Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


FLOR DE LÓTUS
dom, 29 de agosto, 2004
 


A flor de Lótus é venerada na Índia e no Japão, e Oráculo disse que essa era a flor símbolo da espiritualidade; a mais admirada de todas, do "lado de lá", por suas qualidades. A semente de Lótus pode, por exemplo, ficar mais 5.000 anos sem água, somente esperando a condição ideal de umidade pra germinar. Ela nasce na lama e só se abre quando atinge a superfície, onde só então mostra suas luminosas e imaculadas pétalas, que são autolimpantes, isto é, têm a propriedade de repelir microrganismos e poeiras. É também a única planta que regula seu calor interno, mantendo-o por volta de 35º, a mesma temperatura do corpo humano. O botão da flor tem a forma de um coração, e suas pétalas não caem quando a flor morre, apenas secam. Assim, para os Chineses, o passado, o presente e o futuro estão simbolizados, respectivamente, pela flor seca, pela flor aberta e pela semente que irá germinar.

Nas gravuras indianas, deuses costumam aparecer em pé ou sentado sobre a flor. Isto ocorre com as representações do deus elefante (Ganesha), Lakshmi — a deusa da prosperidade — e Shiva, O destruidor. Krishna têm a seus pés algumas flores de Lótus, que são chamados pada-kamala (pés-de-Lótus). A tradição budista nos relata que quando Siddhartha (que mais tarde se tornaria o Buda) tocou o solo e fez seus primeiros sete passos, sete flores de lótus cresceram. Representa, assim, que cada passo do Bodhisattva é um ato de expansão espiritual. Tanto que o conhecimento espiritual supremo é comparado ao florescimento do Lótus de mil pétalas no topo da cabeça, como é chamada a expansão do chakra coronário, e seria o equivalente à auréola dos santos da Igreja Católica.


Referência:
A sagrada flor de Lótus;
A lenda da flor de Lótus;
A mente oculta das plantas.


 
Budismo, Hinduísmo - publicado às 2:15 AM 22 comentários
EXILADOS DE CAPELA
sáb, 28 de agosto, 2004
 


Periodicamente acontecem as chamadas "rondas planetárias", que são migrações de consciências para outros planetas, onde poderão dar continuidade ao seu aprendizado e desenvolvimento. Falarei agora da ronda que trouxe para a Terra os espíritos que transformaram de vez a face do nosso planeta:

Os clássicos povos antigos (egípcios, hindus, etc) que fizeram florescer a civilização como a conhecemos foram compostos de espíritos provenientes do sistema de Capela. Ali havia um planeta com alto grau de conhecimento e espiritualidade, mas, como em toda escola, havia a "turma do fundão" que não quer saber de nada, que usam o conhecimento para fins egoístas e não muito louváveis. Como a maioria da população do planeta, através da evolução, atingiu um nível espiritual incompatível com as atitudes e freqüência dessa minoria, esses espíritos recalcitrantes no mal foram então transferidos (banidos seria um termo mais correto) para o planeta Terra, para que pudessem ser a mola propulsora na evolução do povo daqui (espíritos terrícolas).

Há alguns milhares de anos, quando os espíritos dos degredados começaram a encarnar aqui, tudo o que encontraram em nosso planeta eram tribos, sociedades rudimentares baseadas na força bruta. Claro que esses espíritos degredados não gostaram nadinha de sair de seu luxo, conforto e tecnologia para um planeta atrasado como o nosso, e muito menos encarnar nesses corpos diferentes.

Mesmo com o véu do esquecimento causado pela reencarnação, esses espíritos traziam em seus olhos - além de toda a sua evolução espiritual (essa que não se perde) - uma saudade indefinível, um sentimento de perda de algo e desejo de voltar não se sabe ao certo para onde. Então, com o passar dos anos, inconscientemente esses espíritos adiantados foram se juntando - por afinidades sentimentais e linguísticas que os associavam na constelação de Cocheiro - em quatro grandes grupos: os arianos, egípcios, hindus e o povo de Israel. Assim, pela sua inteligência superior, essas raças facilmente sobrepujaram as outras, e assim nascem as grandes civilizações como as conhecemos.


Continuar a leitura

 
Espiritismo, Holismo, Ufologia - publicado às 12:11 AM 70 comentários
SAINDO DA MATRIX: O QUE É?
qui, 26 de agosto, 2004
 


As filosofia deste blog tem por inspiração duas figuras lendárias, que passaram pela Terra ensinando não uma religião, mas um estilo de vida que vai pra muito ALÉM desta vida: Jesus e Buda.

