Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


PIRAMIDE EM 3D
sáb, 31 de março, 2007
 


Quando começou o hype em torno da Internet, no século passado, por volta do longínquo ano de 1996, eu via as revistas falando que era possível visitar o Louvre sem sair de casa, conhecer as grandes maravilhas da humanidade, que a internet revolucionaria a educação, etc. Balela. A maior parte do tempo da maioria dos que entraram nessa época era gasta no IRC, mesmo. O Louvre mesmo eu achei decepcionante, com fotos pequenas e de baixa resolução, e que ainda demoravam pra baixar no meu modem de 14.400.

Meu conceito de ferramenta de educação eram coisas que combinavam entretenimento e informação, algo que só está se materializando agora, como o Google Earth.

Mas agora encontrei o exemplo mais bem acabado de informação da nova era. Algo que deveria constar nas salas de aula do mundo todo: Um passeio 3D pela construção da Grande Pirâmide do Egito, que foi realizado pra dar suporte à teoria do arquiteto francês Jean-Pierre Houdin, que declarou ter resolvido o mistério acerca de sua construção, que perdura há 4.500 anos, afirmando que ela foi construída de dentro para fora.

Teorias anteriores diziam que o túmulo do faraó Khufu (Queóps), a última das sete grandes maravilhas do mundo antigo que ainda sobrevive, foi construída ou usando uma enorme rampa frontal ou então uma rampa em formato de saca-rolhas, em forma de espiral, em volta da parte externa da pirâmide, para erguer as pedras.

Mas o arquiteto possui uma teoria brilhante de que os egípcios utilizaram rampas por DENTRO da pirâmide, enquanto a construíam, formando uma espiral ascendente. "Esta teoria é melhor que as outras porque é a única que funciona", disse Houdin à Reuters. Para provar seu argumento, o arquiteto francês formou uma parceria com a empresa francesa Dassault Systèmes, que constrói modelos 3D para o design de automóveis e aviões. A empresa pôs 14 engenheiros para trabalhar sobre o projeto por dois anos.

O egiptólogo Bob Brier disse à Reuters na apresentação da hipótese: "Isto contraria as duas principais teorias existentes. Eu mesmo as ensino há 20 anos, mas, no fundo, sei que estão erradas". Agora uma equipe internacional está sendo montada para sondar a pirâmide, usando radares e câmeras de detecção de calor fornecidas por uma firma de defesa francesa, desde que as autoridades egípcias aprovem.

Houdin começou a trabalhar em tempo integral sobre o enigma oito anos atrás, depois de uma intuição que lhe foi transmitida por seu pai, engenheiro, e cinco anos antes de visitar a pirâmide "in loco". Ele acredita que, com as técnicas que ele visualiza, a pirâmide pode ter sido erguida por não mais de 4.000 pessoas, em lugar das cerca de 100 mil vistas por historiadores passados como o número provável de trabalhadores encarregados de enterrar o faraó.

Esses egípcios eram fantásticos, mesmo, não? Desafiam a mente dos mais brilhantes construtores e arquitetos durante milhares de anos de EVOLUÇÃO e só agora, após 8 anos de dedicação integral, alguém apresenta um modelo válido. Resta saber se essas rampas existem mesmo, ou ainda permanecerá o mistério!

No site você escolhe ver uma animação com a teoria explicada (em inglês, francês, espanhol, várias línguas. Infelizmente não tem português) ou passear livremente pela área criada em 3D, que abrange várias etapas da construção da pirâmide de Queóps.

Os gráficos 3D do website demoram um pouco pra carregar, mas são tão bons quanto os de Counter Strike (dependendo, claro, da sua placa de vídeo) e, pensando bem, acho até que daria um ótimo mapa de CS... Eu passei mais de uma hora viajando pelo mapa, seja voando pelo deserto, ou dando rasantes no lindo lago de águas azuis. Me senti como um pássaro. Depois resolvi encarar como seria um dia de trabalho de um egípcio carregador de pedra. Me desloquei desde lá debaixo da pirâmide até o topo, seguindo as rampas. Puxa, como é cansativo! Por sorte a paisagem é belíssima e ainda tirei umas fotos!

O grau de imersão é tão grande que me senti até com vertigem, quando olhava pra cima, ou caustrofóbico quando me aventurava por dentro da pirâmide!!

Referência: Yahoo notícias


 
Geral - publicado às 6:59 PM 9 comentários
FRANÇA PUBLICA OFICIALMENTE ARQUIVOS SOBRE OVNIS
qui, 22 de março, 2007
 


A França se transformou nesta quinta-feira no primeiro país do mundo a publicar na Internet os arquivos de seu grupo de cientistas dedicados à busca de Ovnis e à pesquisa de fenômenos aeroespaciais não identificados. Os 1,6 mil casos analisados pelo Grupo de Estudo e de Informação sobre Fenômenos Aeroespaciais Não Identificados (Geipan, na sigla em francês) serão publicados na rede e poderão ser consultados por qualquer um.

Embora o grupo não existisse até a década de 70, o primeiro testemunho do tipo foi recolhido na França em 1937. Como aperitivo, os interessados e especialistas poderão ter acesso a 400 casos na página do Centro Nacional de Estudos Espaciais (CNES), do qual depende o Geipan. O restante dos dados, incluindo 6 mil testemunhos e 3 mil interrogatórios, será publicado com o tempo.

