Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


CURA DO CÂNCER
seg, 29 de janeiro, 2007
 


Estava eu navegando, quando uma notícia em particular me chamou a atenção:

Cientistas ressuscitam "herói" anticâncer

Cientistas conseguiram reativar uma das principais defesas do organismo contra o câncer, que é sorrateiramente desligada quando tumores se formam. Com a volta triunfal do defensor, a doença é derrotada. Mas, por pelo menos mais alguns anos, só em camundongos.

A notícia completa é mais detalhada, mas vou resumir aqui:

Dois estudos publicados na revista "Nature", comprovaram, separadamente, que a reativação do gene p53 é capaz de regredir tumores já estabelecidos. O p53 controla uma proteína de mesmo nome que determina a morte de células com defeito. Quando ele é colocado pra fora de combate (pelo câncer), as células com problema se multiplicam à vontade, abrindo caminho para a doença.

Nos estudos, o gene foi desligado propositadamente pelos cientistas nos camundongos. Depois, com o câncer já estabelecido, ele foi reativado, com a ajuda de um remédio específico. Em todos os tipos de tumores estudados, houve uma considerável regressão da doença.

"Nós mostramos que é possível impedir o crescimento de tumores e até mesmo regredi-los", diz Xue. "Religar o gene resulta em uma resposta do câncer. O tumor começa a secretar certas substâncias que chamam a atenção das células de defesa do organismo. O próximo passo é o ataque contra o tumor", explica Zender.

O tratamento, além de mais eficiente, pode trazer ainda outra vantagem: não tem efeitos colaterais. "As células respondem muito bem e muito rapidamente, sem grandes problemas", afirma Tyler Jacks.

Os dois grupos acreditam que outros tumores podem ter a mesma vulnerabilidade. "Mesmo outros tipos de câncer, como de pulmão e de cérebro, que temos muita dificuldade para tratar hoje em dia, podem responder à reativação do gene", acredita Jacks.

A notícia é boa, mas ainda vai se passar algum tempo antes que a novidade chegue aos hospitais. Por enquanto, não temos como reativar o gene em seres humanos. "Há remédios para isso sendo testados em laboratório atualmente, em breve eles devem chegar aos testes em seres humanos. São compostos capazes de religar o gene p53, mas não sabemos ainda se eles não são tóxicos para humanos".

Não sei se vocês captaram a beleza da coisa: o próprio corpo humano tem os meios para derrotar o câncer! E a mais bela ainda: a ciência evoluiu para um ponto onde basta uma pequena intervenção, como ligar um interruptor, e deixar o corpo fazer o resto. Isso é magia pura, comparado com o tratamento convencional onde o corpo é todo bombardeado com químicos e radiação, matando células boas, ruins, e adoecendo o próprio paciente.

Certo. E o que esta notícia está fazendo aqui? Explico: muito se fala de visualização criativa, de milagres obtidos pela fé, ou pela mudança de pensamentos, ambiente, etc. E tais métodos sempre esbarram ou no ceticismo do coletivo (parentes, amigos, desconhecidos) ou do próprio paciente (que procura não viajar muito na maionese e encara essas coisas com ressalvas). Ora, eu ouço direto pessoas ao meu redor falando de conhecidos ou parentes que se curaram milagrosamente de câncer ou tumores apenas pela fé (com radiografias pra confirmar) e a chave pode estar aqui, na notícia acima: essas pessoas ativaram ogene p53 por elas mesmas!!!! Sem remédios! O corpo humano é uma máquina fantástica, que obedece ao seu dono em níveis conscientes (como mover um braço) ou inconscientes (como as batidas do coração), e a mente PODE controlar cada um desses níveis (como já provaram Yogues que diminuem espontaneamente seus batimentos cardíacos). A SeiCho-No-Ie, cujo primeiro livro eu estou lendo agora ("A Verdade da Vida") é praticamente baseada no controle do espírito sobre o corpo, e onde todas as coisas que achamos ruins, como doenças, tristeza e dor, só existem por conta da estreita identificação da nossa mente com essa realidade material e uma relaçãode submissão a essa realidade material, quando deveria ser o contrário (ensinamento não muito diferente do hinduísmo ou do que é falado por Osho).

