tinha visto sentado, na ida, em outro local, e meu primeiro pensamento foi "ele fica mudando de ponto pra reciclar sua clientela" e, silenciosamente, apenas me encarou, de mão aberta, ao que retribuí o olhar com um meio-sorriso de desculpas, abanando minha cabeça e seguindo em frente.

Mas eis que alguma coisa mexeu dentro de mim, e não era remorso. Tentei retomar meus pensamentos tristes, mas não conseguia. Sentia um novo influxo de ânimo, e na minha mente aparecia apenas o rosto do mendigo, que olhava pra mim com uma beleza indefinível. Algo que até agora não sei explicar, mas emanava uma aura de dignidade, ternura, compaixão, e percebi que o mendigo ali era eu! Sim, fui eu que recebi a "esmola" em forma de energia, eu que era o mais "pobre" da relação, ali. E aí parei. Já havia caminhado uns 15 metros, mas estaquei e peguei uma moeda, como uma forma simbólica de retribuição (já que o que havia recebido ali não tinha preço) e olhei para trás. Apesar de já estar bem distante dele, o senhor estava virado na minha direção, ainda com a mão aberta em forma de concha, me olhando. Caminhei de volta e entreguei a moeda, para a felicidade dele.

O resultado é que passei a tarde com ânimo pra trabalhar no meu projeto da faculdade, coisa que eu vinha tentando criar coragem de fazer há semanas. Obviamente, o que vem fácil vai fácil, e - assim como é difícil para o pobre de finanças reter dinheiro, é difícil para o pobre de espírito reter energia - estou de volta ao meu estado de outrora. Por isso que é tão importante se trabalhar pra não depender desses influxos de energia, que são ótimos mas não nos fazem crescer. E assim não vivermos dependendo de passes, Reiki, amigos e estranhos dispostos a doar através de um olhar compassivo.

Ler em espanhol (por Teresa)


 
Internacional, Pensamentos - publicado às 12:01 AM 80 comentários
TAO: A MULTIPLICIDADE DO UM
sex, 18 de janeiro, 2008
 


(Lao Tsé; Tao Te Ching - verso 42)

O Tao produz o Um.
Sendo o Um manifesto produz o Dois.
Existindo o dois aparecem os contrários, que entram na existência ao manifestar o três,
de onde nascem todas as coisas que deixam atrás de si a obscuridade
e avançam para a luz, harmonizados pelo sopro do Espírito.
Os homens detestam ser chamados "órfão", "pequeno", "indigno" e sem embargo, Grandes Reis chamaram-se a si mesmos desta maneira.
Aquele que diminui, cresce.
Aquele que se engrandece, diminui.
O que outros ensinaram, eu também ensino:
"Que o homem violento não morrerá de morte natural".
Utiliza este pensamento para seguir o Caminho.
Tao Te King - Albe Pavese (Ed. Madras)


De Tao veio o Um.
Do Um veio o Dois.
Do Dois veio o Três.
E o Três gerou os Muitos.
Toda a vida surgiu da Treva
E demanda a Luz.
A essência da vida engendra
A harmonia das duas forças.
Nenhum homem quer ser solitário
Abandonado e insignificante.
Reis e príncipes se dizem ser assim
Porque sabem do mistério:
Que o inconspícuo será exaltado
E o importante decairá.
Por isto, ensino também eu
O que outros ensinavam:
Quem age egoicamente
Está morto
Antes de morrer.
É este o ponto de partida da minha filosofia.
Tao Te Ching - Huberto Rohden (Ed. Martin Claret)

Comentários de Huberto Rohden:
A Realidade é Una, que se revela sempre como dualidade, como causa e efeito, como Uno e Verso, como Ser e Existir. E dessa bipolaridade complementar nascem todas as pluralidades - assim como da Luz Incolor nascem todas as cores. A trindade do prisma triangular revela em pluralidade a unidade da luz única. Os nossos sentidos percebem apenas sete cores das infinitas que a Luz Incolor produz através da trindade do prisma.
Para compreender realmente esta sabedoria de Lao-Tse deve o iniciando mergulhar num profundo silêncio de uma interioridade solitária de longa duração; os iniciados se isolam 30 a 40 dias contínuos nesse silêncio-presença, nesse silêncio-plenitude.

