Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


NOTÍCIAS DO BRASIL, DO MUNDO E DE FORA DELE
dom, 28 de março, 2004
 


Ciclone em Santa Catarina, quem diria! Já os norte-americanos (bem mais acostumados a isso) dizem que é um tornado F1 (o mais fraco deles, mas ainda assim um tornado) e estão embasbacados: "Down there, this is such a rare and unique event. The whole situation is strange". Os cientistas brasileiros dizem que é só um ventinho, pra não alarmar a população (foi ridículo no jornal nacional a garota do tempo dizendo com a maior naturalidade "temos um ciclone em Santa Catarina mas não representa perigo" e passando direto pra outro estado!). O fato é que está se configurando um tornado mesmo, provocando ondas do mar de até cinco metros, queda de raios e ventos de até 150 km/h. Ciclone ou não, isso NÃO é normal.


Metano em Marte pode ser sinal de vida (metano = algum marciano soltou um pum)


Circulando, circulando... não há nada para se ver aqui, voltem a trabalhar. Vocês não precisam saber do relatório do Pentágono sobre as mudanças climáticas previstas pra 2010.


 
Ciência, Ufologia - publicado às 12:00 AM Sem comentários
COMPREENSÃO
ter, 23 de março, 2004
 


Não devemos rir ou menosprezar as pessoas que saem histéricas, chorando e gritando "ele morreu por mim, ele morreu por mim" ao ver a Paixão de Cristo ou ir a um culto evangélico. O caminho pra espiritualidade se faz por muitas maneiras, e a pessoa é "tocada" de muitas formas, sendo a mais efetiva e sincera a forma pela qual a pessoa mais se afiniza. Muita gente precisa de um estímulo sensorial grosseiro pra chegar a um estado alterado de consciência. Os Cabalistas utilizavam a exaustão do estudo religioso como chave para a abertura desse contato, os Yogues usam a meditação, os Zen budistas também - aliada a contemplação - para atingir o Samadhi. Ayrton Senna teve um "contato com Deus" numa curva a quase 300km/h, durante uma corrida. Quantos e quantos não tiveram um contato sincero com o Criador numa cela de prisão? E enquanto isso alguns padres e pastores só sabem falar de Deus e Jesus, mas nunca poderão senti-lo.

Quando um colega chegar animado contando que sentiu a presença do Espírito Santo, não ria. Incentive-o a buscar mais e mais vezes esse contato, discuta que mecanismos o levaram a este estado, se ele ocorre dentro ou fora da igreja, comente da experiência de outras religiões, enfim, bote a pessoa pra racionalizar, mas sem desdenhar de sua experiência. Ele pode ter visto Jesus em pessoa, que você nunca vai poder provar o contrário; portanto, melhor manter o silêncio dos que sabem que nada sabem.

Não obstante o mérito do que exprimem, muita gente prosseguirá sonâmbula e entorpecida. É que o despertar varia ao infinito... A gazela abre os olhos ao canto do pássaro. A pedra, entretanto, somente acorda a explosões de dinamite
(Emmanuel; falando a Terra)

Muita gente vai passar a conhecer Jesus pela curiosidade de ver um filme onde o personagem principal vira um bife na mão dos romanos. Muita gente vai se sentir tocada pelo método da culpa (o famoso mantra "ele morreu por você, tá vendo? você é um pecador sem-vergonha!") que a Igreja Católica utilizou tão bem pra oprimir os ocidentais - talvez na "boa" intenção de reprimir seus instintos mais selvagens. Em vez de ver isso como um retrocesso, eu vejo como um começo de responsabilidade. Um estivador, por exemplo, ele trabalha levando o peso dos outros nas costas. Pergunte a um estivador se ele quer trocar de emprego pra ganhar a mesma coisa, e ele vai dizer "Claro! Eu tenho esse pois foi o que eu consegui e me pagam direitinho. Antes dele eu vivia desempregado, sem perspectivas, pensava até em me matar. Esse emprego me salvou, mas claro que eu quero coisa melhor". É a mesma coisa com a religião. Não estou aqui falando de ateus que trabalham e procuram ser pessoas decentes que pensam no seu semelhante, mas sim daqueles que estão perdidos na vida, sem coragem de dar um passo à frente e que, se não se matam (ou matam os outros), invariavelmente se voltam para a religião. Por culpa a pessoa "carrega a cruz de Jesus", pois é mais fácil pra ela transferir a responsabilidade, e passa a tratar Jesus com a um irmão mais velho, bota o nome dele em cada três palavras que pronuncia, enfim, se torna totalmente dependente da religião. Mas isso é necessário naquela fase evolutiva. A partir dessa fixação a pessoa aprende o que está na Bíblia, e amadurece. Percebe então que Jesus nos exorta a trabalhar, a seguir em frente com nossas próprias forças, com NOSSO peso nas costas (nossas responsabilidades). Nunca desestimulem um irmão que está começando a trilhar o caminho da espiritualidade.

"Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequenino. Mas qualquer que fizer tropeçar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e que fosse lançado no mar"
(Mat 11:25/Mar 9:42)

 
Cristianismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
BERNARDO
 


Já falei muito de Oráculo, mas um outro guia espiritual quase não mencionado é Bernardo (ambos os nomes são apelidos, claro). Ele é o contraponto de Oráculo. Se ela é a mãezona que tem sempre uma palavra de conforto, Bernardo é o pai exigente que, de modo claro e seco, revela nossas faltas sem precisar apontar o dedo. Suas palestras sempre terminam com "É por espinhos e não por fantásticos caminhos que o homem chegará aos pés de Deus". Sempre, mas sempre mesmo, nos exorta a ter paciência e a sorrir (não o sorriso dos tolos, mas o dos agradecidos). Disse certa vez: "de que adianta se dizer cristão, ir à igreja (ou se dizer espírita e ter lido todos os livros de Kardec) se quando chega uma criança num sinal de trânsito vai logo levantando o vidro? Que caridade é essa? Se não quiser dar dinheiro levem dentro do carro pequenos pacotes de biscoitos, ou pipocas, ou bombons. Se não tiver nada, dê ao menos atenção, um sorriso, e não o medo e a rejeição." Certo, mas no mundo de hoje (ou pelo menos nas grandes cidades) temos medo até das crianças... Mas Bernardo também falou o seguinte: "mesmo que ele venha mal-intencionado, a simples presença do afeto no ato de dar comida já o desarma. O mal sempre é quebrado pelo amor." Ok, não custa nada tentar... me lembra da música do Gorpo, em He-Man: "O bem vence o mal, afasta o temporal, azul, amarelo, tudo é muito belo!". dã... :P~


 
Espiritismo, Pensamentos - publicado às 12:00 AM 1 comentário
A PAIXÃO DE CRISTO
seg, 22 de março, 2004
 


Assisti a Paixão de Cristo. Não a de Nova Jerusalém, mas a de Mel Gibson. A diferença é que o último é BEM mais realista, mas ambos não são muito fiéis à parte histórica da coisa, e sim à Bíblia (Novo Testamento). Isso joga toda a discussão sobre a culpa dos judeus por terra abaixo. Todo mundo sabe que na Bíblia a parcela de culpa dos romanos é minimizada, que Pilatos é bonzinho, então como o diretor disse: "quem tem problemas com esse filme, tem problemas com a escrituras". E um bocado de historiadores divergem das escrituras, e com razão. Um pequeno exemplo pode ser encontrado na crucificação: os cravos não eram colocados nas palmas das mãos, pois os ossos se partiriam com o peso do corpo e o cara cairia da cruz! Então os romanos pregavam no pulso. MAS, como tem uma passagem na Bíblia onde Tomé diz que quer ver o furo dos cravos nas mãos de Jesus (João 20:25), então virou lei: penduraram pelas mãos. Não interessa se foi um erro do copista, tradutor ou mesmo do Tomé, o que vale é o que está escrito.

Agora, eu detesto revisionismo! Odeio quando querem minimizar o holocausto nazista, mas também não aceito quando grupos judeus tentam minimizar o papel de seu povo no episódio do julgamento de Jesus (ei, Jesus era judeu! Os seus discípulos eram judeus! Pessoas maravilhosas! Orgulhem-se disso!). Encarem os fatos! A alta cúpula de religiosos judeus mandou Jesus para os romanos matarem, não exatamente o povo de Israel (o filme mostra isso, quando Pilatos pergunta "não era seu povo que saudava Jesus há 5 dias no Templo?"). Se Jesus tivesse nascido e vivido na Noruega, teriam sido os religiosos noruegueses, porque seria uma blasfêmia alguém se dizer filho de Odin (Thor) na Terra. E nem por isso as pessoas do mundo se tornariam anti-norueguesas, nem deixariam de comer bacalhau. Se formos censurar algum fato histórico em respeito aos sentimentos de um povo, então vamos abolir todos os filmes onde aparecem os nazistas como vilões cruéis e desalmados, pois ofende o atualmente pacífico povo alemão. Vamos também ignorar o fato de que os EUA jogaram DUAS bombas atômicas no Japão, pois essa é uma mancha negra na atual amizade colorida entre esses dois países tão próximos economicamente...

O legal do filme é que em vários momentos você precisa conhecer as passagens da Bíblia pra entender o que está acontecendo. Como muita gente não conhece a história dentro de um contexto, aos poucos vou destrinchar as referências de algumas cenas deste filme, como fiz em The Matrix. Aguardem novos posts, vocês vão enjoar de tanto ler o nome de Jesus. Foi emocionante ouvir os diálogos em Latim e Aramaico... por uns instantes me senti como se tivesse voltado no tempo. Pena que o diretor tenha se interessado mais pelo aspecto grotesco da crucificação, e menos nos ensinamentos de Jesus. Minha esperança é que, com o sucesso desse filme, transponham para as telas um dos mais interessantes livros que já li: Operação Cavalo de Tróia, de J. J. Benítez.

Com o sucesso arrasador deste filme (já está entre as 25 maiores bilheterias de todos os tempos) está sendo providenciada uma continuação, cujo título provisório é A vingança de Cristo, onde os romanos e judeus vão pagar por cada gota de sangue derramado, tudo em slow motion...