Então espalhem a boa-nova! A fé raciocinada pode ser a cura para o câncer. Através de técnicas de visualização, com a mente limpa e dedicada a ordenar (não pode haver dúvidas) a ativação das suas células, eu acredito que é possível SIM a ativação por conta própria e (no mínimo) ajudar na recuperação.

Disse-lhes ele: Por causa da vossa pouca fé; pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível
(Mateus 17:20)

 
Ciência - publicado às 4:06 PM 36 comentários
TV ESOTÉRICA (TV LISÃO)
sex, 26 de janeiro, 2007
 


Antes de mais nada, tenho recebido notícia do Inefável Criador do Universo de que alguns de vocês não estão prestando a devida reverência com a cabeça ao escrever ou falar meu santo nick (Sri Mahatma Guru Buddha Xavier). Isso contará como karma ruim para vocês e atrasará a saída de vocês da Matrix.

Segundo: Devido ao baixo número de vendas através dos anúncios, meu patrocinador pediu para que o anúncio ficasse mais visível. Devidi colocá-lo no meio do post. Caso não cliquem nem comprem nada, da próxima vez colocarei um anúncio pra cada parágrafo.

Pois bem, então vamos ao nosso post: Após dar o pontapé inicial na nova fa$e do blog, recebi a fantástica sugestão de lançar nada mais nada menos que uma rede de TV esotérica! Yeah!! Aí fiquei realmente matutando na idéia de algo assim. Tudo bem que o esotérico é antes de tudo um liso, e mal tem dinheiro pra comprar uma TV de plasma, que dirá ter uma Emissora de TV. Mas sonhar não custa nada, e por isso mesmo apelidei a emissora de "TV Lisão: O canal do esoterismo".


Continuar a leitura

 
Geral - publicado às 3:28 PM 55 comentários
SAINDO DA MATRIX 2007
qua, 24 de janeiro, 2007
 


Caros amigos de luz:

2007 chegou, e com ele as mudanças. Resolvi dar um novo rumo a esse blog, deixar o aspecto de hobby e torná-lo mais profissional. A mudança mais visível agora são os anúncios no fim de cada post, que me proverão com os recursos necessários para manter o blog. Resolvi largar meu emprego e me dedicar somente ao Saindo da Matrix, afinal, não posso deixar vocês largados por aí, sem minha liderança paternal. Hei de endurecer, mas sem jamais perder a ternura... Com o dinheiro dos anúncios, pretendo viajar o Brasil e o mundo distribuindo minhas bênçãos e autógrafos aos meus pupilos, e beijos e abraços nas pupilas.

Também mudei o foco para um esoterismo mais light... aliás, vai ter sempre algum post sobre luz, anjos, elfos e orcs.

Para completar, resolvi abandonar o meu nick Acid, muitas vezes confundido com um junkie, e adotar um título mais condizente com meu elevado estágio espiritual. Por isso, de agora em diante, apenas me chamem de Sri Mahatma Guru Buddha Xavier (ou "Siri", para os íntimos). E, quando o fizerem, curvem gentilmente a cabeça para frente em saudação.

Que as bênçãos do Divino Mestre possam estar com vocês.

PS: Não esqueçam de clicar no banner abaixo e comprar alguma coisa.


 
Geral - publicado às 9:16 AM 75 comentários
AS CRIANÇAS E O ALÉM
seg, 22 de janeiro, 2007
 


Por Camilo Vannuchi e Celina Côrtes, para a Revista Istoé de 17/01/2007

Diana embalava o filho em frente a uma parede repleta de fotos na casa de sua mãe, em Brasília. Uma delas, envelhecida pelo tempo, chamou a atenção do pequeno Roberto, então com pouco mais de um ano. O garoto apontou a jovem que aparecia no retrato: "Vovó." A mãe achou estranho. "Sim, esta era a minha avó, sua bisa", explicou. E perguntou como ele adivinhara, já que ninguém havia mostrado aquela imagem ao menino. Roberto apenas tocou o colo da moça no retrato. "Dodói", disse. Na foto, nenhum machucado aparente. O assombro tomou conta da sala quando Liana se recordou que a avó, já idosa, faleceu em decorrência de um câncer de mama. "Meu filho sabia daquilo sem que ninguém tivesse lhe contado", resume o pai, Ricardo Movits. Ninguém deste mundo, é bom ressaltar.