Qualquer, pois, que a si mesmo se exaltar, será humilhado; e qualquer que a si mesmo se humilhar, será exaltado
(Mat 23:12)

 
Taoísmo - publicado às 2:08 PM 23 comentários
A MENTE DOS PROFETAS
seg, 14 de janeiro, 2008
 


No livro O eu e o inconsciente Carl Gustav Jung analisa o delicado equilíbrio entre as partes que compõem a mente, o consciente e o inconsciente, e nos coloca diante de questões fantásticas pro campo da psicologia e metafísica, como a possibilidade da persona (a "máscara" da qual nos revestimos pra autar como indivíduo) ser um mero recorte (algo emprestado) da psique coletiva, o que nos faz meditar sobre o quanto somos indivíduos e o quanto somos produto do meio...

Mas, não foi por isso que resolvi fazer este post, e sim pra mostrar um trecho onde nosso querido Jung disseca um tipo psicológico muito em voga nos meios esotéricos (e esquisotéricos), e já falado aqui no blog: o profeta (ou ajudante de profeta).

Porquanto creia que é legal receber (e divulgar) comunicações de cunho espiritual, especialmente se forem pra nos alertar de coisas que possamos corrigir pro futuro, quando isso ganha contornos de culto, obsessão ou dogma, até mesmo com prejuízos para a própria pessoa, aí é caso pra psicólogo. Pessoas nesse caso (e seus seguidores) normalmente ficam revoltadas por achar que psicólogo é caso pra doido varrido, gente em camisa-de-força, e não se aplica pra os "gloriosos contatados" das orbes celestiais, mas vale sim, porque o tal contatado tem mente como qualquer pessoa, e está sujeito às influências do inconsciente - pessoal e coletivo - como qualquer outra pessoa!

É aí que entra o texto de Jung, que nos mostra que o inconsciente sempre tenta compensar (equilibrar) o conteúdo do consciente, geralmente (mas não necessariamente) com oposições. Quando há um desequilíbrio, causado por uma consciência falha, entra em ação a atividade automática do inconsciente, visando a geração de um novo equilíbrio. Mas Jung aponta que tal meta será alcançada sempre que a consciência for capaz de assimilar os conteúdos produzidos pelo inconsciente, isto é, quando puder compreendê-los e digeri-los. Se o inconsciente dominar a consciência, desenvol-ver-se-á um estado psicótico. No caso de não prevalecer nem processar-se uma compreensão adequada, o resultado será um conflito.

Assim, no capítulo IV ("Tentativas de libertar a individualidade da psique coletiva") Jung nos fala que "se os conteúdos do inconsciente chegarem à consciência, como o indivíduo reagirá? Será dominado pelos conteúdos? Aceita-los-á credulamente? Rejeita-los-á? O primeiro caso significa paranóia ou esquizofrenia; o segundo torna o indivíduo um excêntrico, com certo gosto pela profecia, ou então pode fazê-lo retroceder a uma atitude infantil, apartando-se da sociedade humana; o terceiro significa a restauração regressiva da persona". Mas é o segundo caso o que mais nos interessa:


Continuar a leitura

 
Internacional, Psicologia - publicado às 7:27 PM 41 comentários
NOVIDADES UFOLÓGICAS
dom, 13 de janeiro, 2008
 


A internet está pipocando de coisas legais em relação aos UFOs. Tudo graças a nossa era video-digital, onde qualquer um pode filmar, fotografar e disponiblizar tudo na internet. Entretanto, o terreno (e a tecnologia) também é fertil pra enganar as pessoas com truques de última geração (como foi o caso dos UFOs no Haiti).

