Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


CONTROLE DAS ÁGUAS
seg, 30 de maio, 2005
 


O nosso planeta é 70% coberto por água, quase a mesma percentagem de água que temos em nosso corpo. Podemos passar 30 dias sem comida, mas poucos dias sem água. Apesar da abundância de água em nosso planeta, apenas 3% dela é doce (potável) e, além disso, 2/3 dessa água doce está debaixo da terra, nos lençóis freáticos, ou congelada nos pólos em forma de geleiras, calotas polares e icebergs. A água potável NÃO é ilimitada, ao contrário do que muitos pensam: quando damos descarga, ou lavamos pratos, a água vai para o esgoto, e de lá para o mar, se tornando água salgada.

É por isso que as reservas de água se tornaram uma questão militar, assim como as reservas de petróleo. Os EUA, que não são bestas, possuem diversas "bases de pesquisa" na Amazônia, algumas onde brasileiros sequer podem entrar. O exército brasileiro está ciente de tudo isso, mas não pode fazer muito por causa da postura submissa do governo (ou seja, foi tudo feito por vias "legais"). Por trás desta aparente docilidade do Governo estão o Banco Mundial, a OMC e o FMI, que, através da chamada "condicionalidade cruzada", impõe a privatização e mercantilização da água a troco de empréstimos. É uma corda posta no pescoço de países pobres ou subordinados.

"Existe uma oligarquia internacional da água" - denunciou Ricardo Petrella na conferência Água: Bem Comum - "Ela está privatizando e mercantilizando a água em todo o planeta". Esse fenômeno aumentou muito nesses últimos cinco anos. Deu ênfase, sobretudo, a comercialização da água mineral, sinônimo de Coca-Cola, Nestlé e outras empresas que vão se apoderando também desse ramo. Essa oligarquia produz conhecimento, dá a direção do discurso, tem o poder da narrativa, influencia a mídia e determina a agenda mundial da água. "As duas maiores corporações de recursos hídricos no mundo são as multinacionais francesas Vivendi e Suez. Eleitas no 91º e 118º lugares na lista dos 500 do mundo da Fortune, estes dois gigantes da água capturam aproximadamente 40% do mercado de água existente, fornecendo serviços de recursos hídricos para mais de 110 milhões de pessoas cada".

Sobre a Coca-Cola, sua "super-pura" água Dasani foi motivo de piada na Inglaterra, depois que descobriu-se que ela era retirada das torneiras das fábricas. Resolveram vendê-la aqui, ainda tirada das torneiras (basta ler o rótulo). Além disso, o "processo de purificação" da água nem sempre a torna melhor (ao contrário). Basta ver a Nestlé e sua água PureLife: a Nestlé desmineraliza a água mineral de São Lourenço (com propriedades reconhecidamente medicinais) tirando todas as suas propriedades, e acrescenta sais minerais de sua patente. A desmineralização de água é proibida pela Constituição. Cientistas europeus afirmam que ao desmineralizar a água a Nestlé desestabiliza a mesma e precisa acrescentar sais minerais para fechar a reação. Em outras palavras: PureLife é uma água química, sem estudos de riscos à saúde.

Além disso, a Nestlé não obedece às normas de restrição de impacto ambiental. Durante anos a Nestlé vinha operando sem mesmo licença estadual. E é curioso como finalmente obteve essa licença no início de 2004.
Mais preocupante: o Governo Federal anunciou que irá alterar a legislação, permitindo a desmineralização "parcial" das águas. Por que alterar um item que apenas interessa à Nestlé? O que nós cidadãos ganhamos com essa prática, combatida por cientistas e pesquisadores? Será que influenciou o fato da Nestlé ser uma importante colaboradora do programa "Fome Zero"?
Outras empresas, como a Coca-Cola, estão no mesmo caminho da Nestlé, adquirindo terrenos em importantes áreas de fontes d'água. É para essas empresas que o governo governa? Tanto ufanismo pra impedir a privatização da Petrobrás, e nada se fala das nossas reservas de água potável... Perigoso, muito perigoso...