Antes de tachar a história do menino Roberto de mentira, fantasia ou maluquice, vale lembrar que Chico Xavier, o maior médium brasileiro, teve sua primeira experiência mediúnica aos cinco anos, quando sua mãe faleceu e, em espírito, passou a visitá-lo. Roberto, hoje com quatro anos, também diz receber a visita de parentes falecidos. E de modo assíduo. Contou que a avó freqüenta sua casa para lhe ensinar coisas sobre a vida e a morte. "Ela disse que as pessoas que morrem viram anjinhos e depois voltam a ser bebês", afirma. Em outra ocasião, Roberto surpreendeu o pai ao comentar que o avô havia morrido porque fumava demais. "Entrou muita fumaça no peito dele", completou. Essas supostas habilidades do menino poderiam ser explicadas por meio da mediunidade. Estudada por religiosos, psiquiatras e até neurologistas, a mediunidade é a capacidade de ver e ouvir espíritos ou realizar fenômenos paranormais – como incorporação e clarividência – por intermédio de agentes externos. Ou seja, de entidades espirituais que utilizam o corpo do médium como veículo para se manifestar.


Continuar a leitura

 
Espiritismo - publicado às 1:13 PM 22 comentários
FOUCAULT E O MARXISMO
sáb, 20 de janeiro, 2007
 


Estudando o livro do pensador e filófoso francês Michel Foucault, apropriadamente intitulado "Em defesa da Sociedade", me deparei com um trecho que pode muito bem representar o dilema esoterismo x ciência, onde o primeiro, ao mesmo tempo que esnoba o segundo (quando em discordância), procura (sempre que pode) um argumento científico para dar respaldo aos seus preceitos:

Desde mais de um século, vocês sabem quão numerosos têm sido os que se perguntaram se o Marxismo era ou não uma ciência. A essa pergunta, os genealogistas responderiam: 'Pois, bem, precisamente, o que criticamos em vocês é fazer do marxismo, ou da psicanálise, ou desta ou daquela coisa, uma ciência. E, se temos uma objeção ao marxismo, é que ele poderia efetivamente ser uma ciência'. (...) Não é necessário se interrogar sobre a ambição de poder que a pretensão de ser uma ciência traz consigo? As questões que é preciso formular serão estas: - Quais tipos de saber vocês querem desqualificar no momento em que vocês dizem ser esse saber uma ciência? - Qual sujeito falante, qual sujeito discorrente, qual sujeito de experiência e de saber vocês querem minimizar quando dizem: eu, que faço esse discurso, faço um discurso científico e sou cientista? - Qual vanguarda teórico-política vocês querem entronizar, para destacá-la de todas as formas maciças, circulantes e descontínuas de saber? E eu diria: Quando vejo vocês se esforçarem pra estabelecer que o marxismo é uma ciência, não os vejo, pra dizer a verdade, demonstrando de uma vez por todas que o marxismo tem uma estrutura racional e que suas proposições dependem, por conseguinte, de procedimentos de verificação. Eu os vejo, sobretudo e acima de tudo, fazendo outra coisa. Eu os vejo atribuindo aos que fazem esse discurso efeitos do poder que o Ocidente, desde a idade Média, atribuiu à ciência e reservou aos que fazem um discurso científico.

 
Filosofia, Política - publicado às 1:07 AM 12 comentários
DROGAS: PRA QUE?
dom, 14 de janeiro, 2007
 


Um negócio que me deixa deprimido é ver ou perceber que a juventude está se afogando cada vez mais nas drogas. Isso é o equivalente a uma catástrofe, um tsunami que matasse toda a população jovem do país. Porque é o que, na prática, acontece. Toda uma geração fica perdida, sem rumo, e é essa geração atual que vai liderar o país no futuro. O que podemos esperar deles? Pessoas de personalidade fraca que preferem o escapismo das drogas pra não ter que enfrentar de cara limpa os problemas em casa, como a crescente falta de atenção dos pais, a violência desmedida dentro e fora de casa, e difícil arte de se enturmar na escola quando sua personalidade ainda está se formando... um mundo onde você se sente só e perdido e ninguém lhe estende a mão.