Este vídeo foi filmado em SP. Vejam até o fim. O que poderia ser uma pipa revelou-se uma "coisa" com espinhos, cuja abertura parece ser mais orgânica do que mecânica. Impressionante:


Continuar a leitura

 
Ufologia - publicado às 5:33 PM 145 comentários
O CORÃO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS
qua, 9 de janeiro, 2008
 


Pouca gente sabe, mas há no Corão várias referências a Jesus, que é considerado por eles um profeta, mas não Deus (obviamente, já que não existe o conceito de trindade pra eles):

Jesus, um profeta virtuoso, 6:85;
O nascimento, 3:45-47; 19:16-23;
mensageiro para os israelitas, 3:49-51;
não o mataram 4:157-159;
igual a Adão, 3:59;
não foi crucificado, 4:157;
nada mais que um mensageiro, 4:171; 5:75; 43:59, 63-64;
não Deus, 5:17, 72;
enviado com o Evangelho, 5:46;
não filho de Allah, 9:30;
mensagem e milagres, 5:19, 30-33;
ora por uma mesa servida de alimentos, 5:114;
não ensinava falsa cultuação, 5:116-118;
os discípulos declaram-se muçulmanos, 5:111;
os seguidores têm compaixão e misericórdia, 57:27;
os discípulos como auxiliadores de Allah, 61:14;
como um sinal, 23:50; 43:61;
profetizava a Ahmad, 61:6.


Mudando de assunto, mas dentro do mesmo tópico, o que tem me incomodado mais nos últimos meses é a postura do mundo muçulmano em relação ao resto do mundo. Tantas tensões, tanto rancor, justificados ou não, o fato é que eles continuam personificando o papel de "vilões" aos olhos da mídia, quando os verdadeiros vilões agem sorrateiramente como gangsters, de forma "limpa" e discreta (e com vista grossa da ONU). Os idiotas do Irã provocando navios dos EUA em águas internacionais, os idiotas da Palestina jogando bombas a esmo em Israel (por que eles não se concentram em aterrorizar especificamente Bush e sua troupe, neste momento em visita ao Oriente Médio?), e os idiotas do Paquistão que forneceram um ótimo bode espiatório pra morte de Benazir Bhutto (até as pedras de lá sabem que o assassinato foi encomendado pelo serviço secreto do governo). E como esses idiotas adoram se passar por religiosos pra justificar suas ações, todo o Islamismo (que vai pra muito além do Oriente Médio) é prejudicado...


Continuar a leitura

 
Política, Sufismo - publicado às 12:12 PM 162 comentários
COR LARANJA
ter, 8 de janeiro, 2008
 


O meio caminho entre o amarelo e o vermelho, o laranja é a mais angustiante das cores. Entre o ouro celeste e o vermelho ctônico, esta cor simboliza, antes de tudo, o ponto de equilíbrio entre o espírito e a libido. Agrega a luminosidade e alegria do amarelo com a excitação e vibração do vermelho. Relaciona-se com o ardor e o entusiasmo.

Ela é a cor das túnicas dos monges budistas e da cruz de veludo laranja dos Cavaleiros do Espírito Santo.

A energia dessa cor pode estimular o sangue e os processos circulatórios, influenciando as funções mentais e os sistemas respiratório e nervoso.

Segundo a tradição hindu, o laranja está ligado ao segundo Chakra (um dos centros energéticos espalhados pelo corpo). Localizado entre o púbis e o umbigo, esse chacra - chamado sacro - rege os órgãos reprodutivos e a libido, e influencia em todos os processos criativos. Em cromoterapia - técnica que usa luzes coloridas na cura do corpo - a gama dos alaranjados também é usada no tratamento de doenças do abdômen e dos órgãos reprodutores; "Ela ajuda a soltar as amarras que impedem a livre expressão da criatividade", diz o terapeuta Carlos Florêncio, de São Paulo, que sugere um exercício para estimular a capacidade criadora: "No local de trabalho, imagine-se envolto em uma luz laranja e procure se sentir estimulado por essa energia", ensina o especialista.

Na Idade Média acreditava-se que o laranja simbolizava a crueldade, o orgulho e a ambição. Mas muito antes disso, na Índia, o Buda cortou os cabelos e trocou as suas suntuosas vestimentas reais pela roupa alaranjada de mendigo. É por essa razão que os monges budistas usam até hoje túnicas laranja, simbolizando a renúncia às coisas materiais.


Referência: O laranja;
Bons fluidos: O laranja é pura vibração;


 
Budismo, Holismo - publicado às 2:50 PM 21 comentários