 
Cinema, Cristianismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
PLANETA X
dom, 21 de março, 2004
 


Oráculo falou ontem que não é apenas o astro conhecido como Planeta X que está se aproximando da Terra. Há ainda um menor, e este está em rota de colisão. Disse que vai "raspar" na Terra, o suficiente pra fazer uma enorme cratera. Será que é por causa desse evento que teremos a mudança do eixo da Terra? Bernardo já tinha falado que o clima vai se inverter, que os EUA iriam ser partidos ao meio, que a Europa iria passar por maus bocados, que ia nevar na Bahia e fazer frio em Pernambuco.... (algum dia publico tudo o que ele falou) sei lá. Só sei que esse ano já tivemos dois alertas de quase-colisão de asteróides.

Nunca levei muito a sério esse negócio de Ashtar Sheran, ou canalizações de Nefertiti, ou Saint Germain, mas o fato é que o que eles falaram aqui, Oráculo e Bernardo (apelidos dos nossos guias espirituais) também falaram, a saber:
- a sutilização da vida planetária;
- a reestruturação dos níveis de consciência;
- a mudança no eixo de rotação da Terra;
- o relacionamento aberto do ser humano da com civilizações intra e extraterrestres evoluídas;

Onde há fumaça...

Mantenham o discernimento e ceticismo ligados, mas com a mente (e os olhos) bem abertos porque, mesmo sendo um exercício de futurologia, é o tipo de coisa que não dá pra provar que NÃO vai acontecer.

PS: A sonda Spirit fotografou um objeto não-identificado no céu de Marte.


 
Geral - publicado às 12:00 AM 2 comentários
A VIDA EM TRATAMENTO
qui, 18 de março, 2004
 


Um homem perfeitamente saudável, por motivos de stress, teve de passar uns dias numa clinica de repouso, a melhor do mundo, com acompanhamento 24hrs, regalias e, diferentemente das clínicas que conhecemos, os pacientes são tratados com o melhor que o lugar pode oferecer, com prazeres sensoriais diversos, como piscinas de água quente, saunas, comidas deliciosas, massagens, tudo o que ele não tinha no seu dia-a-dia, e que era necessário para o refazimento do seu organismo falido. Passou poucos dias, e saiu de lá outra pessoa, tão bem disposto como nunca lembrara que pudesse ficar. Voltou ao seu mundo, ao seu ritmo de trabalho, mas algo dentro dele, num nível subconsciente, reclamava por aqueles mimos. Seu organismo, então, tratou de falhar, para que pudesse ser recebido novamente na clínica. Após uma semana de ótimas lembranças, ele retornaria em breve ao seu habitat, mas um desejo muito mais forte o dominara: ele se apaixonara por uma das internas. Ao contrário dele, ela não sairia dali tão cedo, e ele (que também queria ficar) não entendia o porquê. Os médicos não o diziam, e ela parecia tão normal, tão perfeita... Os dias ao lado dela eram de encanto absoluto.

Esse homem agora tinha um ideal: lutar por viver ao lado daquela garota, desfrutando dos prazeres daquela clínica. Não teria "alta" tão facilmente. Fingiu uma inocente confusão mental, mas os exames psicológicos eram avançadíssimos, detectando uma perturbação real de uma falsa. Prevendo sua expulsão, desesperou-se: pegou uma vara e começou a bater em si mesmo. Ele ficou na clínica, mas foi transferido para uma ala que ele desconhecia: a dos revoltados. Nada de sauna, ou diversões; estava agora confinado numa sala alcochoada (para seu próprio bem), e o acompanhamento - que antes era feito em conversas esporádicas com os médicos no parque, à luz do sol - agora era intensivo, mas oculto, por trás de câmeras de segurança que não permitiam que ele visse quem e quando estariam olhando para ele. Ele chorava no escuro, arrependido de ter embarcado nesta aventura. Agora só pensava em ir pra casa, onde podia viver em liberdade...


Continuar a leitura

 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM Sem comentários
OS MILAGRES DA PERCEPÇÃO
qua, 17 de março, 2004
 


Um yogue pode tornar o corpo imperceptível a outros homens: "Ao não existir um contato direto com a luz dos olhos, o corpo desaparece", segundo Patañjali (Yoga-sutra,III,20). Essa é a explicação dele para os desaparecimentos e aparições dos yogis, "milagre" mencionado por uma infinidade de textos religiosos, alquímicos e folclóricos indianos. Eis o comentário de Vacaspati Misra: O corpo é formado por cinco essências (tattva). Ele torna um objeto perceptível ao olho graças ao fato de possuir uma forma (rupa), que significa também "cor". É pelo rupa que o corpo e sua forma se tornam objeto da percepção. Quando o yogin exerce o samyama sobre a forma do corpo, ele destrói a percepção da cor (rupa) que é a causa da percepção do corpo. Por isso, quando a possibilidade de percepção é suspensa, o yogin se torna invisível. A luz engendrada no olho de outra pessoa não mais entra em contato com o corpo que desapareceu. Em outras palavras, o corpo do yogin não é objeto de conhecimento pra nenhum outro homem. O yogin desaparece quando não deseja ser visto por ninguém.