Os homens são como ondas: quando uma geração floresce, a outra declina
(Homero)


Bem, cada um tem seu calo, e só a própria pessoa vai saber o quanto dói caminhar com os sapatos apertados, mas não posso deixar de registrar que é, sim, em todos os casos, uma fraqueza. E como eu me sinto, lá no íntimo, de algum modo um pouco responsável pela decadência da juventude, tenho que me pronunciar aqui.

Antes de mais nada, devo ser sincero comigo e com vocês ao fazer uma referência a ÚNICA coisa que as drogas trouxeram de bom pro mundo, que foi a revolução na música. Sgt. Pepper's, Jimmy Hendrix, Yes e muitos outros dos anos 70. Obviamente não se comparam em nada com Bach, Mozart, mas cuja beleza está justamente em ter quebrado com esses parâmetros musicais e dado um salto pra um outro nível de sonoridade, que ainda é muito melhor do que essas porcarias de hoje. Isso só foi possível graças ao LSD, devo admitir. Mas o preço que esses gênios da música pagaram por nos trazer isso foi caro. Pergunte a Janis Joplin. A Hendrix. A "Cold turkey" Lennon... As drogas continuam a ser usadas hoje no mundo das artes, mas, cadê as grandes obras? Cadê os gênios? Além do que, nossa geração não toma drogas pra fazer música, e sim pra ficarem trancados dentro do quarto ou pulando ao som de um subproduto musical que só faz sentido quando se está doidão. Qual a contribuição deles pra sociedade? Pro mundo? O que suscita a pergunta: Foram as drogas que criaram um Hendrix? Um Jim Morrison? A resposta, vocês sabem, é não. Talvez eles não fossem tão excêntricos, mas o gênio e o estilo estaria lá. Agora, outra pergunta, desta vez retórica: Foram as drogas que mataram Hendrix e Jim?

Um homem no campo de batalha conquista um exército de mil homens... Um outro conquista a si mesmo, e este é o maior
(Buda)

Considero mais valente quem vence os seus desejos do que quem vence seus inimigos, pois a mais árdua vitória é sobre o ego
(Aristóteles)

Quem vence um leão é um valente; quem domina o mundo é um homem de valor; mas, mais valente e corajoso do que todos eles, é aquele que realmente sabe dominar-se a si mesmo
(Johan G. von Herder)

Antes de desejarmos fortemente uma coisa, devemos examinar primeiro qual a felicidade daquele que a possui
(La Rochefoucald)



Qual a felicidade que a droga traz? E incluo aí a bebida alcóolica e o cigarro, também. Me citem um exemplo onde a bebida fez alguém se tornar uma pessoa melhor, VERDADEIRAMENTE realizada. Até o Zeca Pagodinho se meteu em confusão por causa da bebida! Ele só podia estar caindo de bêbado quando assinou o contrato com a Schin sendo um fã de Brahma (a cerveja, não o deus hindu)! As drogas mais pesadas trazem uma felicidade intensa e passageira, à custa da sua saúde, e vai obrigá-lo a consumir mais e mais pra manter artificialmente aquele efeito. Até que você desencarna, e se lasca todinho.

Aliás, o que me deixa mais frustrado é saber que pessoas espiritualistas (ou espiritualizadas, com uma boa bagagem de conhecimento esotérico) também entram nessa barca furada. Com o conhecimento que eles têm, COMO podem fazer isso consigo mesmo? COMO? As desculpas que vejo envolvem o uso ritual por xamãs (como se eles fossem um e usassem de forma altamente controlada, em cerimônias especiais), a antiguidade da coisa (fazer sacrifícios humanos, ter escravos e sair pilhando cidades e estuprando mulheres também é um costume bem antigo... será que é bom?), efeitos terapêuticos das ervas (como se ele fosse uma velhinha com catarata, sabe?) e os supostos benefícios da expansão da consciência (você conhece alguém que atingiu a iluminação usando drogas?). O cara jura que com as drogas vai expandir sua consciência e abraçar o universo, vai se tornar um com todos, quando o efeito está mais pra uma mera expansão do seu EGO. Em vez do indivíduo se fundir com o todo, ele se ESPALHA, CRESCE. AINDA é o indivíduo, e em vez de aquietar sua mente de forma duradoura (como faz o uso intensivo da meditação), agora teremos um indivíduo sedento por repetir a experiência, com suas células ativamente viciadas numa substância prejudicial.