No total, cerca de 100 mil páginas estarão à disposição do público. Ali, podem ser encontradas as investigações, os dados e as provas dos casos estudados pelo grupo de cientistas que, em muitas ocasiões, teve de concluir que se tratava de fenômenos inexplicáveis.

No menu: as transcrições verbais da polícia, fotos, vídeos e os resultados dos processos. Promete deixar dúvidas no ar: 9% dos casos são perfeitamente explicáveis, 33% são provavelmente, mas 28% são inexplicáveis. No total, mais de 100.000 paginas de documentos serão colocados on-line. O primeiro lote, que representam 25% dos arquivos, estará disponpivel nesta quinta-feira (hoje). Os casos mais antigos (alguns são de 1937) serão acrescidos progressivamente. O Le Figaro mostra os primeiros casos (em francês), já conhecidos por alguns apaixonados pelo assunto:

* O Cilindro de Royan

* O estranho "RR3" de Cussac

* O disco de Trans-en-Provence
Um pedreiro aposentado assegurou que, em 1981, viu pousar, perto de seu jardim, uma espécie de disco voador de cerca de 2,5 metros de diâmetro. Quando os cientistas foram investigar o caso, encontraram provas incompreensíveis: o lugar no qual supostamente aterrissou a nave espacial apresentava restos de terra que, segundo os laboratórios consultados, tinha sido submetida a temperaturas em torno de 600°C e tinha suportado um objeto de entre 500 e 700 quilos. Além disso, a análise dos pés de alfafa que estavam perto do lugar revelou que os vegetais sofriam um enfraquecimento no processo de fotossíntese que os botânicos só puderam explicar como conseqüência de contato com um campo elétrico intenso. Provas suficientes para qualificar o caso como inexplicável.

* O disco vermelho do vôo Nice-Londres
Um objeto que descreveram como algo em forma de lentilha, com cerca de 200 a 300 metros de diâmetro, foi claramente visto perto de Paris pelo piloto, o co-piloto e outro membro da tripulação de um vôo da Air France que ia de Nice a Londres, em 28 de janeiro de 1994. Os radares do Exército francês também detectaram seu rastro, o que levou os especialistas a considerá-lo um Ovni, por não encontrarem outra explicação razoável.


"Não se deve esperar de nossos arquivos revelações, mas esperamos que sirvam aos cientistas, e que o fenômeno dos Ovnis se transforme, finalmente, em um objeto de estudo como qualquer outro", explicou o atual responsável pelo Geipan.

Fontes: Terra e Le Figaro


 
Ufologia - publicado às 7:10 PM 28 comentários
ELES VÊEM ESPÍRITOS
qua, 21 de março, 2007
 


Para a ciência, ver e ouvir fantasmas não tem nada de sobrenatural: tudo é criado pelo cérebro. Agora os cientistas tentam explicar por que tanta gente, em diferentes épocas e civilizações, afirma ver espíritos

Por Aryane Cararo, para a revista Superinteressante 237

Dona Rosa, a tia de Maurício que apareceu no carro de repente, reclamava de que estava perdida e ninguém tinha ido buscá-la. "Só vi o Zé [o irmão dela], mas parecia que ele estava de fogo", disse. Sem saber o que fazer, o sobrinho sugeriu que ela aguardasse para seguir seu caminho. Antes de sumir do veículo, a mulher agradeceu a coroa de flores e só não deixou mais perplexo o administrador e engenheiro eletricista Maurício Casagrande porque essa não era a primeira vez que algo parecido acontecia. As primeiras manifestações estranhas apareceram na infância, mas foi depois dos 27 anos que ele passou a protagonizar cenas de horror: acordava durante a noite e via figuras cadavéricas no quarto, ouvia vozes e começou a adivinhar data e hora da morte de pessoas próximas. Entre o susto e o incômodo, buscou ajuda médica com psicólogos, psiquiatras, neurologistas. Nunca encontrou nada errado.

Para a ciência, espíritos não existem. Nossa personalidade, nossa inteligência, nosso caráter, tudo é determinado pelas conexões cerebrais. Quando morremos, as células têm o mesmo fim, sem deixar possibilidade para alma ou fantasmas aflorarem. Mas os próprios cientistas reconhecem que relatos de experiências sobrenaturais e de contato com os mortos, como o do engenheiro Maurício, estão presentes em diversas civilizações e são quase tão antigos quanto a escrita. A possessão por deuses e demônios aparece desde 2000 a .C. O Tratado do Diagnóstico Médico e do Prognóstico, um conjunto de 40 pedras babilônicas dedicadas à medicina, descreve as alucinações auditivas e as ausências súbitas com um caráter sobrenatural. Hieróglifos também revelam que os egípcios acreditavam que mortos ou demônios entravam no corpo dos vivos e provocavam tais sintomas. O caráter sagrado também esteve presente na Grécia antiga, onde alucinações eram chamadas de "doença sagrada" ou "doença da Lua". Com o advento do cristianismo, os inúmeros deuses deixaram de ser a causa para esses fenômenos. Surgiram as explicações naturais, como a de que a Lua provocava o aquecimento da Terra e isso faria o cérebro derreter, gerando as crises. Na Idade Média, quem tinha alucinações era considerado herege. Joana D'Arc, queimada em 1431 quanto tinha 29 anos, começou a ouvir vozes e perceber luzes estranhas ainda adolescente. Hoje, os espíritos inspiram todo um gênero de cinema - os filmes de terror -, sem falar em contos da literatura universal, novelas e conversas em família. Com tantas histórias distantes, porém parecidas, é muito fácil acreditar que há algo além ao nosso redor.

