Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


EVANGELHO AQUARIANO: O MAR VERMELHO
sáb, 31 de julho, 2004
 


E Jesus disse: Eis o caminho!
Durante eras os filhos dos homens andaram tateando na escuridão da noite egípcia. Os faraós dos sentidos prenderam-nos com suas cadeias. Mas Deus sussurrou por entre as brumas do tempo e falou-lhes de uma terra de liberdade e amor. E enviou seu Logos para iluminar o caminho. O Mar Vermelho flui entre a terra prometida e as areias do Egito.
O Mar Vermelho é a mente carnal.
Vede, Logos estende a mão; divide o mar; a mente carnal se parte em duas; os filhos dos homens caminham em solo seco. Os faraós dos sentidos procurarão detê-los em sua fuga; as águas do mar retomam; os faraós dos sentidos desaparecem e os homens estão livres. Por algum tempo os homens caminham no deserto do pecado; mas o Logos lhes mostra o caminho; E quando por fim se acercaram das margens do Jordão, as águas se deterão e os homens entrarão em sua própria terra.

Fonte: O Evangelho Aquariano; Cap. 110


Continuar a leitura

 
Cristianismo - publicado às 5:40 PM 11 comentários
BEM-VINDOS AO NOVO BLOG
qui, 29 de julho, 2004
 


O Saindo da Matrix não ganhou domínio próprio por causa da popularidade ou mania de grandeza, mas sim da necessidade de ter meu próprio lugar na internet sem restrições. O antigo blog já estava com 9MB no antigo endereço (www.acid.blogger.com.br) e o máximo permitido pela Globo são 10MB.

Graças a essa limitação (e ao fechamento do kit.net), fui obrigado a encontrar um lugar que pudesse me abrigar gratuitamente sem banners, com upload de imagens, sem limite de espaço e com boa velocidade. Não encontrei, óbvio. Até que fui persuadido (não sem luta) por Ka e Mazinho a deixar minha pirangagem de lado e pagar um provedor (Deixo aqui registrado que, sem o apoio dos dois, o saindodamatrix.com.br não estaria no ar). Após 3 meses de desenvolvimento e testes em que tive de aprender tudo sobre Movabletype e CSS, enquanto me envolvia com prazos apertados pra fazer a homepage daqui do trabalho, e não deixar de escrever no blog antigo... Mas, enfim, após muita dor de cabeça e litros de café, aí está o produto 95% acabado, só faltando acrescentar alguns templates e os posts de novembro de 2002 pra , trabalho hérculeo que está sendo feito aos poucos por mim e Ka (revisora carrasca e exigente). Enquanto isso passarei a escrever os posts novos aqui. O movabletype (gerenciador do blog) me possibilita escrever looongos posts e mostrar apenas o que eu quiser na página principal: sim, cada post tem agora sua própria página, e seu próprio link (basta clicar na hora de publicação post, logo abaixo, ou em Continuar leitura, se o post estiver dividido em dois).


 
Geral - publicado às 5:09 PM 8 comentários
UM NOVO COMEÇO
 


Como mudança pouca é bobagem, além de mudar de casa, mudei também de blog!!
Neste dia me mudei em definitivo para o meu próprio domínio saindodamatrix.com.br. E aqui estou...


 
Geral - publicado às 12:00 AM Sem comentários
AIVANHOV: FÉ
qua, 28 de julho, 2004
 


A fé pode ajudar a curar, mas não faz milagres no sentido em que a maioria dos crentes entende. Jesus curava os doentes porque era tão elevado espiritualmente que ele podia se elevar até o plano causal - o plano mental superior - e acionar uma força em condições de se opor à doença. Então, quando algumas pessoas se metem a curar os doentes com fórmulas mágicas, orações, gestos magnéticos ou com a imposição das mãos, afirmando que a fé cura, elas podem realmente obter alguns resultados desde que não sejam doenças graves, mas não mais do que isso. Por maior que seja a sua fé ou a do doente, é difícil que ela seja suficiente. Para poder curar os outros, como fazia Jesus, é preciso não só possuir a força do espírito, mas também ter se exercitado bastante tempo para trabalhar sobre esse instrumento do espírito que é o pensamento. Mas quantos são capazes disso? Aqui também não basta acreditar na força do pensamento, é preciso possuí-la e dominá-la, o que é muito difícil.