(Retirado do livro "Yoga: imortalidade e liberdade", de Mircea Eliade)

Podemos, a partir daí, jogar a idéia de percepção ainda mais longe. Percebemos as cores, e elas podem ser mudadas pelo pensamento (pode ser através do samyama, ou outra disciplina rigorosa de controle da mente) então o mesmo pode ocorrer com qualquer coisa que percebemos, de um lápis a uma montanha, do cheiro ao tato. No livro Evangelho Aquariano, vemos como foi o "milagre do vinho" de Jesus, o primeiro que aparece na Bíblia:

"Enquanto Jesus estava a um lado, em silenciosa meditação, sua mãe aproximou-se e disse: O vinho acabou; que podemos fazer? E Jesus disse: Rogo que me digas o que é vinho? Não passa de água com sabor de uvas. E que são uvas? São apenas certos tipos de pensamento manifestado, e eu posso manifestar tal pensamento, e a água será vinho. Chamou os criados e disse-lhes: Trazei-me seis cântaros de pedra, um cântaro pra cada um dos meus seis discípulos, e enchei-os de água até a borda. E Jesus, com um pensamento poderoso, fez os éteres vibrarem até se tornarem manifestos, e eis que a água tingiu-se e transformou-se em vinho."

 
Cristianismo, Hinduísmo, Metafísica - publicado às 12:00 AM 2 comentários
AUTORIDADE E RIQUEZA
seg, 15 de março, 2004
 


(Adaptado de O Evangelho Segundo o Espiritismo)

A autoridade, tanto quanto a riqueza, é um poder do qual você está investido, mas que terá de prestar contas do seu uso. Não pense que este poder lhe foi conferido somente para lhe proporcionar o vão prazer de mandar; nem como um direito, uma propriedade (conforme supõem a maioria dos soberanos e influentes da Terra). Tanto é que o poder várias e várias vezes escapa de seus donos, não importando se eles eram previdentes, temidos ou extremamente amados. Se fosse um privilégio inerente à sua personalidade, seria inalienável. A ninguém cabe dizer que uma coisa lhe pertence, quando lhe pode ser tirada sem seu consentimento. Deus confere a autoridade a título de missão, ou de prova, quando o entende, e a retira quando julga conveniente.

Quem quer que seja depositário de autoridade, seja qual for a sua extensão, desde a do Senhor sobre o seu servo, até a do Soberano sobre o seu povo, não deve esquecer que tem almas a seu cargo; que responderá pela boa ou má diretriz que dê aos seus subordinados e que sobre ele recairão as faltas que estes cometam (os vícios a que sejam arrastados em conseqüência dessa diretriz ou dos maus exemplos), do mesmo modo que colherá os frutos da boa vontade que empregar para os conduzir ao bem. Todo homem tem na Terra uma missão, grande ou pequena; qualquer que ela seja, sempre lhe é dada para o bem; deturpar o seu princípio é, pois, falir ao seu desempenho.


Continuar a leitura

 
Espiritismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
UFO EM JABOATÃO
 


Sábado estávamos eu e Ka em Barra de Jangada (Jaboatão) quando um objeto muito branco nos chamou a atenção, por contrastar no belo céu azul sem nuvens.
- Deve ser um avião, ou um satélite - disse Ka.
- Ou um UFO... - arrematei, sem muita convicção.

Aquilo permaneceu no céu por mais ou menos 1 minuto, numa trajetória lenta e enfadonha. Era metálico, pois num certo momento refletiu a luz do sol intensamente. Permaneci olhando, pois sabia que não era um avião (olhei bem pra me certificar de que não tinha asas) e muito menos um satélite, afinal, não se vê a estrutura de um satélite do espaço (no máximo a luz que reflete de seus painéis solares). Mas, não podia provar que não era um OVNI, então fiquei calado, olhando, até que de repente a coisa foi assumindo as cores do céu e simplesmente desapareceu! puft... Então me virei pra Ka e falei "aviões e satélites costumam desaparecer no ar?"

Não é a primeira vez que vejo essas coisas desaparecendo na minha frente, como se estivessem saltando pra outra dimensão (feito uma dobra espacial, ou sei lá o que). Em 2000 vi um objeto esférico (que os ufólogos chamam de sonda, pois eles acham que não são tripulados, mas comandados à distância) entrar em uma nuvem pequena e não sair do outro lado.


Continuar a leitura

 
Ufologia - publicado às 12:00 AM 3 comentários
HUA HU CHING - OS ÚLTIMOS ENSINAMENTOS DE LAO-TSÉ
qua, 10 de março, 2004
 


Prosseguiu o mestre: "Gentil príncipe, a tolerância é uma virtude necessária na vida de todos, mas, para um ser íntegro, nada há que necessite ser tolerado ou denominado tolerância. Esta existe apenas na esfera relativa.