Esses caras vieram à Terra não pra fundar uma religião, mas sim nos mostrar que que estamos interligados não só entre as pessoas, mas com o planeta e o Universo. Este não é um blog sobre religião, e sim sobre religiosidade. A religiosidade que há quando duas pessoas se respeitam, se compreendem, quando se amam do jeito que elas são, quando se ajudam nos momentos de dificuldade, quando dizem tudo com apenas um olhar... Não é preciso acreditar ou desacreditar em Deus pra isso. Buda mostrou que todos nós podemos ser Budas, e se não o somos é porque não desenvolvemos nosso potencial. Jesus disse que todos poderíamos ser UM com o Pai, assim como ele. Palavras diferentes, doutrinas diferentes, mas a mesma mensagem. Basta expandir a religiosidade que há para com a pessoa amada e reparti-la com o mundo.

Este é um blog que procura seguir a filosofia de Jesus e Buda, de nada impor, nem esperar algo em troca, visando trazer discernimento na forma de parábolas, comentários de filmes, atualidades, estudos das mais diversas doutrinas e religiões, procurando dar uma nova perspectiva da nossa vida aqui na Terra (que ainda assim é a minha perspectiva, que não quero - nem posso - fazer com que seja a sua perspectiva). Desconfie de tudo o que estiver escrito aqui, mas se possível analise todo o conteúdo sabiamente, a fim de que você possa jogar fora o joio e ficar com o trigo.

Não estou querendo fundar uma nova religião ou seita, nem escrever um livro nos moldes de Paulo Coelho. Nem todos os posts aqui refletem minha opinião, mas todos refletem minha busca espiritual, que não é por UM caminho, mas por vários. Leiam com atenção, sem desprezar nada por preconceito, depois estudem em outras fontes, meditem a respeito, consultem seu coração, e só então aceitem ou rejeitem o que está aqui. E, se você aceitar alguma coisa daqui como SUA verdade, seja coerente e viva para isto.


Continuar a leitura

 
5 estrelas, Geral, Holismo, Pensamentos - publicado às 12:17 PM 51 comentários
AMIT GOSWAMI
qua, 25 de agosto, 2004
 


Amit Goswami é um físico nuclear indiano que tem buscado - por meios acadêmicos - traçar uma ponte entre a ciência (mais especificamente a física quântica) e a espiritualidade. É PHD em física quântica e professor titular de física da Universidade de Oregon. Já foi rotulado de místico, pela comunidade científica, e acabou acalmando os críticos através de várias publicações técnicas a respeito de suas idéias. No seu livro O universo autoconsciente - publicado no Brasil - ele procura demonstrar que o Universo é matematicamente inconsistente sem a existência de um conjunto superior - no caso, Deus. E diz que, se esses estudos se desenvolverem, logo no início do terceiro milênio Deus será objeto de ciência, e não mais de religião.

Sua clássica entrevista no programa Roda vida (que pode ser lida na íntegra aqui) é de deixar qualquer fã de esoterismo babando, e qualquer cético abalado em seus fundamentos. Em um trecho ele narra algumas experiências que mostram a possibilidade de comunicação direta entre mentes, monitoradas por cientistas, de pessoas que costuma meditar juntas. Em outro mostra o poder da mente influindo na matéria, que é algo que a física quântica já leva em conta em suas "teorias malucas". Vamos ao trecho:

Considere o caso de geradores de números aleatórios. Eles são realmente aparelhos quânticos, pois eles pegam eventos radiativos, que são aleatórios, e os convertem em seqüências de números, seqüências de zeros e uns. Em uma longa cadeia, deve haver número igual de zeros e uns (é o que se espera da sequência aleatória). O físico Helmut Schmidt tenta há quase 20 anos fazer com que médiuns influenciem os geradores de números aleatórios para gerarem sequências não-aleatórias, mais zeros que uns. E ao longo dos anos ele conseguiu boas evidências de que, até certo ponto, os médiuns conseguem fazer isso. Um resultado com um grande desvio. Recentemente, em um trabalho publicado em 1993, Schmidt retratou uma modificação revolucionária desses dados. Os dados do gerador de números aleatório (a sequência numérica), é armazenada num computador. Ela é impressa, mas ninguém olha. Os dados impressos são fechados num envelope e enviados para um observador independente. Três meses depois, o observador, sem abrir o envelope, escolhe o que quer ver, mais zeros ou mais uns. Tudo segue um critério. Então ele liga para o pesquisador, o pesquisador diz ao médium para olhar os dados, e pede a ele para mudar os resultados, influenciá-los, se puder. E o médium tenta produzir mais zeros, se esse for o desejo do observador. E então, o observador abre o envelope e verifica se o médium conseguiu. E a incrível conclusão é (é um resultado sério, não é fácil contestá-lo) que o médium, em 4 de cada 5 tentativas, consegue mudar os números aleatórios gerados pelo aparelho, mesmo após três meses. Este mito de que o pensamento causa o colapso de si mesmo, que o colapso é objetivo, sem que o observador consciente as veja, é apenas um mito. Nada acontece, tudo é uma possibilidade até que o observador consciente veja.

