Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


SHINU
qua, 30 de junho, 2004
 



 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM Sem comentários
A EVOLUÇÃO DA FORMA
seg, 28 de junho, 2004
 


Toda forma que vês tem seu arquétipo no mundo sem-lugar.
Se a forma esvanece, não importa, permanece o original.

As belas figuras que viste,
as sábias palavras que escutaste,
não te entristeças se pereceram.

Enquanto a fonte é abundante, o rio dá água sem cessar.
Por que te lamentas se nenhum dos dois se detém?

A alma é a fonte, e as coisas criadas, os rios.
Enquanto a fonte jorra, correm os rios.
Tira da cabeça todo o pesar e sorve aos borbotões a água deste rio.
Que a água não seca, ela não tem fim.

Desde que chegaste ao mundo do ser,
uma escada foi posta diante de ti, para que escapasses.
Primeiro, foste mineral;
depois, te tornaste planta,
e mais tarde, animal.
Como pode ser isto segredo para ti?

Finalmente foste feito homem,
com conhecimento, razão e fé.
Contempla teu corpo; um punhado de pó
vê quão perfeito se tornou!

Quando tiveres cumprido tua jornada,
decerto hás de regressar como anjo;
depois disso, terás terminado de vez com a terra, e tua estação há de ser o céu.
Passa de novo pela vida angelical, entra naquele oceano,
e que tua gota se torne o mar, cem vezes maior que o Mar de Oman.

Abandona este filho que chamas corpo
e diz sempre Um; com toda a alma.
Se teu corpo envelhece, que importa?
Ainda é fresca tua alma.

Jalal ud-Din Rumi
Poeta e místico sufi do século XIII
(Poemas Místicos, Ed. Attar, 1996)


 
Sufismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
O JANGA PERDE SEU ÚLTIMO ELFO SAMURAI
 



Estou indo embora de casa

 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM Sem comentários
SONHO E VIRGINDADE
dom, 27 de junho, 2004
 


Na manhã do dia 19 tive um sonho maravilhoso. Nele eu estava conversando com alguém (parecia ser um Yogue) sobre assuntos espiritualistas. Pena que precisei acordar (e quando acordo esqueço tudo o que sonhei), mas nesse caso eu consegui reter a impressão da conversa (acordei com uma incomum felicidade) e a minha última pergunta a ele:

- E esse negócio de virgindade? - Pode-se perder a virgindade exterior, mas deve-se conservar sempre consigo a interior."

Ao acordar com essas palavras ainda ecoando na cabeça, lembrei imediatamente da flor de Lótus que, mesmo nascendo da lama, conserva suas pétalas imaculadamente brancas. Deve ser essa a simbologia da virgindade, cultuada desde os tempos antigos, em várias culturas. Pena que o pessoal se apega ao materialismo, ritualismo. Jesus (sempre ele) trouxe essa mensagem da forma mais simples e direta possível: "Deixai as crianças e não as impeçais de virem a mim, porque de tais é o Reino dos Céus." (Mat 19:14)

Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus. Portanto, quem se tornar humilde como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus. (Mat 18:3-4)

 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM Sem comentários
O MISTÉRIO DAS MÁSCARAS DE CHUMBO
qui, 24 de junho, 2004
 


No dia 21 de agosto de 1966, Miguel e Manuel, dois técnicos em eletrônica de SP, foram encontrados mortos no topo do Morro do Vintém, RJ. Não havia nenhum sinal de agressão e, apesar de estarem mortos há quatro dias em plena mata fechada, nenhum animal havia encostado neles. Os dois traziam nas mãos estranhas máscaras de chumbo e o seguinte bilhete cifrado: "16:30hs está no local determinado 18:30hs ingerir cápsula, após efeito proteger metais, aguardar sinal máscara". Foi o início de um mistério que persiste até hoje.

A polícia descobriu que haviam feito diversas experiências espirituais na cidade (inclusive com explosivos) e estavam lendo livros sobre contatos extraterrestres (haviam feito muitas anotações sobre o livro "A vida no planeta Marte", de Ramatis). Um detalhe serviu para aumentar o suspense: a maior parte do dinheiro das vítimas desapareceu, o que alimenta a hipótese de ter sido envenenamento. Só que não houve exame toxicológico porque as vísceras apodreceram no IML de Niterói. Misteriosamente o processo foi arquivado enquanto ainda estava na fase investigativa, e depois simplesmente desapareceu dos arquivos.

Os indícios apontavam para um possível ritual espírita com um final trágico. Só que o espiritismo não tem de forma alguma rituais. Então, qual a ligação do bilhete, espiritismo e a experiência?

O meio espírita é sempre freqüentado por pessoas influentes (delegados, juízes, médicos) e ricas, e pelo visto os dois técnicos estavam envolvidos mais com a parte física da coisa (provar existência de espíritos e extraterrestres) do que doutrinária (pelos depoimentos, eles eram apenas curiosos, e a última coisa que um deles falou pra prima é que nesta viagem para o RJ iria descobrir de uma vez por todas se esse negócio de espiritismo era verdadeiro). Os dois eram muito susceptíveis de pegar pela frente um charlatão que os envenenasse com qualquer lorota de disco voador e pegasse os 3 mil reais. Fim do mistério. Mas outros elementos complicam tudo:

A dona de casa Gracinda Barbosa tinha ido buscar as crianças próximo à rua Gastão Gonçalves, mesmo dia em que os técnicos subiram o Morro do Vintém, e eles viram um objeto oval de cor alaranjada, com uma linha de fogo nas bordas, "soltando raios em todas as direções", enquanto pairava sobre o morro. Teve tempo de parar o carro e observa-lo cuidadosamente, enquanto o objeto subia e descia verticalmente durante uns três ou quatro minutos, emitindo um "raio azul" bem definido. Esta experiencia logo foi confirmada por um grande número de testemunhas diferentes, que não revelaram nada na época por medo do ridículo ligado ao caso de OVNIs. Todos os depoimentos situaram o objeto nas proximidades das vítimas, por volta da hora estimada da morte. Sobre isso o jornalista Mário Dias relata: "O mais interessante é que a menina desenhou no caderninho dela o objeto que ela teria visto no morro do vintém. Quer dizer, isso faz crer que a menininha não seria tão criativa naquele momento (nada ainda havia sido divulgado sobre os corpos)."

A hipótese UFO ganha força

É provável que a quantia de 3 mil reais (pro tempo de hoje) possa ter sido pra participar de uma experiência inusitada: acompanhar a descida de um disco voador. "Tecnicamente" é possível se comunicar com alienígenas pelos mesmos meios que os espíritas se comunicam com os mortos, porque os extraterrestres possuem grande poder telepático / mental e dominam a tecnologia dos planos vibracionais, e se utilizam de médiuns como canais de comunicação (chamam esse processo de canalização). Só que se comunicar com esses seres (assim como os espíritos) não é garantia nenhuma de boa procedência. Existem várias raças transitando pela Terra, algumas para estudo e monitoramento da raça humana, outras para exploração dos nossos recursos naturais e biológicos (os "greys"). O bilhete encontrado com os corpos possui a letra de uma das vítimas, mas foi ditado por outra pessoa (com um nível de instrução maior, haja vista os termos utilizados). Um bloco de papel com algumas anotações também foi encontrado. Em uma folha havia fórmulas elétricas elementares, e vários códigos alfanuméricos que os detetives acharam que podia ser código de peças eletrônicas (mas isso não foi confirmado). E se os códigos forem coordenadas de pouso? E se as intruções foram dadas numa reunião espírita feita em casa, sem a orientação de guias espirituais? Também foi encontrado com eles um pedaço de papel alumínio azul e branco amassado, um pouco de papel celofane embebido numa substância química e um lenço com as iniciais AMS.