Por que é assim? Se alguém nos faz algo de que não gostamos, precisamos ter força para suportar; trata-se de uma situação difícil e incômoda; contudo, depois que te elevaste acima dos conceitos relativos da mente não há nenhum eu nem outros, nem longevidade, nem brevidade, nem vida, nem morte na tua mente; logo, não sentes ódio nem tristeza. Qual é, pois, a necessidade da tolerância?

Gentil príncipe, uma pessoa que evoluiu muito deixa atrás de si todas as idéias sobre a individualidade e amplia o amor impessoal a fim de incluir toda a existência. Eliminar a individualidade possibilita à pessoa livrar-se das discriminações da forma, da língua, da percepção dos sentidos, dos sentimentos e de todas as outras condições relativas que acabam por nos enredar. Isso faz com que o verdadeiro ser da pessoa se desenvolva livremente sem os obstáculos do apego. Quando a mente se liga a alguma coisa, ela faz pouco mais do que prender-se na dor criada por si mesma. A pessoa que evoluiu muito, portanto, não está apegada a coisa nenhuma e não depende de nenhum conceito particular e de nenhuma forma nas suas relações com as pessoas ou nos serviços que presta a elas. O seu próprio ser beneficia toda a vida.

Para um ser íntegro, toda forma se assemelha ao que é informe. Toda a vida é igual a toda não-vida. Gentil príncipe, é esta a realidade do universo; esta é a verdade sutil e íntegra, não uma invenção religiosa. Não há necessidade nenhuma para se fazer mais comentários, pois a orientação da realidade transcendental e fundamental está além do domínio da veracidade e da falsidade na lógica comum. Só a pessoa que já evoluiu até um estágio elevado pode receber essa preciosa instrução".

(Retirado do site Espiritualismo Ecumênico Universal)


 
Taoísmo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
OUVIR EM CORES
ter, 9 de março, 2004
 


Legal que, numa entrevista com Geoff Emerick, o engenheiro de som dos Beatles, ele falou que "ouve em cores":
- Ouvi dizer que você "ouve em cores"?
- Oh, sim, eu ouço. O modo como uso isso é usar o que o estúdio me oferece como uma paleta de pintura. É muito difícil explicar, mas eu ouço visualmente. Eu ouço certos sons em cores diferentes.

E eu que morria de medo de contar isso pra alguém... pelo menos agora tenho um louco famoso pra me fazer companhia (hehehe). Mais do que cores, vejo o som em formas, lampejos de luz, também. Mas isso obviamente não ocorre toda hora, exige um certo envolvimento emocional com a música. O legal é que a música acaba formando uma espécie de "pintura" na minha tela mental (sobreposta à visão). E as "pinturas" mais bonitas são as das músicas de Jean Michel Jarre e Yuzo Koshiro.

E não é raro me identificar com o sentimento da música, mesmo sem entender a letra. Algumas músicas dor-de-cotovelo de Elvis me deixam com os olhos marejados, outras, como o Shanti Mantra, de Ravi Shankar, me levam a estados vibracionais que só conseguiria após muita meditação, enquanto algumas músicas "pesadas" atacam direto no peito, sem dó...


Um exemplo de minha visualização da música Lightforce 2000

 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM 2 comentários
AIVANHOV: FELIZ DIA DAS MULHERES
seg, 8 de março, 2004
 


"No plano físico, a mulher é, certamente, mais fraca do que o homem, porém a sua força é imensa. A sua força está em um magnetismo especial que possui sob a forma de partículas sutis que emanam dela. A mulher tem muito mais poder no campo das emanações etéricas do que no plano físico. E se alguns homens vêem nela um feiticeira, uma maga ou uma fada, isso acontece por causa desse magnetismo que lhe foi dado pela natureza. Graças a essas emanações, as mulheres são até capazes de formar corpos de natureza etérica"

(Omraam Mikhaël Aïvanhov)


 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM Sem comentários
INTIMIDADE
 


Artigo de Martha Medeiros, que eu queria compartilhar com vocês. Ela lembra do filme Encontros e desencontros (que eu achei fantástico) onde os dois personagens dormem (e apenas dormem) juntos, e termina com esse parágrafo:

Houve um tempo, crianças, em que a gente não falava de sexo como quem fala de um pedaço de torta. Ninguém dizia Fulano comeu Beltrana, assim, com essa vulgaridade. Nada disso. Fulano tinha dormido com ela. Era este o verbo. O que os dois tinham feito antes de dormir, ou ao acordar, ficava subentendido. A informação era esta, dormiram juntos, ponto. Mesmo que eles não tivessem pregado o olho nem por um instante.

Lembrei desta expressão ao assistir Encontros e Desencontros. No filme, Bill Murray e Scarlett Johansson fazem o papel de dois americanos que hospedam-se no mesmo hotel em Tóquio e têm em comum a insônia e o estranhamento: estão perdidos no fuso horário, na cultura, no idioma, e precisando com urgência encontrar a si mesmos. Cruzam-se no bar. Gostam-se. Ajudam-se. E acabam dormindo juntos. Dormindo mesmo. Zzzzzzzzzzz.