Mas, e se alguém tivesse visto os números antes? Numa experiência controlada, as pessoas intervieram. Elas viram - sem contar a ninguém - os dados, a impressão. Nesses casos, o médium não influenciou os dados. Está claro que a consciência exerce um efeito, exatamente como Bohr suspeitava, como Newman suspeitava. Isso é revolucionário, é novo e pode mudar, como já discutimos, as dificuldades com valores que a sociedade vem enfrentando. Não vamos nos preocupar em como pode ser, mas vamos olhar os dados, olhar a teoria e perguntar: pode ser? Se pode, que oportunidade fantástica temos para integrar todos esses movimentos díspares de consciência que nos separaram por tanto tempo.


 
Ciência, Metafísica - publicado às 12:00 AM 15 comentários
GISMONTI
ter, 24 de agosto, 2004
 


Alguém por acaso sabe qual o nome da música de Egberto Gismonti que toca na vinheta da Rádio Universitária FM de Recife (não sei se do Brasil)?


 
Geral - publicado às 11:47 AM 5 comentários
WABI SABI E A ARTE DA IMPERFEIÇÃO
seg, 23 de agosto, 2004
 


Por Adilia Belotti, editora do site Árvore do Bem

O livro The Art of Imperfection (tristemente traduzido como "A arte de viver bem com as imperfeições"), de Véronique Vienne, fala das formas de perceber a beleza que se esconde nas frestas do mundo perfeito que tentamos, sempre em vão, construir para nós.

Você conhece aquela história de que os tapetes persas sempre tem um pequeno erro, um minúsculo defeito, apenas para lembrar a quem olha de que só Deus é perfeito? Pois é, a Arte da Imperfeição começa quando a gente reconhece e aceita nossa tola condição humana.

"A história está cheia de criaturas incompetentes que foram muitíssimo amadas, desajeitados com personalidades cativantes e gente boba que encanta a todos com seu jeito despretensioso. O segredo? Aceitar nossas falhas com a mesma graça e humildade com que aceitamos nossas melhores qualidades", diz o livro, que propõe: "Perdoe a si mesmo. Você não precisa ser perfeito para ser um ser humano bem-sucedido. De fato, com mais freqüência do que imaginamos, o desejo de acertar impede as coisas de melhorarem e a necessidade de estar no controle aumenta a desordem e o caos".

A Arte da Imperfeição, no entanto, não se limita ao reconhecimento das imperfeições humanas. Também tem a ver com nosso jeito de olhar para as coisas mais banais, mais corriqueiras e enxergá-las com outros e mais benevolentes olhos. Leonard Koren, um designer americano, publicou alguns livros tentando revelar para o nosso jeito ocidental as delicadezas do olhar wabi sabi.


Continuar a leitura

 
Taoísmo - publicado às 1:59 PM 14 comentários
BANHO DE SAL
 


O mês de agosto não é ruim em si mesmo, e sim pelo uso da mente que fazem nele. Agosto é um mês em que as energias mentais se potencializam, então (infelizmente) os brasileiros usam essa particularidade para o mal, através de despachos, macumbas, essas coisas. Então, a psicosfera do Brasil fica coberta de pensamentos densos, "negativos", o que afasta a alta espiritualidade. Por isso Oráculo praticamente não deu as caras esse mês, mas, como felizmente temos alguns amigos na "esquerda", eles nos orientaram em algumas coisas: evitar qualquer tipo de bebida, vigiar os pensamentos e tomar bastante banho de sal.