Dados da ONU revelam:
1,2 bilhão de pessoas no mundo não têm água de qualidade para beber;
2,4 bilhões de pessoas não têm serviços sanitários adequados;
milhões de crianças morrem a cada ano de doenças causadas por água contaminada;
Em 2025, cerca de 40% da população da Terra terão problemas com água potável.

No Brasil:
20% da população ainda não tem acesso à água potável;
40% das torneiras não tem água confiável;
50% das casas não tem coleta de esgotos e
80% do esgoto coletado é jogado diretamente nos rios, sem qualquer tratamento;
54,4% das crianças de zero a 6 anos vivem em residências sem saneamento adequado.


Referência: Atuação das Nestlé em São Lourenço;
Nestlé viola legislação federal em função das esmolas para o Fome Zero;
A água doce e a Amazônia;
Links para outras páginas sobre água


 
Geral - publicado às 4:04 PM 74 comentários
MADALENA E JESUS
qua, 25 de maio, 2005
 


Neste último sábado tive a oportunidade de conversar com José Roldão sobre as descobertas históricas e culturais que sugerem que Jesus teve um filho com Maria Madalena. No rastro do sucesso de Código Da Vinci, muita gente vem cascavilhando esse assunto, e botando na Internet suas descobertas. Há rumores de que a matança dos primogênitos teria sido depois da morte de Jesus, e não no nascimento. Isso seria para evitar que houvesse um descendente das duas famílias de Reis de Israel (a casa de David, representada por Jesus, e a de Benjamim, por parte de Madalena). E que então Maria Madalena teria fugido para o Egito com José de Arimatéia, vindo a ter lá uma menina, que ficou conhecida como Sarah Kali, que depois foi para a França, onde há evidências de um grupo cristão anterior aos anos 70 d.C., quando começou a ser difundido o evangelho. Esquisito que essa Sara Kali (que depois foi santificada).


Continuar a leitura

 
Cristianismo - publicado às 1:04 PM 61 comentários
PUBLIUS LENTULUS
sex, 20 de maio, 2005
 


No livro "Há 2.000 Anos", de Emmanuel, psicografado por Francisco Cândido Xavier, podemos ver duas encarnações do próprio Emmanuel. A primeira como o cônsul Públio Lentulus Sura, um verdadeiro crápula, aliado político do temível Lúcio Catilina, e que tentou tomar o poder à força, foi descoberto e condenado à morte (leia mais no final do artigo). Após isso volta como seu próprio neto, com o mesmo nome (Públio Lentulus Cornélio), agora um senador incorruptível e austero, justamente com a missão de consertar as besteiras que fez no passado, SE consertando. Mas, como a natureza não dá saltos (e ninguém vira santo depois que morre) ele continua com um péssimo caráter espiritual. Foi nesta encarnação que ele encontrou Jesus, mas mesmo as palavras do Nazareno não conseguiram demovê-lo de seu orgulho e cegueira. Com o passar do tempo (e das bordoadas que leva nesta e em outras encarnações) é que ele vai depurando seu espírito, sempre com base na Lei do retorno.

Emmanuel não fala no livro, mas historicamente é quase certo foi ele que escreveu a descrição de Jesus ao Senado Romano, que chegou até nós de forma deturpada e em várias versões. O autor da carta é Pvblivs Lentvlvs, e pode ser remontada ao tempo de Tertuliano (155-220). Este Pai da Igreja a menciona; dizem alguns que sobre a base de um transmitido oral. Faz parte do Ciclo de Pilatos, que descreve Jesus. Conta-se que o manuscrito foi encontrado em 1421 por Giacomo Colonna, num antigo arquivo romano; era uma correspondência enviada da Constantinopla para Roma, que foi traduzida do grego para o latim e sofreu alterações e revisões pela Cúria Romana. Tempos depois foi "atualizada" pelos humanistas do Renascimento, através da colagem de diversos fragmentos, de modo a compor textos narrativos.