Omraam Mikhaël Aïvanhov


 
Filosofia - publicado às 12:00 AM Sem comentários
RPG E AS ENTIDADES ARTIFICIAIS
sex, 23 de julho, 2004
 


Esta semana recebi um e-mail de uma amiga alertando quanto aos perigos dos jogos de RPG. Na lista apometria tem aparecido casos de formas-pensamento se manifestando como personagens do jogo, o que impressiona as pessoas acostumadas à doutrina espírita, pois eles falam, andam, parecem ser autônomos. Tais formas já estão sendo chamadas pelos praticantes de apometria de "artificiais". Mas, afinal, como pode um personagem "ganhar vida"?

O culpado aqui não é o RPG, mas a FORMA como se joga esse jogo. Pra quem não sabe, no RPG os participantes não precisam de nenhum apetrecho, nem tabuleiro: apenas a imaginação. Criam-se mundos, com regras estabelecidas pelo "Mestre", um cara que comanda o jogo, e cada participante escolhe encarnar um personagem, definindo previamente itens como roupas, agilidade, ataque, defesa e até mesmo carisma ou humor. Até aí nada de mais. Qual é a criança que não brincou com seus bonecos imaginando que eles eram reais? Só que tem muita gente fanática nesse mundo, e com RPG não é diferente: muitas pessoas criaram um "culto" em torno de certos RPGs e fazem os jogos em ambientes sinistros, com música sinistra, chegando a botar na sala até mesmo luz vermelha e usando roupas e máscaras dos personagens!

A simbiose entre a pessoa e o personagem é tanta que, assim como características suas dão vida ao seu personagem, sem que você perceba características do personagem acabam entrando na sua vida (isso nos casos dos fanáticos, óbvio). Nada de ruim se seu personagem for um cavaleiro em busca do tesouro, mas péssimo quando você interpreta um vampiro, lobisomem ou morto-vivo, como nos RPGs de maior sucesso por aí. "Mas, por que esse preconceito com zumbis? Não é por interpretar um que eu vou sair por aí comendo miolos!". Certo, certo. Mas raciocine um minuto. Pensamento é TUDO. É uma ação não-física, mas que se reflete no mundo espiritual (ou Maikai, pra os fãs de Yuyu Hakusho). Quando você constrói visualmente o personagem, e o usa por algum tempo, sua mente vai estar moldando no perispírito todos os detalhes desse personagem em você, e pra todos os seres do astral você vai parecer (mais ou menos) com o personagem! E mais: esses livros de RPG usam elementos de teosofia, satanismo, espiritismo, ficção científica, etc, tudo pra compor mais realisticamente seus mundos. Já peguei um que usava como referência o livro de Ranieri O abismo, que descreve em detalhes o umbral!! Quando você visualiza este "mundo" na sua mente, e passa algum tempo "vivendo" nele, cria automaticamente uma ponte mental entre o umbral e você!! Assim sendo, os habitantes dessa freqüência podem chegar até você, e chegando, verão na frente deles um morto-vivo ou um monstro. A primeira reação deles vai ser gritar "PAPAI"! E aí, quando o joguinho acabar, vai fazer o que com esse "pacote"? Leva pra casa, né? Campanha "Adote um umbralino"!

Mas acho que peguei muito pesado com os jogadores de RPG (deve ter um bocado de mães paranóicas com seus filhos neste momento). Esse negócio de criação mental está em toda parte. Quando você amaldiçoa o vizinho, quando você vai ao campo de futebol e fica imerso por duas horas num ambiente que é pura catarse coletiva de sentimentos de inferioridade, agressividade e frustração. Também é um obsediado aquele que fica cultivando pensamentos de caráter sexual na maior parte do tempo. Seus pensamentos são sua identidade no plano astral. Você não pode dar uma de santinho pra um espírito. Tanto que fazer reuniões espíritas em casa, sem preparo, pode arruinar uma família somente com a presença de um espírito zombeteiro que comece a falar os podres de algum membro da casa. Pessoas como o um certo Lalau, ao morrerem, são destroçadas psicologicamente pelo simples fato de não poderem se esconder atrás do dinheiro, prestígio, posição social ou da mentira.


