Página principal

   
5 estrelas
Budismo
Ciência
Cinema
Cristianismo
Espiritismo
Filosofia
Geral
Hinduísmo
Holismo
Internacional
Judaísmo
Metafísica
Pensamentos
Política
Psicologia
Sufismo
Taoísmo
Ufologia
Videolog


Ver por mês


Últimos comentários

Retornar à página principal


UMBANDA
ter, 30 de setembro, 2003
 


Na batalha que se processa no mundo invisível, eles são os "soldados do front". São eles que estão mais perto vibracionalmente de nós, e os que podem ser vistos mais facilmente. São eles que dão um reforço energético em nossa aura, nos limpam de "mau-olhado" e botam obsessor pra correr. Prestam auxílio da forma que podem, às vezes do único jeito que sabem fazer (usando cigarro, bebida, símbolos ou fogo) mas com muito mais desprendimento e boa vontade do que muitos terapeutas por aí. Mesmo os espíritos mais elevados precisam dos humildes servidores da Umbanda pra trabalhar com as energias mais densas, pois, devido a alta freqüência em que os seres mais esclarecidos estão, não podem atuar diretamente na matéria mais densa (que pra nós ainda é invisível, como as energias liberadas por trabalhos de macumba, miasmas mentais, etc). Em retribuição, os espíritos de luz ensinam e orientam os irmãos mais endurecidos para que ascendam e assumam postos de trabalho em planos mais elevados, SE o quiserem (dando oportunidade a outro mais necessitado de trabalhar nas faixas inferiores).

Aprendi que a Umbanda é dividida em 7 vertentes, e que só uma delas (a Quimbanda) usa sangue. E que o exu é a "tropa de choque" do terreiro, que cuida da segurança dos participantes. Muitos ainda são espíritos recém-saídos do mundo animal, tanto é que muitos não falam, e por isso que têm uma forte energia anímica que a maioria dos médiuns mal consegue controlar. Por não ter ainda discernimento, podem acabar sendo grosseiros e até fazendo o mal, se forem induzidos a isso, mas em essência não são ruins. Os exus que trabalham na Quimbanda são chamados exu de Quimbas (ou Kimbas), que são os tais que dizem ser diabo e fazer o mal.

Mas, pra que serve a umbanda na espiritualidade? De forma simplista, vou tentar responder, mesmo sem conhecer muito da Umbanda: Sempre irão existir espíritos de pessoas que não querem ascender de imediato (e talvez nem possam). Ficam rondando pelos bares, pelas ruas, vampirizando, assediando, tomando uma pinga... Aí então o espírito acaba descobrindo um terreiro de umbanda. É interessante pro nível evolutivo dele, pois pode ganhar garrafas de bebida (não vai precisar mendigar em bares) em despachos de encruzilhada, galinha (eles tiram a essência, como se comessem) e vela (não sei porque, mas muitos espíritos ADORAM vela acesa... alguém sabe?). Mas ele não pode ir chegando e incorporando (afinal, tem toda uma diretoria do "lado de lá", com seguranças na porta - os exús - e hierarquia) então ele pede pros donos do terreiro pra trabalhar ali, geralmente começa como "office boy", fazendo serviços simples, e depois vai pegando experiência com os espíritos que ali trabalham há mais tempo. Dependendo do tipo de entidade que preside os trabalhos dos terreiros daquela Umbanda, pode aprender tanto trabalhos bons quanto ruins. Mesmo que seja ruim, isso já é uma evolução pro espírito, que já não vai estar vagabundeando pela rua. E não pára por aí. Com a continuidade do aprendizado e das experiências pelas quais ele passa nesse trabalho, o espírito irá desenvolvendo o altruísmo, que é o fato de ajudar pelo ajudar, sem recompensas. Ele passa a AMAR o que faz, e tudo o que se faz com amor mexe com a pessoa. Um belo dia se critica se o que ele faz é certo. Ele vai percebendo que não precisa de despachos e/ou oferendas pra ser útil, e nisso seu corpo espiritual vai evoluindo juntamente com sua mente, a ponto de não precisar mais de matéria densificada pra satisfazer seus desejos (aprende a se alimentar de luz, das plantas, da energia que é doada espontaneamente pelas pessoas agradecidas...). Acaba se aproximando dos espíritos de hierarquia superior, que dirigem os trabalhos da Umbanda, e é relocado para outras funções. Vai pra uma escola onde aprende outras formas de magia, desta vez usando luz, elementos da natureza renováveis - como água e plantas - e acaba se tornando um espírito de luz, podendo até, caso queira, dirigir outros terreiros de Umbanda e dar a outros espíritos que estiverem perdidos na erraticidade da "vida após a vida" a mesma oportunidade que ele um dia teve.

O que me fez falar sobre isso foi a leitura do texto do misterioso Sheik Al Kaparra (nick legal!) que trata justamente da desmistificação da AUM+BANDA (é assim que ele chama), mostrando que a magia com que essas entidades trabalham tem raízes no Tibet e na Índia.


Links: Diferença entre Candomblé e Umbanda;
Umbanda sem medo;
Blog Orun Ananda


 
Espiritismo - publicado às 12:00 AM 2 comentários
SHAMAN KING
sex, 26 de setembro, 2003
 


Esse é o nome de um Anime (desenho animado japonês) cujo episódio assisti ontem (passa todo dia na Fox Kids). Fiquei surpreso com o roteiro, que envolve incorporação de espíritos, umbral, ética entre os planos espiritual e físico, entre outras coisas. Tudo isso com muita palhaçada, que é pra alegrar a molecada dos 8 aos 80 anos (eu incluso).

Os Shamans,que dão nome ao título, são as pessoas que não só vêem mas incorporam espíritos (os chamados médiuns, no espiritismo). A desculpa pro roteiro ter ação é que os espíritos, enquanto estão incorporados, dão força sobre-humana aos participantes de um torneio, que vai decidir quem vai ser o Shaman King (Rei Shaman). O fato é que pessoas incorporadas podem andar em cima de brasas, se cortar (e não sentir dor) e ter mais força que o médium teria normalmente. Mas isso não é nada sobrenatural, apenas a manipulação de como o cérebro recebe os sinais dos nervos, e um aumento de adrenalina e outras funções endócrinas por parte do espírito atuante, para conseguir o efeito desejado. Tanto é que isso é algo que pode ser conseguido voluntariamente, com uma auto-hipnose: Dizem que o Padre Quevedo faz questão de fazer, em suas palestras, um lápis atravessar a pelanca da sua garganta (me disseram, mas não duvido. Os Yogues já faziam bem mais que isso antigamente).

Voltando ao anime: Neste episódio em particular havia um garoto que, com a ajuda de seus guias espirituais (que eles chamam de guardiões), estava aprisionando todos os espíritos que incorporavam, pois ele considerava a incorporação um abuso por parte dos espíritos - o fato de usarem as pessoas para terem um gostinho do mundo que deixaram. Mas o garoto é detido quando encontra o mocinho da história (Yoh, o da primeira foto) e seu guardião, que explica para o perseguidor que a relação entre ele e Yoh não é de exploração, e sim de amizade. Yoh diz que deixa o guardião incorporar porque quer, e que ainda fica com o controle da situação (e isso é uma verdade meio oculta no espiritismo... do mesmo jeito que você não pode ser forçado a fazer alguma coisa que não queira hipnotizado, não pode fazer algo que intimamente considere impróprio incorporado. Receber espíritos não é desculpa pra nada).

Fascinante,não? E tudo isso num desenho animado do Japão, um lugar onde o espiritismo praticamente inexiste, e a influência da Igreja Católica (e de todo o pensamento religioso ocidental) é praticamente nula.

Um leitor anônimo colaborou:
No gibi (mangá) do Shaman King tem um episódio em que o Yoh ajuda um pintor que morreu em um acidente a ir pros "planos mais elevados". Ele tinha ficado preso na Terra porque morreu antes de acabar um cartaz (que passou a assombrar e derrubar em cima dos transeuntes).

A Alma é a vontade pura da pessoa. Portanto, quando a vontade ou o desejo da entidade é ruim, sua aparência se torna medonha. Uma Alma obstinada como ele tenta se comunicar com pessoas que tenham sensibilidade espiritual, tentando atraí-las ao seu mundo.