A cena mostra ambos deitados na mesma cama, vestidos, conversando, quando começam a apagar lentamente, vencidos pelo cansaço. Antes de sucumbir ao mundo dos sonhos, ele ainda tem o impulso de tocar nela, que está ao seu lado, em posição fetal. Pousa, então, a mão no pé dela, que está descalço. E assim ficam os dois, de olhos fechados, capturados pelo sono, numa intimidade raramente mostrada no cinema.

Hoje, se você perguntar para qualquer pré-adolescente o que significa se divertir, ele dirá que é beijar muito. Fazer campeonato de quem pega mais. Beijar quatro, sete, treze. Quebram o próprio recorde e voltam pra casa sentindo um vazio estúpido, porque continuam sem a menor idéia do que seja um encontro de verdade, reconhecer-se em outra pessoa, amar alguém instintivamente, sem planejamento. Estão todos perdidos em Tóquio.

Intimidade é coisa rara e prescinde de instruções. As revistas podem até fazer testes do tipo: "descubra se vocês são íntimos, marque um xis na resposta certa", mas nem perca seu tempo, a intimidade não se presta a fórmulas, não está relacionada a tempo de convívio, é muito mais uma comunhão instantânea e inexplicável. Intimidade é você se sentir tão à vontade com outra pessoa como se estivesse sozinho. É não precisar contemporizar, atuar, seduzir. É conseguir ir pra cama sem escovar os dentes, é esquecer de fechar as janelas, é compartilhar com alguém um estado de inconsciência. Dormir juntos é muito mais íntimo que sexo.

(Valeu, Ka!)


 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM 2 comentários
JESUS E SUA DESCIDA À TERRA
dom, 7 de março, 2004
 


Trecho adaptado do livro O sublime Peregrino, de Ramatis:

PERGUNTA: Para Jesus de Nazaré encarnar entre nós houve necessidade de providências excepcionais, ou tal acontecimento obedeceu somente às mesmas leis comuns que regulam a encarnação dos espíritos em geral?
RAMATÍS: O nascimento de Avatares exige a mobilização de providências incomuns por parte da Administração Sideral, pois do seu evento resulta uma radical transformação no seio espiritual da humanidade. Até a hora de espírito tão elevado vir à luz no mundo terreno, devem ser-lhe assegurados todos os recursos de defesa e assistência necessários para o êxito de sua "descida vibratória". Aliás, para cumprir sua missão no prazo precisam de um clima espiritual de favorecimento e divulgação de sua mensagem na esfera física. É por isso que encarnam-se com a devida antecedência espíritos amigos, fiéis cooperadores que empreendem a propagação das idéias novas ou redentoras, preparando o terreno para a semeadura.

Jesus foi um Avatar, ou seja, uma entidade da mais alta estirpe sideral, já liberada da roda exaustiva das reencarnações educativas ou expiatórias. Em conseqüência, a sua encarnação não obedeceu às mesmas leis próprias das encarnações comuns dos Espíritos primários e atraídos à carne devido aos recalques da predominância do instinto animal. Os espíritos demasiadamente apegados à matéria não encontram dificuldades para a sua reencarnação, pois em si mesmos já existe a força impetuosa do "desejo" que os impele para a vida carnal, e assim ligam-se à matriz uterina da mulher, obedecendo apenas a um imperativo ou instinto próprio da sua condição ainda animalizada. Em tal circunstância, os técnicos siderais limitam-se a vigiar o fenômeno. No entanto Jesus, ao baixar à Terra (em missão sacrificial e sem culpas a redimir), para facilitar o seu ligamento com a matéria, viu-se obrigado a mobilizar sua vontade num esforço de reviver ou despertar na sua consciência o desejo de retorno à vida física, já extinto em si há milênios e milênios. Para vencer a distância vibratória existente entre o seu plano e a Terra, ele empreendeu um esforço indescritível de "auto-redução", como se um Sol tivesse de diminuir seu tamanho para caber num vaso de barro.

Jesus não podia reajustar-se facilmente à genética humana, uma vez que havia se desvencilhado há muito tempo dos liames tecidos pelas energias dos planos intermediários entre si e a crosta terráquea. Por isso ele precisou de longo prazo para, na sua descida, atravessar as faixas ou zonas decrescentes dos planos de que já se havia libertado. E então, para alcançar a matéria na sua expressão mais rude, teve de submeter-se a um processo de abaixamento vibratório perispiritual, de modo a ajustar-se ao metabolismo biológico de um corpo carnal. Jesus não poderia ligar-se, de súbito, à substância grosseira da carne, antes que a Ciência Divina lhe proporcionasse o ensejo favorável e as providências indispensáveis para uma graduação de ajuste à freqüência comum da Terra. Seu sacrifício máximo não decorreu das obras físicas que ele teria de suportar no ato de sua crucificação, e sim na sua luta de abaixamento vibratório, no sentido de ajustar-se à matéria densa do mundo inferior, em atrito com as vibrações morais do seu padrão angélico. Semelhante descida foi um calvário de angústias que se prolongaram durante mais de um milênio de vosso calendário. Infelizmente as limitações de vossa sensibilidade moral ainda não vos permitem avaliar a renúncia espiritual de Jesus, decidindo abandonar o seu paraíso celestial para descer aos charcos de um mundo animalizado.