Apesar de tantos relatos semelhantes, só nos últimos 20 anos é que o assunto saiu dos filmes de terror e voltou a ocupar as páginas de estudos científicos sérios. As pesquisas focam desde o perfil dos chamados médiuns a análises neurológicas que relacionam alucinações a epilepsia e ao fenômeno do déjà vu. Ainda não existe uma explicação definitiva do fenômeno da mediunidade, mas há conclusões suficientes para destruir vários mitos sobre o tema.


Continuar a leitura

 
Ciência, Espiritismo - publicado às 9:31 PM 65 comentários
A SCANNER DARKLY
dom, 18 de março, 2007
 


O filme O Homem duplo (A Scanner Darkly) é a mais nova empreitada do diretor Richard Linklater, o mesmo gênio que fez Waking Life (que EU considero um dos melhores filmes de todos os tempos) e Antes do amanhecer. Baseado na obra de Philip K. Dick (o cara que deu origem, com seus contos, a filmes como Blade Runner e Minority Report), o filme se passa num futuro ("7 anos a partir de agora") onde todos são constantemente monitorados (escaneados) e a única maneira de permanecer anônimo é usando um traje que combina pedaços de 1.500 pessoas aleatoriamente, a todo segundo (um efeito fantástico que chega a lhe desorientar). Os EUA perderam a luta contra as drogas, em especial uma chamada Substância D, altamente viciante e com efeitos destrutivos para o cérebro.

Dois terços do filme são totalmente histrônicos. Atuação exagerada (mas deliciosa), muito, mas muito papo de drogados (algo como um "Antes do amanhecer" com diálogo sem pé nem cabeça). Fiquei meio perturbado com isso no começo, mas lá pela metade eu relaxei e estava me divertindo horrores com o "Big Brother dos drogados", e confesso que, com o fim do filme, fiquei com saudades das maluquices divertidíssimas dos atores secundários (interpretados por Robert Downey Jr., Woody Harrelson e Rory Cochrane).

Se você ainda não viu o filme, não ouse ultrapassar esta linha (onde reside os melhores comentários, então corra já pra assistir e depois volte aqui)


Continuar a leitura

 
Cinema - publicado às 1:51 AM 32 comentários
CRUZADA ANTI-ECOLÓGICA
qui, 15 de março, 2007
 


O Mídia Sem máscara reslveu encampar uma cruzada contra supostos eco-alarmistas que, segundo eles, maximizam o problema do aquecimento da Terra (como ação humana) e suas conseqüentes catástrofes climáticas. Para o pessoal do site, o clima do planeta muda radicalmente por causas naturais - como já ocorreu no passado da Terra - e o efeito das toneladas de gases venenosos que as indústrias jogam na atmosfera é irrelevante para o planeta Terra. Dizem isso baseado em afirmações de uma minoria de cientistas que, por sua vez, são financiados por empresas petrolíferas ligadas a Bush. Claro.

Mas sabe qual o maior absurdo do artigo, o que me fez realmente subir nas tamancas? A declaração de Margaret Tse, CEO do Instituto Liberdade, uma ONG brasileira, que comenta com a maior naturalidade:
"Correntes do pensamento científico atestam que não existe evidência científica convincente de que o lançamento humano de dióxido de carbono, metano e outros gases de estufa causem ou irão causar num futuro próximo o aquecimento da atmosfera da terra e tumultuar o clima do planeta". E o autor do artigo conclui: "Ao invés de adotar políticas públicas destrutivas, os formadores de opinião deveriam adotar uma política de pesquisa contínua e crescimento econômico desobstruído".

Liberdade sem responsabilidade


Continuar a leitura

 
Ciência - publicado às 11:54 PM 69 comentários
MARTE É AQUI, NÃO LÁ
 


A Agência Espacial Européia (ESA) pretende enviar sua primeira missão tripulada a Marte em 2025. Devido à sua grande complexidade, o projeto só poderá ser colocado em prática se houver colaboração da Nasa.

"Não podemos ir sozinhos. Deve ser uma missão global, com a participação da Nasa e da agência espacial russa", disse Bruno Gardini, diretor do programa Aurora, da ESA, que pretende explorar os planetas do Sistema Solar em busca de indícios de vida.

Segundo Gardini, a missão Marte custaria entre US$ 4 e 5 bilhões, orçamento do qual a ESA não dispõe. Por isso, o apoio da Nasa é fundamental para que o projeto seja realizado, porém, a agência americana não tem demonstrado interesse na missão (está envolvida na futura missão à Lua).

Enquanto isso, a guerra no Iraque consome US$ 2 bilhões por semana, ou cerca de US$ 200 mil por minuto.