Referência: Entidades artificiais


 
Espiritismo, Metafísica - publicado às 12:00 AM 12 comentários
INTERAÇÃO COM OS "MORTOS"
qui, 22 de julho, 2004
 


Padre Quevedo defende que os mortos não existem, não podem interagir com os vivos, e tal. E que o que os médiuns captam ou vêem são as criações mentais do que ocorreu no passado (algo como uma brecha no tempo, ou seja, o pensamento dos que eram vivos na época atuando sobre a nossa realidade). Se formos partir desse pressuposto, não teríamos evolução alguma do pensamento de uma pessoa morta em 1920 (ela nunca falaria de internet ou computadores) e não haveria concatenação de idéias, pois estaríamos dialogando com uma "bola de informações", uma consciência que parou no tempo.

Ele diz que a "energia corporal" dos vivos (no caso, os médiuns) é que atua, causando o fenômeno, baseado no inconsciente dele mesmo. Certo, Quevedo, esse fenômeno acontece, e é bastante conhecido pelo espiritismo. Agora, por que não analisar os casos que não são tão "fáceis" assim?

No debate que a Globo veiculou entre Clóvis Nunes e Padre Quevedo, onde o "caçador de enigmas" procurava desacreditar a transcomunicação instrumental, ele foi munido de casos de manifestação ectoplásmica da metade do século passado, quando o assunto exigia conhecimentos de eletrônica e computação para começar a entender o que estava sendo mostrado. Clóvis Nunes falou que ele era de um ramo da parapsicologia que já estava ultrapassado no mundo todo, e ele obviamente ficou p da vida, pediu pra editar a entrevista, e tal. O resultado é que só vimos (no Fantástico) o Padre Quevedo falando bobagens, tirando por menos, e no final esse foi o primeiro caso do programa que terminou "inconclusivo".

Vejam abaixo um vídeo que contém o debate que foi veiculado pela Globo, juntamente com a versão não-editada, onde vemos o Padre Quevedo passar por maus bocados:


Referência: Laboratório do mundo invisível;
Dos lugares assombrados


 
Espiritismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
JUNG: AS CINCO ETAPAS DA CONSCIÊNCIA
seg, 19 de julho, 2004
 


A primeira etapa é caracterizada pela participation mystique (termo tomado do antropólogo francês Lévy-Bruhl). Refere-se a identificação entre a consciência do indivíduo e seu mundo circundante. Ex: Quando o carro tem algum problema, o proprietário fica doente, ou tem dores no estômago. Isso acontece por estarmos vinculados inconscientemente ao mundo que nos cerca. Neste sentido, a primeira etapa da consciência é equivalente á última etapa; a unificação com o TODO. O mundo de um bebê é extremamente unificado. Ele considera que a mãe é parte integrante dele, que não há limites entre ele e um móbile acima do berço. Chamamos a isso de projeção. A maioria das pessoas estão vinculadas às suas famílias, e há identificação quando o filho ou o marido acha que é dono da mulher.

Na segunda etapa, já é possível perceber os limites, a diferenciação sujeito/objeto eu/você. Mas isso não significa que a projeção foi superada, apenas passou a ser mais localizada. Note que as etapas não são exatamente superadas, mas interpoladas. É por isso que um adulto possa ter a mesma identificação com a esposa ("ela é minha") que tinha com a mãe, quando bebê. Mãe, brinquedos favoritos, objetos brilhantes... pessoas especiais são escolhidas e distinguidas. Os pais passam a ser objeto de adoração, e representam a onipotência e onisciência. Jung chamou a isso de projeções arquétipicas: "Papai é super forte, e pode fazer qualquer coisa! Mamãe me ama incondicionalmente!". A chocante revelação de que os próprios pais não sabem de tudo ocorre na adolescência, e então, durante um certo tempo, os pais estão "completamente por fora" (outro tipo de projeção). Também projetamos em irmãos (daí a rivalidade) e professores (daí as paixões, ou aversões).