E este não é o único. Muitas pessoas que morrem inesperadamente não tomam consciência de que morreram. O desejo deles fica fora de controle, transformando-os em espíritos malignos. Você tinha muito orgulho do seu trabalho. Deixar um cartaz inacabado era inaceitável. Por isso, você ficou preso a esse lugar, tentando se comunicar com alguém que compreenda a sua tristeza. Com o tempo sua vontade se tornou obsessão e você se transformou em um obsessor. Cuidar de caras complicados como você faz parte do trabalho de um Shaman, então eu te ajudarei.


Recomendado: O Caminho do Xamã; Michael Harner (ed. Cultrix)


 
Holismo - publicado às 12:00 AM 1 comentário
VATICANO PROÍBE A ALEGRIA
qui, 25 de setembro, 2003
 


O Vaticano está examinando a possibilidade de proibir as danças, os aplausos e as meninas no coro durante a celebração da missa, segundo informou a revista católica italiana "Jesus". Também proíbe as missas celebradas com ministros de outros cultos, entre eles pastores protestantes, o que pode desencadear sérias polêmicas inter-religiosas.
(artigo da folha)

Viva a sisudez... Não sou fã da Igreja Católica mesmo... mas quem não deve estar gostando nada disso é um maravilhoso Padre, que conheci do mesmo modo que Oráculo, que sempre nos convocava a sorrir: "Sorriam não o sorriso dos tolos, mas o sorriso dos justos. Sorriam e vocês evitarão doenças. Sorriam e não precisarão de plástica pra ficarem jovens". Mas ele também nos lembra que "é por espinhos, e não por fantásticos caminhos, que os homens chegará aos pés de Deus".

Anteontem me deparei com um texto do Pastor presbiteriano Nehemias Marien. Tive oportunidade de vê-lo falar, e considero o cara um modelo de padre ideal. Guardei o texto, pelo visto para esta ocasião:

Não é pecado dançar e sambar nessa mais legítima festa cristã de descontração nesta terra de históricas tradições cristocêntricas. Pecado é não aproveitar as coisas boas da vida. Carnaval nós vemos nos momentos cúlticos da descendência abrâamica e davídica. Nos mutirões das famílias hebréias a ceifarem o trigo. Na colheita da vindima. Na travessia do Mar Vermelho. Na acolhida das Tábuas da Lei do Sinai. Na vitória do rei Davi diante da Arca da Aliança.

Imagino Jesus dançando na festa em que realizou seu primeiro milagre ao transformar a água em vinho, priorizando a alegria à religião. Foi um Carnaval a festa que celebrou a volta do filho pródigo na mais linda parábola do Mestre, embalada com dança e muita música.

Se a Igreja descesse com humildade do falso andor da sua pressuposta santidade e incluísse esse tom festivo nas suas liturgias, certamente detonariam a mesmice e o ar de velório dos seus altares.

Vale aqui a sabedoria do Eclesiastes do rei Salomão: "Anda pelos caminhos que satisfazem ao teu coração e alegram aos teus olhos; sabe, porém, que em todas estas coisas és responsável".


 
Cristianismo - publicado às 12:00 AM 14 comentários
EVOLUÇÃO DOS ESPÍRITOS DOS ANIMAIS
qua, 24 de setembro, 2003
 


Sabe aquele cachorrinho inteligente que só falta falar? Pois bem, talvez daqui a alguns milhares de anos ele esteja falando...

Todo animal dito "irracional" será um dia um ser humano (embora a Teosofia diga que não, que os animais vão ficar sempre sendo burrinhos, eu acho que essa idéia vai contra a Lei da Evolução, que a própria Teosofia prega), então todos nós começamos do estágio mais primitivo, que seriam os minerais (onde se treina o domínio das forças de atração e coesão com que as moléculas se ajuntam, e essa evolução está mais refletida na perfeição dos cristais). Depois evoluímos para os vegetais, onde aprendemos o rudimento das emoções (sim, já é provado cientificamente que as plantas possuem emoções). Traços de individualidade começam a se formar no mundo animal, primeiro como animais mais simples,depois de grande porte,mais selvagens,e depois como animais domésticos. Desenvolve-se o instinto, a intuição. O contato com o ser humano é o estágio final de aprendizado, e não é à toa que mesmo animais ditos "selvagens" possam ter uma afinidade enorme com alguns seres humanos, ficando "humanizados". Mas o ser humano não é o estágio final de evolução. Nesta forma aprendemos a ter consciência, raciocínio, afetividade, responsabilidade e outras tantas condições que caracterizam esta fase.

No livro "Missionários da Luz", de André Luiz, há um capítulo sobre a fecundação, onde fala que o feto vai se transformando, relembrando todos esses estágios, desde um ser unicelular, passado por forma de "girinos"... etc.

Essa é uma hipótese bastante plausível... ainda mais porque os hindus e budistas tratam os animais e até mesmo as pedras como irmãos em desenvolvimento. Mas eu ainda acho que tem gente que por aí não tem alma. Vejam George W. Bush, por exemplo! Ele só pode ser o famoso Boneco de Satã, vulgo "Mamulengo do Cão".

Referência: Os Animais e a Vida Após a Morte;
Os animais têm alma?;
Etapas da evolução espiritual do homem (espiritismo - texto simples);
Evolução do Planeta Terra e dos espíritos (espiritismo - texto mais aprofundado)


 
Espiritismo, Metafísica - publicado às 12:00 AM 2 comentários
SHOAH RELOADED
 


Saiu no Estadão, em agosto de 2000:

O Rabino Ovadia Yosef, líder espiritual do terceiro maior partido político de Israel, disse que os seis milhões de vítimas do Holocausto "eram reencarnação de almas de pecadores, pessoas que transgrediram e cometeram todo tipo de coisa que não deveria ser feita." O presidente do Shas concorda: "O rabino Ovadia chora por cada judeu que é morto, mas ninguém, nem mesmo um santo, não pecou. Todos morrem em pecado".

A reencarnação não é um conceito central no pensamento judeu, apesar de ele aparecer no esotérico Zohar, o livro que é base do misticismo judaico, ou "cabala".

Se for assim... e os alemães que comandaram o massacre de Judeus nos campos de concentração? Estavam apenas cumprindo o papel de agentes do karma? "Mas que interessante", dirão alguns. "Então eles não tem culpa do que fizeram?". Como disse o Rabino, ninguém é inocente. Toda ação corresponde a uma reação na direção contrária, e assim indefinidamente (até que um dos lados transforme e utilize essa energia para outra coisa). Tenho uma teoria de que a Lei do Karma se fez cumprir, em 11 de setembro de 2001:

6 milhões de judeus foram mortos no holocausto. A maioria era mandada para as câmaras de gás, e morriam asfixiados...

Depois os corpos eram levados (por outros judeus prisioneiros) para os fornos crematórios. Alguns não chegavam a morrer asfixiados pelo gás, e eram incinerados vivos...

Antes de implantarem os fornos, os corpos eram enterrados em valas conjuntas. Muitos ainda eram enterrados vivos...


Forno crematório de Auschwitz. Coloquei digitalmente a fumaça, pra simular o forno em "atividade", há 58 anos

Mórbida semelhança...

Muitas dessas pessoas do WTC provavelmente eram soldados alemães reencarnados, que participaram ativamente do extermínio (óbvio que em mais de 3.000 vítimas nem todos deveriam ser alemães reencarnados, até mesmo pela idade das vítimas, mas morreu muita gente com seus 30/40 anos por lá). Estavam espalhados pelo mundo, mas deviam (e algumas talvez até pediram para) resgatar este débito. Foram então reunidas neste grande "forno". Karmicamente, pedir isso foi algo inteligente, pois o que eles fizeram levariam vidas e vidas para poder saldar de outra forma, e, considerando que não temos muito tempo restante...

Não pretendo com isso fazer apologia a nada nem justificar a morte de ninguém. Exemplifico apenas, de modo BEM SIMPLISTA, como a Lei do Karma funciona. Como diria Jack Palance: Acredite, se quiser...

Referência:Cronologia do Holocausto;
Relatos do Shoah


 
Geral, Judaísmo - publicado às 12:00 AM 6 comentários
FRASES DE PODER
seg, 22 de setembro, 2003
 


Acho tenebrosa a frase "sangue de Cristo tem poder". Primeiro, porque invoca a imagem de um Jesus sofredor, com o sangue derramado, ainda preso à matéria. Depois, porque Cristo não tem sangue. Nem sequer foi uma "pessoa", e não deve ser confundido com Jesus.

Mas, de tanto repetirem esse "mantra", imantaram-no com poder de realização. E dá pra sentir isso quando pronunciam essa frase. Acho fascinante o poder que emana do verbo dos evangélicos. Temos também, de outra igreja, a frase "Tá amarrado em nome de Jesus". Eu trabalhei com uma colega evangélica e ela usava bastante, e eu sempre achei graça (mas sempre achando que isso funcionava pra ela, pois ela acreditava firmemente no que dizia).