O sal afasta espíritos densos e as energias deletérias (formas-pensamento), e isso não é um conhecimento apenas brasileiro, mas sim mundial e muito antigo. Era oferecido aos deuses, para afastar os demônios, e muitos sacerdotes utilizavam-no nas liturgias religiosas e nas cerimônias mágicas. Os árabes citam recomendações de Maomé para: "começar pelo sal e terminar com o sal; porque o sal cura numerosos males". Símbolo da incorruptibilidade, por este motivo, se encontra na Bíblia, o termo "aliança de sal" designando uma relação com Deus que não pode ser rompida (Números, 18,11; Crônicas, 13,5). No Japão, o sal (shio) é considerado um purificador devido a sua origem mitológica: o grande deus (Kami) Izanakino-Mikoto, desejou que sua mulher fosse levada para um lugar distante. Sentindo a falta da esposa e arrependido por tal pedido, foi se purificar nas águas do mar. Alguns japoneses jogam o sal na soleira da porta após a saída de alguém que não deveria ter entrado na sua casa. No sumô o sal é usado pra formar um círculo no tablado e proteger os lutadores dos maus espíritos. Monica Buonfiglio explica: "Largamente utilizado pelos esotéricos, o sal é recomendado para a limpeza da aura, ou seja, o campo de luz que envolve o corpo humano. Quando a aura está saturada, o sal é o único composto que a recompõe rapidamente".


Continuar a leitura

 
Holismo - publicado às 12:00 PM 17 comentários
RIQUEZA (continuação)
sáb, 21 de agosto, 2004
 


Adaptado do Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XVI.14

É comum dizer que, quando o dinheiro é ganho com suor, melhor se conhece seu valor. Nada mais exato. Mas, se esse homem - que se recorda do quanto sofreu sem recursos - for egoísta e impiedoso para com os pobres, bem mais culpado será que um bem-nascido que ignora a fadiga do trabalho, porque, quanto melhor se conhece as dores ocultas da miséria, tanto mais propenso deve sentir-se em aliviá-las nos outros.

Infelizmente, sempre há no homem que possui bens de fortuna um sentimento tão forte quanto o apego aos mesmos bens: é o orgulho. Quando um desgraçado que lhe pede assistência, em vez de acudi-lo, acaba dizendo: "Faça como eu fiz! Vá suar, trabalhar!" Quando não lembra que, se ninguém tivesse dado oportunidade a ele, não estaria onde está agora... para esta pessoa, a bondade de Deus não está por trás da obtenção da riqueza que conseguiu acumular; pertence a ele, e só a ele, o mérito de a possuir. O orgulho lhe põe sobre os olhos uma venda e lhe tapa os ouvidos. Apesar de toda a sua inteligência e de toda a sua aptidão, não compreende que, com uma só palavra, Deus o pode lançar por terra (sua situação pode mudar do dia para a noite).

Esbanjar a riqueza não é demonstrar desprendimento dos bens terrenos: é descaso e indiferença. Depositário desses bens, não tem o homem o direito de disperdiçá-los, como não o tem de confiscá-los em seu proveito. Prodigalidade não é generosidade: é, freqüentemente, uma modalidade do egoísmo. Aquele que esbanja horrores pra satisfazer um capricho por vezes não dá um centavo a um trabalho produtivo, uma prestação de serviço. O desapego aos bens terrenos consiste em apreciá-los no seu justo valor, em saber servir-se deles em benefício dos outros (e não apenas em benefício próprio), em não sacrificar por eles os interesses da vida futura, em perdê-los sem murmurar, caso apraza a Deus retirá-los. O pouco apego com que a pessoa se ligue a uma coisa faz com que menos dolorosa seja a sua perda. O homem que se aferra aos bens terrenos é como a criança que somente vê o momento que passa. O que deles se desprende é como o adulto que vê as coisas mais importantes, por compreender estas proféticas palavras de Jesus: "O meu reino não é deste mundo." Mas a ninguém ordena o Senhor que se despoje do que possua, condenando-se a uma voluntária mendicância, porquanto o que tal fizesse tornar-se-ia uma carga para a sociedade. Seria um outro tipo de egoísmo, porque seria o indivíduo eximir-se da responsabilidade que a riqueza lhe trouxe. Rejeitar a riqueza, quando Deus a outorga, é renunciar aos benefícios do bem que se pode fazer, gerindo-a com critério. Sabendo prescindir dela quando não a tem, sabendo empregá-la utilmente quando a possui, sabendo sacrificá-la quando necessário, procede a criatura de acordo com os desígnios do Senhor.

Em resumo: Sabei contentar-se com pouco. Se és pobre, não inveje os ricos, porque a riqueza não é necessária à felicidade. Se és rico, não esqueça que os bens de que dispõe estão apenas confiados a ti, e que tens de justificar seu emprego, como se fosse um dinheiro emprestado por alguém.