Isso é "transcender" alguma coisa? Claro que não! Se uma pessoa é arremessada pro alto a partir de um canhão, isso quer dizer que ela voa? NÃO. Mas, e um piloto de avião, ele voa? Sim. Ambos não possuem asas, ambos se utilizaram de uma ferramenta, mas o piloto se utiliza de uma ferramenta elegante, e ESTUDOU para dominá-la, a ponto de que ele pode fazer iniciar uma viagem pra um ponto, mudar de idéia e ir para outro, ou mesmo retornar caso tenha esquecido as cuecas em casa.

Os nossos desejos são como crianças pequenas: quanto mais lhes cedemos, mais exigentes se tornam
(Provérbio Chinês)

Aprendi a procurar a felicidade limitando os desejos, em vez de tentar satisfazê-los
(J. S. Mill)

Só há duas tragédias na vida: uma é não se conseguir o que se quer, a outra é consegui-lo
(Oscar Wilde)

O bem que fizemos na véspera é o que nos traz a felicidade pela manhã
(Provérbio hindu)

Você que é um suposto espiritualista e usa drogas, vê se acorda enquanto é tempo! Uma encarnação sua está indo pelo ralo. Não existem fórmulas mágicas pra ser uma pessoa melhor e mais avançada no entendimento. Nosso planeta é de PROVAS E EXPIAÇÕES, e isso significa LUTAR. Lutar a boa luta, PRIMEIRAMENTE contra você mesmo e seus vícios (trazidos de outras vidas, ou da programação da sociedade, ou de seu próprio ego atual) e também contra o sistema que procura atrapalhar seu desenvolvimento! Aliás, essa luta contra o sistema é o maior papo de maconheiro, porque a imagem que popularizou as drogas foram os hippies, que REALMENTE estavam lutando contra o sistema nos anos 60. Mas essa fase já acabou, e o sistema atual é muito mais sutil, tão sutil que faz uso das próprias drogas pra manter as pessoas aqui na Matrix!!! Será que não percebem isso? Como querem se libertar de Maya (a ilusão material) se estão viciados numa droga duma substância material? Esse é o sentimento que vocês deviam percebem em vocês mesmos quando acaba o efeito da droga e vocês se vêem perdidos, frustrados, novamente neste mundinho "besta"... O quão livre vocês são DE FATO? Livres pra tomar outra dose, apenas. A revolução precisa de LUTADORES, pessoas que questionem, que combatam o sistema com a MENTE CLARA, e não de um lixo humano que bota a cabeça no buraco na primeira adversidade que aparece.

Timothy Leary copiou o Livro Tibetano dos Mortos, e acrescentou notinhas de "tomar 100mg disso ou daquilo. Se sentir náusea, tome 30mg daquilo outro". E as pessoas endeusaram o cara, como se ele tivesse escrito o Livro dos Mortos! Quer dizer, Leary e seus seguidores são pessoas que provavelmente só captam a essência do livro "on drugs". Vocês chamam isso de "vantagem"? "Ferramenta evolutiva"? Eu chamo de "atestado de burrice", "falta de visão além do ego", etc.

Convido os usuários e participantes a um debate, aqui nos comentários, onde possamos estabelecer, com educação e respeito, se as drogas trazem mais benefícios ou malefícios a maioria dos seus usuários e a nossa sociedade, como um todo.


Ler em espanhol (por Teresa)


Links relacionados: Osho: Sobre a maconha
Aos verdadeiros assassinos dos policiais de SP
O lado oculto das drogas


 
Geral, Internacional - publicado às 12:52 PM 197 comentários
ALÉM DA CAVERNA
seg, 8 de janeiro, 2007
 


Por Ken Wilber

Física e misticismo, física e misticismo, física e misticismo... Na década passada foram lançadas, literalmente, dúzias de livros de físicos, filósofos, psicólogos e teólogos com o objetivo de descrever ou explicar a extraordinária relação entre a física moderna, a mais dura das ciências, e o misticismo, a mais suave das religiões. A física e o misticismo estão rapidamente aproximando-se de uma notável visão comum de mundo, dizem alguns. São aproximações complementares para uma mesma realidade, afirmam outros. Não, nada têm em comum, anunciam os céticos; seus métodos, objetivos e resultados são diametralmente opostos. Em verdade, a física moderna vem sendo usada para apoiar ou refutar o determinismo, o livre-arbítrio, Deus, Espírito, a imortalidade, a causalidade, a predestinação, o Budismo, o Hinduísmo, o Cristianismo e o Taoísmo.