Até que certo dia eu estava sendo bombardeado pela inveja lá no trabalho, pois havia comprado recentemente o KIX (meu carrinho lindo) e algumas pessoas faziam comentários maliciosos. A coisa foi ficando tão insuportável energeticamente que eu já estava ficando tonto, literalmente oprimido, quando gritei a primeira coisa que me veio na cabeça "tá todo mundo amarrado, em nome de Jesus". Até eu me surpreendi em dizer aquilo, mas não é que funcionou de imediato? Todo mundo se calou, a sala foi como se esvaziada por completo (embora ninguém tenha saído) e NINGUÉM mais tocou mais no assunto, até hoje!! Nesse dia eu ACREDITEI no que estava dizendo. Não era uma mera figura de linguagem, e sim uma ORDEM. Acho que esse é o segredo.


 
Cristianismo - publicado às 12:00 AM Sem comentários
PLANOS VIBRATÓRIOS
 


Perguntaram na lista voadores se é possível pra pessoa desencarnada (ou projetada) tocar em objetos ou pessoas. Um dos assinantes fez um post muito bom apresentando de forma bem simples (sem ser simplória) os planos de manifestação da matéria mais conhecidos dos estudiosos do espírito, e por isto mesmo vou usá-lo como base pra tecer vários comentários:

Plano Físico: É o plano vibratório onde nós, encarnados, vivemos enquanto estamos acordados e lúcidos, utilizando nossos corpos físicos. É um plano constituído de matéria mais densa.
Plano Astral: É o plano vibratório onde vivem os desencarnados (gente que "morreu"), utilizando os corpos astrais deles. Mas também é o plano onde nós, encarnados, vivemos várias horas por dia, em viagens astrais mais ou menos conscientes, com nossos corpos astrais, enquanto nossos corpos físicos dormem no Plano Físico.

Um desencarnado, ao atuar aqui, no Plano Físico, não consegue levantar nem um fio de cabelo, mas pode atravessar uma parede ou uma muralha de concreto. Além disto ele pode nos ver com a visão normal dele, mas nós não o vemos com a nossa visão física.

Como e por que isto ocorre? É enorme (extraordinária) a diferença vibratória entre os Planos Físico e Astral. Assim sendo, quem está num destes planos não consegue atuar diretamente no outro porque o que existe de sólido num plano não constitui barreira para o outro. Tomemos como exemplo uma parede no Plano Físico. Ela não representa bloqueio para quem está no Plano Astral. MAS se for feita uma contraparte da parede no Plano Astral, no mesmo local, o lugar vai estar realmente protegido de invasão. Tal parede Astral pode ser feita com a força do pensamento de encarnados ou desencarnados, e mantido assim enquanto existir energia. Uma dica boa é você mesmo criar paredes mentais, selando o ambiente do seu quarto, pra evitar a entrada de espíritos indesejados. Tem gente que usa o Reiki pra isso, outros usam o Escudo de Salomão. Encontre seu método, o que for mais fácil pra você visualizar sua proteção.

Aviso de antemão que o Plano Astral não é necessariamente o plano onde todos os desencarnados estão. Existem n planos, divididos em freqüências, como as estações de rádio. Às vezes (como nas rádios) o final de uma faixa se interpõe no começo da outra, ou então temos uma boa distância entre elas. Conhecemos pelos menos uma faixa que interpenetra o Plano Físico, que nos estudos de projeciologia chamamos de Plano Etérico (no espiritismo se referem a ele como "crosta da Terra"). Se formos continuar o paralelo com as freqüências de rádio, essa seria a "faixa do cidadão", por onde trafegam os mais diversos espíritos. O que temos nessa faixa é uma contraparte astral do físico e a população local é, a grosso modo, constituída por um bando de desencarnados que se recusam a ir para outras faixas, onde iriam estudar e se preparar para reencarnar. Se recusam assim a abandonar o mundo físico - embora não pertençam mais a ele - e ficam vagando, obsediando, vampirizando... Claro que temos também os espíritos das outras faixas, que podem vir em visita aos familiares, amigos, mas não podem ficar muito tempo por conta da influência perniciosa não só do pensamento de baixa vibração dos desencarnados, como os dos encarnados. Temos também os abnegados espíritos socorristas, que ajudam as pessoas nos desencarnes (orientam, acalmam, desfazem as ligações energéticas com os chakras, etc.). Ou seja, o Plano Etérico não é um lugar de morada. Lembram daquele cara de preto do filme Ghost,do outro lado da vida? Ele era um suicida, mas se recusava a admitir isso, e por conseqüência se recusava a abandonar a Terra. Ele se mantinha energizado vampirizando (não sei se intencionalmente) o pessoal do metrô.

Mas, afinal, pra que um cara que morreu precisa de energia? Primeiro, ninguém muda de uma hora pra outra. É comum que a pessoa que passou a vida bebendo água e comendo tenha vontade de comer do lado de lá também (no caso do cara, o vício era fumar, e ele aprendeu a fumar "por tabela"). Segundo, quando a pessoa acaba de morrer (especialmente se morrer relativamente jovem, com o corpo cheio de energia) a energia KI (anímica, na terminologia espírita) que é a energia que alimenta a matéria física e a astral, permanece alimentando o Corpo Etérico da pessoa que desencarnou por pelo menos 3 dias (por isso existe o costume do velório, que até algumas décadas atrás durava mais que um dia). Se a pessoa não tiver ajuda de espíritos socorristas, poderá permanecer com a ligação energética ao cadáver intacta (chamam essa ligação de "cordão de prata", que vai se dissipando ao longo dos 3 dias) e acaba sentindo o corpo apodrecer e ser comido pelos vermes. Terrível... mas não fiquem paranóicos porque quase sempre tem quem interceda e faça a retirada completa da sua energia do corpo no mesmo dia (Por isso é bom ter amigos... aliás, é nessa hora que o corpo físico começa a feder bastante). Mas essa facilidade não é permitida pra quem se suicida (porque o sofrimento serve como lição reparadora para que não se repita essa idiotice de novo) e infelizmente pode acontecer com os "cabeça-dura" que se recusam a largar o corpo e que por isso recusam a ajuda.

Enquanto a pessoa estiver cheia de energia densa, como o mocinho de Ghost (A meu ver, o mais perfeito filme sobre o "lado de lá") não pode passar para as faixas de freqüências superiores. Então fica "chumbado" ao Plano Etérico. A grande maioria adormece ou é induzida a adormecer, e fica numa espécie de "albergue" enquanto a "bateria" gasta (leva 13 dias, segundo Osho, pra gastar completamente, mas acho que com menos que isso já se "sobe"). Viram aquela novela A viagem? O protagonista (Antônio Fagundes) já acorda numa cama, do "lado de lá". Ele foi transportado enquanto dormia. Nem sequer viu a passagem dele pelo Plano Etérico (que muitos confundem com o umbral) pois estava dormindo.

Voltando a Ghost, o nosso personagem saiu do corpo tão de repente que nem percebeu que estava morto. Isso acontece, e ele recusou a ida ao "albergue" logo no começo. Ok, ninguém vai insistir... daí ele ficou na Terra até acontecer a "segunda morte", que é quando o corpo Etérico se dissolve e ele pôde ir "mais pra cima", com o corpo astral. Mas tem gente que não quer ir. Então eles procuram um jeito de se manterem carregados de energia anímica (física). Se o espírito tiver ALGUMA ética, vai procurar tirar a essência da comida das pessoas (se for alguém com UM POUCO MAIS de ética, vai pegar fruta de alguma árvore, ou a energia de alguma planta) e se NÃO tiver ética alguma, vai pegar a energia diretamente das pessoas (E daí pode ter vindo a lenda do vampiro. Sabiam que a jugular está localizada exatamente em cima da passagem dos canais IDA e PINGALA, ambos fortíssimos condutores de energia vital? Por isso não me admiraria se alguns desses "vampiros astrais" pulassem na jugular, embora muitos prefiram tirar a energia dos rins e da região sexual, que são mais densas). Geralmente quem fica vampirizando é porque tem algum vício. E depois de mortos eles querem continuar com o vício. Aprendem então que podem extrair a energia de alguém que esteja fazendo aquilo que ele fazia (o vampiro se liga nos chakras da vítima e fica com "acesso" a todas as sensações que a outra pessoa tiver, sem que ela perceba, do mesmo jeito que aqui se faz um grampo telefônico). Daí que o vício que as pessoas encarnadas tem por cigarro, sexo, bebida e qualquer outra coisa em excesso PODE (é uma possibilidade) estar sendo alimentado por algum vampiro que, obviamente, não quer perder o seu veículo de distribuição, e faz o possível pra induzir a vítima a continuar com aquilo. É por isso que quando se entra numa religião pra parar de beber se consegue, pois o vampiro quase sempre é afastado pelos trabalhadores do "lado de lá".