Se não sabeis restituir, não tendes o direito de pedir, e lembrai-vos de que aquele que dá aos pobres, salda a dívida que contraiu com Deus.
(Lacordaire; 1863)

 
Espiritismo - publicado às 5:05 PM 6 comentários
RIQUEZA
ter, 17 de agosto, 2004
 


Adaptado do Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. XVI.14

O amor aos bens terrenos é um dos mais fortes entraves à evolução moral e espiritual, sendo uma provação muito maior do que a dor, fome ou pobreza, porque enquanto as últimas servem para retirar qualquer ranço de superioridade e deixa pouco espaço para ação (karma), a riqueza traz consigo status, orgulho, avareza, cobiça (quem tem quer sempre mais), beleza e possibilidades inúmeras de ação, tanto para o bem comum, como para endividar-se diante desse sistema de energias, quem em nosso nível de percepção conhecemos como Deus.

A riqueza em si não é maléfica, não estou aqui fazendo uma ode à pobreza, apenas deixando bem claro os perigos inerentes a riqueza. Muito menos estou dizendo pra sair por aí dando dinheiro aos pobres. Compreende-se a satisfação - mais que justa - do homem que, através do seu trabalho honrado e assíduo, acumulou riquezas, mas daí ao apego que absorve todos os sentimentos e endurece o coração tem uma grande distância, tão grande quanto a que separa o esbanjador do mesquinho, dois vícios entre os quais colocou Deus a caridade, virtude esta que ensina o rico a dar sem ostentação, para que o pobre receba sem baixeza/humilhação.


Continuar a leitura

 
Espiritismo - publicado às 5:07 PM 12 comentários
FLUXO ENERGÉTICO
dom, 15 de agosto, 2004
 



A energia circundante pelo plano etérico seria equivalente a um mar com diversas camadas: onde a energia é densa (mais próxima da nossa vibração) ela se comporta como gelatina, onde é mais sutil ela corre serelepe, diáfana. A dinâmica dessas forças segue a mesma do vento, daí que os indígenas da américa do norte desenvolveram o "dreamcatcher", redinha filtra-sonhos, usada para só ter bons sonhos (ou seja, eles acreditavam que podiam impedir a chegada de maus espíritos - de vibração mais baixa - com a rede, o que não deixa de ser uma tentativa interessante, pois a rede atrapalharia o fluxo livre da energia mais densa. Só não sei se isso funciona mesmo...).


Continuar a leitura

 
Metafísica - publicado às 4:13 PM 7 comentários
AURÉOLAS
sáb, 14 de agosto, 2004
 


O amarelo do intelecto, encontrado sempre próximo da cabeça, é a origem da idéia da auréola, ou glória, que se encontra ao redor da cabeça de um santo, pois esse amarelo é a cor mais evidente entre as do corpo astral, a que mais facilmente é percebida pela pessoa que está desenvolvendo clarividência. As vezes, devido a uma atividade pouco comum do intelecto, o amarelo pode tornar-se visível mesmo na matéria física, de forma a fazer-se perceptível à visão física habitual.
(O corpo Astral, de Arthur Powell)


O termo auréola vem do Latim aureus, que significa ouro. Tal representação é usada pelas mais diversas culturas pra simbolizar a sabedoria, o divino, ou o intelecto elevado. Pode ser encontrada na representação pictográfica dos santos e "iluminados" (o nome fala por si só) e na vestimenta de todos os indígenas do continente americano (o cocar do chefe ou curandeiro da tribo). Na imagem ao lado (abaixo) temos o Deus dos aborígenes australianos (do outro lado do mundo) com a auréola de luz (cocar). Interessante notar que na dança hindu Kathakali vemos que o ator interpreta um Deus com o mesmo símbolo na cabeça.


 
Holismo - publicado às 10:47 AM Sem comentários
OLIMPÍADAS
sex, 13 de agosto, 2004
 


Quase choro ao ver a abertura das Olimpíadas... todos aqueles ícones que vemos em jarros, estátuas, livros de história, em movimento, mas mantendo as características visuais e estéticas de uma pintura ou escultura... putz... inesquecível... pena que tudo que seja belo seja efêmero. Tão rápido como começou, acabou...