Continuar a leitura

 
Cristianismo, Espiritismo - publicado às 1:31 PM 29 comentários
OS BASTIDORES DA UMBANDA
seg, 16 de maio, 2005
 


Algo que recebi por e-mail. É legal ver como a espitualidade atua das mais diversas formas, nos mais diversos níveis de compreensão, utilizando das ferramentas que têm à mão. Vamos conhecer um pouco da cultura espiritual legitimamente brasileira, adaptada dos cultos dos escravos africanos:

Por Leni Saviscki; Jornal Sagrado de Umbanda


Firma o ponto minha gente
Preto Velho vai chegar
Ele vem de Aruanda
Ele vem prá trabalhar...

Era dia de "gira de preto velho" naquele terreiro. Enquanto os consulentes chegavam ansiosos e esperançosos em levar de volta a "solução" daqueles problemas que atrapalhavam suas vidas, na frente do congá os médiuns vestidos de branco e de pés descalsos concentravam, ligando-se aos seus protetores e guias.

O ambiente denotava simplicidade e era mobiliado apenas por algumas cadeiras para acomodar os consulentes, poucas banquetas para os médiuns que serveriam de "aparelhos" às entidades espirituais e o congá onde um vaso de flores, outro de ervas e os elementos ar, fogo, água e terra se faziam presentes. Acima, uma imagem de Jesus resplandescente de luz.

Iniciando-se a sessão através de pontos cantados e orações, após uma leitura espiritualista elucidativa, iniciavam-se as incorporações de maneira moderada. Do lado astral, as falanges de trabalhadores já haviam chegado muito tempo antes dos médiuns e ali já haviam preparado o ambiente fluidicamente. Uma varreduda energética havia sido feito pelos elementais onde primeiramente atuaram as salamandras e após as sereias e ondinas, fazendo com que toda a matéria astralina densa que ali se encontrava, fosse transmutada permitindo a chegada dos espíritos trabalhadores.

Na porta do ambiente, junto à firmação de ponto riscado e da presença do elemento fogo, postava-se o guardião da Casa, Exu Gira Mundo, impondo respeito e segurança. Num raio de 360º ao redor da construção, uma guarnição dos caboclos na egrégora de Ogum formavam verdadeira muralha armada, impedindo a invasão de seres indesejáveis ao bom andamento do trabalho da noite. A construção toda estava no interior de grande pirâmide iluminada na cor violeta, com grande e grossa placa de aço imantado na parte inferior impedindo que o excesso de energia telúrica desequilibrasse a polaridade positiva que era captada pelos sete anéis giratórios que ladeavam a pirâmide, representando as Sete Linhas de Umbanda. Cada um desses anéis destacam-se na cor fluídica de seu Orixá e emitiam um harmonioso som diferenciado.

Cada um dos consulentes que adentrava ao ambiente passava agora primeiro pela defumação que queimava junto à porta, em cumbuca de barro, exalando o cheiro das ervas perfumadas sendo incineradas pelo carvão vegetal. Equipes de limpeza se movimentavam no lado espiritual, recolhendo as larvas astrais e outras espécies de energias deletéreas que ali eram desagregadas dos corpos dos consulentes, as quais não eram totalmente absorvidas pelo carvão ou transmutadas pelo elemento fogo.

Em alvíssimas vestes, os amados Pais e Mães, na sua roupagem fluídica de Pretos velhos, trazendo a alegria estampada em sua energia, tomavam conta de seus "aparelhos" médiuns, atuando no chácra básico dos mesmos, obrigando-os a dobrar as suas costas à semelhança de velhos arqueados, incentivando-os ao trabalho fraterno.