Um outro exemplo da atuação no plano etérico é o fenômeno da materialização. Se o espírito quiser/souber e puder fazer isso, vai se valer de um elemento intermediário etérico, que chamamos de Ectoplasma, produzido por um ou mais encarnados. Isso pode ser usado tanto por espíritos bem intencionados quanto mal intencionados. Mas é um fenômeno muito raro. Geralmente os desencarnados usam o influxo de energia anímica (KI) pra poder mover/derrubar coisas, exatamente como o carinha de preto do filme Ghost ensinou (fantástico esse filme!).

Referência:
Os sete corpos físicos, segundo Osho;
Os corpos, visão holística;
A constituição Humana;
Mensagem da Voadores a respeito dos "3 dias"


 
Metafísica - publicado às 12:00 AM 3 comentários
ORÁCULO E A ESCOLA
sáb, 20 de setembro, 2003
 


Oráculo é como uma professora do primário. Ela é formada, e tal, mas ensina no primário, pra crianças nessa faixa. E nós, nesse planeta, estamos numa espécie de primário/colegial, onde temos que aprender os fundamentos e aplicá-los em nossa vida, e o maior deles é amar. Amar não só o semelhante, como o não-semelhante, pois todos provêm de uma só fonte. Respeito, caridade, compreensão, paciência, tudo isso é amor. E é isso que Oráculo vem nos lembrar, pois ela quer que nós passemos pra Universidade. Acontece que muitos de nós já repetiram de ano tantas vezes que já estão adentrando em assuntos do colegial, só que ainda empacando (por teimosia, ou preguiça) em algumas matérias do primário. E outros que fizeram tanta besteira quando chegaram na Universidade que foram mandados de volta pro primário pra reaprender.

É por isso que, ao lado de pessoas completamente "verdes", leigas quanto a espiritualidade, temos pessoas altamente evoluídas, o que não quer dizer que estas últimas sejam melhores que as primeiras nem que sejam mais espiritualizadas. Lembre-se: afinal, o que estas pessoas tão espiritualizadas estão fazendo aqui no primário/colegial, compartilhando de muitas de nossas burrices? Se não são almas caridosas que vieram só pra ajudar mais efetivamente (Bodhisattvas), então em alguma coisa elas reprovaram que precisam aprender só aqui. O interessante desse sistema kármico é que estas pessoas, enquanto aprendem (ou tentam), também ensinam, queiram ou não, pois trazem conhecimento (que pra eles é banal) pra pessoas que nunca viram isso. O grande risco são essas pessoas mais simples endeusarem aquelas que detêm conhecimento, assim como as alunas do colegial ficam apaixonadas pelos professores. Só que o conhecimento não é a chave para a evolução, e sim a transformação interior, que possibilita a aplicação do conhecimento. De que adianta saber tudo sobre os mundos espirituais, Devas, Querubim, Seraphim, e não se harmonizar com as pessoas da própria família? Ou não compreender e perdoar aqueles que lhe atiram pedras?

É por isso que Oráculo não tem (nem nunca quis ter) a pretensão de trazer grandes conhecimentos do plano espiritual pra nós. Eu que sou curioso e fico insistindo pra ela falar mais sobre isso. Ela sorri, e consulta mentalmente alguém (provavelmente os "diretores do colégio") pra ver se tem permissão pra falar ou não, e ainda assim fala muito pouco, e de forma bem simples. Daí eu vou atrás do conhecimento esotérico de outras fontes (afinal, veio muita gente de outras Universidades que deixaram valiosos conhecimentos pra nós) e faço esses posts, porque eu sim tenho uma pretensão bem pretensiosa desde pequeno: fazer convergir todo o pensamento religioso, esotérico e científico pra um ponto que seja simples e compreensível (não quero nada, né?). Mas não estou sozinho nisso. Vejam que até mesmo as revistas informativas (Galileu, Superinteressante, Época) têm tocado bastante no assunto religião, desmistificando-o e trazendo-o à luz da ciência. E, com a ajuda dos outros blogueiros que buscam o conhecimento e a boa aplicação do conhecimento, vamos todos aprendendo que não existe nada de novo sob o Sol, nem um só caminho, nem uma só verdade.

Acho que estamos diante do alvorecer de uma época onde a pessoa não terá uma religião, e sim um conjunto de valores religiosos, extraídos de onde a pessoa mais se identificar (Tao, Budismo, Cristianismo, Judaísmo, ou mesmo uma mistura de todos). O cristianismo poderia então se desvincular dos dogmas que são impostos pelas igrejas a quem quiser ser cristão, e que não estão abertos à discussão (como o monoteísmo, a virgindade de Maria e a ressureição, que não influem em nada na beleza do ensinamento de Jesus); o budismo se desvincularia de Buda (e todo a mística hindu que vem junto, os deuses, os mantras e os mudrás, que são muito úteis para os iniciados, mas inúteis pra aplicação prática do básico do Budismo); e o judaísmo desvinculado da figura dos Judeus (e todos os seus ritos vinculados a apenas um povo e uma crença. Afinal, por que guardar tanta sabedoria cifrada somente para o entendimento de alguns "escolhidos"?).

O que vai sobrar é a mensagem. Tão simples, e ainda assim tão difícil de pôr em prática...

Me lembro que sempre discutia com os professores de religião, e com as professoras da escola dominical, e a resposta deles era sempre que "fora de Jesus não há salvação" e isso foi me irritando ao ponto que eu fiquei com raiva de Jesus e da Bíblia (porque esses professores eram meus intermediários entre o cristianismo e eu). Mas aí eu assisti a Jesus Cristo Superstar e vi um Jesus leve, dinâmico, um hippie, em comunhão com Deus e com a natureza, e aquilo me encantou. Era de fato alguém que encontrou Deus, e não um professor rígido e com olhos tristes, como a igreja vende até hoje. Ou mesmo aquele Jesus sangrando e pregado na cruz, sofrendo pra dedéu. Dá até vontade de arrancar ele de lá, que nem o INRI Cristo fez. "Cristo sofreu e morreu por você" é o argumento (chantagem) que usam pra nos convencer. Nos inserem uma culpa, um remorso, pra poder aceitar o cristianismo. A pessoa acaba aceitando pró forma, mas não na prática. Quantos católicos cuja aceitação foi tácita temos pelo Brasil? E quantos podem ser definidos verdadeiramente como cristãos?


Meu herói!

Fui amadurecendo, e vi A última tentação de Cristo, e percebi o quanto de responsabilidade estava nas costas dele, e o quanto o caminho pra iluminação pode ser penoso. Depois li Operação Cavalo de Tróia e aí então Jesus virou meu herói. O livro me deu a profundidade histórica necessária pra que eu pudesse entender o contexto em que Jesus estava inserido, e isso enriqueceu infinitamente todos os ensinamentos de Jesus, permitindo ver o quanto de perspicácia, bom humor, diplomacia, liberdade, amor e compaixão (além de uma visão muuuuuuito à frente de seu tempo) ele veio trazer ao mundo, numa época onde só os "doutores da lei" é que podiam falar de (e com) Deus. Jesus era totalmente outsider, avesso às convenções religiosas dogmáticas; um cara desses não poderia ser fundador da Igreja Católica nem aqui nem na China!


 
Espiritismo, Holismo, Metafísica - publicado às 12:00 AM 2 comentários
CORES, VIBRAÇÕES E OUTROS MUNDOS
sex, 19 de setembro, 2003
 


Oráculo mencionou au passant que a grande maioria dos espíritos estão dentro do arco-íris. Depois sorriu e disse que a gente não entenderia mesmo... Sabendo eu que ela não tem vocabulário científico e não domina nosso idioma, fiquei matutando a semana toda sobre o que ela poderia estar querendo dizer com isso. Lembrei então de uma tecnologia de CDs, a FMD (Fluorescent Multi-layer Disc) que armazena muito mais informações num mesmo disco que os CD-Rs. O truque consiste em fazer um sanduíche de várias camadas de um plástico fluorescente, feitos cada um para refletir o laser em uma certa cor diferente.