Na terceira etapa a pessoa se dá conta que os portadores das suas projeções específicas não correspondem a essas projeções. As pessoas ficam desidealizadas, e o mundo perde muito do seu primitivo encanto. O conteúdo psíquico projetado torna-se abstrato, e manifesta-se através de símbolos e ideologias. O jovem entra pra uma banda, vira rebelde sem causa, usa drogas, manda toda a "sociedade" pra PQP, ou então vira um místico ou religioso. Nesse caso a onisciência e onipotência, antes atribuídas aos pais ou professores, são projetadas em entidades abstratas, como Deus, Destino, Anjos, Verdade ou Bob Marley. Filosofia e Teologia tornam-se possíveis. A Lei, ou a Revelação, passam a estar investidos de projeções arquétipicas, deixando o mundo concreto como algo neutro. A pessoa passa a não temer inimigos, pois quem está no controle é Deus, ou acha que pode manipular e assumir o controle do mundo racionalmente, porque ele obedece às leis da natureza. A empatia com as pessoas tende a diminuir, por não interessar o sofrimento de fulano com sicrano, mas sim as idéias vigentes para o bem comum. Ex: Uma pessoa faz uma coisa ecologicamente certa, não porque lhe doa no íntimo assistir à destruição do mundo natural, mas sim porque é o correto social e moralmente pra solucionar os problemas do mundo. Enquanto uma pessoa achar que Deus vai premiá-la ou puni-la, ela está na etapa 3 do nível da consciência.

A quarta fase representa a extinção total das projeções, mesmo na forma de abstrações teológicas ou ideológicas. Essa extinção leva à criação de um "centro vazio" que Jung identifica com a modernidade. O sentimento de alma - antes grandioso, no sentido e propósito da Vida, de um "Deus íntimo" - é substituído por valores utilitários e pragmáticos (os demônios estão convertidos em sintomas psicológicos e desequilíbrios químicos cerebrais). O indivíduo contenta-se com breves momentos de prazer, ou entra em depressão por querer sempre mais. Nesta quarta etapa da consciência, natureza e história são vistas como o produto do acaso e do jogo aleatório de forças impessoais. Parece como se as projeções psíquicas tivessem desaparecido completamente, quando na verdade o próprio ego é que foi investido com os conteúdos previamente projetados em outros, em objetos e abstrações. Assim, o ego está radicalmente inflado na pessoa moderna e assume uma posição secreta de Deus Onipotente. Embora a pessoa moderna pareça ser razoável e estar assentada em bases firmes, na realidade está louca. Mas isso está escondido, uma espécie de segredo guardado até da própria pessoa.

Jung acreditava que essa quarta etapa era extremamente perigosa pela razão óbvia de que o ego inflado é incapaz de adaptar-se muito bem ao meio ambiente e, por isso mesmo, é passível de cometer catastróficos erros de julgamento. Embora isso seja um avanço da consciência num sentido pessoal ou mesmo cultural, é perigoso por causa do seu potencial para a megalomania. A pessoa da Etapa 4 já não é controlada por convenções sociais relacionadas, seja com pessoas, seja com valores. Por isso o ego pode considerar possibilidades ilimitadas de ação. Isso não significa que todas as pessoas modernas sejam sociopatas, mas as portas para tal estão bem abertas...

Nem todo mundo chega à etapa 4. De fato, muitas pessoas não podem suportar suas exigências. Outras consideram-na maléfica. Os fundamentalismos do mundo insistem em manter-se aferrados às etapas 2 e 3, por temerem os efeitos corrosivos da etapa 4 e o desespero e vazio que ela engendra. Mas é uma verdadeira façanha psicológica quando as projeções têm de ser removidas a esse ponto e os indivíduos assumem responsabilidade pessoal por seus destinos. A armadilha é que a psique passa a estar escondida na sombra do ego. Mas tudo é evolução, e essas etapas são necessárias para o desenvolvimento da consciência. A pessoa que chegou na etapa 4 sem cair numa inflação megalomaníaca passa, na avaliação de Jung, por uma notável transformação.

Na quinta etapa temos a reunificação de consciente e inconsciente. Há um reconhecimento consciente da limitação do ego e uma clara percepção dos poderes do inconsciente; e torna-se possível uma forma de união entre consciente e inconsciente através do que Jung chamou a função transcendente e o símbolo unificador. A psique unifica-se mas, contrariamente à etapa 1, as partes permanecem diferenciadas e contidas na consciência. E, também ao contrário da etapa 4, o ego não é identificado com os arquétipos: as imagens arquetípicas continuam sendo o "outro", não estão escondidas na sombra do ego. São vistas agora como "aí dentro", ao invés da etapa 3, onde estão "lá fora" (em algum lugar no espaço metafísico), e não são mais projetadas em algo externo.