Continuar a leitura

 
Geral - publicado às 3:13 PM 112 comentários
JOAQUIM NABUCO
sex, 13 de maio, 2005
 


13 de maio, dia da libertação dos escravos. Hoje o jornal Diário de Pernambuco publicou um magnífico caderno especial contando a trajetória do nosso ilustre Pernambucano Joaquim Nabuco. Um trabalho de pesquisa que consumiu 2 meses do jornalista Vandeck Santiago, que contou com os melhores estudiosos de Recife, Rio e SP. Abaixo fiz um resumão dos melhores momentos, reescrevendo ao meu modo algumas partes, e mantendo outras, que são do interesse dos leitores deste blog por mostrar verdades que teimam em ficar veladas:

Joaquim Nabuco foi o verdadeiro mentor intelectual do abolicionismo. E era ele que dava a cara a tapa (e vieram muitas) na defesa da abolição. Aos 25 anos conseguiu ser advogado na defesa de um escravo que havia matado uma autoridade que o mandara açoitar, foi preso, fugiu e matou um guarda que tentara detê-lo. Seus argumentos (verdadeiros) de que a escravidão estava por trás disso conseguiram transformar o que era uma pena de morte certa em prisão perpétua.

Tudo começou aos 7 anos de idade, quando estava na frente do Engenho Massangana. Um jovem escravo jogou-se aos seus pés, implorando que o comprassem, pois fugia dos castigos de seu dono. Conseguiu, graças à influência do menino junto à madrinha, dona do Engenho.

Entrou na política com o único propósito de fazer a abolição. Era ridicularizado de toda forma pela imprensa, afinal, todos os "bem-nascidos" usavam escravos e não queriam perder essa mão-de-obra. A abolição é criticada hoje em dia porque "apenas" libertou os negros mas não deu oportunidades de crescimento econômico ou social. Mas isso não foi por culpa dos mentores da Lei. Em 1884, 4 anos antes da assinatura da Lei, Nabuco já discursava em sua campanha eleitoral:

"Senhores, a propriedade não tem somente direitos, tem também deveres, e o estado de pobreza entre nós, a indiferença com que todos olham para a condição do povo, não faz honra à propriedade, como não faz honras aos poderes do Estado. Eu, pois, se for eleito, não separarei mais as duas questões - a da emancipação dos escravos e a democratização do solo. Acabar com a escravidão não nos basta, é preciso destruir a obra da escravidão". Foi o primeiro a reivindicar a reforma agrária numa campanha eleitoral.


Continuar a leitura

 
Política - publicado às 4:46 PM 10 comentários
A QUEDA
 


A queda (Downfall) é um filme obrigatório não só para quem gosta de história como para toda a nossa geração, que desconhece por completo os motivos que levaram à Ditadura não só na Alemanha como em vários países do mundo (inclusive no Brasil). Claro que, com o filme retratando apenas os últimos dias de Hitler, você não vai saber muito do que se passava para além do bunker do ditador. Mas não precisa. Basta lembrar as palavras de Hitler dirigida ao seu povo, anos antes: "Tudo o que vocês são, o são através de mim; tudo o que eu sou, sou através de vocês". Assim sendo, Hitler era o microcosmo do cosmo alemão daquele tempo (qualquer paralelo com a suástica não foi acidental).

O filme está mais pra documental do que pra experiência cinematográfica. Foi inteiramente baseado nos relatos dos sobreviventes que estavam no bunker junto com Hitler, principalmente da secretária dele, Trandl Junge. Esse ponto de vista garante uma certa imparcialidade na condução do filme, sendo esse o seu maior mérito. O diretor é extremamente contido, praticamente não há trilha sonora, a fotografia não chama a atenção, e o que resulta disso é que a atuação se sobressai imensamente.

Kundalini em estado bruto era o que destacava os líderes nazistas. E essa representação está perfeita no filme "A queda". Não imagino um Hitler melhor retratado do que o conseguido pelo ator Bruno Ganz. O ator estudou não só o gestual como a voz, o olhar e uma raríssima fita onde o ditador fala em voz normal, sem saber que estava sendo gravado. Já vi algumas (poucas) críticas de tolos dizendo que "humanizaram" Hitler. Vai ver porque ele ERA humano de fato. Caricaturalizá-lo só vai nos afastar de perceber que SERES HUMANOS que riem e que choram ordenaram e cometeram todas essas atrocidades contra OUTROS seres humanos, algo que nossos amiguinhos dos EUA estão fazendo nesse momento com os Iraquianos, como em Abu Ghraib.