Cores são ondas, em determinadas frequências, e essas cores podem coexistir no mesmo espaço físico sem interferirem uma na outra. Então, o que vemos no arco-íris é uma particularidade das condições climáticas que fazem as cores se separarem. De fato, o "arco-íris" está em todo canto, o tempo todo, mas só o vemos naquele momento em particular graças às partículas de água que estão suspensas na atmosfera, que servem como um prisma (decodificador de luz), "separando" as cores. Então, metafisicamente falando, poderíamos supor que os "outros mundos", ou seja, as moradas dos espíritos, existiriam em várias frequências vibratórias, não em coordenadas X Y, mas sim em Z (profundidade). Seria possível imaginar esses planos coexistindo como uma grande cebola, com suas várias camadas, com a diferença de que elas podem até mesmo estar uma dentro da outra, e não necessariamente acima ou abaixo da nossa crosta.

Cor não é uma propriedade física. É pura percepção. Então você não pode dizer que o seu vermelho é o mesmo vermelho que todo mundo vê. A única coisa que você pode dizer com certeza é que a cor está no comprimento de onda que convencionamos chamar de vermelho, se ela possuir os mesmos valores para as frequências vermelho, verde e azul (RGB,no inglês).


Todo o espectro visível vai de 400 nm (violeta) a 750 nm (vermelho). O número indica o comprimento da onda. Ondas longas possuem menos energia que as curtas, elas praticamente se arrastam, enquanto as curtas ficam subindo e descendo, agitadinhas (no gráfico acima).



Na tabela de cores acima vemos, numa ponta, o vermelho (que se torna quase preto, e abaixo disso temos o infravermelho, que não é percebido pelos nossos olhos) e na outra ponta o violeta (que é alta frequência, e acima disso temos o ultravioleta, que também não é percebido pelos humanos).

Mas, se os espíritos estão incluídos no espectro visível (arco-íris) por que então não os vemos coloridos, por aí? Boa pergunta. Talvez falte algo pra nossos olhos decodificarem, como o prisma faz com a luz (ou o codec faz com os arquivos de vídeo de nosso computador). O fato é que tem gente que vê espíritos como quem vê pessoas normais. É terrível pra elas, mas acabam aprendendo a ficar caladinhas pra não acabar indo parar num sanatório (como acontece com a maioria). Uma dessas pessoas (que conheci em circunstâncias fantásticas) me disse que vê os espíritos dependendo do humor em que ela esteja no dia.


    Foto Kirlian de um "dedo ideal", com as energias equilibradas
O leitor Pomegranate acrescenta que a Cabalá afirma que o arco-íris existe desde a Criação, mas só é visto pela primeira vez por Noah (Noé). Até então havia quatro cores (não sei se vou acertar): vermelho, verde, branco e uma quarta cor, impossível de ser classificada, que seria a fusão das outras três (os 3 pilares da Árvore da Vida). Ainda na mesma linha, este espectro de cores só existiria no mundo físico. No mundo espiritual tudo é preto e branco... Você sabia?

O corpo humano também é uma manifestação desse "arco-íris". Nossos chakras absorvem energia de todas as frequências: o chakra base (Muladhara) é vermelho, trabalhando com energias mais densas, para manter nossas funções terrenas neste corpo, enquanto o coronário (Sahashara, no topo da cabeça, que recebe as energias vindas dos planos mais elevados) trabalha com todas as cores, mas sua cor predominante é o violeta. Significa que o ser humano tem contato com todos os planos de energia, mas qual frequência ele vai desenvolver mais só depende de nossos pensamentos e ações. O ideal é o equilíbrio, como atestam as fotos kirlian. Essas fotos fazem um registro da bionergia elétrica que fica ao redor do corpo e dá uma idéia de com quais energias estamos trabalhando no momento. A vermelha é Yang, energia mais terrena, ativa. A azul é Yin, receptiva, em contato com o lado espiritual. Predominância de um ou outro é desequilíbrio, que deve ser corrigido.

Ambos são diametralmente opostos, mas um não pode viver sem o outro...

Referência:
How can purple exist?: Artigo interessantíssimo que mostra que o magenta/púrpura (que é uma "cor" intermediária entre o azul e o vermelho) só existe graças a limitação de nosso cérebro em distinguir muitos pontos azul e vermelho juntos;
Planos do universo: Mais sobre o plano astral, sob o ponto de vista da Teosofia;
Spectral colors;
Fotografia Kirlian;
Kirlian.com.br;
As cores dos chakras e suas influências


 
Metafísica - publicado às 12:00 AM 3 comentários
FILMES RECOMENDADOS
ter, 16 de setembro, 2003
 


O QUE ACONTECE DEPOIS DA MORTE:

Ghost - Do outro lado da vida
Sexto Sentido
Falando com os Mortos
Os outros
Amor além da vida
Além da Eternidade
Nosso Lar
Chico Xavier


ABRINDO SUA MENTE:

The Matrix
A Origem
Clube da Luta
K-Pax
Contatos imediatos do 3º grau
Vanilla Sky
Network
Metropolis
13º andar
Cidade das sombras
V de Vingança


FILOSOFIA E REFLEXÃO:

Gattaca
Waking life
Sonhos (de Kurosawa)
Dersu Uzala
Ran
Contato
O Show de Truman
Magnólia
O nome da rosa
Gandhi
2001: Uma odisséia no Espaço
A última tentação de Cristo
O Labirinto do Fauno
Ensina-me a viver
Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças
Primavera, Verão, Outono, Inverno e Primavera
Blade Runner
O Senhor dos Anéis
Poder Além da Vida (Peaceful Warrior)
A Viagem (Cloud Atlas)
Gravidade

APRENDENDO E SE DIVERTINDO:

Jesus Cristo Superstar
Feitiço do Tempo (Groundhog Day)
O Fabuloso Destino de Amélie Poulain
Wall-E
Guerra nas estrelas: O Império Contra-Ataca
Exterminador do Futuro 2
Batman: O Cavaleiro das Trevas
Avatar
TRON: O legado

FILMES BARRA-PESADA (obsessão, umbral, etc):

Drácula (de Bram Stocker)
Gin gwai ("The Eye - A Herança", original asiático)
Ju-On ("O Grito")
Shutter ("Espíritos - A Morte Está a Seu Lado")
The ring ("O chamado", tanto o inglês como o original asiático)
A Cela
Ensaio sobre a cegueira
Hellraiser
Advogado do Diabo
O Exorcista
O Iluminado
A scanner darkly

DOCUMENTÁRIOS:

Zeitgeist (Manipulação política)
Janela da Alma (Percepção de mundo)
Fahrenheit 9/11 (Atentado às torres gêmeas)
No End in Sight (Guerra do Golfo)
BBC: Universos Paralelos (Física quântica de verdade)
What The Bleep Do We know (Metafísica "quântica")
Quem somos nós? (Metafísica "quântica")
Tiros em Columbine (Armas)
Sicko (Saúde)
Eu maior (Auto-conhecimento)


 
5 estrelas, Cinema - publicado às 12:00 AM 36 comentários
NOME: O SOM DA ALMA
seg, 15 de setembro, 2003
 


Oráculo é uma pessoa quase como eu e vocês (bem, talvez com mais experiência), com a diferença de que onde ela mora é muito alto e assim pode ter uma visão panorâmica das coisas. É uma mãe e uma irmã, alguém em quem eu confio, e bem sei que confiança não se dá nem se empresta, se conquista. Portanto, não tenho a menor pretensão de convencê-los sobre qualquer coisa que ela diga.

Não gosto de usar nomes, preferindo apelidos. Oráculo mesmo disse pra não dizer o nome dela por aí, pois o nome é vibração, e somos todos compostos de energia em diferentes vibrações e, portanto, SOMOS também o nosso nome (a vibração do nosso nome torna-se parte integrante da nossa essência).

Se os pais soubessem a importância dos nomes, provavelmente deixariam a cargo dos próprios filhos escolhê-los! (hehehe) É por isso que em algumas iniciações a pessoa ganha um novo nome, compatível com sua nova freqüência (os índios norte-americanos já faziam isso). Muitos espíritos possuem a felicidade de escolher o próprio nome, influenciando os pais antes de nascimento. Geralmente escolhem manter o nome de uma encarnação que a marcou, ou então um que tenha um certo significado especial, para que no inconsciente possam lembrar-se de sua missão aqui na Terra.