 
Geral - publicado às 3:43 PM 5 comentários
MISTÉRIO DE TUNGUSKA ERA UM OVNI?
qui, 12 de agosto, 2004
 


Fonte: Terra

Uma expedição científica siberiana afirmou dia 10 ter encontrado provas que confirmariam a teoria de que o meteorito de Tunguska, o maior já caído na Terra, foi, na realidade, uma nave espacial extraterrestre. Um comunicado do governo regional de Evenkia, divulgado por jornais online, diz que exploradores da fundação estatal siberiana Fenômeno Espacial de Tunguska acreditam ter encontrado elementos de um artefato técnico extraterrestre. "Encontramos o que queríamos", declarou o diretor científico da expedição e presidente da fundação, Yuri Labvin. O cientista é fervoroso partidário da teoria de que foi um objeto voador não-identificado (Óvni) que explodiu na Sibéria há 96 anos. Naquele dia 30 de junho de 1908, o fenômeno de Tunguska - assim chamado pelo rio que passa perto do local - causou uma enorme explosão, equivalente a 500 bombas atômicas como a de Hiroxima, arrasando 2,2 mil quilômetros quadrados de florestas. A explosão deu origem a um dos grandes enigmas do século passado que ainda suscita discussões apaixonadas entre cientistas.

Vários fatos demonstram que a explosão aconteceu sobre a superfície terrestre, no ar. Não foi formada nenhuma cratera no epicentro da catástrofe. Nenhuma das mais de 200 expedições ao local encontrou um único fragmento do corpo celeste. As árvores em volta ficaram inclinadas para fora do enorme círculo de 60 quilômetros e as do centro continuaram de pé. Na ocasião, mais de mil especialistas do Observatório de Irkutsk observaram a queda sobre a taiga siberiana. Eles deixaram registro das surpreendentes "manobras" que o objeto realizava ao longo de sua trajetória, como se estivesse sendo pilotado. A teoria particular de Yuri Labvin, que dirigiu esta última expedição, sugere que o fenômeno foi originado por uma nave interplanetária extraterrestre. A nave teria salvo a Terra de uma catástrofe, ao destruir ou desviar um corpo espacial que se dirigia para o planeta.

Segundo o portal NEWSru.com, depois da conferência realizada em 1998 em Krasnoyarsk por ocasião do 90º aniversário do acontecimento, Labvin exibiu duas barras supostamente feitas de um metal desconhecido. Ele teria encontrado os objetos durante uma expedição anterior, perto do povoado de Vanavara, a 65 quilômetros do qual aconteceu a explosão. "Os resultados da expedição, segundo seu diretor, permitem esperar que o mistério do fenômeno cósmico seja revelado sem falta no centenário da queda do meteorito de Tunguska", anunciou a agência Interfax.

Fotos da expedição científica enviada a Tunguska, liderada pelo mineralogista russo Leonid Kulik, em 1920:






 
Ufologia - publicado às 11:51 PM 22 comentários
JESUS E DEUS
ter, 10 de agosto, 2004
 


Entrevista com Divaldo Pereira Franco, para a Revista Espírita Allan Kardec, em dezembro de 2000:

Pergunta: O Espírito de Jesus alcançou a Sua evolução, sujeitando-se às mesmas Leis a que se sujeitaram os demais Espíritos? Há espiritualistas que afirmam que Jesus evoluiu em linha reta. Como entender essa afirmativa?
Divaldo: Estudar Jesus e Sua personalidade para defini-los em breves linhas parece-me uma ousadia sem limite a que não me atrevo. Podemos, no entanto, apresentar algumas considerações, dentro do espírito de liberdade de pensar. Acredito que todos os Espíritos foram criados em igualdade de condições, convidados a crescer de forma equivalente. Se Jesus evoluiu em linha reta é porque, certamente, as Suas foram sempre opções corretas, não necessitando de re-aprender, reparar ou reencarnar, pelo menos, na Terra.

Acredito que Ele é o Guia Espiritual do Planeta como bem acentua Leon Denis e confesso que, para mim, a Sua foi uma evolução em outra Esfera que me escapa, porquanto, Ele o disse, e aceito-o sem discussão: "E antes que vós fosseis, Eu já era." O certo é que, ao vir ter conosco, no mundo, Ele já sintetizava a perfeição relativa que nos é dado contemplar, sendo, por isso mesmo, o Espírito mais perfeito que Deus ofereceu aos homens para servir-lhes de modelo e guia, conforme questão 625, de O Livro dos Espíritos.

Pergunta: Por que o enorme contingente de pessoas que não aceitam a existência de Deus? Essa aceitação virá através das conquistas da Ciência ou da evolução do sentimento?
Divaldo: Se considerarmos as propostas teológicas do passado, o Deus que nos era apresentado, não resistia à mínima investigação da lógica nem da cultura de cada época. Para o período medieval Ele representava o absolutismo do poder dominante na ocasião, e assim, sucessivamente.