Adoro tudo o que se relaciona à 2ª guerra mundial, e já vi vários vídeos de Hitler, e posso dizer que Bruno Ganz o representou perfeitamente. Pelo menos uma cena do filme foi copiada de um documentário, onde Hitler, com um olhar terno e um sorriso no rosto, dá uma medalha a um garoto (creepy, mas real). Outra coisa assustadora no filme é a interpretação de Ulrich Matthes para Goebbels, o chefe de propaganda e a mente por trás do sucesso de Hitler. Em documentários que vi (tenho a série "The World at War" toda) Goebbels discursando, eu ficava embasbacado só com a altivez deste homem feio e franzino, mas com um vigor que o tornava praticamente um Titã na tela. O ator, além de ser a cara dele (praticamente todos os personagens são cópias fieis!) conseguiu retratar parte da força, e principalmente os olhos dilatados, profundamente negros. Mas a cena que mais me marcou foi definitivamente o fim trágico dos filhos de Goebbels, magistramente dirigida, apenas com o som das cápsulas sendo quebradas... putz, aquilo pareceu uma eternidade! Tanto que a atriz que interpreta a esposa de Goebbels teve uma crise nervosa, devido ao envolvimento com o personagem.

O efeito deste filme na Alemanha foi bombástico. As pessoas saíam do cinema totalmente mudas. É muito fácil olhar para os horrores do holocausto, sentir piedade e esquecer no dia seguinte. Afinal, os judeus são "os outros". É muito fácil ver um soldado alemão retratado como um ser malvado e pensar "esse não sou eu". Mas olhar para si mesmo, reconhecer-se na tela como um ser humano, civil e alemão, voluntariamente unido em torno de um ideal sanguinário (a ponto de reprimir qualquer manifestação contrária entre os próprios alemães) é uma experiência completamente diferente.


 
Cinema - publicado às 8:58 AM 126 comentários
O CACHORRO BONECA
qui, 12 de maio, 2005
 


Em homenagem ao cachorro de Amiko

Por Adelino da Silveira

Chico Xavier tinha uma cachorra de nome Boneca, que sempre esperava por ele, fazendo grande festa ao avistá-lo. Pulava em seu colo, lambia-lhe o rosto como se o beijasse.

O Chico então dizia:
- Ah Boneca, estou com muitas pulgas !!!!

Imediatamente ela começava a coçar o peito dele com o focinho.

Boneca morreu velha e doente. Chico sentiu muito a sua partida. Envolveu-a no mais belo xale que ganhara e enterrou-a no fundo do quintal, não sem antes derramar muitas lágrimas.

Um casal de amigos, que a tudo assistiu, na primeira visita de Chico a São Paulo, ofertou-lhe uma cachorrinha idêntica à sua saudosa Boneca. A filhotinha, muito nova ainda, estava envolta num cobertor, e os presentes a pegavam no colo, sem contudo desalinhá-la de sua manta. A cachorrinha recebia afagos de cada um.

A conversa corria quando Chico entrou na sala e alguém colocou em seus braços a pequena cachorra. Ela, sentindo-se no colo de Chico, começou a se agitar e a lambê-lo.

- Ah Boneca, estou cheio de pulgas!!! Disse Chico.
A filhotinha começou então a caçar-lhe as pulgas, e parte dos presentes, que conheceram a Boneca, exclamaram:

- Chico, a Boneca está aqui, é a Boneca, Chico!!

Emocionados perguntamos como isso poderia acontecer.
Chico respondeu:
- Quando nós amamos o nosso animal e dedicamos a ele sentimentos sinceros, ao partir, os espíritos amigos o trazem de volta para que não sintamos sua falta. É, Boneca está aqui, sim, e ela está ensinando a esta filhota os hábitos que me eram agradáveis.