Quanto a mim, eu nunca gostei muito de ver meu nome escrito por aí, ou falado comumente, por ser um nome muito forte e por eu ter uma profunda admiração pelo primeiro dono dele (faço por onde ser digno de usá-lo). Dependendo de como ele é pronunciado causa um efeito em mim similar ao que o AUM causa em certas pessoas, e eu pretendo que isso continue acontecendo (o que provavelmente seria minimizado pela banalização do uso).

Além do que eu não quero que o blog seja vinculado a uma pessoa (ou doutrina, ou religião), e sim ao conteúdo. Me ignorem; atentem tão somente para o que está escrito, reflitam sobre os textos, e não sobre a pessoa que o escreveu. Naveguem nos links das fontes e referências que coloco no fim dos posts, aprendam a buscar por vocês mesmos. Se fizerem de mim um referencial, estarão perdidos, pois eu estou mudando a cada dia.

Voltemos ao poder dos nomes. Jesus obviamente o conhecia:

Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles
(Mateus 18:20)

Qualquer que em meu nome receber uma destas crianças, a mim me recebe; e qualquer que me recebe a mim, recebe não a mim mas àquele que me enviou
(Marcos 9:37)

Oráculo diz que "Jesus falava e pessoas de qualquer língua o entendiam". Provavelmente o que ele falava se manifestava não somente na freqüência audível, mas nas vibrações sutis que iam diretamente ao coração. Sinto um pouco isso quando vejo Martin Luther King falar naquele famoso discurso em Washington... não entendo patavinas além do "I have a dream", mas realmente não preciso entender para entender, entendem? :)

Nos livros sagrados da Índia (Vedas) vemos que Deus primeiro criou o som, e dessas freqüências sonoras originou-se o mundo perceptível. Vemos isso também na Bíblia, em João 1:1: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus". É a senha para a interpretação do Gênesis 1:3: "E disse Deus: Haja luz; e houve luz". Vemos também em Salmos 33:9: "Pois ele falou, e tudo se fez; ele ordenou, e tudo surgiu".

Mas, do mesmo jeito que o som Cria, também destrói, desagrega. Nas artes marciais vemos aqueles gritos que acompanham os golpes - cada um mais horrível que o outro - e nos perguntamos pra quê aquilo tudo. É que o ataque é mais efetivo quando atinge não só o físico, mas o psíquico (o medo e a surpresa que o grito provoca no oponente) e o espiritual.

Referência: Estudo sobre 'Em nome de Jesus' (referências cristãs e judaicas);
Estudo sobre: 'No princípio era o verbo'


 
Cristianismo, Hinduísmo, Metafísica - publicado às 12:00 AM 4 comentários
ALÔ ALÔ MARCIANO (EDF)
qui, 11 de setembro, 2003
 


Leitores mais antigos do blog hão de lembrar que mencionei certa vez que o logotipo da EDF (Earth Defense Force) - organização criada em 1999 para combater a ameaça alienígena e defender o espaço aéreo do Janga - foi praticamente "recebido", eu só coloquei no papel o que me vinha na mente toda vez que falavam nesse assunto. Eu achava que tinha sido inspirado na bandeira da Turquia, mas só uns 2 anos depois foi que eu me liguei que aquilo era o planeta Terra visto do espaço, com a Lua junto.

Anteontem, navegando pela net, vi essa foto acima, que a NASA publicou agora em maio, que é a Terra vista de Marte. Tomei um choque, pois era quase que exatamente a imagem que eu havia visualizado em minha mente quando fiz o logo (Me lembro que eu baixei um pouco a lua no logotipo por questões estéticas, mas originalmente ela ficava mais pra cima). Nessa época eu tava tentando fazer contato mental com umas coisinhas que flutuavam no céu.... será que isso foi uma resposta?


 
Ufologia - publicado às 12:00 AM Sem comentários
O MUNDO E O SONHO (O 100º MACACO)
qua, 10 de setembro, 2003
 


Alguns leitores mais atentos dirão, em relação ao post anterior: mas uma pessoa que expande seu aprendizado para milhares de outras é bem melhor para a evolução do TODO do que ela ficar enclausurada numa experiência particular na Terra. Sim, SE não existisse uma eterna troca de energias entre os seres. Todo pensamento (energia) que você irradia fica disponível para quem tiver a sensibilidade e estiver na mesma sintonia. É assim que casais de namorados "adivinham" pensamentos um do outro, é assim que uma mãe sabe quando o filho está em apuros. É comum surgirem descobertas (como o rádio e a TV) em diversos lugares simultaneamente. Já mencionei as egrégoras, que são bolsões de pensamento coletivo, etc. E isso não é exclusividade dos seres humanos, como podemos ver no exemplo da teoria do centésimo macaco (A história do livro de Ken Keyes está um tanto quanto enfeitada pra agradar a geração new-age):

Cientistas japoneses que estudavam o comportamento dos macacos em estado selvagem tiveram a idéia de distribuir batata-doce nas praias de Kochima, uma ilhota deserta do Japão, habitada só por eles. Os macacos gostaram da batata-doce, apesar dos grãos de areia em volta. Até que uma jovem fêmea descobriu sozinha como lavar as batatas num riacho. Ela ensinou, em seguida, o truque à própria mãe. Entre 1952 e 1958, todos os macacos jovens de Kochima aprenderam, um depois do outro, a lavar as batatas antes de comê-las. Passado um tempo considerável, uns seis meses, em outra ilha, outros macacos também começaram a lavar as batatas no mar; e depois, com um intervalo de tempo menor, o mesmo ocorreu em outra ilha, e, de repente, vários macacos em todo arquipélago estavam fazendo aquilo.

Como isso era possível, já que os macacos não atravessam o mar? Como podia ter circulado a informação, levando a essa mudança de atitudes?

A teoria deduz que seria necessário haver um nível de consciência X, uma massa crítica de percepção, pra que ela dispare, se expandindo de modo cada vez mais rápido, e há então uma mudança de paradigma no meio onde se manifesta.

Partindo desta premissa, foram feitos alguns experimentos, como por exemplo:
Alguns cientistas passaram a mostrar imagens nebulosas à pessoas no mundo todo, cronometrando o tempo que a pessoa demorava para decifrar aquela imagem. Foi observado que o tempo de percepção das imagens era proporcionalmente menor quanto maior o número de grupos que já havia passado pelo experimento.

Sabe-se também que a probabilidade de acerto na resolução de palavras cruzadas que já foram resolvidas por muitas pessoas anteriormente é bem maior do que uma que não foi publicada antes.

Tudo o que fazemos, cada ação nossa, fica registrada no éter (os tais arquivos Akhásicos), e pode ser acessada por quem tenha o conhecimento (ou permissão). Já sabemos, pela física Einsteniana, que o tempo é uma ilusão. Um referencial particular e moldável. Então é provável que a resposta para tudo isso esteja no último diálogo do filme Waking Life:

Em um ensaio de Philip K. Dick, sobre seu livro Flow My Tears, the Policeman Said, ele fala que 4 anos depois estava em uma festa e conheceu uma mulher com o mesmo nome que a mulher do seu livro, e seu namorado tinha o mesmo nome que o namorado do livro. Ela havia tido um caso com um delegado de polícia que tinha o mesmo nome que o delegado de seu livro. Isso o deixou muito assustado, mas o que ele podia fazer?

Pouco tempo depois, ele viu um sujeito meio estranho em pé, ao lado de seu carro. Mas, ao invés de evitá-lo, ele disse: Posso ajudá-lo?. E o sujeito disse: Fiquei sem gasolina. Ele lhe deu algum dinheiro, coisa que jamais teria feito. Então chega em casa e pensa Ele não conseguirá chegar ao posto sem gasolina. Então volta, acha o sujeito e o leva ao posto de gasolina. Enquanto estaciona, ele pensa: Isto também está no meu livro.

Ele resolve contar tudo isso a um padre, e o padre diz: Este é o Livro dos Atos. Ele responde: Mas eu nunca o li. Então ele lê o Livro dos Atos, e é estranhamente familiar. Até os nomes dos personagens são iguais aos da Bíblia. O Livro dos Atos se passa em 50 d.C. Então, Dick criou uma teoria segundo a qual o tempo é uma ilusão, e que estamos todos em 50 d.C. O que o levou a escrever o livro foi que ele, de algum modo, atravessou esse véu do tempo. O que viu ali foi o que acontecera no Livro dos Atos.

Ele se interessava pelo gnosticismo e pela idéia de que um demônio teria criado essa ilusão do tempo para nos fazer esquecer que Cristo retornaria e o reino de Deus adviria. Alguém está tentando nos fazer esquecer que Deus é iminente. Isso define o tempo e a História: Uma espécie de devaneio ou distracão contínuos.