O fato é que cada geração tem usado a física para provar ou negar o Espírito - o que deve nos dizer algo a respeito. Platão declarou que toda a física era, usando suas próprias palavras, nada mais que uma "história plausível", uma vez que ela dependia, em última análise, da evidência de sentidos fugidios e vagos, enquanto a verdade residia nas Formas transcendentais além da física (daí a "metafísica"). Por outro lado, Demócrito acreditava somente em "átomos e no vazio", desde que, ele sentia, nada mais existia - uma noção tão desprezível para Platão, a ponto de levá-lo a expressar o mais forte desejo de que toda a obra de Demócrito fosse queimada imediatamente.

Quando a física newtoniana passou a reinar, os materialistas se agarraram a ela para provar que uma vez que o universo era, obviamente, uma máquina determinística, não havia espaço para livre-arbítrio, Deus, graça, intervenção divina, ou qualquer outra coisa que, mesmo vagamente, se assemelhasse ao Espírito. Este argumento, aparentemente impenetrável, não causou o menor impacto nos filósofos espiritualistas ou idealistas. Realmente, estes argumentavam, a segunda lei da termodinâmica - que, inequivocamente, anuncia que o universo está gastando a corda - significa somente uma coisa: se o universo está gastando a corda é porque, previamente, algo ou alguém deu corda no universo. A física newtoniana não refuta Deus; pelo contrário, afirmavam, ela prova a absoluta necessidade de um Divino Criador!

Ao entrar em cena a teoria da relatividade, repetiu-se o mesmo drama. O Cardeal O'Connell de Boston preveniu os bons católicos que a relatividade era "uma confusa especulação produzindo uma dúvida universal sobre Deus e Sua criação"; a teoria era uma "hedionda aparição do Ateísmo". Por outro lado, o Rabino Goldstein anunciou, solenemente, que Einstein tinha conseguido nada menos que produzir "uma fórmula científica para o monoteísmo". Similarmente, os trabalhos de James Jeans e Arthur Eddington foram saudados efusivamente nos púlpitos de toda a Inglaterra - a física moderna sustenta a Cristandade em todos os aspectos essenciais! O problema era que tanto Jeans quanto Eddington não concordavam com esse entendimento e muito menos concordavam entre si, o que inspirou o famoso chiste de Bertrand Russel de que "Sir Arthur Eddington deduz a religião do fato de que os átomos não obedecem às leis da matemática; Sir James Jeans a deduz do fato de que eles as obedecem".

Hoje ouvimos falar da suposta relação entre a física moderna e o misticismo oriental. A teoria "bootstrap", o teorema de Bell, a ordem implicada, o paradigma holográfico - supõe-se que tudo isto prova (ou refuta?) o misticismo oriental. Em todos os aspectos essenciais, repete-se a mesma história com personagens diferentes. Os prós e os contras apresentam seus argumentos, mas o que resta de verdadeiro e inalterado é que, simplesmente, o assunto em si é extremamente complexo.

No meio dessa confusão, então, parece ser uma boa idéia consultar os fundadores da física moderna sobre o que eles pensavam a respeito de ciência e religião. Qual é a relação, se existe alguma, entre a física moderna e o misticismo transcendental? A física dá suporte a temas como livre-arbítrio, criação, Espírito, alma? Quais são os respectivos papéis da ciência e da religião? A física trata mesmo da Realidade (com "R" maiúsculo) ou está necessariamente confinada a estudar as sombras na caverna?


 
Ciência, Filosofia - publicado às 2:01 PM 27 comentários
COMODISMO
sex, 5 de janeiro, 2007
 


Por que as pessoas se acostumam com o que não lhes faz bem? Acho a capacidade do ser humano se adaptar às adversidades fantástica, mas muito mal utilizada. Se você perguntar a um nativo da Islândia se ele é feliz, muito provavelmente vai dizer que sim, e que ama sua terra onde só tem gelo e ventos que queimam o rosto. Isso não é exatamente adaptação. Ele simplesmente nasceu ali e lhe falta parâmetros. Mas ,esse mesmo habitante pode ter ace$$o a outros países, como as Bahamas, e ainda assim preferir seu lugar gelado. Chega a ser irracional pra quem vê de fora, mas isso é costume, apego, afeição. Somente na mente daquela pessoa é que vamos encontrar os verdadeiros motivos que o mantém preso àquilo, porque na fria lógica não há a menor sustentação. Foi ali onde ele deu os primeiros passos, o primeiro beijo, onde há a lembrança de seus ancestrais, sua cultura, etc. É um apego sentimental.