 
Cristianismo, Metafísica - publicado às 12:00 AM Sem comentários
TIPOS DE AMOR
sex, 5 de março, 2004
 


Os gregos possuíam quatro verbos para dizer amar:
Agapao; que originalmente significa honrar, ou dar boas vindas, mas adquiriu, (juntamente com o substantivo ágape) no Novo Testamento, um significado especial, sendo empregado para falar do amor de Deus (adaptado do verbo hebraico Chesed, que significa amor como bondade, misericórdia).

Philos; é a palavra no grego mais generalizada para Amar, ou considerar com afeição. Indica uma atração geral para com uma pessoa ou coisas. Em primeiro plano, fica o significado de amor para com os parentes e amigos (philadelphia - o amor pelo irmão), mas pode ser usada pra objetos e idéias, como por exemplo: philosophia - amor ao conhecimento.

3º O verbo Erao e o substantivo Eros denotam o amor entre o homem e a mulher que abrange o anseio, o desejo. Havia também um entendimento mais místico que envolve a palavra Eros, mediante o qual os gregos procuravam, através do equilíbrio dos desejos, ir além de todas as limitações humanas, a fim de chegarem a perfeição. Para o filósofo Platão, a alma humana busca a soberana beleza, que contemplara antes da encarnação. Seu bem é atingir esse ideal, então o desejo seria então um agente educativo, e que a aspiração à verdade e ao ser é impulsionada pelo desejo e por ele ativada.

Stergo, significando afeição; o amor cujo impulso básico é a proteção do outro.


Continuar a leitura

 
Filosofia - publicado às 12:00 AM Sem comentários
SPOCK E A BÊNÇÃO SACERDOTAL
qua, 3 de março, 2004
 


Li numa entrevista que a saudação do Spock (da série Jornada nas Estrelas) teve origem religiosa. O ator Leonard Nimoy (que é judeu) conta que "este é um gesto feito pelos rabinos num certo momento do serviço religioso, e simboliza o nome do Todo-Poderoso. Quando eu era criança, ele me chamava muito a atenção. No momento em que foi preciso criar uma saudação para o Sr. Spock, o gesto me voltou à mente. Curiosamente, nunca um ortodoxo implicou com o uso ficcional dessa saudação."

Soube através do leitor "Pomegranate" que este gesto acompanha a Bênção Cohanin ou Bênção Sacerdotal, mas é feito com as duas mãos, e cada uma delas assume a forma da letra Shin com este gesto.


Referência:
Birkat Cohanim, a bênção sacerdotal


 
Cinema, Judaísmo - publicado às 12:00 AM 1 comentário
MINHA AVÓ
 


Minha avó foi bastante estudiosa quando aqui na Terra. Se interessava por tudo, respeitava todas as crenças, mas seu espírito crítico ficava ligado ao máximo. Se definia como livre-pensadora, assim como o pai dela, e se identificava mais com a Ordem Rosacruz. Antes de morrer, há mais de 5 anos, disse a meu avô (cético até a medula) que iria provar a ele a vida após a morte. E provou (não pro mundo, mas pro meu avô).

Bem, certa vez eu estava numa reunião espírita e um dos médiuns, já incorporado, quis falar comigo. Me deu um abração bem forte e demorado. Depois, vendo minha perplexidade, falou: "Que os mestres da fraternidade branca te iluminem!" Era a senha: minha avó usava essa saudação para os mais íntimos. Então notei que o rosto e sorriso bonachão do médium era o mesmo que ela fazia. Então olhou "atravessado" (um olhar de desdém idêntico ao que ela fazia quando queria criticar) pra o pessoal na reunião, e falou baixinho: "e eu que nunca gostei desse negócio, agora estou aqui..."

Eu sorri. Ela era médium, mas mesmo assim não aceitava. Achava que a maior parte dos que se diziam espíritos eram influência do subconsciente do próprio médium. Mas respeitava sempre a crença de todos, conversava religião animadamente com evangélicos, espíritas, ateus, ufólogos e rosacruzes, e sempre sem tentar impor sua visão do mundo (esse foi o maior legado que ela me deixou), e sempre respeitando nossas crenças e estudos, como por exemplo permitindo algumas reuniões espíritas na casa dela. Pouquíssimas pessoas sabiam que ela não gostava da idéia de espíritos interagindo conosco.


 
Pensamentos - publicado às 12:00 AM Sem comentários
VAIDADE
ter, 2 de março, 2004
 


A vaidade está de tal forma arraigada no coração do homem que um soldado, um criado, um cozinheiro, um malandro se gaba e pode ter admiradores; e os próprios filósofos pretendem o mesmo. E os que escrevem contra isso querem a glória de escrever bem, e os que lêem, a gloria de os ter lido; e eu, que escrevo isso, talvez tenha essa vontade e talvez os que me lerem...
(Pascal)

 
Filosofia - publicado às 12:00 AM Sem comentários
SE EU QUISER FALAR COM DEUS...
 