Hoje, diante da Física Quântica, da Biologia Molecular, da Astrofísica e de outras Ciências que devassam o macro e o microcosmo, a existência de Deus sai dos limites religiosos para os arquipélagos universais.

David Bhom, o grande físico quântico, dizia: "Acredito em uma Ordem Intrínseca, que gerou a ordem Extrínseca". Interrogado que teria feito a Ordem Intrínseca, redargüiu: "Uma Ordem Super Intrínseca"... e assim por diante.
Einstein afirmava: "... há no Universo um Poder Pensante e Atuante que independe dele". Logo, as pessoas que negam a Sua existência apenas reagem contra a apresentação tradicional, qual ocorreu com Voltaire, ao declarar, na Loja Maçônica Nove Irmãs, em Paris, ao receber o Grau 33: "Eu não creio no Deus que os homens fizeram, mas creio no Deus que fez os homens", o que é bem diferente porque os homens O fizeram à própria imagem e semelhança...

Acredito que a evolução/sabedoria será o resultado do conhecimento conjugado com o sentimento. Naquele momento, os que relutam em aceitar-Lhe a existência, curvar-se-ão nobremente ante ela e a adotarão.


 
Espiritismo - publicado às 4:52 PM 8 comentários
O CÓDIGO DA BIBLIA
seg, 9 de agosto, 2004
 


Algo que recebi por e-mail:

A divulgação mundial da descoberta de um código na bíblia judaica (antigo testamento), veio através de um livro intitulado de "O Código da Bíblia", escrito por um jornalista americano chamado Michael Drosnin, que foi o divulgador do assunto. Todavia Drosnin é apenas o canal da informação, pois o verdadeiro descobridor é um cientista judeu, chamado Dr. Eliyahu Rips, que reside há mais de vinte anos no estado de Israel e que atualmente é professor na Universidade Hebraica da capital Jerusalém.

A prova da autenticidade desta descoberta se dá na precisão de mais de mil fatos que aconteceram, com detalhes e datas, tudo codificado nos cinco livros de Moisés (O Torah), tais como: o assassinato de dois membros da família Kennedy, o atentado à bomba de Oklahoma, a eleição de Bill Clinton, tudo desde a II Guerra Mundial até o caso Watergate, do Holocausto Nazista até a bomba de Hiroshima, da chegada do homem à Lua até a queda de um cometa em Júpiter, a descoberta da data da Guerra do Golfo vinte e um dias antes de ela acontecer, a data do assassinato de Ytzhak Rabin mais de um ano antes do crime ter ocorrido em Tel-Aviv.

O interessante é que o código aparece no inverso do texto bíblico, além da surpreendente descoberta de que em cada profecia messiânica do antigo testamento, apesar de os judeus não aceitarem a Jesus como o Messias, aparece no código a seguinte frase: "O meu nome é Jesus, Eu sou o Messias". Contudo, o código apresenta três fatos que na seqüência das informações ainda não aconteceram:

1º. O código apresenta a I e a II Guerras Mundiais com todos os detalhes, as datas e os nomes dos envolvidos. Na seqüência, em torno do sobrenome do ex-ministro de Israel, Benjamim Netanyahu, e da palavra Jerusalém, o código apresenta as seguintes frases:

- Dia da III Guerra Mundial; - Todo o seu povo irá para a guerra; - Holocausto atômico em Jerusalém; - 9 de Av - 5760/5766 (calendário judaico), que traduzido para o nosso calendário gregoriano será em torno de 25 de julho de 2000/2006. Porém, o calendário judaico não tem vogais para se saber a relação entre 2000 e 2006.


Continuar a leitura

 
Judaísmo - publicado às 9:24 AM 37 comentários
EVANGELHO AQUARIANO: SEMEAR E COLHER
sex, 6 de agosto, 2004
 


Aproveitando o gancho da tragédia do supermercado no Paraguai (pena que George Bush não fazia suas compras por lá) apresento mais um capítulo (114) do livro O Evangelho Aquariano:

Enquanto Jesus falava, um homem avançou e disse:
Ontem à noite uma tempestade no mar fez vários barcos de pesca naufragarem, e muitos homens mergulharam para a morte, e eis que suas viúvas e filhos estão passando necessidades. Que se pode fazer para ajudá-los em sua terrível aflição?