 
Ciência - publicado às 7:46 PM 27 comentários
ACEITAÇÃO E ENTREGA
ter, 13 de março, 2007
 


Essa semana me contaram um caso de uma mulher que, ao visitar a amiga, as plantas ao redor dela murchavam ou morriam. Acho que todo mundo conhece algum caso de "olho de seca pimenteira", o tipo de pessoa que basta gostar ou elogiar alguma coisa viva de pequeno porte (planta, crianças, animal), que a "vítima" adoece ou fica fraca. É o caso onde a pessoa consciente ou inconscientemente rouba energia vital através do olhar. Daí que dizem pra vítima em potencial usar alguma peça de roupa ou detalhe vermelho-vivo, porque a atenção do "vampiro" (como qualquer outra pessoa) vai ser sempre atraída (ou perturbada) pela cor vermelha.

Esse negócio de planta é muito interessante!! É uma coisa que devia ser estudada pela ciência, pois ocorre NA SUA FRENTE, em pouco tempo. Não sei como funciona, mas deve ser o mesmo princípio pelo qual as plantas "sentem" o ambiente ao seu redor. Uma das plantas mais sensíveis é o manjericão, que, pelo menos na crença popular, atrai a energia ruim pra ela (evitando que vá pra alguma pessoa ou animal). Minha mãe de vez em quando usa na cozinha, onde todo mundo sempre fica tomando café e conversando, e a vida média dela num jarro com água é de alguns poucos dias, mas basta uma pessoa mais "carregada" chegar pra ela murchar COMPLETAMENTE em 1 hora apenas, não importando se ela estava verdinha e saudável 1 hora antes. Até mesmo os evangélicos estão usando essa sabedoria, quando distribuem aos seus fiéis a "rosa ungida" ou alguma coisa assim, pra levar pra casa e deixar num jarro. Eles dizem que deve-se trocar a rosa por uma nova toda vez que ela murchar, pois ela vai "limpando" a casa. É o mesmo princípio: se um parente (ou a própria pessoa) está perturbado (e comumente quem vai a centros religiosos vai em busca de paz na família e na própria vida) a rosa, tadinha, absorve aquilo e morre prematuramente. A pessoa vai continuar com seus problemas, mas pelo menos o ambiente da casa não vai ficando impregnado de fluidos mentais deletérios.

Mas, voltando ao assunto, imaginei que, se aquela mulher - sem sequer prestar atenção ao seu redor - consegue matar várias plantas, ela deve estar totalmente descompensada emocionalmente. O que se revelou uma verdade, já que ela perdeu o filho por suicídio. A dor de perder um filho deve ser a maior de todas, especialmente sendo mãe. A mulher então perdeu sua capacidade de ser auto-suficiente energeticamente e passou a ser um buraco-negro, pois aposto que tudo o que ela absorve se perde em elucubrações mentais e pensamentos que a exaurem. Recomendei então que ela fizesse trilhas, trekking, e tomasse banhos de cachoeira, para que entrasse em contato intensivo com a natureza a fim de poder pegar ao máximo energia (a floresta é GIGANTESCA fonte de energia) e, uma vez repleta (no curto espaço de tempo em que ela estivesse lá estaria "sadia") o organismo espiritual pudesse se reequilibrar. Mas me disseram que ela detesta o contato com a natureza. Normal. Quem está deprimido só pensa em ficar trancado em casa, longe do sol. É uma forma de auto-sabotagem do ego, que simplesmente adora remoer pensamentos tristes. Por mais que a pessoa queira em sã consciência sair daquela situação, buscar uma luz, uma felicidade, a própria mente (identificada com o ego) vai trazer de volta aqueles pensamentos que você queria esquecer. Por que? Porque aquilo lhe define melhor do que qualquer coisa. A tristeza lhe traz um centramento, um recolhimento, que é o oposto da felicidade. Então, o que acontece aqui? Há um estado de negação, onde a pessoa se recusa a "largar o osso" (no caso, aceitar que deixou de ser a mãe daquele filho aqui na Terra, e tal). A solução é a entrega, a aceitação das coisas como elas são (e pra isso muitas pessoas gastam anos em terapias).

Novamente recorro ao livro de Eckhart Tolle "O poder do Agora" (eu já merecia uns mil reais pelas propagandas constantes) para ilustrar a idéia de entrega:

Para muitas pessoas, a entrega talvez tenha conotações negativas, como uma desistência, certa letargia, etc. A verdadeira entrega, entretanto, é algo completamente diferente. Não significa suportar passivamente uma situação qualquer que nos aconteça e não fazer nada a respeito, nem deixar de fazer planos ou de ter confiança para começar algo novo. A entrega é a sabedoria simples mas profunda de nos submetermos e não de nos opormos ao fluxo da vida. O único lugar em que podemos sentir o fluxo da vida é no Agora. Isso significa que se entregar é aceitar o momento presente sem restrições e sem nenhuma reserva. É abandonar a resistência interior àquilo que é. A resistência interior acontece quando dizemos "não" para aquilo que é, através do nosso julgamento mental e de uma negatividade emocional. Isso se agrava especialmente quando as coisas "vão mal", o que significa que há um espaço entre as exigências ou expectativas rígidas da nossa mente a aquilo que é. Isso não quer dizer que não possamos fazer alguma coisa no campo exterior para mudar a situação. Na verdade, não é a situação completa que temos de aceitar quando falo de entrega, mas apenas o segmento minúsculo chamado o Agora.