O filme continua, e o personagem conta um sonho que teve com Lady Gregory, uma patrona irlandesa de Yeats:

- Então, Lady Gregory vira-se para mim e diz: "Deixe-me explicar-lhe a natureza do universo. Philip Dick está certo quanto ao tempo, mas errado quanto a ser 50 d.C. Na verdade, só existe um instante, que é agora. E é a eternidade. É um instante no qual Deus está apresentando a seguinte pergunta: Você quer fundir-se com a eternidade, você quer estar no paraíso?. E estamos todos dizendo: Não, obrigado. Ainda não. Logo, o tempo é apenas o constante não que dizemos ao convite de Deus. Isso é o tempo. Só existe um instante, e é nele que estamos sempre."

Então ela me disse que esta é a narrativa da vida de todo mundo. Por detrás da enorme diferença, há apenas uma única história: a de se ir do NÃO ao SIM.

Quando acordei, pensei: "Aquilo não foi um sonho. Foi uma visita ao mundo dos mortos."
- E como conseguiu finalmente sair de lá?
- Foi como uma daquelas experiências que transformam a vida. Eu nunca mais voltei a ver o mundo do mesmo jeito.
- Mas como é que você finalmente saiu do sonho?
- É esse o meu problema. Eu estou aprisionado. Fico achando que estou acordando, mas ainda estou em um sonho.
- Quero acordar de verdade. Como se acorda de verdade?
- Eu não sei. Não sou mais tão bom nisso. Mas se é o que está pensando, você deve fazê-Io, se puder. Porque, um dia, não será capaz. Mas é fácil... Sabe, simplesmente acorde.


 
Metafísica - publicado às 12:00 AM 1 comentário
CHICO NÃO SE ENGANA (REENCARNAÇÃO)
ter, 9 de setembro, 2003
 


Em 1972 desencarnou a mãe do hoje conhecido médium Divaldo Pereira Franco, a Sra. Anna Franco. Dez anos depois ela se comunica em mensagem de 42 páginas psicografadas por Chico Xavier, em Uberaba. Divaldo estranhou, pois que sua mãe era analfabeta, e tinha muita dificuldade em compreender as palavras que não fossem do seu vocabulário habitual.

A mensagem começava mais ou menos assim:
"Meu filho, você sempre me dizia que gostaria de me ensinar a ler e a escrever mas eu sempre dizia que não queria essa atrapalhação na minha cabeça. Voltei para lhe dizer que aqui no Plano Espiritual, descobri que já era alfabetizada, e vou lhe narrar como ocorreu o meu desencarne."

Anna Franco discorreu sobre detalhes da sua desencarnação, citou os 13 filhos em ordem decrescente de idade e, num certo trecho narrou:
"Veio me receber D. Maria Domingas Bispo, amiga com a qual eu conversava tanto! ...Essa amiga desencarnou em 1932, em Feira de Santana."

Ao levar a carta para a Bahia, Divaldo, como é óbvio, mostrou-a aos seus familiares. Eles foram unânimes em afirmar-lhe que D.Anna jamais tivera essa amiga! Por suposto, Divaldo deveria acreditar nos familiares, já que era o filho mais novo de todos, não podendo assim lembrar da senhora citada na carta. Seus irmãos negavam o fato como narrado. No entanto Divaldo dizia:
- Chico? Ele não se engana!

Pesquisas foram feitas com a ajuda do prefeito. Não havia registro de nenhuma D. Maria Domingas Bispo em nenhum cemitério local. Divaldo pediu auxílio a um amigo, Lauritz Bastos, que após inúmeras tentativas encontrou o registro do óbito, com a mesma data e detalhes da mensagem do Chico. Ela estava num cemitério bem afastado do centro da cidade, numa localidade chamada São José das Pororocas.

Mas, por que teria seu corpo sido enterrado lá? D. Maria, por ter sido protestante, fora enterrada num cemitério próprio, já que os evangélicos, naquele tempo, não tinham permissão de serem enterrados através das Santas Casas Locais porque não eram batizados.

Este fato singelo em que um coração de mãe vem falar de suas saudades, tornou-se assim, um atestado da imortalidade da alma, pois a ele não se pode negar autenticidade científica, já que, pelas pesquisas, não poderia haver nem hiperestesia da mente, nem transmissão de pensamento médium-a-médium, nem sugestão, nem telepatia, já que em 1975 todos os que conheciam o fato encontravam-se desencarnados!

Fonte: Revista Reformador, maio de 1994

Poderão dizer os amantes do padre Quevedo que Chico acessou os registros Akhásicos, a memória coletiva da humanidade. Ótimo, então. Seria um atestado de que Chico não acessou não o fato em si (ele não viu as coisas acontecendo) mas sim o banco de memória de uma consciência desencarnada. O que significaria dizer que TODAS as pessoas desencarnadas estão com suas vidas (sim, vidas, ou como essa consciência teria aprendido a escrever depois de morta?) disponíveis para acesso. Uma grande entidade coletiva, uma grande internet espiritual. Se não somos personalidades (apenas imaginamos que somos, pois estamos imersos nessa ilusão: Maya) então somos apenas um "computador" desta "internet" da vida, fazendo parte desta grande consciência que se fragmenta e se reagrupa sem com isso perder suas "múltiplas individualidades", como um holograma. Traduzindo em miúdos: somos Deus.

Concordo em parte. Mas ainda assim seria muito simplório uma pessoa morrer e virar frequência de rádio, um banco de dados pra outras que virão em seguida. Seria desperdiçar uma vida de experiência, afinal, as almas posteriores (virgens) estariam SEMPRE em desvantagem em relação ao quanto aquela consciência antiga poderia evoluir se reencarnasse. Por exemplo, todas as almas não saberiam PN de nada! Teriam de aprender tudo do zero. Isso contraria alguns exemplos fantásticos de talento natural (que nada mais é do que bagagem pluriencarnatória) como Mozart.

Seja qual for a conclusão a que se chegue, uma coisa é inegável: esse corpo é uma ilusão. VOCÊ é uma ilusão. TUDO o que você pensa ser real e duradouro não é mais do que ilusão. As únicas coisas que você leva daqui são os sentimentos e o conhecimento. Se numa vida você aprende a ler, pode até mesmo esquecer enquanto estiver imerso em outra vida, mas ao desencarnar de novo vai relembrar. Estamos em eterna evolução, sempre aprendendo algo com os erros e acertos. Nada é de graça, nada se perde na natureza, pois que seria contraproducente. Esse "sistema" Deus não foi feito pela Microsoft, acreditem.

Semeia-se corpo natural, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual
(I Coríntios 15:44)

Somos todos fragmentos coloridos de um mesmo amálgama, formando aqui um mosaico cuja beleza só poderemos apreciar se vista do alto
(Acid)


 
Espiritismo - publicado às 12:00 AM 1 comentário
PARANORMALIDADE (ESPIÕES PSÍQUICOS)
seg, 8 de setembro, 2003
 


Saiu na Superinteressante de março de 2003 um artigo interessante sobre paranormalidade que, sem querer chegar em conclusões, mostrou os fatos como eles são. Aceito a teoria do "túnel de luz", de que o que as pessoas vêem em experiências quase-morte ser um problema do colapso de um grupo de células cuja função é inibir o excesso de atividade do córtex cerebral. Uma inteferência que, em simulações no computador, começa no centro do campo visual e, à medida que o oxigênio acaba, vai se alastrando pro resto do campo. Bastante lógico, mas não explica o fato das pessoas encontrarem parentes mortos, conversar com eles, lembrar de fatos novos (como por exemplo, saber dos procedimentos cirúrgicos que foram usados nele quando estava sem atividade cerebral!).

No livro Conscious universe (inédito no Brasil) o físico e parapsicólogo Dean Radin fez vários testes com Joe McMoneagle, um dos videntes com a mais alta taxa de acerto entre as cobaias utilizadas nas pesquisas militares:

Em 1979,os militares queriam saber o que havia dentro de um prédio na Rússia. Primeiro, deram coordenadas (lat. e long.) do local. O vidente descreveu o prédio e fez um desenho bastante semelhante ao edifício. Os militares então lhe entregaram uma foto do prédio feita por satélite e lhe pediram que dissesse o que havia lá dentro. McMoneagle disse que os russos estavam construindo um enorme submarino. A previsão parecia estranha: submarinos são construídos à beira d'água, e a água mais próxima do prédio russo ficava a centenas de metros. O vidente disse que em quatro meses, os soviéticos escavariam um canal para o submarino sair. De fato, quatro meses depois, havia um canal ligando o prédio à água, e um enorme submarino, classe Tufão, saiu da construção.