A cápsula ingerida podia ser de zinco ou dióxido de titânio, elementos que refletem a radiação (numa tentativa de preservar os órgãos internos), assim como a obviedade da máscara de chumbo, que é proteger os olhos. A ordem de proteger metais (talvez com o alumínio) também confirma a tese.

Mário Dias comenta: "A única coisa que quebrava a imagem que eles estavam dormindo era a decomposição dos corpos. As máscaras não estavam no rosto, mas próximo à mão direita de cada um. Com a morte, elas caíram naturalmente da mão." Ou seja, não foi uma morte violenta. Eles perderam os sentidos antes de morrer, ou foram rapidamente fulminados. Que tipo de veneno agiria tão rápido? Com certeza eles retiraram os óculos de chumbo antes do tempo e morreram. Considerando que eles estivessem em grupo, é óbvio que os outros fugiriam do local (se avisassem à polícia ninguém acreditaria na história dos discos voadores e eles seriam incriminados). Outro detalhe intrigante, que o jornalista menciona: "Eu estive várias vezes no local e ali não mais nasceu grama. Recentemente eu estive lá em cima com o pessoal do "Linha direta" e vi que realmente ali não nasceu relva. Pode ter sido algum tipo de elemento que se desprendeu dos corpos quando houve a decomposição."

É mais plausível (dentro deste contexto) a hipótese de radiação. O físico norte-americano M. McCampbell afirma que os UFOs emitem formas de intensa radiação, semelhante aos microondas, e que podem gerar emissões de um plasma luminoso de alta intensidade. No Canadá, o cidadão Stephen Michalak, movido pela curiosidade, se aproximou de um enorme UFO pousado no solo de Winnipeg. Suas roupas imediatamente se incendiaram e ele teve que ser hospitalizado por longo tempo, vítima de intensos sofrimentos. Ficaram marcas radiculares de uma estranha queimadura que não pôde ser tratada ou sequer identificada pelos diversos médicos e as várias clínicas que o examinaram! Peritos militares que estiveram no local do pouso encontraram o solo crestado e também uma intenso resíduo de radiação sob a forma de Radio-226. O Departamento de Defesa e a Real Polícia do Canadá declararam publicamente que não foram conseguidas quaisquer provas que pudessem constestar a história de Michalak. Aliás, o Ministério da Defesa negou-se a revelar maiores detalhes do caso, mesmo aos membros do Parlamento, sob a alegação que "Não é de interesse deste Ministério tornar público o relatório daquela suposta observação".

De fato, a pele dos cadáveres possuía uma coloração rósea e aparentava possiveis queimaduras, mas a decomposição chegara a um ponto onde tal conclusão não era segura. Não que as naves extraterrestres façam isso de propósito. É o sistema de propulsão (anti-gravidade?) que resulta nesse campo magnético / radioativo.

Isso me lembra um caso registrado na bíblia, em Êxodo:

Ao terceiro dia, ao amanhecer, houve trovões, relâmpagos, e uma nuvem espessa sobre o monte; e ouviu-se um som de trombeta muito forte, de maneira que todo o povo que estava no acampamento estremeceu. E Moisés levou o povo fora do acampamento ao encontro de Deus; e puseram-se ao pé do monte. Nisso todo o monte Sinai fumegava, porque o Senhor descera sobre ele em fogo; e a fumaça subiu como a fumaça de uma fornalha, e todo o monte tremia fortemente. E, o som da trombeta cada vez mais forte, Moisés falava, e Deus lhe respondia.
E disse mais o SENHOR: Não poderás ver a minha face, porquanto homem nenhum verá a minha face, e viverá. Eis aqui um lugar junto a mim; aqui te porás sobre a rocha. E acontecerá que, quando a minha glória passar, pôr-te-ei numa fenda da rocha, e te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado. E, havendo eu tirado a minha mão, me verás pelas costas; mas a minha face não se verá.
E esteve ali com o SENHOR quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água, e escreveu nas tábuas as palavras da aliança, os dez mandamentos. E aconteceu que, descendo Moisés do monte Sinai trazia as duas tábuas do testemunho em suas mãos, sim, quando desceu do monte, Moisés não sabia que a pele do seu rosto resplandecia, depois que falara com ele. Olhando, pois, Arão e todos os filhos de Israel para Moisés, eis que a pele do seu rosto resplandecia; por isso temeram chegar-se a ele (radiação!).

A Arca da Aliança era de madeira de acácia, toda forrada de ouro por dentro e por fora. Tinha quatro argolas e dois varais, que não poderiam ser retirados do lugar, e tudo revestido de ouro. O metal mais precioso e incorruptível, bem como a madeira mais incorruptível foram usados na construção da arca. Estudiosos dizem que, pela construção, dimensão e material empregado, ela poderia funcionar como uma bateria elétrica (dependendo do líquido que estivesse dentro da arca), um receptor de alta energia, tanto que era terminantemente proibido tocar-lhe sem uma autorização expressa para tal (e, muito possivelmente, equipado com proteções especiais), sob pena de se ser fulminado de imediato. Um dia, quando a transportavam, a Arca deu a impressão de ir cair ao chão. Um homem precipitou-se para a segurar, e morreu imediatamente fulminado.

Uma passagem em 1º Samuel 5 confirma os malefícios que trazia a arca, que talvez fosse até mesmo radioativa:

"Entretanto a mão do Senhor se agravou sobre os de Asdode, e os assolou, e os feriu com tumores, a Asdode e aos seus termos. O que tendo visto os homens de Asdode, disseram: Não fique conosco a arca do Deus de Israel, pois a sua mão é dura sobre nós, e sobre Dagom, nosso deus".

Por causa disto, os filisteus despacharam a Arca do Senhor para Gate, outra cidade filistéia, depois para Ecrom, sempre deixando ela atrás de si, um tremendo rastro de destruição. Resultado: Os filisteus tiveram que devolvê-la a Israel.

Seria interessante fazer uma exumação dos corpos pra buscar evidências de radiação nos ossos, muito embora ela já possa ter se dissipado.


Referência:
Vídeo do caso no Linha direta;
Relato do investigador de OVNIs francês;


 
Ufologia - publicado às 12:00 AM 1 comentário
JUSTIÇA DIVINA
seg, 21 de junho, 2004
 


Viemos à Terra, primeiramente, para aprender, amadurecer, evoluir. Mas se as pessoas resolvem fazer de sua vida pura e simples diversão não é Deus, nem Jesus, nem uma legião de anjos que vai impedir. Todos temos livre-arbítrio, todos temos o direito de semear o que quisermos, onde quisermos. Só não podemos deixar de colher. Se você põe pra chocar um ovo de serpente, não espere que saia de dentro um pássaro. Quem semea vento colhe tempestade.

O que chamamos de Justiça Divina não é o castigo de Deus. Deus não é uma polaridade, algo que possa sofrer uma ação, para desencadear uma reação. O TODO não se abala. Nós sim, nos abalamos. Somos duais, somos EGO, somos EU (em vários níveis) em jornada de aprendizado, de transição para níveis mais elevados de compreensão, e para isso precisamos passar pelo jardim de infância, que é o planeta Terra. Aqui é um ótimo lugar de aprendizado: podemos ser o que quisermos ser, mas também sofreremos o que não queremos sofrer. Não vai ter ninguém lhe culpando, se souber como ser discreto. Liberdade e libertinagem se confundem desde os primórdios da civilização humana. Nossa história está banhada em sangue e barbárie até os dias de hoje. Quer ser rico, mas não teve oportunidade? Roube. Quer a mulher do próximo? Rapte-a. Quer se livrar de seu inimigo? Mate-o.