Nós seres humanos, estamos na natureza para auxiliar o progresso dos animais, na mesma proporção que os anjos estão para nos auxiliar.

Por isso, quem maltrata um animal vai contra as leis de Deus, porque Suas leis são as leis da preservação da natureza. E, com certeza, quem maltrata um animal é mal-amado e também não aprendeu a amar.


 
Espiritismo - publicado às 1:22 PM 36 comentários
EINSTEIN (por ele mesmo)
qua, 11 de maio, 2005
 


INTELIGÊNCIA

"Algo só é impossível até que alguém duvide e prove o contrário. A maioria de nós prefere olhar para fora e não para dentro de si mesmo."

"Nenhum problema pode ser resolvido pelo mesmo estado de consciência que o criou. É preciso ir mais longe. Eu penso várias vezes e nada descubro. Deixo de pensar, mergulho em um grande silêncio e a verdade me é revelada."

"Às vezes me pergunto porque eu fui o único a desenvolver a teoria da relatividade. A razão, acho, é que um adulto normal nunca pára pra pensar nos problemas de espaço e tempo. Essas são coisas que só as crianças pensam. Mas como meu desenvolvimento intelectual foi retardado, como resultado eu comecei a me perguntar sobre espaço e tempo somente quando crescí."

"Eu sou suficientemente artista para desenhar livremente na minha imaginação. Imaginação é mais importante que conhecimento. O conhecimento é limitado. A imaginação dá a volta ao mundo."


CIÊNCIA

"Ciência sem religião é manca. Religião sem ciência é cega."

"A ciência nos afasta de Deus, mas a ciência pura nos aproxima de um criador."

"Algo que aprendi em uma longa vida: toda nossa ciência, medida contra a realidade, é primitiva e infantil - e ainda assim, é a coisa mais preciosa que temos."

"O espírito científico, fortemente armado com seu método, não existe sem a religiosidade cósmica. Ela se distingue da crença das multidões ingênuas que consideram Deus um ser de quem esperam bondade e do qual temem castigo; um sentimento exaltado semelhante aos laços do filho com o pai; um ser com quem também estabelecem relações pessoais, por respeitosas que sejam."

"Como é possível que a matemática, sendo afinal um produto do pensamento humano, que é independente da experiência, seja tão admiravelmente apropriada para os objetos da realidade? Será que a razão humana é, sem recurso à experiência, meramente pelo pensamento, capaz de sondar ("fathom") as propriedades das coisas reais?
Em minha opinião a resposta a esta pergunta é, em poucas palavras: na medida em que as leis da matemática referem-se à realidade, elas não são exatas; e, na medida em que elas são exatas, não se referem à realidade."
(Em comunicação à Academia Prussiana de Ciências)

"Triste época! É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito."


Continuar a leitura

 
Pensamentos - publicado às 4:49 PM 60 comentários
CRUZADA
seg, 9 de maio, 2005
 


Ora, Jesus, tendo saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos, para lhe mostrarem os edifícios do templo. Mas ele lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não se deixará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.
(Mateus 24:1-2)

O título original - "Reino do céu" - reflete muito mais o espírito do filme. Sério. Quem achou Gladiador clichê demais (um cara contra o império romano) vai se surpreender com o novo filme de Ridley Scott. Desta vez ele acertou a mão na sensibilidade demonstrada na condução narrativa do filme, assim como ele fez em Blade Runner. O filme é tão bom que quero ver novamente (coisa rara, muito rara...).

O único aspecto que gostei em "Gladiador" foi o espiritual, quando no final ele retorna (finalmente) à sua casa, ao som de uma bela música. Em Cruzada ele faz o filme todo pensando no lado espiritual dos personagens. Relembramos que a doutrina de Jesus não tem nada a ver com as cruzadas, aprendemos que o Reino do céu está na mente e o coração, e que a paz é apenas uma questão de consciência. Vemos os personagens cumprirem seus desígnios (Dharma), alguns com relutância, outros com prazer. Os diálogos, que podem até soar clichês para alguns, são na verdade lições metafísicas sobre caráter, lei do retorno, honra e código de conduta. Só não sei se foi intencional, mas que se presta a um filme onde de um lado temos templários e do outro islâmicos, se presta...