Oficialmente, Jung deteve-se na etapa 5, embora em numerosos lugares indique que considerou a realização de novos avanços para além dela. Há sugestões em seus escritos para o que poderia ser considerado uma sexta e talvez até uma sétima etapa. Por exemplo, no seu Seminário de Yoga Kundalini, realizado em 1932, Jung reconhece claramente a realização de estados de consciência no Oriente que superam amplamente o que é conhecido no Ocidente, e que poderia ser considerado uma etapa 7 potencial.


Fonte: Jung e o mapa da alma, de Murray Stein

Referência: Jung e a Nova Era parte 1; parte 2; parte 3; parte 4;
Symbolon: Estudos Junguianos


 
5 estrelas, Psicologia - publicado às 12:00 AM 2 comentários
OBSESSÃO
qui, 15 de julho, 2004
 


Havia em um vilarejo umas irmãs que se encontravam, desde alguns anos, vítimas de depredações muito desagradáveis. Suas roupas eram incessantemente espalhadas por todos os cantos da casa e até pelos telhados, cortadas, rasgadas e crivadas de buracos, por mais cuidado que tivessem em guardá-las à chave. Após terem certeza de que aquilo não era brincadeira de mau gosto, pelo cuidado que tinham, descobriram, por indicação, o grupo de Allan Kardec e o recém criado Espiritismo. É o próprio que escreve, no cap. XXIII do Livro dos Médiuns:

O Espírito que se manifestava por semelhantes atos era evidentemente malfazejo. Evocado, mostrou-se de grande perversidade e inacessível a qualquer sentimento bom. A prece, no entanto, pareceu exercer sobre ele uma influência salutar. Mas, após algum tempo de interrupção, recomeçaram as depredações. Eis o conselho que a propósito nos deu um Espírito superior: "O que essas senhoras têm de melhor a fazer é rogar aos Espíritos seus protetores que não as abandonem. Nenhum conselho melhor lhes posso dar do que o de dizer-lhes que desçam ao fundo de suas consciências, para se confessarem a si mesmas e verificarem se sempre praticaram o amor do próximo e a caridade. Não falo da caridade que consiste em dar e distribuir, mas da caridade da língua; pois, infelizmente, elas não sabem conter as suas e não demonstram, por atos de piedade, o desejo que têm de se livrarem daquele que as atormenta. Gostam muito de maldizer do próximo e o Espírito que as obsidia toma sua desforra, porquanto, em vida, foi para elas um burro de carga. Pesquisem na memória e logo descobrirão quem ele é. Entretanto, se elas conseguirem melhorar-se, seus anjos guardiões se aproximarão, e a simples presença deles bastará para afastar o mau Espírito, que somente se agarrou a uma delas em particular porque o seu anjo guardião teve que se afastar, por efeito de atos repreensíveis, ou maus pensamentos. O que precisam é fazer preces fervorosas pelos que sofrem e, principalmente, praticar as virtudes impostas por Deus a cada um, de acordo com a sua condição."

Como ponderássemos que essas palavras pareciam um tanto severas e que talvez fosse conveniente adoçá-las, para serem transmitidas, o Espírito acrescentou: "Devo dizer o que digo e como digo, porque as pessoas de quem se trata têm o hábito de supor que nenhum mal fazem com a língua, quando o fazem muitíssimo. Por isso, preciso é ferir-lhes o Espírito, de maneira que lhes sirva de advertência séria".

Ressalta do que fica dito um ensinamento de grande alcance: que as imperfeições morais dão vazão à ação do Espíritos obsessores, e que o mais seguro meio da pessoa se livrar deles é atrair os bons pela prática do bem. Sem dúvida, os bons Espíritos têm mais poder do que os maus, e a vontade deles basta para afastar estes últimos; eles, porém, só assistem os que fazem esforços para melhorar-se, sem o que se afastam e deixam o campo livre aos maus, que se tomam assim, em certos casos, instrumentos de punição, visto que os bons permitem que ajam para esse fim.