Foi preciso Moisés estabelecer leis para não matar nossos semelhantes, para não roubarmos, etc. Já é um absurdo que seja preciso ter leis (divinas ou não) pra isso, mas o maior absurdo é que, apesar de milhares de anos, continuamos fazendo tudo isso e muito mais. Diariamente é provado que não somos mais do que animais com grande capacidade de raciocínio, o qual usamos para dar um sentido e justificar a nossa irracionalidade.

Somente quando estivermos saturados dessa bestialidade da raça humana é que poderemos enfim nos enjoar daquilo que nos colocou aqui, agora. Sim, não somos inocentes, nenhum de nós o é. Os mais velhos (como eu... snif) irão lembrar do filme Laranja Mecânica, onde Alex, um criminoso que se diverte estuprando e matando suas vítimas, é levado a uma "terapia de choque", onde é obrigado a ver pela TV, diariamente, morte e horror, até chegar num ponto de saturação e voltar à sociedade completamente mudado.

O povo brasileiro, em sua maioria (que é o que produz o karma coletivo de uma nação) é composto pela sucessiva reencarnação de franceses de alguns séculos atrás, gente acostumada ao luxo, à soberba, ao poder, à política, ao racionalismo. Novas oportunidades foram dadas a todos nós de reconstruir nosso destino em um novo e intocado território. Nossa história nos mostra que falhamos miseravelmente nesse sentido. Geração após geração, o núcleo político/legislador brasileiro continua manipulador, corrupto, e através dessa "terapia de choque" o povo brasileiro foi sendo sucessivamente oprimido e humilhado, até o ponto de ficar preguiçoso para lutar pelos seus direitos, de lutar para melhorar e crescer, e ficar extremamente submisso - tanto que até hoje temos a mania de achar que tudo do exterior é melhor do que daqui (inclusive as pessoas).

Mas isso serviu (como esperavam os Mestres dos planos superiores) para "baixar nossa bola", nossa arrogância. Isso não foi castigo; poderia ter sido diferente, só dependeu de nós! Mas o que esperar de tanta gente ruim reunida num canto só? Através da miscigenação de raças fomos obrigados a deixar de lado muito do nosso preconceito, onde aprendemos a respeitar o mundo espiritual com os africanos e indígenas, onde aprendemos a religiosidade e o poder emocional da fé com os portugueses. Precisamos provar o Yin e o Yang, viver os dois lados da mesma moeda, para que brote em nossa alma a compreensão, essa que não se perde de encarnação pra encarnação (diferente da memória). É nesse cadinho onde foi depurado muito dos nossos defeitos, e onde ainda estamos penando, até podermos rumar para o equilíbrio, para a busca da nossa identidade, do nosso valor. Nada de ufanismos ou xenofobismo, mas também nada de se curvar para os colonizadores - como fizeram os Astecas - e dizer "sim, Sr. Bush" pra cada arroto que ele der. Esse processo é mundial, como podemos ver pela TV, ninguém agüenta mais tanta barbárie em pleno século 21! Pessoas ainda são decapitadas com cimitarras; árabes x ocidentais DE NOVO??! Isso aconteceu na Idade Média! Só que dessa vez não há lado bom x lado mau, agora vemos claramente a causa e efeito, os analistas internacionais vêem, e não apenas os espiritualistas. Nem precisamos ser reencarnacionistas para ver o legado de nossos ancestrais: ódio que gera mais ódio, que alimenta rancor, que pode se transformar em ódio na próxima geração. Para os espiritualistas, o que vemos são os mesmos atores representando os mesmos papéis novamente, só que com máscaras diferentes.

Já aprendemos o bastante a humilhar e sermos humilhados. Que tal uma lição mais avançada?

Senhor,
Fazei de mim um instrumento de vossa paz !
Onde houver ódio, que eu leve o amor,
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver dúvida, que eu leve a fé.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz !
Ó Mestre,
fazei que eu procure mais:
Consolar, que ser consolado.
Compreender, que ser compreendido.
Amar, que ser amado.
Pois é dando, que se recebe.
Perdoando, que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna !
(Oração de São Francisco de Assis)

 
Holismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
JUSTIÇA DOS HOMENS
sex, 18 de junho, 2004
 


Uma coisa que me deixa doente é quando falam da igualdade da justiça, sua equanimidade, e blá blá, principalmente em formaturas de Direito. A justiça é cega uma ova! Aprendi na própria Universidade de Direito, com OS PROFESSORES, que as leis são feitas para privilegiar a classe dominante, assim como foi na "Revolução" Francesa, onde trocaram a realeza pelo burgo (comerciantes). Ponto.

Sabedor disso (e tendo abandonado a Universidade de Direito principalmente por não compactuar com essa nojeira que é continuar fazendo leis para preservar os interesses dos poderosos) já procuro não me revoltar com essas coisas, mas certos fatos são tão estridentes que não podem ser ignorados:

Essa semana foram autuadas duas pessoas, em lugares diferentes, por porte ilegal de armas (que foram encontradas nas respectivas casas dos cidadãos). Segundo o estatuto do desarmamento, o porte é crime inafiançável. Uma pessoa é rica, comerciante, e outra é pobre, desempregada. Uma foi direto pra cadeia, e a outra pagou fiança (??) no valor de dois salários mínimos. Qual das duas você acha que foi para a cadeia? Jota Ferreira chamou o promotor para explicar na TV esse absurdo, e ele ainda defendeu o processo se baseando na "interpretação da lei". Jota diz que leu a lei de cabo a rabo e não consegue imaginar que tal interpretação foi essa, porque a lei é bem clara. Só não é para todos.

Mas a (in)justiça não está só restrita às leis, como também às categorias. O jornalismo, por exemplo. Semana passada o jornalista Kajuru foi demitido da Rede Bandeirantes simplesmente por ter veiculado uma matéria mostrando (SIM!) uma injustiça que ocorria no jogo Brasil x Argentina: 10.000 ingressos foram dados para o Governador de Minas Gerais Aécio Neves e do presidente da CBF Ricardo Teixeira, para distribuí-los aos amigos, enquanto o povo ficou sem ingresso. Mas isso não foi o pior: O interessante é que a entrada para deficientes físicos era usada exclusivamente para os VIPs (artistas, políticos, etc), enquanto os deficientes eram barrados. Um deles brandia sua carteira, gritando: "Está na Lei Federal! Eu tenho direito de entrar!"

Ora, que jornalista insolente, mostrar para o povo como a lei funciona na prática. Quem quiser aprender a "operar a lei" que vá estudar Direito! Só achei estranho os outros jornalistas (aqueles que aparecem em peso pra criticar Lula pela idéia de expulsão de Larry Rotter e dizer que é inconstiticional) não terem criticado a demissão desse jornalista, justamente por ter noticiado uma violação à lei em favor de um Governador. Mas felizmente alguns jornalistas não possuem sangue de barata, e neste link pode ser lida a carta aberta onde Kajuru relata o incidente, e também o artigo de Juca Kfouri em defesa do seu amigo.

Falando de Governadores, o engraçado é que o Governador Jarbas - que foi o melhor avaliado pela população de Pernambuco - está intimamente associado a uma das maiores empresas de vigilância do Nordeste, enquanto o nosso Secretário de Segurança (Aníbal Moura) também possui sua empresa particular de segurança VIP. Ora, essas são empresas que só existem porque existe o medo e a violência. Sem um nem outro, não há lucros, correto? E não é de se estranhar que, num curto espaço de tempo, o Recife tenha se tornado uma das cidades mais violentas do Brasil, sendo a líder em número de homicídios.