Tenho que ficar a sós
Tenho que apagar a luz
Tenho que calar a voz
Tenho que encontrar a paz
Tenho que folgar os nós
Dos sapatos, da gravata
Dos desejos, dos receios
Tenho que esquecer a data
Tenho que perder a conta
Tenho que ter mãos vazias
Ter a alma e o corpo nus

Se eu quiser falar com Deus
Tenho que aceitar a dor
Tenho que comer o pão
Que o diabo amassou
Tenho que virar um cão
Tenho que lamber o chão
Dos palácios, dos castelos
Suntuosos do meu sonho
Tenho que me ver tristonho
Tenho que me achar medonho
E apesar de um mal tamanho
Alegrar meu coração

Se eu quiser falar com Deus
Tenho que me aventurar
Tenho que subir aos céus
Sem cordas pra segurar
Tenho que dizer adeus
Dar as costas, caminhar
Decidido, pela estrada
Que ao findar vai dar em nada
Nada, nada, nada, nada
Nada, nada, nada, nada
Nada, nada, nada, nada
Do que eu pensava encontrar

(Gilberto Gil - 1980)


 
Geral - publicado às 12:00 AM 3 comentários
A CONSCIÊNCIA
seg, 1 de março, 2004
 


Sabemos o que somos, mas não o que podemos ser
(William Shakespeare)

O corpo é um veículo para a manifestação da consciência em nosso plano físico, assim como um carro é o veículo para locomoção dos humanos na estrada. Do mesmo jeito que você não é seu carro, sua consciência não é seu corpo. E, do mesmo jeito que se você precisar tomar um café na cozinha, vai ter de deixar seu carro do lado de fora, se você quiser fazer alguma coisa em uma vibração/dimensão diferente da do seu corpo físico, vai ter de deixar essa carcaça pesada dormindo em algum canto.

Segundo estudos da Teosofia - que se basearam em estudos Hindus - e que são comprovados por pessoas que fazem projeção astral e pelas comunicações dos espíritos (principalmente através dos livros de Chico Xavier) nosso corpo se divide, a grosso modo, em três, cada um deles numa vibração específica.

Mas, pra que essa confusão de corpos? Minha consciência, que sou "eu", já se sente como esse corpo!
Ora, do mesmo jeito que um astronauta que, quando vai ao espaço, precisa usar umas 4 ou 5 camadas de roupa - pra sua proteção - e ainda assim continua sendo "ele mesmo", sua consciência (que não está presa nesta vibração grosseira, nem na acima dela, nem na outra, estando numa frequência mais elevada que eu não saberia dizer aonde é) pra "descer" até aqui na Terra precisa de várias "pontes" entre os corpos, um comandando o outro, para que possa haver "interface" entre as diversas faixas vibratórias.

Então, você não é esse corpo de carne e osso. Também não é seu corpo astral, nem o corpo mental. Você é sua consciência, a coisa mais imaterial que você possa imaginar dentro de você mesmo. Se estiver confuso, é melhor parar por aqui, porque o buraco é mais embaixo (mais pra cima, na verdade): Você também não é sua consciência, porque sua consciência é apenas um veículo de manifestação de Deus. A partir daí eu não saberia o que vem, pois nem sequer consigo imaginar Deus. Mas, na minha opinião pessoal, baseado na doutrina espírita e no modelo de evolução da Teosofia, posso dizer que vamos passar um loooooooooooongo tempo até deixarmos de ser consciência, então aproveite sua escalada até Deus PROCURANDO SER Deus, mesmo com todas as nossas imperfeições (que é coisa da idade, crianças evolutivas que somos, em comparação à Mente Creadora...).

Aí você retruca:
- Ah, mas eu sou o "poderoso Megalossauro", não preciso mais de consciência! Daqui vou direto pra fonte!

Ok, que seja. Mas como vai fazer pra se livrar da Consciência? Hara Kiri? Buda deu um método, Jesus outro, Confúcio outro. Todos eles pregam a integração com o TODO através da AÇÃO (principalmente) e do domínio e desenvolvimento da Consciência, porque não é o TODO que vai abarcar a Consciência, e sim a Consciência que deve expandir-se (sutilizar-se) para alcançar o TODO (uma metáfora melhor seria: O mar não vai cair em cima da gota d'água, e sim a gota que vai voltar pro mar. A gota não cresceu pra virar TODO o mar, apenas não a distinguimos mais). Se você conseguir isso nesta ínfima existência parabéns, pois estará acima de Buda e Jesus, que conseguiram interagir com o TODO, mas ainda como Consciências (ou não teriam como se manifestar aqui na Terra, ou em qualquer outro planeta).

Quando você está sentado em completo silêncio, inativo, a língua tocando o céu da boca e silenciosa, não tremendo com pensamentos, a mente observando passivamente, não esperando por coisa alguma em particular, sinta-se como um bambu oco e subitamente uma energia infinita começa a se derramar dentro de você; você está preenchido com o desconhecido, com o misterioso, com o divino. Um bambu oco se torna uma flauta e o divino começa a tocá-la. Uma vez que você esteja vazio então não há nenhuma barreira para o divino penetrar em você
(Osho; Criatividade: Libertando sua força interior)


 
Metafísica - publicado às 12:00 AM 7 comentários