Aliás, o assunto é extremamente atual, já que o ocidente resolveu invadir o oriente, mais uma vez em busca de riquezas e pontos estratégicos... seria tentador para as bilheterias - e ao mesmo tempo perigoso - retratar um dos lados como "bom" e outro como "mau". Mas o maior mérito do filme é justamente não tomar lados, o que é favorecido pela falta de expressividade do personagem principal Balian (Orlando Bloom) e pelo excelente elenco de apoio (com Saladin preenchendo toda a tela em cada cena em que ele aparece). Após ler isso, me pareceu que o filme foi retrabalhado para evitar confusões com os islâmicos, e assumiu uma postura mais conciliatória, o que é mais acertado até mesmo do ponto de vista histórico (já que o diálogo final com Saladino de fato existiu e foi daquele jeito), no que foi bem recebido pelos muçulmanos.

Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, apedrejas os que a ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e não o quiseste! Eis aí abandonada vos é a vossa casa. Pois eu vos declaro que desde agora de modo nenhum me vereis, até que digais: Bendito aquele que vem em nome do Senhor.
(Mateus 23:37-39)

Ah, e quem gosta de ação não vai se decepcionar! Scott ao que parece aprendeu a arte de filmar cenas de batalha de modo realista, intenso e aparentemente confuso, e ainda assim fazer a platéia entender o que está acontecendo (algo que Spielberg inaugurou de forma magistral com Soldado Ryan). E os efeitos visuais são a coisa mais perfeita que já vi no cinema! Simplesmente NÃO DÁ pra saber o que é computação gráfica ou não! Esqueçam aqueles soldados falsos de Tróia, ou de Senhor dos Anéis: estamos diante de um novo marco nos efeitos visuais! Oscar garantido, pode anotar!


 
Cinema - publicado às 1:49 PM 36 comentários
O EVANGELHO DE TOMÉ (parte 4)
qua, 4 de maio, 2005
 


Última parte da série com trechos do Evangelho Apócrifo de Tomé, comentados pelo educador e filósofo Huberto Rohden em seu livro O quinto Evangelho:

7 - Bendito o leão comido pelo homem, porque o leão se torna homem! Maldito o homem comido pelo leão, porque esse homem se torna leão!

Huberto Rohden: O leão simboliza o ego humano, que o apóstolo Pedro, na sua primeira epístola, identifica com o diabo. Segundo as palavras de Jesus, satanás ou diabo é o ego mental do homem, quando se opõe ao Eu espiritual.


28 - Jesus disse: Eu estava no meio do mundo e me revelei a ele corporalmente. Encontrei todos ébrios, e não encontrei nenhum deles sedento. E minha alma sofria dores pelos filhos dos homens, porque eles são cegos no seu coração e nada enxergam. Assim como entraram no mundo vazios, querem sair do mundo vazios. Agora estão bêbados, e só se converterão se abandonarem o seu vinho.

Rohden: O homem profano vive numa permanente embriaguez das coisas do ego material-mental-emocional. E por isto não tem sede das coisas espirituais do Eu. São cegos para a Verdade, porque só enxergam as ilusões.
Todo o homem entra neste mundo sem nada, mas não deve sair do mundo sem nada. A razão-de-ser da nossa encarnação terrestre é adquirirmos algo que não nos foi dado, crearmo-nos mais do que Deus nos creou. De Deus recebemos a nossa alma como carta branca; mas não lhe podemos devolver como carta branca. Se devolvermos a Deus o que de Deus recebemos, seremos iguais àquele "servo mau e preguiçoso" da parábola dos talentos, que devolveu o mesmo talento que recebera.