Isso acontece muito em relacionamentos. Muitas vezes continuamos nos desgastando com nosso parceiro(a) e todos ao seu redor dizem "sai dessa, isso é loucura" e de fato toda a lógica aponta para o rompimento daquilo que só faz mal a eles e até mesmo aos que estão a seu redor. Mas, ainda assim, o vínculo permanece, todo construído a partir de sentimentos. Afinal, somos mesmo seres racionais? Fazemos julgamentos o tempo todo (isso é bom, aquilo é feio, aquilo é melhor, mais alto, mais baixo, etc.) só que não são baseados em coisas absolutas, que sirvam para todo ser humano. Nosso julgamento passa obrigatoriamente por nossos valores, sentimentos, experiências, enfim, pela nossa alma. Uma criança pode caminhar pra boca de um Leão que aparentemente era ameaçador pra todo e qualquer ser humano (não necessitando um conhecimento prévio de que aquele bicho vai lhe fazer mal). Mas, sabe-se lá que associação aquela mente fez? Não é exatamente o que acontece com o álcool e o fumo?

A Islândia foi um exemplo extremo. Mas podemos usar o mesmo raciocínio aqui no Brasil. Vivemos num país abençoado por Deus, com uma natureza exuberante, mas no meio de uma população de canibais. Um país de corda de caranguejos, todos se agarrando pra evitar que escapem da panela. É canibalismo no ambiente de trabalho, nas relações sociais, na violência desmedida nas ruas, na fome que assola uma parte gigantesca da população, enquanto uma minoria aumenta seus salários, etc. E vamos nos adaptando a isso com resignação, com o bom-humor característico do brasileiro, comprando a "carteira do ladrão", achando natural que possamos estar mortos ao sair pra comprar pão, e que nossos "bem-nascidos" possam e devam andar com escolta e ter polícia na porta de casa, enquanto a maioria da população não tem. Tudo porque nos acostumamos a isso, através da aceitação do mal ao meu vizinho, através das repetidas notícias de violência na imprensa, e através de um comodismo que aceita absurdos dos menores aos maiores. Novas gerações simplesmente nascem acostumadas a esse mundo louco, e o tempo dos nossos bisavós, onde se "amarrava cachorro com linguiça", torna-se apenas uma lenda distante, como uma Shangrilá.

Mas esse ainda não é o ponto onde quero chegar, que é algo que transcende as notícias de jornal e mesmo o nosso planeta. É sabido que existem pessoas que se acostumam a viver de esmola. Normalmente pensa-se que é o efeito da falta de emprego, da especialização, e tal. Mas tivemos exemplos dramáticos no Nordeste por conta do bolsa-escola, onde famílias que OUTRORA trabalhavam ficaram de braços cruzados por acostumar-se a uma mixaria que o governos lhes dá. E ainda procuram botar mais filhos no mundo pra "aumentar a renda". Isso é um fato, distante pra maoria (que pode dizer o clássico "o que eu tenho a ver com isso?). O que quero alertar, dentro do espírito do Saindo da Matrix, é que, E SE nos acostumamos de tal forma ao planeta Terra que deixamos nosso verdadeiro lar, nosso "paraíso" e nossos sonhos e potencialidades pra trás, justamente por nos acostumar-mos a uma "esmola" fácil e duradoura? Acostumados a um lugar onde o amor é uma coisa contraditória, hora animalesca e regida por instintos, ora Divina e transcedental? E SE hoje usamos uma couraça que limita nossos movimentos, mas que por outro lado é "fácil de usar" e nivela todos por baixo, e nos acostumamos com isso a ponto de esquecer nosso verdadeiro "corpo"? E SE fizemos como os norte-americanos pós-11 de setembro, um povo altamente endividado com as ações do passado e que termina por ter de abdicar de sua liberdade em favor de um ditador que "cuide" deles? E o pior, E SE ainda cultuássemos essa entidade protetora como um DEUS?