Mas por que essas coisas ocorrem ainda hoje? Por que sofremos nas mãos desse tipo de pessoas por tanto tempo? Temos de lembrar que o voto é a arma do povo, e somos nós que elegemos essas figuras, mas o mundo da política não se renova: é sempre a mesma água estagnada, contaminada com pessoas de rabo preso (hidden agendas). Por que isso? Por que nós? Onde está a Justiça Divina?

A resposta você vai encontrar no próximo e emocionante post. Não percam!


 
Geral - publicado às 12:00 AM Sem comentários
DENSIFICAÇÃO DA CONSCIÊNCIA
ter, 15 de junho, 2004
 


Enki procura explicar como a Consciência se densifica a ponto de precisar encarnar, segundo os ensinamentos dos Siddhas, que hoje pode-se chamar de Tantra:

Há uma Realidade Única e Definitiva, chamada Parama-Shiva. Essa realidade é bipolar, ou seja, contém dentro de si o aspecto consciêncial (Shiva) e poder criativo desse aspecto (Shakti). Shiva dá origem a todo o aspecto subjetivo da existência e Shakti a todo o aspecto objetivo da existência.

Enquanto Shiva e Shakti estão unidos eles são como o leite e sua brancura; ou seja, não dá pra conceber um separado do outro. A partir do momento em que há a densificação consciencial, que ocorre pelo desequilibrio da relação entre Shiva-Shakti, um aspecto vai se distanciando do outro. Assim, a manifestação consciencial vai se tornando desordenada até um ponto crítico, dando origem a Maya, que é composta por 5 "véus", a saber: o Tempo, a Parte, o Conhecimento, o Apego e a Necessidade.

A partir desse momento surge o Espírito (Purusha) ligado ao aspecto CONSCIÊNCIA, e a Matéria (Prakriti) ligada ao aspecto PODER CRIATIVO (Shakti). O que há de mais puro (abaixo de Maya) é o espírito e é através dele que a nossa Consciência interage com o principio material. Para a interação entre espírito e matéria é necessário intrumentos que interpretem as informações recebidas pelos objetos. Aí surge a mente. A mente é dividida em 4 funções: Buddhi, Ahamkara, Chitta e Manas.

Buddhi é a Mente superior, Ahamkara é o Ego, Chitta é o Banco de memórias, onde todas as impressões advindas dos objetos estão armazenadas e Manas é a Mente inferior. Buddhi DEVERIA ser o agente diretor da mente inferior (que é a que "transmite" informações e que gera ações), mas ele está eclipsado pela ignorância (Shakti está "longe" de Shiva, lembra?). Assim, a mente inferior que busca sempre um direcionamento, escuta quem grita mais alto dentro da mente, que é Chitta: as impressões dos sentidos, a mémoria dessas impressões, que são em verdade as relações de gosto e desgosto dessas interações.

Mas só a mente não é suficiente para se manifestar aqui. Como vimos, há a presença dos sentidos e da matéria. Os meios pelo qual a mente e a matéria se manifestam têm sua essência no que conhecemos por Prana e Kundalini, respectivamente. A essência da mente é Prana, e a essência da matéria é Kundalini. Prana é a energia vital, sendo assim é a VIDA que permeia a tudo. Sendo o Prana a própria vida, ele está ligado intimamente ao aspecto consciencial, Shiva. Kundalini é ligada ao aspecto de poder criativo (shakti) e está ligada à forma. Assim temos o Prana ligado aos nomes (nama) e Kundalini ligada às formas (rupa). A constante interação de ambos é a causa da construção da "realidade".

Lembrem-se de que Shiva e Shakti estão aparentememte distanciados, e nesses estágio são conhecidos como Prana e Kundalini. Assim, a Kundalini, por estar "distante" da consciência, é considerada uma energia BURRA. Ela está em estado latente, bruta, sem qualidades. É só força, potencial. E ela já está ativa O TEMPO TODO, pois TODOS nós criamos a cada instante. A desordem do fluxo de pensamento e sentimento acaso não se manifestam em ações? A forma não é só a física, mas a extrafísica também. Portanto, quando alguém usa apenas de técnicas para o chamado "despertar" da Kundalini, só tá fazendo #$%@*, pois está "manipulando" uma energia de potencial incrível.

O processo de "despertar" a Kundalini, em verdade é o processo de ADICIONAR consciência à ela. E isso se dá através de várias formas. A mais comum é o direcionamento do Prana para ela. Se a mente em essência é Prana, quando você se concentra em algo você está levando Prana para esse algo. Agora, qual a qualidade do Prana que está sendo levado? O que penso e sinto? Pra se fazer isso através dos chakras, por exemplo, deve-se compreender o processo de relação espírito/corpo e TOMAR A RESPONSABILIDADE DAS ESCOLHAS para si. Mas a melhor forma é VIVER, ou seja, estar atento aos PROCESSOS para poder ficar mais SÁBIO com eles. Mas quem está lúcido o suficiente para perceber esses processos?

O "despertar" de fato só ocorre quando o praticante busca ORDENAR a sua manifestação consciencial. O primeiro passo é coordenar a função das 4 "partes" da mente descritas acima, através da meditação e da contemplação. Quando nós, sem exceção, começarmos a perceber e a assumir a responsabilidade plena pelo que pensamos e sentimos, aí a coisa começa a funcionar.

O que escrevi não é a verdade, é minha experiência. Portanto, é verdade para mim, e não necessariamente para outras pessoas.

Muita Paz e Muita Luz, Enki.

Enki ministra cursos de Tantra em SP e pode ser contactado aqui.


 
Hinduísmo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
JESUS É DEUS?
seg, 14 de junho, 2004
 


Há confusão até hoje sobre se Jesus é Deus. Afinal, ele disse que era UM com Deus, depois trata Deus como pai, e também se denomina Filho do Homem (Adão). Afinal, quem era Jesus?

Pra quem vem acompanhando o blog, creio que esta dúvida, além de inócua (não acrescenta nada a esta figura que foi excepcional pelos seus ATOS e não pelos seus títulos) não existe para quem já possui uma visão dilatada o suficiente pra perceber que a vida não é claro/escuro, mas sim um imenso degradê, onde por vezes temos elementos de um dentro do outro, como no símbolo Yin/Yang. As relações espirituais não são "Deus ali e eu aqui" e nem mesmo entre as relações humanas podemos afirmar que seja "eu aqui e você ali".

No livro O Consolador, de Emmanuel e Chico Xavier, vemos o seguinte:

Pergunta 283: Com referência a Jesus, como interpretar o sentido das palavras de João: "E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e verdade"?

R: Antes de tudo, precisamos compreender que Jesus não foi um filósofo e nem poderá ser classificado entre os valores propriamente humanos, tendo-se em conta os valores divinos da sua hierarquia espiritual, na direção das coletividades terrícolas. Enviado de Deus, Ele foi a representação do Pai junto do rebanho de filhos transviados do seu amor e da sua sabedoria, cuja tutela lhe foi confiada nas ordenações sagradas da vida no Infinito.

Assim como a pedra que vêm do espaço entra na atmosfera e se consome, transformando-se em luz e calor, Jesus veio à Terra para se deixar consumir, deixando no processo sua luz e calor para toda a humanidade.