A nossa missão terrestre é realizarmos pelo poder creativo do livre arbítrio valores que Deus não nos deu, mas para cuja creação nos deu potencialidade creativa. O homem deve atualizar as suas potencialidades creadoras; isto é ser "servo bom e fiel e entrar no gozo do seu Senhor". Quanto ao corpo, sim, sairemos do mundo assim como no mundo entramos, sem nada. O corpo nos foi emprestado como embalagem pêlos nossos pais e pela natureza. Devolveremos à natureza o que da natureza recebemos. Mas temos de restituir a Deus o que de Deus recebemos mais aquilo que creamos com o nosso livre arbítrio, porque o homem não é apenas uma creatura creada, como os animais, mas uma creatura creadora. Quem pode, deve; e quem pode e deve e não faz, crea débito - e todo débito gera sofrimento. O homem é uma creatura potencialmente creadora, e seu dever é fazer-se uma creatura atualmente creadora. É esta a grande Verdade insinuada pelas palavras de Jesus acima citadas.


Continuar a leitura

 
Cristianismo - publicado às 7:27 PM 120 comentários
PRIMEIRO ENCONTRO SAINDO DA MATRIX
dom, 1 de maio, 2005
 


O I Encontro Saindo da Matrix foi um sucesso! Atendendo ao convite, centenas de pessoas apareceram no Parque da Jaqueira para aproveitar uma bela tarde de sábado, e dentre elas sete pessoas resolveram efetivamente participar do encontro.

Seguindo a tradição de não se submeter ao imperialismo ditatorial dos horários estabelecidos pela máquina, cada um seguiu seu ritmo normal, e chegamos todos mais de meia hora atrasados.

Fizemos um círculo ao lado da igrejinha do parque, sentados na grama, interagindo (nem sempre de forma pacífica) com as formigas aborígenes.

Sandra, que foi nos ver pela primeira vez, tinha a impressão de ter conhecido todo o grupo através de projeção, o que foi corroborado por uma integrante (Ana), que pensou logo que a viu: "aí está ela de volta". Engraçado que também eu e a Espuminha ficamos com a impressão de tê-la conhecido antes. Coisas da metafísica...

A conversa foi bastante produtiva, e graças à experiência de duas pessoas presentes com crianças cristal e índigo, pudemos perceber que há uma carência de uma "escola" que dê orientação especial a essas crianças. Afinal, elas possuem anseios espirituais, maturidade e dons paranormais que as colocam como "loucas" no nosso mundo materialista, e nem sempre os pais possuem a base necessária pra prover a crianças com as respostas que elas precisam. Por exemplo: como explicar a elas que ela vê coisas que as pessoas normais não vêem? E as primeiras experiências de projeção astral delas, como orientá-las? Problemas como alimentação, escola, amizades, tudo ganha uma nova dimensão com essa nova geração (e estão vindo muitos assim à Terra!). A solução, que ainda está brotando em nossas cabeças, é fazer uma escolinha pra preparar essas crianças pra viver na Matrix sem serem reconhecidas (sem precisar de calmantes, exorcismos ou eletrochoques) e ainda assim desenvolver o potencial delas. E ao mesmo tempo preparar os pais para educar e aprender a conviver com essas crianças (já que a tendência é que quando elas forem ficando mais velhas os pais é que irão aprender com os filhos). Outra para adolescentes já está em estudo no CEPEC (e inclusive fui convidado para ser o professor ). A idéia é usar filmes como Matrix e Senhor dos Anéis (entre outros) para extrair daí algum conteúdo espiritual.

Conversa vai, conversa vem, e a bolacha de Maragogi que Espuminha trouxe desmaterializou-se completamente em poucos minutos, ante a nossa fome de saber. Ao cair da noite, meditamos em círculo, ao som de um didgeridoo trazido por Ricardo. Infelizmente não tivemos fotos. Quem sabe no próximo? E ainda ganhamos de presente para o grupo o livro de ufologia "As luzes que indicam o caminho", escrito por Socorro Viana.


 
Geral - publicado às 3:26 AM 75 comentários