Ler em espanhol (por Teresa)


 
Internacional, Pensamentos - publicado às 12:36 PM 35 comentários
A EXPERIÊNCIA MÍSTICA DE SENNA
ter, 2 de janeiro, 2007
 


As experiências ditas "místicas" deveriam ser lugar-comum na nossa sociedade, porque acontecem diariamente, com várias pessoas, seja de que classe social for. Isso porque o "misticismo" ou "esoterismo" é um nome estranho que damos pra uma parcela das nossas vidas a qual não temos um acesso, digamos, consciente. Não é como a física ou a química, onde sempre jogamos um objeto pra cima e ele cai, ou sempre que botamos açúcar teremos um sabor adocicado. Mas, quando o "misticismo" acontece, ele deixa marcas profundas, ao contrário da aparente banalidade com que lidamos com as outras ciências. Então, por que raios não vemos depoimentos de experiências místicas de personalidades famosas, de formadores de opiniões, enfim, de pessoas que levamos à sério e que passam credibilidade nas artes, na ciência, nos esportes?

A resposta é bem simples: a "seriedade" delas é proporcional ao quanto elas ficarão de boca fechada em relação a esses assuntos. Todas que tentam sofrem algum tipo de repressão (quase sempre violenta) da sociedade. Até mesmo em relação a qualquer religião que não seja a nossa oficial Católica Apostólica Romana. Ou seja, algo nada animador e que serve de lição pra qualquer outra pessoa com imagem pública NÃO fazer.

Ainda assim, várias pessoas o fizeram, e muito provavelmente pagaram por sua coragem com risinhos, descrença e deboches. Maitê Proença comentou suas experiências transcendentais. Caetano Veloso, Chico Buarque e Elba Ramalho (entre outros) já falaram abertamente sobre seus avistamentos de OVNIs. Para não mais.

Mesmo com os (poucos) depoimentos de gente "famosa", o assunto não é ventilado, não é levado à sério, fica sempre restrito a um nicho, um gueto, ou é convenientemente esquecido. Aconteceu isso com Ayrton Senna. Em 1990 ele deu uma entrevista à Mônica Bergamo, para a revista Playboy, onde contou uma experiência fantástica de expansão de consciência:

No treinamento de sábado me dei conta de que o carro estava desequilibrado, sem possibilidade real de vitória. O McLaren de Berger teve os mesmos problemas. Ganhar em Montecarlo era muito importante, e eu expliquei a Deus. Ele sabe tudo o que acontece em nosso coração. Mas é necessário entegar-se através da oração. E foi o que fiz. Quando domingo chegou, já no warm-up eu tive um sensação e uma visão. Eu podia ver-me fora do carro. Em torno da máquina e de meu corpo havia uma linha branca, uma espécie do auréola, que me proporcionava força e proteção.

Entrei em uma outra dimensão. Tive uma paz incrível, e certeza de que estava equilibrado, no corpo e na alma. Geralmente, antes de sair eu me concentro, muito sério. Desta vez eu saí sorrindo, mesmo. Eu deixei os boxes com o mesmo carro que um dia antes havia apresentado problemas, e os defeitos… tinham desaparecido! Estavam lá, mas não os sentia, não me incomodavam. Após a corrida, Berger veio falar comigo e disse-me que seu carro tinha estado desequilibrado. Eu apenas sorri, mas não entrei em detalhes. Mas em meu carro não havia acontecido nada.

Esta foi sua terceira vitória em Mônaco.

O mais incrível é que em toda a internet brasileira esse texto NÃO EXISTE. Ninguém se deu ao trabalho de transcrever isso no Brasil, apenas achei o texto em espanhol, imaginem! Enfim, como tornar assuntos assim coisa "normal"? Uma idéia é comentar assuntos assim em casa, com os filhos pequenos, da forma mais natural possível, pra que se crie uma cultura de base que possa gerar um real interesse da sociedade por esses assuntos (e não uma curiosidade motivada pelo excêntrico da coisa).

Ler em espanhol (por Teresa)


 
Holismo, Internacional - publicado às 2:49 PM 18 comentários