Os Avatares são almas tão avançadas em seu entendimento que pode-se dizer que são o pensamento Divino manifestado, cristalino, sem tantas interferências do ego e da ignorância, como acontece conosco (sim, somos o pensamento Divino também!). Mas tal grau de pureza não se consegue do dia para a noite, nem de uma encarnação pra outra. É preciso a vivência nas escalas vibratórias (ou "dimensões") mais adequadas àquela consciência específica. Sobre isso Mikhaël Aïvanhov nos fala:

Existe o hábito de separar o plano físico do plano espiritual, mas na verdade, não existe nenhuma separação. Não há interrupção entre os dois planos: se passa progressivamente do plano físico para o plano etérico, para o plano astral, mental, causal, búdico e átmico. Essa passagem acontece entre alguns centros e órgãos que se encontram no plano sutil, e que são uma espécie de prolongamento dos centros e órgãos físicos. Podemos considerar esses centros (o plexo solar, o centro hara, a aura, os chakras) como transformadores que permitem o homem viver harmoniosamente tanto no plano físico como no plano psíquico e espiritual, pois se passa continuamente de um para outro. Essa é, na realidade, a verdadeira alquimia espiritual: a transformação progressiva da matéria bruta em matéria fluida, etérica, espiritual e, inversamente, a difusão dessa matéria espiritual no corpo físico que é vivificado, animado e regenerado.

Em João 8 vemos como se dá o pensamento de um Avatar em relação a Deus (onde não há separação), infelizmente incompreendido pelas pessoas de sua época (acho até que incompreendido pela maioria até hoje):

Disse Jesus à multidão no Monte das Oliveiras: Eu sou a luz do mundo; quem me segue de modo algum andará em trevas, mas terá a luz da vida.
Perguntavam-lhe, pois, os judeus: Onde está teu pai?
Jesus: Não me conheceis a mim, nem a meu Pai; se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai. Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. Mas aquele que me enviou é verdadeiro; e o que dele ouvi, isso falo ao mundo. Quando tiverdes levantado o Filho do homem, então conhecereis quem eu sou, e que nada faço de mim mesmo; mas como o Pai me ensinou, assim falo. E aquele que me enviou está comigo; não me tem deixado só; porque faço sempre o que é do seu agrado. Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sois meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Eu falo do que vi junto de meu Pai; e vós fazeis o que também ouvistes de vosso pai.
Judeus: Nosso pai é Abraão.
Jesus: Se sois filhos de Abraão, fazei as obras de Abraão. Mas agora procurais matar-me, a mim que vos falei a verdade que de Deus ouvi; isso Abraão não fez. Vós fazeis as obras de vosso pai.
Judeus: Nós não somos nascidos de prostituição; temos um Pai, que é Deus.
Jesus: Se Deus fosse o vosso Pai, vós me amaríeis, porque eu saí e vim de Deus; pois não vim de mim mesmo, mas ele me enviou. Por que não compreendeis a minha linguagem? É porque não podeis ouvir a minha palavra. Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso vós não as ouvis, porque não sois de Deus.
Judeus: Não dizemos com razão que és Samaritano, e que tens demônio?
Jesus: Eu não tenho demônio; antes honro a meu Pai, e vós me desonrais. Eu não busco a minha glória; há quem a busque, e julgue. Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guardar a minha palavra, nunca verá a morte.
Judeus: Agora sabemos que tens demônios. Abraão morreu, e também os profetas; e tu dizes: Se alguém guardar a minha palavra, nunca provará a morte! Porventura és tu maior do que nosso pai Abraão, que morreu? Também os profetas morreram; quem pretendes tu ser?
Jesus: Se eu me glorificar a mim mesmo, a minha glória não é nada; quem me glorifica é meu Pai, do qual vós dizeis que é o vosso Deus; e vós não o conheceis; mas eu o conheço; e se disser que não o conheço, serei mentiroso como vós; mas eu o conheço, e guardo a sua palavra. Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia; viu-o, e alegrou-se.
Judeus: Ainda não tens cinquenta anos, e viste Abraão?
Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.
Então pegaram em pedras para lhe atirarem; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo.


Referência:
A harmonia entre a unicidade de Deus e a Divindade do Messias, para os judeus


 
Cristianismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
A "IGREJA" DE PEDRO
dom, 13 de junho, 2004
 


Mas vós - perguntou-lhes Jesus - quem dizeis que eu sou?
Respondeu-lhe Simão Pedro: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.
Disse-lhe Jesus: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelou, mas meu Pai, que está nos céus.
Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra (petra) edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares, pois, na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus.
(Mateus 16:15-18)

"Pedro" foi um apelido dado a Simão por Jesus. É o correspondente grego (o Novo Testamento que conhecemos provém de um original grego) do original aramaico Cephas, que significa "um pedaço de pedra retirado de uma rocha viva." Jesus não o chama novamente pelo apelido (apenas de Simão) mas mesmo assim o nome "Pedro" acabou gradualmente substituindo o original.

A "igreja" de Pedro era uma casa onde eram atendidos mendigos, doentes e leprosos, e foi o que deu início ao que chamamos de Cristianismo.


 
Cristianismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
MÚSICAS PARA MEDITAÇÃO
qua, 9 de junho, 2004
 


Abaixo estão algumas músicas que eu uso pra meditar, relaxar, espairecer a mente enquanto escrevo, estudo, pesquiso. A mente se concentra melhor quando está isolada de outras influências, outros pensamentos, e a harmonia de certas músicas ajudam a mente a entrar num certo padrão-não-dispersivo, propício a aquisição de novos conhecimentos (tem gente que medita com rock, isso vai depender de cada um). Abaixo são apenas algumas sugestões. Espero que vocês também dêem as suas, das melhores músicas pra relaxar a mente e elevar a vibração.

Vangelis - 12 O'clock
Essa é minha música favorita. Transporta-me imediatamente para um convento, com monges encapuzados, sinos dobrando, ambientes enfumaçados pelo incenso, para depois desfazer qualquer imagem mental com o vocal Divino de Vana Veroutis em perfeita consonância com os acordes dos sintetizadores de Vangelis.

Ravi Shankar - Shanti Mantra
Lembro que peguei essa música despretensiosamente, mas quando começou o "Oommm Shanti" me arrepiei dos pés à cabeça e fiquei em choque, como que envolvido por um campo elétrico durante toda a música.

Meetra Ravindra - Om Tat Sat
Música hindu da melhor qualidade, alegre e com arranjos fantásticos. Boa para induzir à meditação pela repetição (japa).

Kitaro - Flying celestial Nymphs
Existe também uma versão acústica dessa música por Yu-Xiao Guang, usando alguns instrumentos chineses.

Kitaro - Rosa mystica
Pefeita pra meditação com visualização, tanto que eu a estendi (em looping) pra durar 4 minutos.

Jean Michel Jarre - Fishing junks at sunset
Gravada com a orquestra filarmônica de Pequim. Foi um lindo casamento da tradição com a tecnologia.

Wagner - Coro dos peregrinos (Tannhauser)
Wagner conseguiu transformar as duras palavras em alemão em belíssimas melodias. Só um morto não se arrepiaria com o final grandioso (o melhor final de música todos os tempos). O vídeo traz a letra em alemão e depois repete a música com as letras em português (me surpreendi ao ver que é praticamente uma oração).

Vangelis - Movement 3 (Cosmos - Gift)
Conhecida como a música-tema da série Cosmos, de Carl Sagan.

Pachelbel - Canon in D minor
Também conhecida pelo uso na série Cosmos. É brilhante como o cello sai conduzindo o ritmo, enquanto os violinos passeiam alegremente como pássaros, por cima deste "tapete sonoro".

Vivaldi - Primavera
Conhecida como a música-tema do "perfume de Vinólia".

Michael Nyman - Impromptu for 12 fingers
A mais bela música tocada em piano que já ouvi, carregada de emoção. Faz parte do filme Gattaca.

John Williams - Resolution and End title
Música do final de Contatos Imediatos, filme este que é uma verdadeira obra-prima da música e do cinema, onde um e outro elemento são indissociáveis.

Enya: Isobella e Epona

Jean Michel Jarre: Equinoxe 1 e Equinoxe 3

Stevie Wonder - Ave Maria
Toca sempre às 6 da noite nas rádios AM. É a única coisa boa que elas tocam.