_______________

Interessante, não? Isso dá o que pensar: estamos na Terra, esquecidos dos fatos do passado, mas não das afinidades e sentimentos do passado. Muitas vezes sofremos e perguntamos "Cadê Deus?" ou "por que não nos fizeram perfeitos, já que erramos tanto?"
Deus não é um "cara" que fica preocupado se você é bom ou ruim, não é aquele pai sovina que fica perguntando ao filho se ele fez o dever de casa porque está preocupado em que você repita o ano e ele tenha de pagar mais um ano de escola. Se você está satisfeito na 1ª série e não demonstra capacidade intelectual/emocional para passar para passar de ano, vai ficar o tempo que for necessário para amadurecer. Acontece que a 1ª série vai mudar de endereço, e os professores estão dando todas as oportunidades para que os alunos passem de ano, mesmo os relapsos e arruaceiros. Só não podem fazer a prova por eles.

E qual o tema da prova? Amar. Você pode fazer essa prova em forma de poesia, prosa, verso, graficamente, matematicamente, etc; os professores aceitam tudo, desde que o amor esteja ali, no seu trabalho.

O conhecimento do TODO passa primeiramente pelo conhecimento de você mesmo! Jung sublinha que o caminho de ingresso do inconsciente é feito inicialmente através da emoção e do afeto. E é assim que muitas vezes nos unimos às pessoas que outrora odiamos: nascendo como pais, mães, irmãos, compartilhando momentos e emoções. Outra forma de crescimento é através da dor, outra através da barganha. O ideal é amar por amar, sem esperar nada em troca, pois o amor (doado e recebido) é a única bagagem que você vai levar deste planeta.


Referência: Capítulo inteiro do livro dos médiuns sobre formas de obsessão


 
Espiritismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
KARMA E O PECADO ORIGINAL
ter, 13 de julho, 2004
 


Vou aproveitar a pergunta de Eliá (Elias em hebraico, né?) pra falar um pouco sobre o karma, esse troço que mais parece uma punição, quando na verdade nada mais é que a ação e sua conseqüência:

Esse negócio de pecado original ainda está entranhado no subconsciente das pessoas (ou seja, a igreja católica fez muito bem seu dever de casa em aterrorizar as pessoas para uni-las em torno de uma instituição, como fez George Bush com o 11 de setembro). Mas parte da culpa também é dos hindus, com sua cultura de castas, onde os sacerdotes (brâmanes) usaram o conceito de karma para manter as pessoas acomodadas em suas classes sociais (ou seja, um membro da casta de catador de lixo vai permanecer sempre como catador de lixo, assim como seus filhos, pois esse é seu Dharma (missão de vida), consequência do Karma (ação) em vidas passadas, e se seu filho nasceu nesta casta, é porque é o Dharma dele também (e por isso o aspecto religioso é tão propagado na Índia, pois é a BASE da sociedade)!

Esse negócios dos hindus me revolta mais até que os roubos dos políticos no Brasil, pois moldou um país inteiro (bilhões de habitantes) com a desgraça da segregação social (há infinitas castas, como se fossem profissões. Tem até castas de programadores!) e impossibilidade de alguém aprender e progredir, apenas aperfeiçoar aquilo que sua família fazia há gerações. Pode-se notar a influência cultural brâmane no Mahabarata, onde o certo (virtuoso) é dar muitos presentes em ouro aos brâmanes sempre que possível... desgraçados... ficava pensando o que Jesus diria disso, até que li no Evangelho Aquariano uma passagem onde Jesus estava na Índia e começava a criticar, através de suas parábolas, o sistema de castas (dá-lhe, Yeshua!!). Ele saiu de lá fugido, segundo o livro...

Voltando ao assunto, o pecado original, com Adão e Eva (assim como a queda de Lúcifer) são alegorias da lembrança espiritual do degredo de almas de outros planetas para este (a ronda planetária, que Blavatsky menciona), quando muitos espíritos - que aceleraram o progresso aqui - precisavam manter sempre fresco na memória, de alguma forma, o porque de estar aqui e o que precisavam fazer (religar-se a Deus, ao Cosmo, ou a Unidade/fraternidade, chame como quiser)! Então, sim, esses espíritos nasceram na Terra com karma a "saldar". Mas já chegamos num ponto onde o débito original já está mais do que pago, onde o conhecimento está mais do que difundido, e se gente de outros sistemas continuam aqui é porque continuam fazendo novas besteiras que não tem nada a ver com o banimento original, ou então porque gostaram daqui, ou sentem necessidade de repassar o conhecimento que adquiriram durante milênios (tão sonegado no passado, envolto nos mistérios das sociedades esotéricas) para todos. Karma... ou Dharma, quem sabe?