Por exemplo: Você está andando por uma estrada à noite, com uma neblina cerrada, mas possui uma lanterna potente que corta a neblina e cria um espaço estreito e nítido na sua frente. A neblina é a sua situação de vida, que inclui o passado e o futuro. A lanterna é a sua presença consciente, e o espaço nítido é o Agora.

No estado de entrega, você vê claramente o que precisa ser feito e parte para a ação, fazendo uma coisa de cada vez e se concentrando em uma coisa de cada vez. Aprenda com a natureza. Veja como todas as coisas se realizam e como o milagre da vida se desenrola sem insatisfação ou infelicidade. É por isso que Jesus disse: "Olhai os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam".

Se a sua situação geral é insatisfatória ou desagradável, separe esse instante e entregue-se ao que é. Eis aqui a lanterna cortando através da neblina. O seu estado de consciência deixa então de ser controlado pelas condições externas. Você não age mais a partir de uma resistência ou de uma reação.

Olhe para uma situação específica e pergunte-se: "Existe alguma coisa que eu possa fazer para mudar essa situação, melhorá-la ou me retirar dela?" Se houver, você toma a atitude adequada. Não se prenda às mil coisas que você vai ter que fazer em algum tempo futuro, mas na única coisa que você pode fazer agora. Isso não significa que você não deva traçar um plano. Planejar talvez seja a única coisa que você possa fazer agora. Mas certifique-se de que você não vai começar a rodar "filmes mentais", se projetar no futuro e, assim, perder o Agora. Talvez a atitude que você tomar não dê frutos imediatamente. Até que ela dê, não resista ao que é.

Não se entregar endurece a casca do ego, e assim cria uma forte sensação de separação. O mundo e as pessoas à sua volta passam a ser vistos como ameaças. Surge uma compulsão inconsciente para destruir os outros através do julgamento e uma necessidade de competir e dominar. Até mesmo a natureza vira sua inimiga e o medo passa a governar a sua percepção e a interpretação das coisas. A doença mental conhecida como paranóia é apenas uma forma ligeiramente mais aguda desse estado normal, embora disfuncional, da consciência.

A resistência faz com que tanto a sua mente quanto o seu corpo fiquem mais "pesados". A tensão se manifesta em diferentes partes do corpo, que se contrai para se defender. O fluxo de energia vital, essencial para o funcionamento saudável do corpo, fica prejudicado.

A negatividade é completamente antinatural. É um poluente psíquico e existe um vínculo profundo entre o envenenamento e a destruição da natureza e a grande negatividade que vem sendo acumulada na psique coletiva humana. Nenhuma outra forma de vida no planeta conhece a negatividade, somente os seres humanos, assim como nenhuma outra forma de vida violenta e envenena a Terra que a sustenta. Você já viu uma flor infeliz ou um carvalho estressado? Já cruzou com um golfinho deprimido, um sapo com problemas de auto-estima, um gato que não consegue relaxar, ou um pássaro com ódio e ressentimento? Os únicos animais que eventualmente vivenciam alguma coisa semelhante à negatividade, ou mostram sinais de comportamento neurótico, são os que vivem em contato íntimo com os seres humanos e assim se ligam à mente humana e à insanidade deles.

Vivi com alguns mestres zen - todos eles gatos. Até mesmo os patos me ensinaram importantes lições espirituais. Observá-los é uma meditação. Como eles flutuam em paz, de bem com eles mesmos, totalmente presentes no Agora, dignos e perfeitos, tanto quanto uma criatura sem mente pode ser. Eventualmente, no entanto, dois patos vão se envolver em uma briga, algumas vezes sem nenhuma razão aparente ou porque um pato penetrou no espaço particular do outro. A briga geralmente dura só alguns segundos e então os patos se separam, nadam em direções opostas e batem suas asas com força, por algumas vezes. Então continuam a nadar em paz, como se a briga nunca tivesse acontecido. Quando observei isso pela primeira vez, percebi, num relance, que ao bater as asas eles estavam soltando a energia acumulada, evitando assim que ela ficasse aprisionada no corpo e se transformado em negatividade. Isso é sabedoria natural. É fácil para eles porque não têm uma mente para manter vivo o passado, sem necessidade, e então construir uma identidade em volta dele.

Ler em espanhol (por Teresa)


 
Internacional, Metafísica - publicado às 12:17 AM 97 comentários
MUITO ALÉM DA FELICIDADE E DA INFELICIDADE
seg, 5 de março, 2007
 


Retirado do livro O poder do agora, de Eckhart Tolle:


Existe diferença entre felicidade e paz interior?
Existe. A felicidade depende de circunstâncias consideradas positivas, ao passo que a paz interior não precisa delas.

Há possibilidade de só atrairmos coisas positivas para as nossas vidas? Se a nossa atitude e o nosso pensamento forem sempre positivos, só haverá situações e acontecimentos positivos, não é mesmo?
Você pode afirmar, com certeza, o que é positivo e o que é negativo? Já fez o levantamento completo? Muitas pessoas devem ter aprendido bastante com as suas próprias limitações, seus fracassos, suas perdas, suas doenças e sofrimentos. Tudo isso ensinou-as a se desfazer das imagens falsas que tinham de si mesmas, dos desejos e objetivos superficiais ditados pelo ego e lhes deu profundidade, humildade e compaixão. Fez delas pessoas mais reais. Sempre que acontece alguma coisa negativa, há sempre uma lição embutida, embora nem sempre se perceba isso na hora. Uma doença ou um acidente pode mostrar o que há de real ou irreal em uma situação, aquilo que é importante e o que não é.