Shenmue Orchestra Version - In the garden (também conhecida por Soundwave of morning, ou ainda Asa moya no namioto)
Uma das mais lindas músicas de todos os tempos foi tirada de um jogo de videogame.

Sheila Chandra - Ever so lonely eyes ocean
Ela usa inteligentemente os recursos de computador para trabalhar sutilmente as freqüências de cada palavra (nota), já que a busca da perfeição sonora no modo como é dita cada sílaba é uma preocupação constante da música hindu. Foi abertura de uma série de TV.

Loreena McKennitt: Cymbeline, Mystic's dream e Beneath a Phrygian Sky
As duas primeiras são música moura / espanhola (os Árabes invadiram Espanha e Portugal há muito tempo atrás) feita por esta talentosa canadense. A última mais parece um baião nordestino. :)

Actraiser Symphonic Suite - Filmore
Mais uma de um jogo de videogame.

Castlevania: Kyrie eleison e Prayer (Key Largo)
Passagem usada nas missas em latim, aqui ganhou um belíssimo "ambiente sonoro" de uma catedral. Key largo significa mais ou menos "Que sua ascensão aos céus possa ser feliz".

Demon's Crest - Beyond the Colosseum
Essa é a música que eu queria no dia do meu funeral, tocada em um órgão de tubo, numa catedral cheia de vitrais coloridos, com um raio de luz do sol incidindo diretamente sobre o caixão.


 
Geral - publicado às 12:00 AM 2 comentários
DEUS MÃE
seg, 7 de junho, 2004
 


Entrevista com Leonardo Boff, publicada no caderno prosa & Verso de 15 de maio (O Globo):

Minha visão do Deus cristão, como Trindade, quer superar a perspectiva ocidental, fragmentada, que vê cada uma das pessoas em separado, Pai, Filho, Espírito Santo, sem ver a relação entre elas. Na realidade, o que existe é uma família divina. Para mim, não é o Filho apenas que encarna, é a família inteira que baixa. O Pai encarna em São José, o Filho em Jesus Cristo e o Espírito Santo em Maria...

No hebraico, nos livros orientais, ruah é feminino. Em todas as línguas médio-orientais o Espírito Santo é feminino.

E a figura de Madalena é importante. Os evangelhos apócrifos, sobretudo o de Madalena e o de Filipe, falam dela como companheira de Jesus. No Brasil, esse evangelho apócrifo de Madalena, traduzido do grego, foi editado pela Ed. Vozes. Nele e no Evangelho de Filipe há uma linguagem com a qual a teologia tradicional não está habituada. Os apóstolos e Pedro dizem: "Por que você nos discrimina assim? Gosta mais de Maria Madalena do que de nós? Por que diz coisas a Madalena que não diz a nós?". E Jesus responde: "Não, o amor que tenho por ela tenho por vocês também". Filipe afirma que Jesus diante dos outros a beijava na boca, demonstrava grande carinho...

Acho que temos que assumir a plena humanidade de Jesus. Como o dogma cristão diz que ele é verdadeiramente homem e verdadeiramente Deus, ele viveu a dimensão da afetividade. Só uma cultura que malicia as relações pode ver algum desvio na relação que Jesus teve com o feminino. Acredito que tenha tido uma relação muito aberta com as mulheres. Discípulas o seguiam. Ele era liberalizante. E acho que isso tem que ser apreciado por um Cristianismo que se interesse pela integração humana.

Leia na íntegra


 
Cristianismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
O DIA D
 


Ontem, há 60 anos, milhares de pessoas morreram em nome da liberdade. A cada dia. Adolescentes, em sua maioria, lutavam não apenas para defender suas famílias, mas todas as famílias do mundo. Foi talvez a primeira guerra, e provavelmente a última, onde o bem e o mal ficaram tão claramente expostos, onde o mundo lutou contra um inimigo em comum.

O desembarque da Normandia, que representa a invasão aliada à Europa foi a maior operação militar da história da humanidade: a maior concentração de soldados em um só ponto (Inglaterra), o maior transporte de máquinas já feito num único dia, a maior força aérea reunida, o maior bombardeio, etc. Os rapazes que desembarcaram no dia D estavam molhados, cada um carregando mais de 30kg de equipamento, haviam passado mais de 12 horas sacudindo no mar, enjoados e amontoados como gados em barcos que deixavam entrar a toda hora a água gélida do mar do norte. A grande maioria morreu antes que pudesse botar os pés em terra, dizimados pelas metralhadoras alemãs ou pelas minas submarinas. Os que conseguiram tiveram duas opções: correr 40 metros sem proteção sob uma chuva de balas e ainda escalar um íngreme desfiladeiro sem equipamentos, ou adiar a morte certa se escondendo nos obstáculos à beira-mar.

Se esses garotos não tivessem conseguido, teríamos de esperar mais 2 anos pra que outro ataque dessa escala pudesse ser organizado, tempo suficiente pra Hitler ter em mãos uma bomba atômica (isso se ele conseguisse segurar os russos do outro lado da Europa).

Detalhe: O GENERAL Theodore Roosevelt (filho do presidente Roosevelt), com 56 anos estava na PRIMEIRA leva de barcos a descer na praia!


Atualização:
Exatamente 8 anos depois, por uma feliz coincidência do destino, estava eu lá, na Normandia, olhando o mesmo mar de onde vieram esses garotos (e aquele senhor)...


 
Geral - publicado às 12:00 AM Sem comentários
MIRDAD: O OVUM MATERNO
dom, 6 de junho, 2004
 


Por Mikhail Naimy

No silêncio desta noite, Mirdad gostaria que meditassem sobre o Ovum materno.

O espaço e tudo o que nele há é um ovo, cuja casca é o Tempo. Este é o Ovum materno. Envolvendo este Ovum, como o ar envolve a terra, está Deus manifestado, o macrodeus, a vida incorpórea, infinita e inefável. Encerrado neste Ovum está Deus latente, o microdeus, a vida englobada, também infinita e inefável. Conquanto imensurável no que se refere às medidas humanas, o Ovum materno tem limites. Embora ele próprio não seja infinito, está cercado pelo infinito por todos os lados.

Os inúmeros ova (plural latino de ovum), representando todas as coisas e seres, visíveis e invisíveis, estão de tal modo arrumados dentro do Ovum materno que o maior em expansão contém o imediatamente menor, com espaços intermediários, até o ovum menor de todos, que é o núcleo central, encerrado no espaço-tempo infinitesimal. Um ovum dentro de um ovum, dentro de outro ovum, desafiando os números humanos, todos fertilizados por Deus - eis aí o Universo, meus companheiros.

As palavras são, quando muito, relâmpagos que revelam horizontes; elas não são o caminho para esses horizontes, muito menos os próprios horizontes. Por isso, quando vos falo do Ovum e dos ova, do macrodeus e do microdeus, não vos apegueis à letra, mas segui o relâmpago. Assim verificareis que minhas palavras são poderosas asas para vossa claudicante compreensão.

Meditai sobre a Natureza que vos cerca. Não verificais que está construída sobre o princípio do ovum? Sim, é no ovum que ireis encontrar a chave de toda a criação. É um ovum vossa cabeça, vosso coração e vosso olho. E ova são todos os frutos e sementes. É um ovum toda a gota de água, e um ovum é o espermatozóide de qualquer criatura viva; e as inúmeras esferas que traçam suas rotas sobre a face dos céus - não são todas elas um ovum que contém a quintessência da vida - o microdeus - em vários estágios de desenvolvimento? Não está toda a vida sendo constantemente incubada, a sair de um ovum para tornar a entrar em outro ovum?