Referência: Leia mais sobre os espiões psíquicos


 
Ciência, Metafísica - publicado às 12:00 AM Sem comentários
EU SOU O QUE EU SOU
qui, 4 de setembro, 2003
 


O Divino lhe fez infinitos presentes: presentes aos seus olhos, presentes aos seus ouvidos, presentes ao seu corpo, presentes ao seu espirito. E você, homem, incauto e egoísta, se ocupa dos seus pensamentos mesquinhos e dos seus desejos errôneos. Olhe ao seu lado, observe a natureza e receba os presentes que lhe foram dados. Receba a beleza das flores, receba o frio da água, ou o calor do sol. Aprenda a se desligar de seus próprios mundos inferiores. Pois quem cria mundos e se aprisiona aos pensamentos inferiores, às mágoas, aos ressentimentos, às dores, às raivas; é o ego inferior desse homem, e não o homem na sua totalidade.

A presença Eu Sou é o divino no homem, é a luz do homem, é a fé do homem, é o amor do homem, é a crença do homem, é Deus no homem, é o Espírito Santo no homem, é o Pai e é o Filho do homem. Portanto, não adianta vocês repetirem Eu Sou O Que Eu Sou se vocês não são nada. Muito me decepciona quando ouço alguém falar Eu Sou O Que Eu Sou, quando na verdade: Eu sou um tolo, eu sou um egoísta, eu sou alguém que não compreende a grandeza do meu próprio ser.

Quando alguém ousar repetir Eu Sou O Que Eu Sou, que saiba o que está falando, senão vocês são piores que crianças ou papagaios. Pois mal usam a palavra, o verbo divino.
Observem suas vidas; o que vocês são? O que eu sou?
O que é a Presença Eu Sou em cada um de vocês?
Somente depois de terem se analisado, profundamente, é que vocês devem usar esse Mantra da sabedoria.
Quando nós oferecemos essa sabedoria ao homem, o Mantra Eu Sou O Que Eu Sou, queríamos que o homem dissesse:

Eu Sou Luz.
Eu Sou Perdão.
Eu Sou Amor.
Eu Sou Compreensão.
Eu Sou Sabedoria.

E vocês, se naquele dia, ou naquela semana ou naquele mês não forem nada disso, então não ousem repetir o Mantra Eu Sou O Que Eu Sou, porque vocês estarão reforçando comportamentos egoístas, crenças errôneas, pois Eu Sou O Que Eu Sou quer dizer:
Eu Sou Luz.
Não é para repetir: eu sou ego, não.
Eu sou Deus.
E quem ousar falar 'Eu sou Deus', ousará também perdoar; ousará também compreender; ousará também amar; ousará também ser livre; ousará também ser próspero.

Quando sugerimos, muitas vezes, que as pessoas deveriam estudar, não falo de muitos livros, de muitas leituras: falo de estudar a própria vida. Os livros são muito importantes, mas não trazem mais do que a vida. E lembrem-se: livros foram escritos por homens, homens como vocês. E aquele homem que é mais homem, viveu, sofreu, chorou, teve compromissos, teve desacertos e perdoou. Foi pai e foi filho. Portanto, não queiram conhecer apenas com a mente o que devem conhecer com o coração. Recebam os presentes que o Divino está enviando.

A mente de vocês serve ao Ser Divino que os habita. A mente de vocês serve ao sentimento amoroso que habita em cada um. A mente é o seu serviçal, não o seu dono, não o seu patrão. Ela é extremamente poderosa, mas mente, mas engana, porque o homem não transcendeu às suas próprias ilusões. Portanto, quando ousarem manifestar a sua Presença Eu Sou, sejam: Amor, Compreensão, Perdão, Sabedoria, Luz e Desprendimento. Enquanto não conseguirem ser tudo isso, não repitam enganos, não assumam o seu egoísmo. O amor divino é superior a qualquer outra espécie de amor. Portanto, falando da Presença Eu Sou, nós estaremos falando do amor devocional.

Eu sou El Moria, e a forma que entendo a devoção é o respeito. A forma que eu pratico a devoção é a reverência. A forma que eu sinto a devoção é a entrega. A entrega da minha vontade inferior à vontade do Divino. Porque o Divino É. E eu trabalho para ser o que Eu Sou.

Retirado do livro Os Sete Mestres, de Maria Silvia P. Orlovas


 
Holismo - publicado às 12:00 AM 2 comentários
PESSOAS ESPIRITUALISTAS
qua, 3 de setembro, 2003
 


As pessoas espiritualistas estão no mundo,
Mas não pertencem a ele.

Externamente são pessoas comuns,
Internamente são discípulos da Luz Espiritual.

Têm uma missão singular na existência:
Viver e espalhar o conhecimento espiritual na Terra.

Possuem as mesmas qualidades e os mesmos defeitos da maioria dos homens. No entanto, possuem uma condição especial que a maioria da humanidade ainda não tem:
A sensibilidade de perceber vibrações espirituais.

São pessoas comuns, como todas, mas têm um trabalho especial a fazer. Podem padecer de enfermidades e também enfrentam problemas pessoais, como pessoas comuns.

Contudo, há seres de luz vibrando energias sutis por elas, e sustentando-as continuamente, mesmo quando tudo parece perdido. Canalizam o amor que vem do mais Alto e, por isso, quando falam:
Elevam o pensamento de quem as ouve com atenção;
Elevam o sentimento de quem as percebe interiormente;
Elevam o padrão energético do ambiente em que se manifestam.

São Portadores da Luz e, portanto, condutores de almas para o Bem Maior.
Porém, como acontece a todos os seres humanos, também são açoitados por pensamentos negativos, sentimentos discordantes e energias perniciosas. Além disso, podem ser assediados por rajadas energéticas das trevas ou pelas pedradas da incompreensão dos outros a respeito do trabalho espiritual que abraçaram.

Não lhes falece, porém, o auxílio do Alto, que a todo instante lhes remete Energias superiores e inspirações beneficentes.

Por isso, os mentores espirituais sempre aconselham aos trabalhadores espiritualistas:
Discernimento, modéstia e compaixão, não só no trabalho espiritual, mas também nas coisas mais comuns da vida.

Há um trabalho a ser feito e só os mais fortes e amorosos conseguem vencer as barreiras humanas e astrais que são levantadas contra o esclarecimento espiritual.

Que cada espiritualista se conscientize de que:
O pensamento é força a ser educada;
O sentimento é o ouro da consciência;
A energia sadia é fruto do autodomínio sobre si mesmo.

Que Jesus nos abençoe e nos conduza ao Porto Maior, onde os enviados do Alto nos aguardam com flores de Luz pura.

André Luiz e Ramatís (Por Wagner Borges - 1995)


 
Espiritismo - publicado às 12:00 AM 1 comentário
SIGA EM FRENTE
seg, 1 de setembro, 2003
 


Queima a ponte que acabaste de atravessar.
Para quem não pode recuar só resta avançar.
Até o rato quando encurralado ataca o gato.

(Masaharu Taniguchi - Palavras de Sabedoria)

O que me lembra meus dois grandes Mestres:

Quem quer que ponha a mão na charrua e olhe para trás, não está preparado para o Reino de Deus
(Lucas 9:62)

Abandona o que está na frente; abandona o que está atrás; abandona o que está no meio. Cruza para a outra margem. Se tua mente está livre, não voltarás ao caminho da morte
(Buda)

Não é nada fácil, infelizmente... serve pra ilustrar o que eu já falei aqui, que não é por postar certas coisas que significa que eu seja o que eu postei. Eu bem que gostaria, mas sou falho, como todos nós. Não é porque eu quero sair da Matrix que eu já tenha saído. Não é porque eu procuro seguir Buda e Jesus que eu tenha atingido o nível deles. Coloco aqui as dicas. A execução ficará a cargo de cada um de nós, e o juiz será nossa própria consciência, mais NINGUÉM.

Há que deixar uma saída a um exército cercado. Mostra-lhes uma maneira de salvar a vida para que não estejam dispostos a lutar até a morte, e assim poderás aproveitar para atacá-los. Não pressiones um inimigo desesperado. Um animal esgotado seguirá lutando, pois essa é a lei da natureza.
(Sun Tzu - A arte da guerra)

 
Budismo, Cristianismo, Pensamentos, Taoísmo - publicado às 12:00 AM 1 comentário