O que temos atualmente são almas do próprio planeta Terra (com milhares de anos de evolução, apanhando e aprendendo), de outros sistemas planetários (para auxiliar na transição e evolução), um resto dos banidos (como falei acima) e espíritos provenientes da natureza (que passaram por todos os estágios evolutivos - mineral, vegetal, animal irracional, elemental - para chegar ao humano). Esses últimos são os que "estréiam" no corpo limpinhos, sem máculas. Mas basta passar por uma experiência não muito feliz para errar. Afinal, quem não erra? Mas não significa que toda e cada pessoa irá sofrer uma desgraça na vida por causa disso. O importante aqui é o aprendizado. Pode-se "saldar seu karma" apenas com a compreensão. Nesse ponto lembro sempre da parábola de Jesus:

Qual dentre vós é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra? Ou, se lhe pedir peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhes pedirem? Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós a eles; porque esta é a Lei e os profetas.
(Mat 7:9-12)

Agora, há sempre aqueles pirralhos que em vez de pedir preferem roubar. Não podem reclamar se levarem umas boas palmadas.


 
Hinduísmo, Metafísica, Pensamentos - publicado às 12:00 AM Sem comentários
BRANDO AND BRANDO
seg, 12 de julho, 2004
 


O último filme de Marlon Brando seria Brando and Brando, em que ele faria uma pequena ponta no final.
"Preciso filmar em junho, porque em julho estou indo para a minha ilha", disse Brando ao diretor tunisiano Ridha Behi. O ator era dono de uma ilha no Taiti, mas, pelo tom de voz, Ridha percebeu que não era dessa ilha que ele falava. Sua saúde estava frágil, e ele não aguentaria uma viagem até lá. Voltou do encontro arrasado, e, apesar da pressa na produção, não foi possível filmar com ele em junho. Dia 2 de julho Brando falecia.

A produção do filme continuará, mas com um final diferente.


 
Cinema - publicado às 12:00 AM Sem comentários
"QUEIMAR" O KARMA
qua, 7 de julho, 2004
 


O pessoal acha que meditar é ficar entoando mantra, ou calado num canto, quando não é nada disso (essas são apenas ferramentas para o início da meditação). Uma entrevista com BK Nirwair, Secretário-Geral da Universidade Espiritual Brahma Kumaris, explica o que é na prática meditar.

Um trecho:

Pergunta: O médico indiano Deepak Chopra afirma que quem pratica a meditação elimina dois terços do seu carma. O senhor concorda com esta afirmação?

BK Nirwair: Depende de que tipo de meditação. No fogo de amor concentrado em Deus, no estado de consciência total da nossa identidade como almas e não corpos, eu acredito ser possível reduzir a carga cármica que está no ser. Mas isto requer uma preparação e um nível de pureza pessoal muito grande. Se a pessoa está simplesmente cantando mantras ou fixando sua atenção em algum objeto ou imagem de veneração durante algum tempo, não vejo a possibilidade de reduzir o carma. Seria leviano afirmar isto. Não é tão fácil assim. Com tais práticas, a pessoa pode aliviar-se mas não transformar coisas profundas. A transformação profunda exige um esforço profundo.


 
Hinduísmo - publicado às 12:00 AM 1 comentário
PALESTRA UFOLÓGICA EM CAMARAGIBE
 


Como mencionei anteriormente, fui numa palestra ufológica (voltada mais ao aspecto místico) no município de Camaragibe, em Pernambuco, onde se discutia sobre a transição planetária.

Foram faladas coisas interessantes, como o fato de que as pirâmides do México, Egito e Japão (esta última submersa) estarem praticamente na mesma posição (paralelo 30° N), e que a única estrutura piramidal no corpo humano está justamente no cérebro (as células piramidais). Também falaram por alto das pedras de Ica, e dos crânios de cristal. E ainda tirei uma foto ao lado de um extraterrestre de papelão :)


 
Ufologia - publicado às 12:00 AM Sem comentários