Realmente miraculoso e contínuo é o processo da criação. A corrente da vida da superfície do Ovum materno parte do centro, e do centro vai, ininterruptamente, para a periferia. À medida que se vai expondo no tempo e no espaço, o microdeus e o núcleo passam de ovum a ovum, da mais baixa à mais alta ordem de vida, sendo a mais baixa a de menor expansão e a mais alta a de maior expansão no tempo e no espaço, variando o tempo necessário para a passagem do ovum de uma para outra ordem, de um piscar de olhos, em alguns casos, até um éon, em outros. E assim prossegue o processo até que a casca do Ovum materno é rompida, e o microdeus emerge como macrodeus.

Em cada ovum sucessivo, o microdeus encontra um alimento espaço-tempo ligeiramente diferente daquele que lhe foi fornecido pelo ovum precedente. Difuso e informe no gás, ele torna-se mais concentrado e aproxima-se de uma forma no líquido; no mineral assume uma forma definida e com uma fixidez permanente, enquanto está desprovido de quaisquer atributos da vida conforme se manifestam nas formas superiores. No vegetal, toma forma com a capacidade de crescer, multiplicar-se e sentir; no animal, sente, move-se, propaga-se e possui memória e rudimentos da capacidade de pensar, mas no homem, além de tudo isso, adquire a personalidade e a capacidade de contemplar, de expressar-se e de criar. Verdade é que a criação do homem, em comparação com a de Deus, é semelhante a um castelo de cartas construído por uma criança, comparado a um magnífico templo ou um elegante castelo construído por um superarquiteto. Não obstante, é uma criação.

Cada homem torna-se um ovum individual, o mais evoluído encerrando o menos evoluído, e também todos os ova animais, vegetais e inferiores, até o núcleo central; enquanto o mais evoluído - o liberto - encerra todos os ova humanos e subumanos. O tamanho do ovum que encerra qualquer homem é medido pela amplitude dos horizontes de espaço-tempo desse homem. Enquanto a consciência do tempo de determinado homem não ultrapassa o curto período que vai de sua infância até o momento presente, e seus horizontes de espaço não abrangem mais do que seus olhos podem alcançar, os horizontes de outro, abrangem passados imemoráveis e futuros, muito além em distância e léguas no espaço, ainda não atinados por seus olhos.

O alimento fornecido a todos os homens para seu desenvolvimento é o mesmo; não é, porém, a mesma, sua capacidade de alimentar-se e de digerir, pois não saíam do mesmo ovum na mesma ocasião e no mesmo lugar. Daí a diferença em suas expansões de espaço-tempo; e aí está o motivo de não se encontraram dois exatamente iguais. Da mesma mesa, tão rica e prodigamente posta, diante dos homens, um banqueteia-se com a pureza e a beleza do ouro e satisfaz-se, enquanto o outro se banqueteia com o próprio ouro e está sempre com fome. O caçador, em vendo uma corça, é impelido a matá-la e comê-la. O poeta, ao ver a mesma corça, é transportado, como se tivesse asas, aos espaços-tempo com os quais o caçador jamais sonha. Micayon, vivendo na mesma Arca em que vive Shamadam, sonha com a liberdade final e o alto da montanha da libertação das cadeias do tempo e do espaço, enquanto Shamadam está, constantemente, amarrando-se com laços, cada vez mais compridos e mais fortes, do espaço e do tempo. Em realidade Micayon e Shamadam, embora estejam um ao lado do outro, estão muito longe um do outro. Micayon contém Shamadam; porém Shamadam não contém Micayon. Por isso Micayon pode compreender Shamadam, mas Shamadam não pode compreender Micayon.

A vida de um liberto toca a vida de todos os homens por todos os lados, pois contêm as vidas de todos os homens. No entanto, a vida de nenhum homem toca, por todos os lados, a vida de um liberto. Ao homem mais simples, o liberto dá a impressão dos mais simples dos homens. O altamente evoluído reconhece-o como altamente evoluído, mas há certos aspectos do liberto que somente outro liberto pode perceber e compreender. Eis por que ele é um solitário, e sente-se como quem está no mundo, porém não é do mundo.

O microdeus não quer permanecer encerrado. Está sempre trabalhando por sua libertação da prisão no tempo e no espaço, usando uma inteligência muito superior à humana. Nos entes inferiores, os homens chamam-na de instinto. Nos homens comuns, chamam-na de razão. Nos homens superiores, chamam-na de senso profético. E é tudo isto e muito mais do que isto. É aquele poder sem nome a que alguns deram, muito adequadamente, o nome de Espírito Santo, e que Mirdad denomina de Espírito da Sagrada Compreensão. O primeiro filho do homem que furou a casca do tempo e atravessou a fronteira do espaço foi chamado, com muita razão, o Filho de Deus. Sua compreensão da divindade é, adequadamente, denominada Espírito Santo. Podeis estar certos de que vós sois filhos de Deus e que também em vós o Espírito Santo procura entrar. Trabalhai com Ele e jamais contra Ele.

Enquanto, porém, não houverdes furado a casca do tempo e atravessado a fronteira do espaço, que ninguém diga "Eu sou Deus". Antes diga "Deus é eu". Conservai bem isto na mente, para que o orgulho e a vã imaginação não corrompam o coração nem militem contra o trabalho do Espírito Santo dentro de vós, pois a maior parte dos homens trabalha contra o Espírito Santo, adiando a libertação final.

Para conquistar o tempo tereis de, com o tempo, combater o tempo. Para vencer o espaço tereis de deixar que o espaço devore o espaço. Fazer-se de amável anfitrião de qualquer um deles é permanecer prisioneiro de ambos e refém das infindáveis travessuras do bem e do mal. Aqueles que descobriram seu destino e anseiam por vivê-lo, não perdem tempo embalando o tempo, nem passos andando no espaço. Não esperam que a morte os leve a um ovum próximo aos deles; confiam em que a vida os auxiliará a perfurar a casca de muitos ova de uma só vez. Para isso precisais estar desapegados de tudo, para que o tempo e o espaço não tenham domínio sobre vosso coração. Quanto mais possuirdes, mais sereis possuídos. Quanto menos possuirdes, menos sereis possuídos.

Sim, sede destituídos de tudo, exceto de vossa fé, de vosso amor e de vosso anseio pela libertação, por meio da Sagrada Compreensão.

Mikhail Naimy; O Livro de Mirdad


 
Holismo, Sufismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
KUNDALINI
qui, 3 de junho, 2004
 


Por Enki

Antes de mais nada, é preciso esclarecer que a literatura da chamada Kundalini Yoga foi escrita pelos Siddhas, classe de seres que atingiram a perfeição e que eram adeptos do Siddha Yoga. Como exemplo de siddhas yogues podemos citar Babaji, Milarepa, Boghanathar, Nagarjuna, dentre outros. Ao contrário do que muita gente fala, siddhis não são poderes e o siddha não é "o poderoso". A tradução mais correta é "perfeição" ou "perfeito", remetendo a maestria completa de algo.

A literatura dos Siddhas era elaborada de tal forma que eles revestiam o mais sagrado no mais profano. Essa forma de escrita foi desenvolvida de maneira a proteger o conhecimento espiritual das mentes mais fracas e especuladoras. Toda a literatura escrita por um Siddha é, invariavelmente, relacionada aos aspectos mais sutis da manifestação da Consciência. Sendo assim, é preciso entender COMO um Siddha via a manifestação da Consciência e o que era Real para eles.

O sistema de pensamento filosófico hindu é dividido em três vertentes: o dualista, o monista qualificado e o monista puro. Cada uma dessas vertentes tem suas próprias subdivisões, que não é o caso explorar aqui:

Um dualista (como NÓS, sem exceção) vê o mundo como real, a si próprio como real, a Deus como real, mas tudo isso sendo diferentes entre si, ou seja, a cadeira é real, eu sou real, você é real, Deus é real, mas todos nossos somos diferentes.