De uma perspectiva mais elevada, as circunstâncias são sempre positivas. Para ser mais preciso, elas não são positivas nem negativas. São do jeito que são. E quando aceitamos as coisas como são, o "bem" ou o "mal" deixam de existir em nossas vidas. Só o que existe é um bem supremo, que inclui o "mal". Mas, pela perspectiva da mente, existe o bem e o mal, o igual e o diferente, o amor e o ódio. É por isso que no Livro do Gênesis está escrito que Adão e Eva não tiveram mais permissão para habitar o "paraíso" quando "comeram da árvore do conhecimento do bem e do mal".

Lembre-se de que não estamos aqui tratando de felicidade. Por exemplo, quando a pessoa amada acabou de morrer, ou se sentimos a nossa própria morte se aproximar, não podemos nos sentir felizes. É impossível. Mas podemos estar em paz. Pode até haver tristeza e lágrimas, mas, se deixarmos de resistir, conseguiremos perceber uma profunda serenidade por baixo da tristeza, uma calma, uma presença sagrada. Isso é a emanação do Ser, isso é a paz interior, o bem que não tem opositores.

Parece que a maioria das pessoas precisa vivenciar uma grande carga de sofrimento antes de abandonar a resistência e aceitar, isto é, antes de perdoar. Com o perdão, acontece o milagre do despertar da consciência do Ser, através do que aparenta ser o mal: a transformação do sofrimento em paz interior. Todo o mal e todo o sofrimento do mundo vão nos forçar a descobrir quem somos realmente. Assim, aquilo que, de uma perspectiva limitada, percebemos como o mal é, na verdade, parte de um bem maior que não tem opositores. Entretanto, isso só se torna uma verdade através do perdão. Sem ele, o mal permanece como mal.
Através do perdão - que significa reconhecer a falta de consistência do passado e permitir que o momento presente seja como é -, acontece o milagre da transformação, não só no lado de dentro, mas também do lado de fora. Um espaço silencioso de uma presença intensa surge dentro de nós e à nossa volta. Quem quer e o que for que penetre no campo da consciência será afetado, algumas vezes de forma clara e imediata, outras em níveis mais profundos, com mudanças só notadas algum tempo depois. Você dissolve a discórdia, cura o sofrimento, desfaz a inconsciência, sem fazer nada, simplesmente sendo e sustentando essa freqüência de presença intensa.

A impermanência e os ciclos da vida

Enquanto permanecermos na dimensão física e em conexão com a psique humana coletiva, o sofrimento, embora raro, ainda pode acontecer. Não devemos confundi-lo com o sofrimento emocional. Todo sofrimento é criado pelo ego e fruto de uma resistência. Além disso, nessa dimensão, ainda nos sujeitamos à natureza cíclica e à lei da impermanência de todas as coisas, mas já não vemos mais o sofrimento como uma coisa "má". Ele simplesmente é.

No nível da forma existe nascimento e morte, criação e destruição, crescimento e dissolução de espécies aparentemente independentes. Podemos ver isso em tudo: no ciclo da vida de uma estrela ou de um planeta, em um corpo físico, em uma árvore, em uma flor. Existem ciclos de sucesso, como quando as coisas acontecem e dão certo, e ciclos de fracasso, quando elas não vão bem e se desintegram. Você tem de permitir que elas terminem, dando espaço para que coisas novas aconteçam ou se transformem. Se nos apegamos às situações e oferecemos uma resistência nesse estágio, significa que estamos nos recusando a acompanhar o fluxo da vida e que vamos sofrer. Não é verdade que o ciclo ascendente seja bom e o ciclo descendente seja ruim, a não ser no julgamento da mente. O crescimento é, em geral, considerado positivo, mas nada pode crescer para sempre. Se o crescimento nunca tivesse fim, poderia acabar em algo monstruoso e destrutivo. É necessário que as coisas acabem, para que coisas novas aconteçam.

O ciclo descendente é absolutamente essencial para uma realização espiritual. Você tem de ter falhado gravemente de algum modo, ou passado por alguma perda profunda, ou algum sofrimento, para ser conduzido à dimensão espiritual. Ou talvez o seu sucesso tenha se tornado vazio e sem sentido e se transformado em fracasso. O fracasso está sempre embutido no sucesso, assim como o sucesso está sempre encoberto pelo fracasso. Nossa energia física também está sujeita a ciclos. Não consegue estar sempre no máximo. Teremos momentos de baixa e de alta energia. Em alguns períodos, estaremos altamente ativos e criativos, mas em outros tudo vai parecer estagnado, teremos a impressão de não estarmos indo a lugar nenhum, nem conseguindo nada. Um ciclo pode durar de algumas horas a alguns anos e dentro dele pode haver ciclos longos ou curtos. Muitas doenças são provocadas pela luta contra os ciclos de baixa energia, que são fundamentais para uma renovação. Enquanto estivermos identificados com a mente, não poderemos evitar a compulsão de fazer coisas e a tendência para extrair o nosso valor de fatores externos, tais como as conquistas que alcançamos. Isso torna difícil ou impossível para nós aceitarmos os ciclos de baixa e permitirmos que eles aconteçam. Assim, a inteligência do organismo pode assumir o controle, como uma medida autoprotetora, e criar uma doença com o objetivo de nos forçar a parar, de modo a permitir que uma necessária renovação possa acontecer.