Jesus disse:
É um apelo digno. Homens da Galiléia, ouvi-me. Não podemos trazer esses homens de volta à vida, mas podemos socorrer os que dependiam deles para seu sustento cotidiano. Administradores das riquezas de Deus, eis uma oportunidade; abri vossos cofres; tirai o ouro escondido; presenteai-o com mão generosa. Esta riqueza foi guardada para momentos como este; enquanto não foi necessária, éreis seus guardiães; Mas agora não é mais vossa; pertence aos que passam necessidades, e se não a derdes, simplesmente estareis atraindo a ira de Deus sobre vossa cabeça. Dar a quem necessita não é caridade; é apenas honestidade; é dar aos homens o que lhes pertence.

Um doutor da lei disse:
Rabi, se Deus governa os mundos e tudo o que neles existe, não foi ele quem mandou esta tempestade? Não foi ele quem matou estes homens? Não foi ele quem mandou a desgraça sobre esta gente? E será que não foi para puni-la por crimes?
E nos lembramos bem de uma vez quando um grupo de zelosos judeus da Galiléia estavam numa festa em Jerusalém e, por crimes imaginários contra a lei romana, foram decapitados no próprio adro do templo por Pôncio Pilatos; e seu sangue transformou-se em seu sacrifício. Deus teria provocado toda esta matança porque eles eram duplamente vis?
E então recordamos que uma vez uma torre chama-da Siloã brilhava entre as defesas de Jerusalém e, sem causa aparente, ela tremeu e caiu por terra, e dezoito homens morreram. Estes homens eram vis? E foram mortos como castigo por algum grande crime?

E Jesus disse:
Não podemos tomar um único período de vida e julgá-lo como um todo. Há uma lei que os homens devem reconhecer: O resultado depende da causa. Os homens não são grãos de pó que flutuam no ar de uma breve vida, e depois somem no nada. Eles são partes imortais de um todo eterno que vêm e vão várias vezes no ar da Terra e além, apenas para revelar o ser divino.


Continuar a leitura

 
Cristianismo - publicado às 4:01 PM 9 comentários
PROFECIAS PARA OS EUA
qua, 4 de agosto, 2004
 


O milionário norte-americano Ned Dougherty era alcoólatra e usuário de cocaína, até que em 1984 teve uma crise cardíaca e uma experiência de quase-morte, que o fizeram mudar de vida e, quase 20 anos depois, a publicar o livro Fast lane to heaven (Via Expressa ao Paraíso).

Ao ter a crise cardíaca, Dougherty não compreendeu bem o que estava acontecendo. Se viu de frente a um personagem luminoso, que ele reconheceu como um de seus amigos mortos na guerra do Vietnã. O amigo o leva por um túnel e ele se vê em um imenso anfiteatro, que flutua no espaço, longe da Terra, onde reconheceu pessoas que não sabia que tinham morrido. Depois Dougherty se encontra diante de uma mulher luminosa. Pelas cores e raios, percebe que é alguém elevado dentro da hierarquia celeste. A "Dama de Luz", como ele a chama, mostra a ele seu futuro e o personagem que ele vê agir é diferente daquele que ele acreditava ser, cheio de erros. Ao mesmo tempo em que descobre o que está guardado para o seu futuro, vê o futuro do mundo, inclusive o ataque às torres gêmeas, anos antes do atentado (o livro foi publicado 6 meses antes do ataque):
"Um grande ataque terrorista ocorrerá em Nova York ou Washington, impactando severamente o modo de vida nos Estados Unidos". É o que consta no livro. "Ele vislumbrou as duas torres de Nova York em vias de cair. Ele viu a cena de uma altura de uns 30 metros em cima da avenida onde estavam", descreve o editor.


Continuar a leitura

 
Holismo - publicado às 4:58 PM 23 comentários
STUPID WHITE MAN
seg, 2 de agosto, 2004
 


Graças ao blog do Nando vi a transcrição da entrevista entre Michael Moore e Bill O'Reilly. O que ficou "ecoando" na minha mente foi o final:

Michael Moore: You wouldn’t send another child, another parents child to Fallujah, would you? You would sacrifice your life to secure Fallujah?
Bill O'Reilly: I would.
M: Can we sign him up? Can we sign him up right now?
B: That’s right.
M: Where’s the recruiter?
B: You’d love to get rid of me.
M: No I don’t want — I want you to live. I want you to live.
B: I appreciate that. Michael Moore everybody. There he is...

END


 
Cinema, Política - publicado às 2:06 PM 5 comentários