O monista qualificado vê as coisas da seguinte maneira: a cadeira é real, eu sou real, você é real, Deus é real, mas tudo isso é a mesma coisa, pois em essência tudo é divino. Não há dualismo aqui.

O monista puro (como os Siddhas) vê a cadeira como irreal, eu como irreal, você como irreal, ou seja, tudo é ilusão ou Maya. A Única realidade é Brahman ou a Consciência Pura. Aqui precisamos ficar atentos para não aceitar Maya como ilusão simplesmente. Maya não é apenas uma palavra (ilusão) é um conjunto de "coisas", um mecanismo.

Assim, para um Siddha todo o Universo é apenas uma modificação mental, um Vritti, uma "bolha que emerge no oceano de Brahman" por causa da ignorância, advinda do "encobrimento" da Consciência com os "Véus de Maya".

Não se pode falar do funcionamento dos Chakras, Nadis ou Kundalini baseados numa visão dualista, pois estaremos falando de um aspecto muito limitado desses tópicos. Cada chakra, antes de mais nada, é um portal consciencial, um aspecto de manifestação de nossa Consciência muito especial. Assim também é com os Nadis e com a Kundalini.

Quando falamos de Shakti estamos falando de TODAS as formas de energia conhecidas (e desconhecidas). Shakti é o poder criativo da Consciência. Quando está latente recebe o nome de Kundalini; quando ativa recebe o nome de Prana; quando luminosa a chamamos de Fohat; quando ela queima a chamamos de fogo (ígnea) e assim por diante. TUDO é SHAKTI e shakti não é diferente da Consciência Pura (Parama Shiva). Shakti dá origem ao mundo objetivo e Shiva dá origem ao mundo subjetivo. O desdobramento de Shakti cria o mundo como o conhecemos, através da interação de três qualidades essenciais da Natureza: Rajas (atividade), Sattwa (equilíbrio ou pureza) e Tamas (ignorância ou inércia).

De maneira mais profunda, kundalini é Rupa (forma) e prana é Nama (nome), ou seja, a interação da mente com os sentidos e o EGO e as suas várias modificações em objetos internos e externos. A compreensão dessa interações e o aprofundamento consciente e lúcido das experiências advindas dessas interações nos leva a uma percepção mais clara de nossa Consciência. Quando aprofundamos a percepção da Consciência, atingimos o Samadhi.

Samadhi é mais comum do que se imagina e é muito provável que todos tenham tido ao menos um em sua vida. No seu sentido original, samadhi NÃO É a expansão da consciência. A Consciência é plena, absoluta, o TODO. Se ele é o TODO, como é que se expande? Se ela se expande, já não é o TODO. Assim, o que se expande é a minha PERCEPÇÃO da Consciência. Samadhi é a expansão da percepção que eu tenho da Consciência. E a cada momento que me torno mais sábio, que "cai uma ficha", eu aumento a percepção da Consciência e, tecnicamente, tenho um Samadhi.

A Kundalini não sobe ou desce, nem é despertada. O que chamamos de "subida" ou "despertar" é na verdade a percepção lúcida e consciente de nossa consciência, de nós mesmos. É importante dizer também que a Kundalini NÃO É a energia sexual. Kundalini é estritamente espiritual. Se for pra associar a energia sexual com algo, está mais para associá-la ao PRANA do que à Kundalini. Há certa confusão nesse sentido por causa da visão errônea que os ocidentais têm do Tantra, associando-o a sexualidade, o que é uma inverdade. Tantra não tem nada a ver com sexo. Aliás, Babaji, Ramakrishna, Boghanathar e Milarepa eram praticantes do Tantra... nunca vi Ramakrishna falar em sexo ou fazer apologia do "sexo ritualístico". Engraçado... Babaji também não fala... por que será que insistimos em associar o Tantra ao sexo??

Os efeitos mais grosseiros dessa percepção são sentidos no corpo físico (que é o mais grosseiro dos "corpos"). Com nossa visão limitada e sem compreender os processos de manifestação da Consciência, temos a impressão de que algo sobe, mas na verdade isso não ocorre. Aliás, "subir" a kundalini é fácil e isso ocorre naturalmente e por si só em TODOS os seres humanos. É o que chamamos de "espirro kundalinico" e isso deixa uma sensação de bem-estar por alguns dias. A tão falada "subida" na verdade é o restabelecimento do intercurso (maithuna) da Consciência, ou seja, ao mesmo tempo que sobe, desce. Uma via de duas mãos. Só assim o processo de "despertar" é válido. De novo, maithuna NÃO tem nada a ver com sexo.

Para quem é mais íntimo da leitura de textos tântricos, já deve ter percebido que há a existência de um determinado tipo de energia conhecida como Dákni. As dáknis são impulsos de sabedoria que nos levam à iluminação. É ela - e não a kundalini - que deve ser estimulada, "despertada".

Agora o mais importante: PRA QUE QUERO "DESPERTAR" MINHA KUNDALINI? Eu sei a resposta? Sou maduro o suficiente? Aliás, se os chakras são portais de manifestação da minha consciência, por qual chakra eu estou me manifestando com mais intensidade???

Há perigos em trabalhar a kundalini?
Sim:
Se você não entende como sua mente funciona há perigo.
Se você não enxerga seu ego e suas imperfeições, sem isenção de auto culpa, há perigo.

Não:
Se você vive da melhor maneira possível, sem máscaras e sem hipocrisia, você já trabalha a kundalini.
Se você aceita suas limitações sem auto corrupção, você já trabalha a kundalini.
Se você olha pro lado e consegue sentir amor sincero você já trabalha a kundalini, pois kundalini é igual a shakti e essa é igual a Consciência, que É VOCÊ.

Bom, é isso ai.
Vale lembrar que oq escrevi não é a verdade absoluta, ok?
Peguem o que tem de bom e joguem fora o resto.

Abraços fraternos, Enki.


Bônus: No anime "Avatar" há um episódio onde o personagem principal precisa despertar sua consciência através do desbloqueio dos chakras. Tudo acontece muito rápido e superficialmente, mas serve como uma ótima introdução ao processo:


Obrigado pelo vídeo, Amanda!


 
Hinduísmo, Metafísica - publicado às 12:00 AM 2 comentários
ELEMENTO ÁGUA
ter, 1 de junho, 2004
 


A água é um dos elementos mais importantes pra se manipular energias. Isso porque ela se imanta facilmente com padrões energéticos diversos. Oráculo falou certa vez que nunca deveríamos pensar em coisas tristes ou em problemas debaixo do chuveiro, pois assim você vai estar atraindo toda a energia na mesma frequência (energia "ruim", no caso) que estiver por perto pra você.

Você pode usar essa capacidade da água de armazenar energia pra evitar que uma visita indesejada (um vampiro energético, ou aquela pessoa que vive contando desgraças) "contamine" sua casa com as formas-pensamentos e energia deletéria proveniente da mente dela. Basta colocar um copo de água atrás da porta de entrada (não sei porque, mas Oráculo ensinou assim) e, quando essa pessoas sair, jogar a água em alguma plantinha verde.

A água fluidificada, muito usada no espiritismo, nada mais é do que a água impregnada com certa vibração (intenção) não só por meio dos espíritos que vão prestar assistência, mas também das próprias pessoas que foram lá e acreditam firmemente que aquela água servirá aos seus propósitos terapêuticos. Quanto mais claro o vidro, mais energia vai absorver, pois a energia dos planos espirituais também é luz, só que em um padrão que não podemos ver nem mensurar.


 
Metafísica - publicado às 12:00 AM Sem comentários