A natureza cíclica do universo está intimamente ligada à impermanência de todas as coisas e situações. Buda fez disso uma parte central de seu ensinamento. Todas as circunstâncias são altamente instáveis e estão em um fluxo constante, ou, como ele colocou, a impermanência é uma característica de cada circunstância, de cada situação com que vamos nos deparar na vida. Elas vão se modificar, desaparecer, ou deixar de proporcionar prazer. A impermanência também é um ponto central dos ensinamentos de Jesus: "Não acumule tesouros na terra, onde as traças e a ferrugem arruínam tudo, onde os ladrões arrombam as paredes para roubar..."

Enquanto a mente julgar uma circunstância "boa", seja um relacionamento, uma propriedade, um papel social, um lugar, ou o nosso corpo físico, ela se apega e se identifica com ela. Mas nada dura muito nessa dimensão, onde as traças e a ferrugem devoram tudo. Tudo acaba ou se transforma: a prosperidade de hoje se torna o consumismo vazio de amanhã. O casamento feliz e a lua-de-mel se transformam no divórcio infeliz ou em uma convivência infeliz. A mente não consegue aceitar quando uma situação com a qual ela tenha se apegado muda ou desaparece. Ela vai resistir à mudança. É quase como se um membro estivesse sendo arrancado do seu corpo. Buda ensinou que até mesmo a felicidade pessoal é dukka - uma palavra da língua páli que significa "sofrimento" ou "insatisfação". Ela é inseparável do seu oposto. Significa que a felicidade e a infelicidade são, na verdade, uma coisa só. Somente a ilusão do tempo as separa. Isso não significa uma negatividade. É simplesmente reconhecer a natureza das coisas, para não viver atrás de uma ilusão pelo resto da vida. Nem quer dizer que você não deva mais apreciar os objetos e as circunstâncias agradáveis e bonitas. Porém, usá-los para procurar aquilo que não podem dar - uma identidade, um sentido de permanência e satisfação - é uma receita para a frustração e o sofrimento.

Toda a indústria da propaganda e a sociedade de consumo entrariam em colapso se as pessoas se tornassem iluminadas e deixassem de tentar encontrar as suas identidades através dos objetos. Quanto mais usarmos esse caminho para encontrar a felicidade, mais estaremos nos iludindo. Nada lá fora vai conseguir nos trazer satisfação, exceto por um tempo e de modo superficial. Mas talvez você precise passar por muitas decepções antes de perceber a verdade.

Nada é o que parece ser. O mundo que você criou e vê através da mente pode parecer um lugar bem imperfeito, até mesmo um vale de lágrimas. Mas o que quer que você perceba é somente uma espécie de símbolo, como uma imagem em um sonho. É o jeito pelo qual a sua consciência interpreta e interage com a dança de energia molecular do universo. Essa energia é o material bruto da assim chamada realidade física. Você a vê em termos de corpos e de nascimento e morte, ou como uma luta pela sobrevivência. Existe um número infinito de interpretações diferentes, de mundos completamente diferentes, tudo dependendo do que a consciência percebe. Cada ser é um ponto focal da consciência e cada ponto focal cria o seu próprio mundo, embora todos esses mundos se interliguem. Existe um mundo humano, um mundo das formigas, um mundo dos golfinhos, etc. Existem incontáveis seres cuja freqüência de consciência é tão diferente da nossa que provavelmente não temos consciência da existência deles, assim como eles não têm da nossa. Seres altamente conscientes da ligação que mantêm com a Fonte habitam um mundo que para nós pareceria com um domínio celeste. Mas ainda assim todos os mundos são basicamente um só.

A alegria não tem uma causa e brota dentro de nós como a alegria do Ser. É uma parte essencial do estado de paz interior, conhecido como a paz de Deus. É o nosso estado natural, não algo por que tenhamos de lutar para conseguir. As pessoas, em geral, não percebem que a "salvação" não está em nada do que façam, possuam ou consigam. Aquelas que percebem ficam, muitas vezes, enfastiadas do mundo e deprimidas. Se nada pode lhes dar um verdadeiro prazer, será que resta alguma coisa por que se empenhar? Com que objetivo? O profeta do Velho Testamento deve ter chegado a essa conclusão quando escreveu: "Tenho visto tudo o que se faz debaixo do sol e eis que tudo é vaidade e uma luta contra o vento". Quando você chega a esse ponto, está a um passo do desespero e um passo mais longe da iluminação.

Todos os males são efeito da inconsciência. Podemos aliviar os efeitos da inconsciência, mas não podemos eliminá-los, a menos que eliminemos sua causa. A verdadeira transformação acontece no interior, não no exterior. Sem uma profunda mudança na consciência humana, o sofrimento é um buraco sem fundo. Se você quiser realmente ajudar, atue no efeito, mas principalmente na causa.

Se quiser impedir que os seres humanos destruam uns aos outros e acabem com o planeta, lembre-se de que, assim como não consegue combater a escuridão, você também não pode combater a inconsciência. Se tentar fazer isso, a oposição polar vai se tornar fortalecida e mais profundamente arraigada. Você vai se identificar com uma das polaridades, vai criar um "inimigo" e será conduzido ao seu eu interior inconsciente. Eleve a consciência ao disseminar a informação, ou melhor, pratique a resistência passiva. Mas tenha a certeza de que você não carrega nenhuma resistência interior, nenhum ódio, nenhuma negatividade. "Ame os seus inimigos", disse Jesus. O que, obviamente, significa: não tenha inimigos.

Uma vez um monge budista me disse: "Tudo o que aprendi nos vinte anos em que sou monge pode ser resumido em uma frase: Tudo o que surge, desaparece. Isso eu sei". O que ele quis dizer foi o seguinte: aprendi a não oferecer qualquer resistência ao que é; aprendi a permitir que o momento presente aconteça e a aceitar a natureza impermanente de todas as coisas e circunstâncias. Foi assim que encontrei a paz.

A felicidade que provém de alguma coisa secundária nunca é muito profunda. É apenas um pálido reflexo da alegria do Ser, da paz vibrante que encontramos dentro de nós ao entrarmos no estado de não-resistência. O Ser nos transporta para além das polaridades opostas da mente e nos liberta da dependência da forma. Mesmo que tudo em volta desabe e fique em pedaços, você ainda sentirá uma profunda paz interior. Você pode não estar feliz, mas vai estar em paz.


 
Holismo - publicado às 2:54 PM 140 comentários
INGLATERRA RECRUTA PARANORMAIS
dom, 4 de março, 2007
 


O Ministério da Defesa britânico defendeu nesta sexta-feira sua decisão de realizar testes para descobrir se poderes psíquicos poderiam ser usados para detectar objetos escondidos.

Os testes, anteriormente secretos, foram realizados em 2002 e envolviam vendar voluntários e perguntá-los sobre o conteúdo de um envelope fechado. A maioria dos voluntários falhou consistentemente em descobrir o que havia nos envelopes. O Ministério da Defesa disse que o estudo serviu para analisar argumentos feitos em círculos acadêmicos e descobriu que essas teorias tinham "pouco valor".

Durante os testes, especialistas em defesa tentaram recrutar 12 "renomados" psíquicos que haviam anunciado suas habilidades na internet. Porém eles se recusaram a participar da pesquisa, e voluntários "novatos" acabaram sendo utilizados. Durante o estudo, pesquisadores comerciais foram contratados ao custo de 18 mil libras (cerca de R$ 73,4 mil) para testá-los e verificar se a habilidade psíquica existia e poderia ser usada para propósitos de segurança.

Cerca de 28% das pessoas testadas fizeram palpites que chegaram próximo ao conteúdo dos envelopes, que incluíam fotos de uma faca, de Madre Teresa de Calcutá e de um "indivíduo asiático". Porém a maioria dos participantes fizeram palpites que não chegavam nem perto do conteúdo do envelope, e um dos voluntários até mesmo adormeceu ao tentar se concentrar. O Ministério da Defesa se recusou a discutir as possíveis aplicações das técnicas psíquicas, mas disse que o estudo concluiu que não valeria a pena usar "visão remota" na defesa da nação.

"O estudo da visão remota foi conduzido para analisar afirmações feitas em alguns círculos acadêmicos e para validar pesquisas realizadas por outras nações sobre habilidades psíquicas", disse uma porta-voz do ministério. "O estudo concluiu que essas teorias têm pouco valor para o Ministério da Defesa, e não foi adiante", afirmou a porta-voz.

Fonte: BBC


Pois é... Deus não dá asas a cobra


 
Geral - publicado às 12:08 PM 15 comentários
A MENTE E O ARCO
sex, 2 de março, 2007
 


Após ganhar vários torneios de Arco e Flecha, um jovem e arrogante campeão resolveu desafiar um mestre Zen que era renomado pela sua capacidade como arqueiro.

O jovem demonstrou grande proficiência técnica quando ele acertou, na primeira flecha lançada, um distante alvo bem na mosca, e ainda foi capaz de dividir a primeira flecha em duas com seu segundo tiro.

"Sim!", ele exclamou para o velho arqueiro, "Veja se pode fazer isso!"

Imperturbável, o mestre não preparou seu arco, mas em vez disso fez sinal para o jovem arqueiro segui-lo para a montanha acima.

Curioso sobre o que o velho estava tramando, o campeão seguiu-o para o alto, até que eles alcançaram um profundo abismo atravessado por uma frágil e pouco firme tábua de madeira. Calmamente caminhando sobre a insegura e certamente perigosa ponte, o velho mestre tomou uma larga árvore longínqua como alvo, esticou seu arco, e acertou um claro e direto tiro.

"Agora é sua vez," ele disse, enquanto suavemente voltava para o solo seguro.

Olhando com terror para dentro do abismo negro e aparentemente sem fim, o jovem não pôde forçar a si mesmo caminhar pela prancha, muito menos acertar um alvo de lá.

"Você tem muita perícia com seu arco," disse o mestre, percebendo a dificuldade de seu desafiante, "mas tem pouco equilíbrio com a mente, que deve nos deixar relaxados para mirar o alvo."


 
Budismo - publicado às 6:21 PM 22 comentários